(11) 5185-0570

(11) 99907-6292

Av. Arnolfo de Azevedo, 84 - Pacaembú - São Paulo - SP - 01236-0360

Laser

Laser
A palavra laser é a abreviação de light amplification stimulated emitted radiation (amplificação da luz emitida por uma radiação estimulada), que significa luz com grande potência, concentrada em um raio que transmite toda sua energia sem dispersar-se a um só ponto agindo nos pigmentos escuros da pele. É uma luz monocromática (uma única cor), unidirecional (feixe luminoso não dirvergente), coerente (emitida de forma ordenada) e que libera grandes quantidades de energia.

Os diferentes tipos de laser têm suas características de cor, intensidade energética e ritmo (pulsátil ou contínuo), de acordo com o meio que os gera (líquido, gasoso, cristal, semicondutor etc.). O laser é produzido por um sistema que transmite energia (luminosa ou elétrica) a um meio físico eletricamente excitável, que por sua vez seja capaz de transmitir essa energia amplificada sob a forma de luz, que pode variar de acordo com as características pessoais e a localização do tratamento.

O resurfacing a laser tornou-se umas das técnicas mais modernas no tratamento das rugas faciais, removendo os tecidos envelhecidos com mínima lesão.

Os lasers utilizados são o laser de CO2 e de Erbium, sendo o CO2 mais indicado para suavizar rugas profundas, cicatrizes e sequelas de acne. O procedimento causa a destruição da superfície cutânea, por meio da vaporização da epiderme e de parte da derme uniforme e seletivamente. Isso permite uma importante renovação celular e uma melhora da estrutura do colágeno dérmico.

O laser CO2 tem atração pela água, assim, quando incide na pele, vaporiza a água no interior das células, causando sua destruição pelo aquecimento. O tratamento provoca uma reação inflamatória, levando a uma reorganização das fibras elásticas e estimulando a produção de colágeno.

O laser Erbium penetra cerca de 10 vezes menos que o CO2, sendo indicado para rugas finas e médias, pois causa dano térmico menor e consequentemente menor vermelhidão.

A vaporização do CO2 permite que se tenha um encolhimento da pele de até 30% de sua área, resultando em diminuição da flacidez da pele, removendo o aspecto de pergaminho.

Está indicado para pessoas com pele envelhecida (geralmente relacionada à grande exposição ao sol durante a vida), manchada, que não tenham excesso de pele e flacidez do rosto e pescoço.

É imprescindível determinar as características do paciente antes do tratamento, e a presença de fatores que contraindiquem o procedimento, como barba irritável, espinhas ativas, cicatrizes hipertróficas ou queloides, peles muito morenas, irregularidade na superfície cutânea muito acentuada, a fim de evitar complicações.

As principais complicações do resurfacing são hiperemia (pele rosada) por 1 a 3 meses, hipocromia (manchas brancas), incidência de herpes, infecções e queloides. O mais comum é a hipercromia (manchas escuras), principalmente em peles morenas, que pode ser tratada com o uso de clareadores e bloqueadores solares.

Após o tratamento, o paciente não deve se expor ao sol e usar diariamente um bloqueador solar. A pele leva em média uma semana para se reepitelizar, e após cerca de 15 dias a paciente já pode usar maquiagem e iniciar o uso de cremes clareadores, vitamina C, ácido retinoico etc, conforme a orientação de seu dermatologista.

Quando o resurfacing for bem indicado, apresenta resultados excelentes.

O laser também é utilizado para tratamento de lesões vasculares e pigmentares. As vasculares compreendem telangectasias (pequenos vasos da face), rosácea, varizes, microvarizes hemangiomas e manchas tipo vinho do porto. Essas lesões apresentam a hemoglobina como alvo do feixe de luz, assim o laser atravessa a pele e age sobre os vasos sanguíneos, aquecendo-os. Em função disso, os vasos se colabam (fecham) e o organismo os absorve definitivamente.

Em geral, melhor resultado será obtido por pessoas de pele clara com vasos finos, vermelhos e superficiais, porém novos lasers estão sendo testados para vasos maiores e mais profundos.
As lesões pigmentares compreendem as sardas, manchas senis (provocadas pelo sol e idade) e manchas “café au lait” (manchas de nascença).

