(11) 5185-0570

(11) 99907-6292

Av. Arnolfo de Azevedo, 84 - Pacaembú - São Paulo - SP - 01236-0360

Verão

Cuidados com a Exposição Solar
O que a exposição excessiva ao sol pode causar à pele?
O protetor solar deve sempre fazer parte da rotina diária de higiene e beleza. A radiação UVA, grande responsável pelo envelhecimento cutâneo, mantém-se praticamente constante em todas as estações do ano, mesmo nos dias nublados e chuvosos. Tendo o cuidado de aplicar diariamente o fotoprotetor, evita-se o aparecimento de manchas, vasinhos e rugas. O ideal é que o produto seja aplicado pela manhã e reaplicado na hora do almoço e meio da tarde, para garantia de uma fotoproteção adequada. Além dos prejuízos estéticos, a exposição solar prolongada e de maneira inadequada pode causar câncer. O câncer de pele é considerado o tumor de maior incidência no Brasil, por isso, os cuidados com a pele devem começar na infância, a partir dos seis meses. O uso diário de protetor pode reduzir em até 85% as chances de desenvolver a doença. A maquiagem pode ser aplicada sobre o protetor solar, pois atua como barreira física, também auxiliando na fotoproteção, além de dar uma aparência mais saudável.
 
Recomendam-se filtros solares que ofereçam o seguinte:
  • Amplo espectro de proteção (protege contra raios UVA e UVB).
  •  Fator de Proteção Solar – FPS ≥ 30 (Proteção UVB).
  • PPD ≥ 8 (Proteção UVA).
  •  Resistência à água.
  • Um protetor solar com as características supra-citadas ajuda a proteger a pele contra queimaduras solares, envelhecimento precoce e câncer de pele. No entanto, filtro solar sozinho não protege totalmente a pele desses danos. Também é recomendado evitar à exposição solar das 10-16h, e, nos horários críticos (quando sua sombra é menor do que você), sempre que possível, buscar proteção solar extra, através do uso de mangas compridas, calças, chapéus de abas largas e óculos de sol.
  • O melhor protetor solar é o que você vai usar repetidas vezes (2/2h). 
  • O tipo de filtro solar escolhido é uma questão de gosto pessoal e pode variar, dependendo da área do corpo a ser protegida e das características da pele. Existem diversas opções disponíveis: loções, cremes, gel-cremes, géis, pomadas, bastões de cera, sprays etc.
  • Cremes são mais indicados para pele seca e aplicação no rosto. 
  • Quem tem pele oleosa, deve optar pelos géis, gel-cremes, cremes oil-free e loções. 
  • Géis também são indicados para áreas com muitos pêlos, tais como couro cabeludo ou peito, braços e pernas no sexo masculino. 
  • Bastões são interessantes para região ao redor dos olhos e lábios. 
  •  Os sprays são, por vezes, os preferido pelos pais, uma vez que são práticos e fáceis de aplicar nas crianças. Certifique-se de usar quantidade adequada para cobrir toda a superfície corpórea completamente e cuidado para não inalar esses produtos. 
  • Há também filtros solares feitos para fins específicos, tais como para pele sensível e bebês.
  • Independentemente do protetor solar escolhido, certifique-se de aplicá-lo generosamente e re-aplicar, pelo menos a cada 2h, para alcançar a proteção UV indicada no rótulo do produto.

Atenção: Sol em excesso é perigoso até com fotoprotetor! Muita gente se ilude achando que usar um FPS alto só uma vez ao dia ou um FPS baixo várias vezes ao dia as protege adequadamente, e acabam se expondo exageradamente ao sol. Ou muitas vezes não espalham o produto uniformemente em toda pele, nem após contato com a água. Muitos também acreditam que usar FPS significa, automaticamente, que podem abusar do sol a todo momento. Nessa ilusão, muita gente tem sofrido os males devidos ao sol bem mais precocemente. Todo cuidado é pouco!
   
A Ciência tem caminhado cada vez mais na busca de fotoprotetores ideias, com menor efeito alergênico e maior eficácia. Mantenha-se sempre informado junto ao seu médico, seguindo antes de tudo as orientações dele, especialmente se houver algum familiar com histórico de câncer de pele.
 
O maior contato da pele com a água do mar ou a água de piscinas pode prejudicar a pele?

 De acordo com recente pesquisa realizada pela Universidade de Oregon (EUA), a incidência de doenças causadas por vírus e bactérias pode ser 46% maior no verão do que em outras estações. Os pesquisadores apontam, ainda, que a cada dez graus de elevação de temperatura, o número de pacientes afetados por bactérias pode aumentar até 17%.
   
Doenças de pele, como “pano branco”, acne, impetigo e candidíase podem atingir qualquer pessoa e, em sua maioria, são causadas porque a pele fica úmida por mais tempo, seja pelo excesso de exposição ao sol, suor ou mergulhos no mar ou piscina.
   
Os produtos tradicionalmente usados nas piscinas para garantir que a água esteja sempre limpa e livre de microorganismos agridem muito a pele e, juntamente com o sol, podem representar um verdadeiro martírio para pessoas que têm as peles sensíveis ou para aqueles que desejam manter sempre a pele com aspecto saudável. Os produtos químicos usados são baratos e amplamente conhecidos. Muitos lugares que oferecem acesso coletivo as suas piscinas usam quantidades excessivas desses produtos como forma de controlar a proliferação de germes patogênicos e parasitas na água. Contudo, o contato constante entre esses produtos, pode trazer sérios prejuízos para a saúde da sua pele. Manchas, vermelhidão, ressecamento, rachaduras, alergias e outros problemas são comumente provocados pela dupla combinação de produtos químicos e sol. Além disso, há o perigo das micoses e infecções provocadas por germes resistentes aos produtos químicos usados e pelo contato físico entre os banhistas.
   
Para proteger a pele desses problemas, use sempre protetor solar, e, após a piscina abuse de hidratantes potentes (de preferência com indicação do dermatologista). Sempre tenha uma toalha e chinelos à mão para evitar pisar nas áreas úmidas fora das piscinas que também encerram grandes perigos para saúde da pele.
   
O sal do mar é outro grande inimigo da cútis, pois remove sua proteção natural, provocando a desidratação / ressecamento. Assim, antes de ir para a praia, o ideal é abusar de hidratantes e até mesmo do protetor solar que, atualmente, além do fator de proteção é enriquecido com vitaminas capazes de manter a pele protegida não apenas dos danos causados pelo sol, mas do desgaste provocado pela água marinha.
Após o banho de mar, o ideal é retirar a água salgada do corpo com uma ducha de água natural o mais breve possível e reaplicar o protetor solar. Outra dica interessante é levar para a praia água termal em spray (enriquecida com ativos capazes de promover a nutrição da pele). Borrifar o líquido de tempos em tempos, após a exposição ao mar e ao sol, sempre em conjunto com a proteção solar, ajuda a manter a hidratação da pele. Beber muita água também ajuda a manter a hidratação natural da pele, especialmente depois de um bom banho de mar. Já em casa, vale apostar no uso de hidratantes hipoalergênicos e com alta capacidade umectante.
 
 
Quais são as atitudes mais comuns adotadas durante o verão que podem prejudicar a saúde e estética da pele?
Com a chegada do verão é natural o aumento da transpiração e umidade do corpo, conseqüentemente aumentam os casos de micoses, uma doença causada por dermatófitos, fungos que aproveitam as condições favoráveis, para se reproduzirem e desencadear um processo infeccioso. É recomendado redobrar os cuidados com a higiene para evitar a contaminação, já que os fungos estão presentes em todos os lugares. Na maioria dos casos, os principais sintomas são coceiras, alterações da pele como manchas de coloração avermelhada ou esbranquiçada, lesões que variam de tamanho e quantidade.
   
A cura para a doença pode demorar alguns meses, porém existem medicamentos eficazes e seguros para o tratamento, que variam de acordo com o tipo da doença, e exige persistência, já que muitas vezes o fungo parece ter sido eliminado, quando na verdade ele ainda permanece no corpo. Portanto, o tratamento não deve ser interrompido e é importante seguir todas as orientações do especialista.
   
Além de evitar todas as formas de contágio, o ideal também é adotar alguns procedimentos que visam diminuir o risco de se contrair a micose, como usar sandálias; enxügar bem as áreas de dobras e espaço entre dedos dos pés e virilhas; utilizar roupas íntimas de algodão, já que as sintéticas dificultam a transpiração; evitar o uso de roupas quentes e justas; não utilizar pentes ou escovas de outras pessoas, entre outros cuidados. 
   
As crianças podem ser atingidas pelas brotoejas, que se manifestam por meio de bolinhas de água, principalmente na região do pescoço, resultado do calor e do excesso de transpiração. 
   
Outra doença de pele típica da estação é a larva migrans ou bicho geográfico, causada por parasitas intestinais do cão e do gato, que ao defecarem na terra ou areia eliminam nas fezes ovos que se transformam em larvas, que penetram na pele causando a doença.       Outro problema comum no verão é a fitofotodermatose. Deve-se ficar atento com as frutas cítricas, como o limão, figo, manga e caju, pois o sumo em contato com a pele exposta ao sol pode causar manchas, tipo queimadura. Os tratamentos dessas doenças podem ser feitos com medicamentos de uso tópico, como pomadas, em alguns casos remédios via oral. 
 
 Quais os cuidados que se deve tomar com a pele com no verão para que ela se mantenha bonita e saudável?
 Os cuidados básicos são, alimentação equilibrada; ingerir muito liquido; tomar sol na medida certa.; usar constantemente filtro solar passando em toda o corpo, várias vezes ao dia e de maneira adequada, espalhando-o bem; usar chapéu e óculos escuros e hidratantes pós-sol. Os produtos à base de vitaminas, principalmente as vitaminas C e E, antioxidantes, neutralizam as ações danificadoras dos raios ultravioleta.
   
Infelizmente os efeitos do sol na pele são sempre cumulativos e acontecem desde a primeira infância, desde o primeiro raio de sol atingindo-a. Além disso deve-se considerar a cor da pele da pessoa, e que cuidados ela teve até então. A pessoa pode cuidar da pele tornando os devido cuidados já mencionados tais como, usar hidratantes, produtos anti-oxidastes, etc. Contudo, quando a pele estiver danificada, muito envelhecida ou com suspeita de câncer de peie, somente o médico poderá resolver.
 
Dicas para os dias quentes:
1- Hidratar
Alguns cuidados são importantes para preparar a pele para os dias quentes como beber muito liquido, usar sabonete neutro, tomar banho rápido, tomar banho não muito quente e passar hidratante 1x/dia
2- Nutrir
Usando hidratantes com vitaminas, isoflavona, uréia, ácido hialurônico, vitaminas E, A e C que também ajudam a manter o bronzeado. O hidratante pode e deve ser usado após o banho, pois a pele está mais receptiva a penetração da mesma. Mãos e pés, assim como cotovelos e joelhos devem ser mais hidratados.
3- Esfoliar
As primeiras esfoliações ao sol, depois do inverno, são as mais importantes para que o bronzeado seja bonito e saudável. A esfoliação é interessante para atenuar as células mortas e tornar a pele mais homogênea. Geralmente os cotovelos e joelhos estão mais ressecados, enquanto algumas áreas como braços e pernas apresentam áreas de descamação. Esfoliar com produtos como grânulos de polietileno, produtos abrasivos com sementes naturais como apricot, hamamélis e uva, também ajudam na hidratação da pele. Esfoliar 1x semana, ajuda a pigmentação tornar-se regular e persistente.
4- Tomar sol aos poucos
Se a pessoa estiver muito "branquinha" não adianta tomar 10 horas de sol para forçar o bronzeamento. Isto porque o tiro sai pela culatra e ela fica vermelha, queimada e acaba descamando. O ideal é ir tomando sol aos poucos sempre com filtro solar. A pele vai ficando morena aos poucos e o bronzeado dura mais tempo.
5- Usar bem e conseguir o melhor
O filtro solar protege sua pele e permite que você adquira cor mais saudável. Ele deve ser passado 30 minutos antes da exposição ao sol. Deve ser bem espalhado. Não esquecer das orelhas e dorso do pé.
6- Usar o bronzeador sem sol
O autobronzeador ou bronzeador sem sol, promove a mudança de cor sem necessidade da luz ultravioleta. Porém, ele ajuda a pessoa não sentir a ansiedade de adquirir a cor tão rapidamente. Usando a dihidroxiacetona dias antes de começar a exposição ao sol haverá um certo grau de proteção e também menos pressa, pois a pele já está bronzeada e bonita.
7- A alimentação no verão deve ser leve e saudável
Comer cenoura, mamão, laranja, tomate, ajuda a conseguir melhor bronzeado. É a ação do betacaroteno que ajuda a promover maior proteção. Ingerindo estes alimentos e também muita vitamina C (laranja, limão, acerola) e E (grãos) haverá ação anti-oxidante da mesma e maior duração do bronzeado. Além disso, o mais importante é que a quantidade do filtro seja adequada (camada grossa).
 
Existem cuidados simples que podem ser feitos no dia-a-dia de maneira a garantir a saúde da pele?
Para manter a pele com aparência saudável, é necessária a limpeza diária,
que tem como finalidade remover as células mortas, maquiagem, gordura
e impurezas.
   
Usar apenas água é ineficaz para a limpeza da pele, é necessário desengordurá-la com um sabonete. No entanto, sabonetes tendem a deixar a pele áspera e seca, sendo preferíveis sabonetes líquidos e cremosos, elaborados com substâncias de baixa irritação cutânea. A pele elimina permanentemente sebo e gorduras, além do suor, formando uma película hidrolipídica. Esta emulsão é fundamental para a lubrificação, coesão e proteção da pele. Quando as glândulas sebáceas produzem mais sebo do que é necessário, a pele se torna oleosa ou seborreica. As pessoas com esse tipo de pele devem usar produtos capazes de proteger e, ao mesmo tempo, regularizar a produção sebácea. Podem ser utilizados leites ou loções de limpeza sem óleo, géis ou soluções hidroalcoólicas para a higiene diária, devendo ser evitados produtos com excesso de álcool, que acabam aumentando a oleosidade da pele (“efeito rebote”).
   
Pessoas com pele normal ou seca devem preferir leites ou loções de limpeza, produtos estes que ajudam a manter a aparência saudável da pele sem ressecá-la.

A pele deve ser limpa duas vezes ao dia, pela manhã e à noite. A limpeza é im-
portante para a melhor penetração do filtro solar e tratamento antienvelhecimento.
   
A falta de água (ressecamento) e a diminuição da elasticidade da cútis ocorrem quando a perda de água do extrato córneo é maior que a sua reposição.
Como já citado anteriormente, a pele possui em sua superfície uma espécie de mistura de sebo e suor, chamada película ou manto hidrolipídico, que tem como função manter o teor adequado de água. Esse manto defende a pele de agressões externas e de infecções por micro-organismos, como fungos e bactérias.
   
Vários fatores podem fazer com que a pele fique desidratada. As variantes climáticas como o vento, as mudanças bruscas na temperatura e o ar seco favorecem a evaporação da água através da pele, diminuindo seu grau de hidratação. As substâncias químicas como detergentes e solventes orgânicos eliminam a gordura da superfície da pele, fazendo com que ela fique desprotegida e desidratada. Além disso, com o processo de envelhecimento, o teor de água da pele vai diminuindo. Por isso é comum ver idosos com a pele ressecada. O fumo e outros poluentes também originam maior perda de água.
   
Uma pele seca e desidratada fica opaca, áspera, sem elasticidade e com tendência à descamação. Além disso, sua função principal, que é de proteção, fica prejudicada.
Dessa forma, alguns cuidados são de fundamental importância para manter a hidratação da pele: evitar banhos quentes e muito demorados; não utilizar sabonetes alcalinos em excesso; não dispensar um bom hidratante.
   
Vários são os princípios ativos utilizados em produtos de ação hidratante. Existem as substâncias que realizam uma hidratação ativa da pele, como a ureia, o lactato de amônio, o ácido hialurônico e a hidroxiprolina. Já os agentes de oclusão impedem a perda de água através da pele. São ativos de ação oclusiva os óleos vegetais (abacate, macadâmia, maracujá, malaleuca, prímula, uva, manteiga de karité), lanolina, silicones, va­selinas, ceramidas, entre outros. Os alfa-hidroxiácidos, como os ácidos glicólicos em concentrações baixas, são hidratantes ativos, pois promovem melhoria da camada córnea. As pessoas com pele oleosa devem preferir hidratantes com veículos em gel ou loções sem óleo. Já as pessoas com pele seca podem usar produtos cremosos, loção cremosa ou até mesmo com óleo.
   
O creme hidratante deve ser usado de uma a duas vezes por dia, sendo bem espalhado em toda a face. Hoje existem hidratantes com filtro solar que são práticos e combinam dois tipos de funções num só produto.  O corpo, assim como a face, também deve ser hidratado uma vez por dia, de preferência após o banho. Muitas vitaminas e produtos antienvelhecimento podem ser incorporados aos hidratantes.
   
A dieta e o estado geral da pessoa determinam o nível de oxigenação da pele. Os cremes mantêm a hidratação e podem ter algumas ações para reverter o fotoenvelhecimento. Quando o termo “nutrição” é utilizado, trata-se de um produto com poderes hidratantes e ativos que melhoram os sinais do envelhecimento. Esses produtos são recomendados principalmente para uso no rosto e pescoço, de preferência à noite, podendo ser alternados com uso de ácidos mais potentes. Antes do creme utilizado à noite, a pele deve estar limpa e sem resíduos.
   
Os produtos para limpeza, hidratação e nutrição devem ser espalhados no rosto, deixando uma camada fina e homogênea. Passar de cima para baixo ou de baixo para cima não é essencial, porém se for para escolher um, o melhor movimento é de baixo para cima.
   
Embora as indústrias estejam desenvolvendo cada vez mais cosméticos que não prejudicam a pele, devemos tomar muito cuidado na escolha dos produtos para maquiagem. Aqui seguem alguns cuidados:
  • • Base: deve ser leve, não-oleosa, em cores próximas à da pele. O uso não é recomendado para peles muito oleosas e acneicas. Muitas bases contêm também filtro solar, o que ajuda a prevenir o envelhecimento.
  • • Pó compacto: pode ser usado como substituto da base, principalmente em peles mais oleosas. O pó também pode conter filtro solar.
  • • Batom: pode ser usado, de preferência com filtro solar, cremosos e de boa qualidade. Batons que mudam de cor e os de longa duração devem ser evitados.
  • • Rímel, sombra, delineador, lápis, corretivo: os produtos para os olhos devem ser de marca idônea e não podem ser passados na área interna dos olhos.
É importante ressaltar que qualquer pessoa, a qualquer momento, pode apresentar alergia à maquiagem. Isso não significa, necessariamente, que o produto seja inadequado; a pessoa é que pode ter se tornado alérgica.
 
Recomendações:
  • Antes de se deitar, a maquiagem deve ser cuidadosamente retirada, para evitar obstrução dos óstios.
  • Os cuidados de limpeza, hidratação, nutrição e proteção em relação à radiação ultravioleta devem ser constantes em qualquer época do ano.
  • As características do cosmético utilizado podem ser modificadas conforme a estação do ano.
  • Em geral, a pele apresenta modificações de acordo com o clima. No verão, há maior produção de sebo e a pele fica mais oleosa, brilhante e mais propensa à acne. No inverno, ao contrário, há maior ressecamento, diminuição do óleo e do brilho, fechamento dos óstios e descamação.
  • Cosméticos importados podem não ser adequados à pele dos brasileiros. Lembre-se de que nossas temperaturas são mais altas, proporcionando maior produção de óleo durante todos os meses do ano e que, portanto, os produtos importados podem não se adequar às características da pele brasileira. Além disso, embora de boa qualidade, eles podem ser pesados ou obstrutivos.
 É possível prolongar o bronzeado tomando alguma atitude?
Alimentação equilibrada, ingestão adequada de líquidos, tomar sol na medida certa, usar constantemente filtro solar passando em toda o corpo, várias vezes ao dia e de maneira adequada, espalhando-o bem, usar chapéu e óculos escuros e hidratantes pós-sol; são medidas fundamentais para bronzear-se de maneira saudável e manter o bronzeado por mais tempo. Alguns suplementos por via oral, contendo beta-caroteno, vitamina C, licopeno, entre outros; podem evitar as queimaduras solares, potencializar e prolongar o bronzeado e inibir radicais livres, mas devem ser indicados pelo médico dermatologista.
   
A hidratação da pele no pós-sol é de extrema importância para mantê-la com aparência saudável. O hidratante adequado vai depender das características da pele de cada pessoa. O profissional mais habilitado para avaliar o tipo de pele e os produtos mais indicados para ela é o médico dermatologista. O importante é usar um hidratante em quantidade suficiente para recobrir toda a pele do corpo. Geralmente, cremes mais densos, são indicados para peles mais secas já que eles são ricos em matérias-primas oclusivas (matérias-primas mais oleosas, que formam um filme oclusivo sobre a pele, impedindo a água de evaporar); os cremes mais fluidos são indicados, principalmente, para pele normal a oleosa, pois são ricos em matérias-primas umectantes (retiram água da atmosfera, ou seja, do ar, atraindo-a para a pele, além de "puxar" água da profundidade da pele, atraindo-a para as camadas mais superficiais da pele, hidratando-a). Atualmente, a maioria dos hidratantes possui outras substâncias que fazem mais que hidratar, como as vitaminas C e E, que impedem a produção de radicais livres, importantes para o envelhecimento da pele, e a vitamina A, conhecida como retinol, que estimula a produção de fibras elásticas e colágenas, tornando a pele mais firme, e, os filtros solares, que diminuem a produção de radicais livres e a degradação de fibras elásticas e colágenas, os quais predispõem ao envelhecimento da pele, bem como impede a queimadura solar, a qual favorece o aparecimento do câncer de pele. O ideal é passar por uma avaliação dermatológica para que o especialista indique o produto mais adequado para o seu tipo de pele.
   
Manter a pele hidratada não é só uma questão de estética: é também fundamental para prevenir o aparecimento de diversas doenças. Com a pele hidratada, mantemos a barreira cutânea íntegra, o que impede a descamação e aparecimento de áreas de coloração opaca, mantendo o tom normal ou bronzeado da pele por mais tempo, além de impedir a instalação de infecções oportunistas, sejam bacterianas ou fúngicas.  
Cuidados com a Pele e Cabelo no Verão
No verão detonei o meu cabelo. Como posso deixá-lo brilhante, sedoso e sem o aspecto de palha? Devo parar de passar chapinha e secador? Por que isso prejudica meus fios? Meu cabelo é seco e armado. O que devo fazer para diminuir essa volume? Devo usar quais produtos? Devo mudar minha alimentação? Minha pele e cabelo são oleosos. Como posso diminuir o aspecto gorduroso? Devo mudar minha alimentação? Quais são os produtos certos para usar?
Os cabelos existem para proteger regiões, como o couro cabeludo, contra a ação do frio, do calor e do excesso de luz solar. Além disso, também revelam a saúde do nosso organismo e podem sofrer por causa de doenças internas, ou mesmo, agressões externas, como o uso de produtos inadequados ou excesso de química (tinturas, por exemplo) e de sol.
   
O fio é composto principalmente por queratina, proteína que possui alta concentração de cisteína – aminoácido responsável pela elasticidade e flexibilidade do cabelo. A camada externa é a cutícula, composta por camadas de células de queratina sobrepostas como escamas, é transparente e tem como função proteger o córtex contra agressões externas, além de manter a maciez e o brilho dos cabelos. O córtex é a parte mais importante do fio de cabelo, sendo responsável por sua elasticidade e resistência. Sua estrutura é composta por queratina, cuja composição tem muitos aminoácidos, entre eles a cisteína, responsável pelas pontes de enxofre, que ligam de maneira consistente a queratina à estrutura do fio. No interior do córtex, dentro das células queratinizadas, está a melanina – proteína responsável pela cor dos fios. A camada mais interna do cabelo é a medula. Seu canal pode estar vazio ou preenchido por queratina esponjosa. Ao sofrer impacto por produtos químicos agressivos pode quebrar até desaparecer.
   
Cabelos bonitos possuem cutícula íntegra e saudável, ou seja, suas escamas se mantêm encaixadas de forma perfeita para envolver a haste capilar, que é a parte visível do fio. Quando a cutícula é agredida, ela racha e se desprega, formando as pontas duplas. O cuidado diário é muito importante e envolve a escolha de produtos adequados ao tipo de cabelo, sempre com atenção para os que possuem aprovação dos órgãos de saúde, como a Anvisa.
   
Embora os mais modernos penteados e cores pareçam maravilhosos, muitas mulheres estão submetendo seus cabelos a produtos químicos, secadores e “chapinhas” de forma excessiva, fazendo com que os fios fiquem danificados. Com o tempo, o cabelo brilhante pode ficar opaco e frágil, necessitando uma revisão completa de cuidados para melhorar sua saúde e aparência. As mesmas coisas que fazem o cabelo parecer lindo, como o uso de tinturas, permanentes e técnicas para alisamento, podem danificar sua estrutura e afetar sua aparência.
   
Quando o cabelo sofre um dano, a camada lipídica externa protetora da cutícula, responsável por deixar os cabelos brilhantes, é removida. O resultado são cabelos secos, opacos e indomáveis. Muitos produtos têm sido desenvolvidos para combater os efeitos dos tratamentos químicos excessivos, sendo a hidratação regular obrigatória aos cabelos danificados.
 
O calor é outra fonte comum de danos ao cabelo, o mesmo produz uma condição conhecida como “cabelo bolha”. Isto ocorre quando a água presente nos fios, responsável pela flexibilidade dos mesmos, aquece e evapora, levando à formação de bolhas dentro da haste e consequentes áreas de perda da cutícula. Sinais que indicam a ocorrência desse tipo de dano: cabelo que cheira queimado, frizzy nas pontas e fios quebradiços. Mudanças dramáticas de temperatura significam sofrimento ao cabelo. Do mesmo modo, ocorrem transformações no cabelo quando este fica muito tempo exposto ao calor, resultando em cabelos quebradiços. Proteger o cabelo do calor excessivo é essencial para mantê-lo saudável. Cabelos danificados pelo calor não podem ser reparados, a área danificada deverá ser cortada.
   
Os xampus são formulações que contêm substâncias que limpam os fios e couro cabeludo, evitando dermatites, caspa e infecções por fungos e bactérias. Hoje há produtos com funções mais complexas, como aumentar ou diminuir o volume, restaurar e facilitar o ato de pentear.
   
Os indicados para cabelos oleosos possuem mais componentes de limpeza, enquanto os formulados para cabelos secos apresentam mais elementos condicionadores. Existem os que contêm agentes anti-caspa, vitaminas e hidratantes. O ideal é a pelo menos cada 15 dias, lavar os cabelos com um xampu anti-resíduo para eliminar produtos que se acumulam nos fios, deixando-os com aspecto pesado. Também é interessante alternar pelo menos dois tipos de xampus.
   
Existem ainda os condicionadores. Ricos em proteínas, eles têm como função devolver a gordura natural perdida durante a lavagem. Também devem deixar os cabelos fáceis de pentear e restaurar a uniformidade dos fios agredidos química ou mecanicamente. Dê preferência aos que são feitos com extratos de substâncias naturais, como jojoba, ou enriquecidos com proteínas. Por último, protegem os fios da fricção, diminuindo a eletrostática.
   
Uma causa comum da fragilidade dos fios é o uso do secador em alta temperatura. O aquecimento provoca a evaporação da água natural dos fios, enfraquecendo-os. Muitas pessoas têm dúvida se as substâncias modeladoras, como gel e fixador sem álcool, causam danos. Esses produtos não prejudicam e, quando são de boa qualidade, não provocam queda de cabelo.
   
Colorir os cabelos é uma das mudanças visuais mais praticadas pelas mulheres. Com mais tinturas sofisticadas e de melhor qualidade à mão, praticamente não há risco de ocorrer queda em função desse procedimento. Existem duas técnicas básicas para colorir os fios: tintura temporária e permanente. Na primeira, usa-se tonalizante – um tipo de xampu, indicado para realçar o tom natural do cabelo e esconder os fios brancos. Essa tintura, dura em média 20 lavagens e não possui produtos em sua formulação que abram as escamas do cabelo. Já a tintura permanente é a que em geral tem amônia e água oxigenada na fórmula para que possa alterar a cor original do fio. Como tem duração mais longa e é mais agressiva, deve ser aplicada por um profissional.
   
Alisamento, relaxamento e permanente são processos químicos semelhantes na sua origem. Todos alteram a forma original das hastes, que é determinada pelas pontes químicas de hidrogênio e enxofre, responsáveis naturais pela distribuição da queratina dentro do cabelo. Ao alterar essa forma para alisar um cabelo encaracolado ou encaracolar um cabelo liso, usa-se um produto que abre a cutícula. Em seguida, é aplicado outro que quebra as pontes de enxofre. Logo após, posiciona-se o cabelo na forma desejada e neutraliza-se a substância para estabilizar os fios, que ficarão lisos ou cacheados até que essas pontes químicas se refaçam.
   
Uma forma rápida de obter o mesmo resultado é usar produtos que aplicam calor nos fios, como a chapinha larga para alisar e a estreita para enrolar. O aquecimento local quebra as pontes de hidrogênio, que são mais fracas e mantêm a modelagem desejada até o cabelo ser lavado novamente.
   
Nos dois casos. A haste sofre, pois não há como evitar a desidratação dos fios. É por isso que os cabelos modificados quimicamente são mais desidratados e devem ser submetidos a banhos com cremes hidratantes pelo menos uma vez por semana.
    
Nos últimos anos surgiram novas formas para alisar o cabelo, como a escova progressiva e suas variantes, a escova francesa, o alisamento japonês, entre outras. Produtos alisantes registrados na Anvisa não oferecem riscos à saúde. Mas muitos salões de beleza acrescentam formol a seus preparados. Usam concentrações maiores do que 0,5%, proibidas pela agência. O formol é tóxico, pode causar irritação nas mucosas e, dependendo da quantidade, acaba sendo absorvido pelo organismo e causa sérios problemas.
  
Para ter cabelos saudáveis e bonitos são necessários cuidados tão importantes como os cuidados com a sua pele. A melhor maneira de prevenir e reparar as agressões aos cabelos é entender como ocorrem os danos.

Os danos aos cabelos resultam de traumas mecânicos e químicos que alteram as estruturas físicas do cabelo. O cabelo tem três camadas básicas, a cutícula, o córtex e a medula. A cutícula é camada mais externa da escala de proteção. É a principal estrutura do cabelo e é responsável pela força, brilho, textura, maciez e maleabilidade dos fios. Existe também uma camada de sebo, uma substância oleosa secretada pelos folículos capilares, que recobre a cutícula e adiciona
brilho e maleabilidade ao cabelo. O córtex fornece força ao eixo do cabelo, e determina a cor e a textura. A medula é a camada mais interna do cabelo onde são determinados o corpo e a força do cabelo.

A cutícula pode ser lesada por meios químicos ou mecânicos, como descoloração ou secadores de cabelos. Os fatores ambientais, como exposição à luz solar, poluição, vento, água do mar ou de piscina também podem causar danos. Quando a cutícula é agredida por esses fatores, a proteção é diminuída e as outras camadas do cabelo são expostas. Em alguns casos, até mesmo a camada mais interna, a medula, é exposta e pode sofrer danos.

Há quatro fatores que são muito importantes para um cabelo saudável: brilho, eletricidade estática, força e exposição solar.
 
 
 Brilho
Cabelo brilhante sempre foi comparado com cabelo saudável, mesmo que a saúde de um folículo capilar não possa ser determinada devido a sua localização dentro do couro cabeludo. Esse brilho é devido à luz refletida por uma superfície lisa. Se as cutículas estão abertas, em conseqüência das agressões citadas acima, os fios não retêm água nem proteínas e a superfície do fio de cabelo fica porosa, não refletindo a luz.

Condicionadores contendo agentes que formam uma película sobre o fio podem aumentar o brilho dos cabelos e ajudar as camadas de cutículas a cobrirem o eixo dos cabelos dando uma aparência mais lisa ao cabelo.
 
Eletricidade estática
Pentear ou escovar o cabelo faz com que os fios se tornem carregados negativamente, criando eletricidade estática e deixando os fios arrepiados. Cabelos finos são mais suscetíveis à eletricidade estática que os cabelos mais grossos devido à maior área de superfície da cutícula. Os condicionadores que contêm amônia quaternária podem reduzir a eletricidade estática por produzirem uma carga positiva nos fios, neutralizando a eletricidade estática.
 
Força

Condicionadores com ingredientes como proteínas hidrolisadas ou queratina capilar humana hidrolisada, que possuem um baixo peso molecular, ajudam a aumentar a força dos cabelos. Elas penetram facilmente nos fios, nutrindo-os.

Estas proteínas também podem ser usadas para as "pontas duplas". As "pontas duplas" ocorrem depois que a cutícula protetora foi desnudada das fibras do cabelo em conseqüência de substância química ou trauma físico, mas também pode ser um resultado de escovação vigorosa. Enquanto não há nenhum meio de reverter as "pontas duplas", aparar as pontas a cada 2 ou 3 meses e tratamentos de condicionamento profundo ajudam a manter os fios flexíveis e com boa aparência.
 
Exposição solar

A exposição aos raios UV pode induzir a oxidação das moléculas de enxofre dentro do eixo capilar, que são importantes para a força dos cabelos. Quando ocorre essa oxidação, os cabelos de tornam quebradiços, ressecados e ásperos.
Os cabelos descoloridos ou com luzes podem também apresentar pequenas mudanças de cor quando expostos aos raios UV. O cabelo loiro pode desenvolver um "foto-descoloramento", deixando-os amarelados. Até mesmo os cabelos castanhos podem mudar de cor, tendem a desenvolver uma coloração avermelhada devido à oxidação dos pigmentos de melanina.
Para proteger seus cabelos dos danos causados pelos raios solares, procure usar condicionadores "leave-in" que contenham óxido nítrico. Outra proteção são os bonés e chapéus feitos de materiais sólidos.
 
Dicas para o cuidado diário
 
  • Use sempre xampu e condicionador adequados ao seu tipo de cabelo: oleoso, normal, seco, misto, colorido etc. 
  • Não use xampu demais nem o coloque diretamente sobre a cabeça. Espalhe-o nas mãos e só depois esfregue-o nos fios e no couro cabeludo, com a ponta dos dedos (nunca com as unhas). O excesso do produto pode provocar irritação, enfraquecimento da raiz, descamação e até queda. 
  • Enxágüe bem os cabelos para retirar o excesso de xampus e condicionadores e use um xampu anti-resíduos uma vez por semana. O produto elimina impurezas e os resíduos de produtos cosméticos que se depositam nos fios, roubando o brilho. 
  • Nunca tome banho de água quente, pois ela abre as cutículas do fio. Prefira água morna ou fria. Se puder, dê a última enxaguada com água fria. A água fria ajuda a fechar as cutículas e devolve o brilho dos cabelos. 
  • Depois de lavar os cabelos, utilize um produto leave-in que intensifica o tratamento dos produtos hidratantes. 
  • Antes de usar o secador retirar o excesso de água com uma toalha, apenas espremendo os fios. Depois trabalhe com o secador a uns 15 centímetros dos fios, em temperatura mínima ou média. Produtos específicos para proteger o cabelo do calor também ajudam evitar que os fios fiquem quebradiços. 
  • Evite ar condicionado, pois deixa o cabelo ressecado e, conseqüentemente, mais frágil, retirando o brilho natural. Para formar uma barreira de proteção aos fios, aplique algumas gotinhas de silicone que ajuda também a selar as pontas duplas. 
  • Evite passar as mãos nos cabelos constantemente, principalmente nos oleosos. 
  • A alimentação é um fator muito importante para manter a beleza dos fios. Procure comer alimentos protéicos - como carnes, leite e ovos - e os ricos em vitaminas do complexo B (presentes em cereais integrais, peixes, frutos do mar e vegetais folhosos), pois eles ajudam a nutrir o couro cabeludo. 
  • Proteja os cabelos do sol. Use chapéu e mantenha-os hidratados. 
  • Para quem tem cabelos ressecados e com pontas duplas:
- use condicionadores após o xampu.
- use regeneradores de pontas após o banho.
- evite pentear frequentemente os cabelos.
- evite o calor intenso dos secadores.
  •  Para quem tem cabelos oleosos:- evite usar condicionador próximo à raiz dos cabelos ou xampus que contenham condicionadores na sua fórmula (2 em 1).
- evite lavar a cabeça com água quente.
- evite alimentos gordurosos e bebida alcoólica.
- beba bastante água e coma frutas, legumes e verduras.
- cuidado com o estresse, ele pode aumentar a produção de oleosidade.
- além da oleosidade existe caspa e coceira? Pode ser dermatite seborreica. Neste caso, procure um dermatologista para o correto diagnóstico e tratamento.
 
 
 
Tenho pequenas manchas brancas na minha pele. O que isso? Deve coçar? Quem devo procurar?
   Manchas brancas podem ser um sinal de diferentes problemas de pele. Ex: ressecamento, alergia, micose etc. O ideal é procurar um dermatologista para avaliação, diagnóstico e tratamento adequados.
 
Tomei muito sol, como faço a minha pele descascar menos? Quais sãos os cuidados que devo tomar para não manchar minha pele?
    É importante começar o tratamento da queimadura solar o mais rapidamente possível. Além de interromper à exposição à radiação UV, recomenda-se:
Banhos frescos para reduzir o calor.
Hidratantes para ajudar a aliviar o desconforto causado pelo ressecamento e tornar a recuperação cutânea mais rápida. Assim que sair do banho, delicadamente seque com uma toalha, mas deixe um pouco de água na superfície da pele. Em seguida, aplique o hidratante, isso ajuda na retenção da água na pele.
 Antinflamatórios não esteróides, como por exemplo a aspirina e ibuprofeno, podem ajudar a reduzir o inchaço, vermelhidão e desconforto.
Beber muita água. A queimadura solar leva à perda de líquidos para a superfície da pele. Beber mais água evita a desidratação.
Se existem bolhas na pele, no mínimo, você tem uma queimadura de segundo-grau. Nesse caso é recomendado que:- Não manipule as bolhas, deixe que elas cicatrizem sozinhas. As bolhas se formam para ajudar a pele a recuperar-se e protegê-la da infecção.
- Se as bolhas cobrem uma grande área, ou você apresenta calafrios, dor de cabeça ou febre, procure atendimento médico imediato.
- Com qualquer queimadura solar, você deve evitar o sol enquanto a pele cicatriza. Certifique-se de cobrir aa áreas afetadas toda vez que dirigir-se ao ar livre.
 
 Como sei qual é o protetor solar certo para mim?
Recomendam-se filtros solares que ofereçam o seguinte:
  • Amplo espectro de proteção (protege contra raios UVA e UVB).
  •  Fator de Proteção Solar – FPS ≥ 30 (Proteção UVB).
  • PPD ≥ 8 (Proteção UVA).
  •  Resistência à água.
  •     Um protetor solar com as características supra-citadas ajuda a proteger a pele contra queimaduras solares, envelhecimento precoce e câncer de pele. No entanto, filtro solar sozinho não protege totalmente a pele desses danos. Também é recomendado evitar à exposição solar das 10-16h, e, nos horários críticos (quando sua sombra é menor do que você), sempre que possível, buscar proteção solar extra, através do uso de mangas compridas, calças, chapéus de abas largas e óculos de sol.
  • O melhor protetor solar é o que você vai usar repetidas vezes (2/2h). 
  • O tipo de filtro solar escolhido é uma questão de gosto pessoal e pode variar, dependendo da área do corpo a ser protegida e das características da pele. Existem diversas opções disponíveis: loções, cremes, gel-cremes, géis, pomadas, bastões de cera, sprays etc.
  • Cremes são mais indicados para pele seca e aplicação no rosto. 
  • Quem tem pele oleosa, deve optar pelos géis, gel-cremes, cremes oil-free e loções. 
  • Géis também são indicados para áreas com muitos pêlos, tais como couro cabeludo ou peito, braços e pernas no sexo masculino. 
  • Bastões são interessantes para região ao redor dos olhos e lábios. 
  •  Os sprays são, por vezes, os preferido pelos pais, uma vez que são práticos e fáceis de aplicar nas crianças. Certifique-se de usar quantidade adequada para cobrir toda a superfície corpórea completamente e cuidado para não inalar esses produtos. 
  • Há também filtros solares feitos para fins específicos, tais como para pele sensível e bebês.
  • Independentemente do protetor solar escolhido, certifique-se de aplicá-lo generosamente e re-aplicar, pelo menos a cada 2h, para alcançar a proteção UV indicada no rótulo do produto.
Verão e Pele – Perguntas e Respostas
No verão é mais comum aparecerem micoses nas unhas? Por que? Como evitar?
Calor e umidade são os grandes facilitadores do surgimento da onicomicose, popularmente conhecida como micose de unha. Muito comum nessa época do ano, a doença incomoda por prejudicar a aparência e costuma causar constrangimentos. Além disso, lesões nas unhas podem ser a porta de entrada para infecções mais sérias. Alguns locais muito mais freqüentados no verão representam um risco maior de contato com os fungos causadores da doença, como piscinas e praias. As fontes de infecção podem ser o solo, animais, outras pessoas ou alicates e tesouras contaminados. As unhas mais comumente afetadas são as dos pés, pois o ambiente úmido, escuro e aquecido, encontrado dentro dos sapatos e tênis, favorece o seu crescimento. Hábitos higiênicos são importantes para se evitar as micoses.
  • Não ande descalço em pisos constantemente úmidos (lava pés, vestiários, saunas).
  • Observe a pele e o pelo de seus animais de estimação (cães e gatos).  Qualquer alteração como descamação ou falhas no pêlo procure o veterinário.
  • Evite mexer com a terra sem usar luvas.
  • Use somente o seu material de manicure.
  • Evite usar calçados fechados o máximo possível.  Opte pelos mais largos e ventilados.
  • Evite meias de tecido sintético, prefira as de algodão.
  • Evite andar descalço em locais como praias, piscinas e vestiários. Use sempre um chinelo.
  • Não compartilhe toalhas de praia e banho.
  • Higienize corretamente os pés e seque bem. O secador de cabelo pode ajudar a eliminar a umidade.
  • Mesmo estando em tratamento, o sapato fica contaminado e os fungos têm condições de proliferar. Por isso é importante deixar os sapatos arejarem após o uso e evitar usar o mesmo calçado todos os dias. 
A unha pode ficar mais quebradiça no verão, por causa da praia, piscina e calor? Como evitar ou tratar? Que outros cuidados as mulheres devem ter com as unhas no verão?
No verão as cutículas tendem a ficar mais ressecadas e o cloro da piscina pode deixar as unhas quebradiças e causar descamação da lâmina ungueal. Hidratar as unhas e cutículas, de preferência com creme a base de uréia, é interessante para manter uma aparência saudável. O ideal seria passar o hidratante a cada lavagem de mãos ou quando você senti-las muito secas. As ceras nutritivas são ótimos aliados para manter a hidratação das cutículas, são à base de óleo, mas não deixam as mãos com aspecto oleoso e podem ser usadas por cima do esmalte. A cera deve ser aplicada três vezes por dia, para manter a cutícula hidratada. Reserve uma semana do mês para deixar a unha sem esmalte ou remova dois antes de ir à manicure se quiser pintar toda semana. Cloro e água do mar mudam a cor do esmalte. Desista dos "branquinhos" se não quiser ficar com as unhas amareladas. Aposte em esmaltes beges ou bases.
 
As mulheres devem ir à manicure, tirar cutícula, pintar, esfoliar o pé, etc. antes de ir para a praia ou piscina, ou pode ser perigoso? Por que? Como cuidar do pés e das pernas no verão? É normal que essas áreas fiquem mais ressecadas por causa da piscina e mar? Como evitar e tratar?
 É nessa época que pés e mãos ficam mais em evidência. Dicas de cuidados:
Pés
Faça o pé, no mínimo, três dias antes de pisar na areia: é o tempo necessário para que ele resgate suas defesas. Unhas sem cutícula e pés lixados são portas abertas à entrada de fungos, vírus e bactérias.

Se for prolongar a temporada, faça apenas um serviço de manutenção: lixe a unha, hidrate a cutícula e troque a cor do esmalte.

O ideal é usar diariamente, de preferência à noite, um esfoliante e um creme hidratante potente. A dupla é suficiente para retirar células mortas e garantir pés macios, sem asperezas.

Não use lixa. Ela reduz a calosidade, mas também elimina a proteção da sola, que reage formando outra camada. 

Que tipo de depilação é mais adequada para a mulher que vai curtir praia ou piscina, e quanto tempo antes da viagem ela deve fazer? Faz mal se depilar, ou usar barbeador e no dia seguinte já ir para o sol? Pode causar manchas? Como evitar?
O ideal é escolher o método que mais se adapte ao seu tipo de pele. Indivíduos com pele sensível, por exemplo, devem evitar o uso de cera. Para quem tem tendência à formação de pelos encravados, o laser é uma boa opção. Quando os fios são volumosos e grossos, a pele fica mais sujeita à irritação e ao encravamento. Qualquer forma de depilação que puxe os pêlos pela raiz (ou seja, com o bulbo capilar), como é o caso das ceras e dos aparelhos elétricos, propicia o encravamento dos fios, já que, quando voltam a nascer, alguns não conseguem romper a superfície da epiderme. A Tolerância à dor é outro fator que deve ser levado em consideração. O limiar de dor é diferente para cada indíviduo, alguns não toleram a depilação com cera fria, por exemplo, que é mais agressiva e dolorosa.
   
Independentemente do método depilatório escolhido, jamais devemos nos depilar no mesmo dia em que vamos à praia ou piscina, pois esse descuido poderá resultar em manchas que comprometerão nossa pele e todo nosso verão. É recomendável não se expor ao sol vinte quatro horas antes e depois da depilação, pois o sol poderá provocar manchas nos locais depilados, é indicado usar protetor solar logo após a depilação, sendo seu uso fundamental mesmo em dias nublados e de chuva.
  
Como a depilação retira a camada superficial da pele, evite bronzeadores artificiais, pois a depilação com certeza retirará a coloração artificial ocasionando manchas, outro cuidado que devemos ter em relação à depilação é com partes que foram descoloridas, principalmente no uso da cera, pois ao retirá-la os pelos podem se quebrar deixando um resultado nada satisfatório.
   
Sauna e depilação não combinação e estão proibidas após a depilação, independente se são úmidas ou secas as altas temperaturas mancham a pele. Evite também a limpeza de pele, antitranspirantes, perfumes e produtos que contenham álcool, pois podem irritar a pele que se encontra sensível pela depilação, provocando indesejáveis manchas.

A depilação faz parte da nossa vida, porém jamais devemos abrir mão dos cuidados ainda mais no verão, caso contrário ao invés da pele bronzeada teremos uma pele manchada e irritada, por isso programe a depilação antes de ir a piscina ou praia.
 

Que tipo de hidratante é mais adequado para o verão?
O hidratante adequado vai depender das características da pele de cada pessoa. O profissional mais habilitado para avaliar o tipo de pele e os produtos mais indicados para ela é o médico dermatologista. O importante é usar um hidratante em quantidade suficiente para recobrir toda a pele do corpo. Geralmente, cremes mais densos, são indicados para peles mais secas já que eles são ricos em matérias-primas oclusivas (matérias-primas mais oleosas, que formam um filme oclusivo sobre a pele, impedindo a água de evaporar); os cremes mais fluidos são indicados, principalmente, para pele normal a oleosa, pois são ricos em matérias-primas umectantes (retiram água da atmosfera, ou seja, do ar, atraindo-a para a pele, além de "puxar" água da profundidade da pele, atraindo-a para as camadas mais superficiais da pele, hidratando-a).    Atualmente, a maioria dos hidratantes possui outras substâncias que fazem mais que hidratar, como as vitaminas C e E, que impedem a produção de radicais livres, importantes para o envelhecimento da pele, e a vitamina A, conhecida como retinol, que estimula a produção de fibras elásticas e colágenas, tornando a pele mais firme, e, os filtros solares, que diminuem a produção de radicais livres e a degradação de fibras elásticas e colágenas, os quais predispõem ao envelhecimento da pele, bem como impede a queimadura solar, a qual favorece o aparecimento do câncer de pele. O ideal é passar por uma avaliação dermatológica para que o especialista indique o produto mais adequado para o seu tipo de pele.
   
Manter a pele hidratada não é só uma questão de estética: é também fundamental para prevenir o aparecimento de diversas doenças. Com a pele hidratada, mantemos a barreira cutânea íntegra, o que impede a descamação e aparecimento de áreas de coloração opaca, mantendo o tom normal ou bronzeado da pele por mais tempo, além de impedir a instalação de infecções oportunistas, sejam bacterianas ou fúngicas.  
Problemas de Pele mais Comuns no Verão
Micose de praia
O que é: Vulgarmente conhecida como "micose de praia" ou "pano branco", a Pitiríase versicolor é uma micose mas, ao contrário do que se pensa, não é adquirida na praia ou piscina. O fungo causador da doença habita a pele de todas as pessoas e, em algumas delas, é capaz de se desenvolver provocando as manchas.
   
Muitas vezes, a doença é percebida poucos dias após a exposição da pele ao sol, porque nas áreas da pele afetadas pela micose, a pele não se bronzeia. Com o bronzeamento da pele ao redor, ficam perceptíveis as áreas mais claras onde está a doença e a pessoa acha que pegou a micose na praia ou piscina. Entretanto, o sol apenas mostrou onde estava a micose. Vem daí a crença de ser uma "micose de praia".
 
Sinais: As áreas de pele mais oleosa, como a face, couro cabeludo, pescoço e a porção superior do tronco são as mais frequentemente atingidas. A doença se manifesta formando manchas claras, acastanhadas ou avermelhadas que se iniciam pequenas e podem se unir formando manchas maiores. As lesões são recobertas por fina descamação que, às vezes, só é percebida quando se estica a pele. Geralmente, a Pitiríase versicolor é assintomática, mas alguns pacientes podem apresentar coceira.

Tratamento: A Pitiriase versicolor é uma micose que responde bem ao tratamento, que pode ser feito com medicamentos de uso via oral (comprimidos) ou local (sabonetes, xampus, locões, sprays ou cremes), dependendo do grau de comprometimento da pele. Devido a ser causada por um fungo que habita normalmente a pele, é possível a micose voltar a aparecer, mesmo após um tratamento bem sucedido.
   
Em algumas pessoas, a Pitiríase versicolor pode ocorrer de forma recidivante, voltando a crescer logo após o tratamento. Estes casos exigem cuidados especiais para a prevenção do retorno da doença, cuja orientação deve ser dada pelo médico dermatologista.
 
Dicas de prevenção: Mudança freqüente de roupa durante a estação úmida, evite permanecer com a roupa molhada por muito tempo. Tomar banho após os exercícios ou passeios. Dê preferência as roupas frescas e leves, aos tecidos de algodão em detrimento dos sintéticos.
 
Bicho geográfico
O que é: A larva migrans, conhecida vulgarmente como bicho geográfico, é uma doença causada por parasitas intestinais do cão e do gato. Ao defecar na terra ou areia, os ovos eliminados nas fezes transformam-se em larvas. Estas, penetram na pele do homem causando a doença.

Sinais: Por estar em pele humana, a larva não consegue se aprofundar para atingir o intestino (o que ocorreria no cão e no gato), e caminha sob a pele formando um túnel tortuoso e avermelhado.  Mais comum em crianças, as lesões são geralmente acompanhadas de muita coceira. Os locais mais comumente atingidos são os pés e as nádegas. Pode ocorrer como lesão única ou múltiplas lesões. Devido ao ato de coçar é frequente a infecção secundária das lesões.

Tratamento: Dependendo da extensão da doença, o tratamento pode ser feito por via oral para os casos mais extensos ou com o uso de medicação tópica nos casos mais brandos.

Dicas de prevenção: Para prevenir a infecção pela larva migrans deve-se evitar andar descalço em locais frequentados por cães e gatos e cobrir as caixas de areia durante a noite para evitar sua utilização por gatos para defecar. Recolha as fezes de seu cachorro e estimule os outros donos de animais a fazerem o mesmo. Não leve animais para a praia.
 
Herpes labial
O que é: O herpes é uma infecção causada pelo Herpes simplex virus. O contato com o vírus ocorre geralmente na infância, mas muitas vezes a doença não se manifesta nesta época. O vírus atravessa a pele e, percorrendo um nervo, se instala no organismo de forma latente, até que venha a ser reativado. A reativação do vírus pode ocorrer devido a diversos fatores desencadeantes, tais como: exposição à luz solar intensa, fadiga física e mental, estresse emocional, febre ou outras infecções que diminuam a resistência orgânica.
   
Algumas pessoas tem maior possibilidade de apresentar os sintomas do herpes. Outras, mesmo em contato com o vírus, nunca apresentam a doença, pois sua imunidade não permite o seu desenvolvimento.
 
Sinais: O primeiro episódio pode ser leve ou grave. Ele geralmente ocorre em crianças entre um e cinco anos de idade. Os primeiros sintomas geralmente aparecem na primeira semana ou nas duas primeiras semanas e duram até semanas após o contato com o vírus. Dor de garganta e febre que dura até cinco dias podem ocorrer antes do aparecimento das bolhas. Também podem aparecer gânglios no pescoço.O primeiro episódio pode durar de 2 a 3 semanas. As lesões podem aparecer na gengiva, na boca e na garganta ou no rosto. A pessoa poderá sentir dor para engolir.
   
Os episódios posteriores costumam ser mais brandos. Podem ser desencadeados por menstruação, exposição ao sol, febre, estresse ou várias outras causas desconhecidas.
   
Sintomas alarmantes de coceira, queimação, maior sensibilidade ou formigamento podem ocorrer cerca de dois dias antes do aparecimento das lesões.
 
Uma erupção geralmente envolve:
  • Lesões na pele ou erupções nos lábios, na boca e na gengiva
  • Bolhas em uma área elevada, vermelha, dolorida
  • Bolhas que se formam, se rompem e liberam fluidos
  • Crostas amarelas que se soltam para revelar uma pele rosa em cicatrização
  • Várias bolhas pequenas que se unem para formar uma bolha 
Uma vez reativado, o herpes se apresenta da seguinte forma:
Inicialmente pode haver coceira e ardência no local onde surgirão as lesões.

A seguir, formam-se pequenas bolhas agrupadas como num buquê sobre área avermelhada e inchada.

As bolhas rompem-se liberando líquido rico em vírus e formando uma ferida. É a fase de maior perigo de transmissão da doença.

A ferida começa a secar formando uma crosta que dará início à cicatrização.

A duração da doença é de cerca de 5 a 10 dias. 

Tratamento: Se não forem tratados, os sintomas geralmente desaparecem de 1 a 2 semanas. Medicamentos antivirais tomados por via oral podem ajudar os sintomas a desaparecerem mais rapidamente e aliviar a dor. Aciclovir, famciclovir e valaciclovir são os três tratamentos orais disponíveis atualmente.
   
As feridas de herpes costumam reaparecer. Os medicamentos antivirais funcionam melhor se forem tomados quando o vírus estiver começando a voltar - antes do aparecimento das feridas. Se o vírus voltar com frequência, o médico poderá recomendar que você tome os medicamentos constantemente.
   
Pomadas antivirais tópicas (esfregadas na pele) (penciclovir e aciclovir) podem ser usadas, mas devem ser aplicadas a cada 2 horas enquanto você estiver acordado. Elas são caras e reduzem o tempo da erupção entre algumas horas a até um dia.
   
Lave as bolhas com cuidado com sabão e água para evitar que outras áreas da pele sejam contaminadas pelo vírus. Um sabonete antisséptico pode ser recomendado. Aplicar gelo ou calor na área pode reduzir a dor.
   
As dicas para evitar futuras erupções incluem aplicar filtro solar ou protetor labial com óxido de zinco quando estiver em áreas abertas. Um hidratante labial para evitar que os lábios fiquem muito secos também pode ajudar.
 
Os seguintes cuidados devem ser tomados durante um surto de herpes:
Tratamento deve ser iniciado tão logo comecem os primeiros sintomas, assim o surto deverá ser de menor intensidade e duração;

Evite furar as vesículas;

Evite beijar ou falar muito próximo de outras pessoas, principalmente de crianças se a localização for labial;

Lave sempre bem as mãos após manipular as feridas pois a virose pode ser transmitida para outros locais de seu próprio corpo, especialmente as mucosas oculares, bucal e genital. 
   
O tratamento deve ser orientado pelo seu médico dermatologista. É ele quem pode determinar os medicamentos mais indicados para o seu caso que, dependendo da intensidade, podem ser de uso local (na forma de cremes ou soluções) ou de uso via oral, na forma de comprimidos.
   
Quando as recidivas do herpes forem muito frequentes, a imunidade deve ser estimulada para combater o vírus. Os fenômenos desencadeantes devem ser evitados, procurando-se levar uma vida o mais saudável possível. Quem tem crises de herpes labial com muita frequência pode tomar preventivamente medicamentos antivirais. O tratamento de prevenção pode ser mantido por meses, e isso deve ser monitorado por um médico.
   
A eficácia das vacinas contra o herpes são muito discutidas, mostrando bons resultados em alguns pacientes mas nenhum resultado em outros.
 
Dicas de prevenção:
  • Evite contato direto com feridas de herpes.
  • Minimize o risco de disseminação indireta lavando bem itens, como toalhas em água quente (preferencialmente, fervente) antes de reutilizá-los.
  • Não compartilhe itens com uma pessoa infectada, principalmente quando ela tiver lesões de herpes.
  • Evite desencadeadores (principalmente exposição ao sol) se tiver tendência ao herpes oral.
  • Evite fazer sexo oral quando estiver com lesões de herpes na boca ou perto da boca e evite receber sexo oral de alguém que tenha lesões de herpes genital ou oral. Os preservativos podem ajudar a reduzir, mas não eliminar totalmente, o risco de pegar herpes no sexo genital ou oral com uma pessoa infectada.
  • Os vírus do herpes oral ou genital podem às vezes ser transmitidos mesmo quando a pessoa não apresenta lesões ativas. 
 
 
Melanose solar
O que é: São manchas provocadas pelo dano causado pelo sol na pele ao longo dos anos. Como o resultado da ação do sol só vai aparecer com o passar do tempo, as melanoses solares são mais comuns em pessoas de idade. Daí o nome "mancha senil". O dano solar acumulado ao longo dos anos induz ao aumento do número de melanócitos (célula que produz o pigmento que dá cor à pele) e da sua atividade, produzindo mais melanina e escurecendo a pele.

Sinais: As melanoses solares são manchas escuras, de coloração castanho a marrom, geralmente pequeninas mas que podem chegar a alguns centímetros de tamanho. Elas surgem apenas nas áreas que ficam muito expostas ao sol, como a face, o dorso das mãos e dos braços, o colo e os ombros. São mais frequentes em pessoas de pele clara.

Tratamento: O tratamento pode ser feito de várias maneiras, como a cauterização química, a criocirurgia, a dermoabrasão, os peelings químicos e o uso da luz intensa pulsada . Os resultados costumam ser bons, desde que a técnica seja empregada de forma adequada. O exagero na aplicação pode deixar manchas claras ou até mesmo cicatrizes residuais.

Dicas de prevenção: Uso de proteção solar nas áreas continuamente expostas ao sol, onde as manchas se manifestam. Não é apenas o sol da praia ou piscina, mas também o sol do dia a dia, que paulatinamente vai danificando as células que, no futuro, vão sofrer alterações e dar origem às manchas.
 
Fitofotodermatose (Mancha do limão)
O que é: A fitofotomelanose é uma manifestação alérgica causada pela exposição ao sol da pele que teve contato com plantas ou suco de algumas frutas, principalmente limão, laranja e tangerina. Outros produtos como perfumes e refrigerantes, também podem causar a reação, sendo neste caso uma fotomelanose.

Sinais: A doença se caracteriza pelo surgimento de manchas escuras nas áreas afetadas. O formato das manchas depende da exposição da pele às substâncias, sendo frequente lesões pontilhadas causadas por respingos de limão espremido. As áreas mais comumente afetadas são o dorso das mãos, colo e os lábios.
   
Reações mais intensas, chamadas de fotodermatites, podem dar origem ao surgimento de manchas avermelhadas e até mesmo de bolhas, acompanhadas ou não de coceira, sensação de queimação e/ou ardência no local.
 
Tratamento: O desaparecimento das manchas ocorre de forma espontânea e gradativa, devendo-se proteger a pele da exposição ao sol, com filtros solares potentes. Despigmentantes podem ser utilizados para acelerar o processo. As reações mais intensas podem exigir o uso de medicamentos para seu controle, que devem ser indicados por um dermatologista.
Dicas de prevenção: Para evitar a fitofotomelanose, evite fazer ou beber limonadas, sucos de frutas, caipirinhas e se expor ao sol. Mesmo lavando as áreas atingidas pelo suco das frutas, a pele pode manchar. Evite colocar perfumes antes de ir à praia.
 
Queimaduras solares

O que é: É uma queimadura na pele produzida pela superexposição à radiação ultravioleta (UV) dos raios solares. Essa condição ocorre quando a radiação UV incidente excede a capacidade de proteção da melanina da pele. As concentrações deste pigmento variam bastante entre as pessoas, mas em geral, pessoas de pele escura têm mais melanina do que aqueles de pele mais clara. Consequentemente, a incidência de queimadura solar entre indivíduos de pele escura é menor. As queimaduras solares podem, ao longo prazo, contribuir para o desenvolvimento de câncer de pele.

Sinais: Tipicamente há uma vermelhidão inicial (eritema), seguida por vários graus de dor, ambos proporcionais em severidade à duração e intensidade da exposição. Após a exposição, a pele pode se tornar vermelha em 2 a 6 horas. A dor geralmente é mais forte 6 a 48 horas depois da exposição. A queimadura continua a se desenvolver por 24 a 72 horas ocasionalmente seguida por uma descamação da pele em 3 a 8 dias. Descamação e coceira podem continuar a ocorrer durante várias semanas.
   
Os sintomas comuns da queimadura solar incluem fraqueza, dor, edema, coceira e/ou escamação da pele, náusea e febre. Também, uma pequena quantidade de calor é dispersa da queimadura, dando um sentimento de aquecimento à área afetada. As queimaduras solares podem ser de 1º ou 2º grau. Em casos mais sérios pode haver a existência de bolhas, requerendo cuidados médicos.
 
Tratamento: Uma vez que a pele já sofreu a queimadura solar, nada vai reverter a ação prejudicial causada pelo sol. Todo e qualquer tratamento a ser instituído visa apenas o alívio dos sintomas. Ao contrário do que algumas propagandas divulgam, não adianta nada passar hidratantes depois de se queimar com a promessa de manter a pele bonita. O hidratante apenas trará conforto e alívio para a sensação de ressecamento que se segue, mas o mal já está feito, e mais um degrau do envelhecimento cutâneo foi subido. De qualquer forma, em caso de queimaduras solares intensas, algumas medidas podem ser tomadas para diminuir a dor e a incômoda sensação de calor.
 
Para combater o calor usa-se o frio:
  • banhos frios de imersão vão trazer bastante alívio.
  • Produtos refrescantes e calmantes contendo calamina, cânfora, mentol, azuleno e aloe vera podem ajudar a diminuir a sensação da pele queimada.
  • Para a face, compressas frias com chá de camomila fraco podem ajudar.
  • Casos mais intensos, podem necessitar de corticosteróides de uso tópico associados alguns tipos de anti-inflamatórios e analgésicos. Estes medicamentos devem ser indicados por um médico dermatologista de acordo com cada caso.
  • Nunca queime novamente a pele que acabou de descascar. Se você acabou de descascar, proteja-se intensamente do sol, pois a pele descascada está mais fina e muito mais sensível. O dano causado será ainda maior do que o normal. Se você está de férias, já descascou e quer voltar à praia, use filtros solares de alta proteção, preferindo os bloqueadores solares que contenham filtros físicos (deixam a pele encoberta). 
  • Dicas de prevenção: Este processo, pode ser evitado através do uso de filtro solar, roupas (e chapéus) e com a limitação do tempo de exposição solar, especialmente durante o período de 10h às 16h do dia. É recomendável consultar o índice de UV para determinar o nível de proteção que é necessária. Boas formas de proteção incluem usar camisas de manga longa, chapéus com abas, bonés e sombrinhas quando ao sol. Além do uso de protetores solares topicamente. Note que o fator de proteção é efetivo quanto aplicado ao menos 2 μl por centímetro quadrado de pele exposta ao sol. Isto significa aproximadamente 28 ml para cobrir um corpo inteiro de um homem adulto, o que é uma quantia muito maior do que as pessoas usam na prática. O filtro solar deve ser reaplicado a cada 2-3 horas e deve-se aplicar de 15 a 30 minutos antes da exposição solar .
  • Outro método de proteção contra a radiação solar são as roupas de proteção solar. Essas roupas, um conceito relativamente novo nos Estados Unidos, são classificadas através do Fator de Proteção Ultravioleta. Semelhante à graduação FPS dos filtros solares, uma vestimenta com FPU 30 bloqueia 96.7% dos raios UV.
 
Miliária ("Brotoejas")
O que é: A miliária se apresenta como uma erupção cutânea relacionada com as glândulas sudoríparas (que produzem o suor). Afeta principalmente as crianças, mas também pode atingir os adultos. O quadro está relacionado com o aumento do calor e da produção do suor que, extravasando dentro da pele, antes de atingir a superfície, provoca um processo inflamatório.
Sinais: A localização mais comum é o tronco e a região cervical. As lesões geralmente são acompanhadas por coceira. Formam-se "bolinhas avermelhadas" ou vesículas (pequeninas bolhas) sobre pele avermelhada, podendo, em alguns casos, formar lesões mais exuberantes.
   
Devido à coceira, a pele pode apresentar sinais de escoriação e pequeninas crostas sobre as lesões, devido à ruptura das bolhas pela coçadura.
   
É comum a ocorrência de infecção secundária à doença, com o surgimento de pústulas (bolhas de pus) ou nódulos dolorosos.
 
Tratamento: A miliária e as infecções secundárias que podem acompanhar a doença têm tratamento, que será determinado pelo médico dermatologista, de acordo com cada caso.

Dicas de prevenção: Para evitar a miliária deve-se usar roupas frescas, tomar banhos frios e se proteger do calor, evitando o excesso de suor. O ar condicionado é um grande aliado no combate à doença.
   
Deve-se evitar o excesso de roupas nas crianças pequenas, principalmente nos recém-nascidos, hábito comum entre mães com preocupação excessiva em agasalhar seus filhos.
 
Tinea cruris (é mais frequente que a corporis, por isso mudei)
O que é: A tinea inguinal (ou tinea crural), micose que atinge a região da virilha, é causada pelo crescimento, nesta região, de fungos do gênero dermatófitos ou pela levedura Candida albicans. A anatomia da virilha favorece o crescimento destes microorganismos, devido à escuridão, calor e umidade características desta área do corpo. Durante o verão, com o aumento do suor ou o uso de roupas de banho molhadas durante muito tempo, a umidade local aumenta ainda mais, o que torna este tipo de micose mais frequente nesta época do ano. A tinea inguinal é confundida com alergia ao tecido elástico das roupas de baixo ou de banho. Na verdade, o uso de tecidos sintéticos favorece o crescimento da micose por dificultar a evaporação do suor.
 
Sinais: A doença se manifesta pela formação de manchas avermelhadas, úmidas ou descamativas, geralmente acompanhadas de muita coceira. Atingem a região da virilha mas podem se alastrar até as nádegas e o abdomem. Quando o fungo responsável é o dermatófito, as lesões apresentam bordas bem delimitadas, em geral descamativas, que vão crescendo de forma centrífuga. Quando o responsável é a Candida albicans (candidíase), forma-se área avermelhada e úmida, que se expande por pontos periféricos à área mais afetada.

Tratamento: O tratamento da micose pode ser feito com medicamentos de uso tópico ou via oral, o que vai depender da extensão da doença. Procure um dermatologista aos primeiros sintomas sem usar nenhuma medicação, pois elas podem mascarar o aspecto da doença, dificultando o diagnóstico correto e a indicação do medicamento mais apropriado para cada caso.

Dicas de prevenção: Para evitar a tinea inguinal dê preferênica ao uso de roupas frescas, principalmente nos meses mais quentes do ano. Use roupas de baixo de algodão, evitando as de tecido sintético, e evite ficar com roupas de banho molhadas por muito tempo.
Queimadura Solar
Queimaduras podem favorecer o aparecimento do câncer de pele e devem ser evitadas
 
Que a superexposição à radiação ultravioleta (UV) dos raios solares pode causar queimaduras na pele a maioria das pessoas já sabe. O que muitos desconhecem é que a queimadura solar, a longo prazo, pode contribuir para o desenvolvimento do câncer de pele. Por isso, alguns cuidados são importantes durante o verão e a prevenção é fundamental.
 
Essa condição ocorre quando a radiação UV incidente excede a capacidade de proteção da melanina da pele. As concentrações deste pigmento variam bastante entre as pessoas, pessoas de pele escura têm mais melanina do que aqueles de pele mais clara. Consequentemente, a incidência de queimadura solar entre indivíduos de pele escura é menor. A dermatologista explica tipicamente há uma vermelhidão inicial (eritema), seguida por vários graus de dor, ambos proporcionais em severidade à duração e intensidade da exposição. Após a exposição, a pele pode se tornar vermelha em 2 a 6 horas. A dor geralmente é mais forte 6 a 48 horas depois da exposição. A queimadura continua a se desenvolver por 24 a 72 horas ocasionalmente seguida por uma descamação da pele em 3 a 8 dias. Descamação e coceira podem continuar a ocorrer durante várias semanas.
 
Os sintomas mais comuns da queimadura solar incluem fraqueza, dor, edema, coceira e/ou descamação da pele, náusea e febre. As queimaduras solares podem ser de 1º ou 2º grau e em casos mais sérios pode haver o aparecimento de bolhas que necessitará de cuidados médicos. Uma vez que a pele sofreu a queimadura solar, nada vai será capaz de reverter a prejuízo imposto à pele. Todo e qualquer tratamento visa apenas o alívio dos sintomas. Ao contrário do que algumas propagandas divulgam, não adianta passar hidratantes depois de se queimar com o intuito de reverter o dano cutâneo imposto pelo sol de manter a pele bonita. O hidratante apenas trará conforto e alívio para a sensação de ressecamento que se segue, mas o mal já está feito, e mais um degrau do envelhecimento cutâneo foi subido.
 
A queimadura solar pode ser evitada por meio da prática das medidas adequadas de fotoproteção e com a limitação do tempo de exposição solar, especialmente durante o período de 10h às 16h. A médica reforça também que é recomendável consultar o índice de UV para determinar o nível de proteção que é necessária. Boas formas de proteção incluem o uso camisas de manga longa, chapéus com abas, bonés e sombrinhas quando ao sol, além do uso de protetores solares. O filtro solar deve ser reaplicado a cada duas  horas e deve-se aplicar 30 minutos antes da exposição solar. Outro método de proteção são as roupas de proteção solar que são um conceito relativamente novo e classificadas através do Fator de Proteção Ultravioleta. Essas roupas são feitas com tecido especial, que possui tramas bem fechadas, além do acréscimo de substâncias fotoportetoras ao fio, como o dióxido de titânio, o que garante alta proteção contra a radiação UV.
 
Uma vez que a pele já sofreu a queimadura, nada será capaz de reverter a ação prejudicial causada pelo sol. Todo e qualquer tratamento a ser instituído visa apenas o alívio dos sintomas. De qualquer forma, em caso de queimaduras solares intensas, algumas medidas podem ser tomadas para diminuir a dor e a incômoda sensação de calor.
 
Para combater o calor usa-se o frio:
  • banhos frios de imersão vão trazer bastante alívio.
  • Produtos refrescantes e calmantes contendo calamina, cânfora, mentol, azuleno e aloe vera podem ajudar a diminuir a sensação da pele queimada.
  • Para a face, compressas frias com chá de camomila fraco podem ajudar.
  • Casos mais intensos, podem necessitar de corticosteróides de uso tópico associados alguns tipos de anti-inflamatórios e analgésicos. Estes medicamentos devem ser indicados por um médico dermatologista de acordo com cada caso.
  • Nunca queime novamente a pele que acabou de descascar. Se você acabou de descascar, proteja-se intensamente do sol, pois a pele descascada está mais fina e muito mais sensível. O dano causado será ainda maior. Se você está de férias, já descascou e quer voltar à praia, use filtros solares de alta proteção, preferindo os produtos que contenham filtros físicos (óxido de zinco e dióxido de titânio). 
« Voltar