Nessas lesões o cromóforo (alvo) a ser atingindo é a melanina, que sendo destruída leva a um clareamento da pele. O resultado em geral é bom, variando conforme a natureza, profundidade da melanina e cicatrização, do que também dependerá o número de sessões para o tratamento.

O procedimento é bem tolerado, podendo-se usar um creme anestésico local antes das sessões. O intervalo entre as sessões varia de 20 a 30 dias e deve-se evitar o sol durante todo o tratamento.
Laser Nd:YAG Q-Switched
O laser Nd:YAG Q-Switched é uma tecnologia considerada padrão outro para o tratamento das lesões pigmentares. O aparelho dispara um  pulso ultra-rápido, com velocidade de nanosegundos, desencadeando a fototermólise seletiva das células pigmentares. Os pulsos ultra-rápidos com alta potência emitidos pelo dispositivo levam à fragmentação dos cromóforos (pigmento), que são então removidos pelo sistema imunológico e drenados pelo sistema linfático. A tecnologia permite a distribuição uniforme e estável da energia (Top Hat), propiciando menor dano térmico e consequentemente menor possibilidade de hipercromia pós-inflamatória, garantindo um tratamento eficaz e seguro. Este é o único laser com certificação do FDA para o tratamento do melasma.
 
Suas principais indicações são para o tratamento do melasma, manchas escuras, melanoses solares e remoção de tatuagens, sendo ainda indicado para o tratamento da acne ativa, eliminação de pelos finos, fechamento de poros e melhora da textura da pele.
 
O número de sessões varia de acordo com a indicação e características da pele pacientes. No protocolo de tratamento do melasma, por exemplo, são necessárias 12 sessões com intervalos semanais e não há tempo de recuperação. O paciente fica apenas com uma leve vermelhidão que desaparece cerca de 10 minutos após a aplicação, podendo retomar normalmente suas atividades. Para as tatuagens, os intervalos entre as sessões são mais longos, de 30 a 40 dias e o número de sessões é variável de acordo com o tamanho, tempo de tatuagem, localização, tipo de tinta (coloração) e pele do paciente, sendo o tempo de recuperação em média de 15 dias.
 
Laser Fracionado Não-Ablativo (Erbium)
O laser fracionado não ablativo é uma tecnologia que permite um tratamento transdérmico. Ele não faz ablação da epiderme como o CO2, tornando-se um laser seguro para peles mais escuras, com período de recuperação muito rápido e retorno imediato às atividades habituais.
 
Essa tecnologia é indicada para o tratamento de estrias, cicatrizes pós-cirúrgicas ou traumáticas, cicatrizes de acne, rugas, flacidez, fechamento de poros e melhora da textura e coloração da pele. Também traz excelentes resultados e é segura para o tratamento de regiões como: pescoço, colo, parte superior do tórax e das mãos, melhorando sardas, manchas solares e a pele fotodanificada.
 
O laser emite feixes luminosos que criam colunas profundas de tecido coagulado, penetrando bem abaixo da epiderme e atingindo a derme, enquanto poupam a parte mais superficial da pele. As áreas de tecido não destruídas pelas colunas, iniciam o processo de cicatrização e reparação, que acelera a formação de novo tecido sadio para preencher as zonas tratadas danificadas. Quanto mais profunda a coluna, mais tecido novo é formado. O colágeno coagulado e os restos dos debris celulares são expelidos com a renovação da pele. Durante o processo, a integridade da camada superior da pele é mantida, porém ocorre produção de colágeno e neovascularização, o que leva a melhora da tonicidade e da textura da pele.
 
O número de sessões e o tempo de tratamento vão depender da condição a ser tratada e das características da pele do paciente.
Laser Fracionado Ablativo (CO2)
O laser ablativo é um tratamento que consiste na técnica de resurfacing, ou seja, destruir a camada superficial da pele a fim de estimular o corpo a substituí-la por uma nova e rica em colágeno e vasos, promovendo uma pele mais lisa, firme e uniforme.
 
Esse laser usa a vaporização para destruir a epiderme através da desidratação, queimando superficialmente a pele da região afetada, de maneira uniforme e controlada. Ele pode ser de CO2 ou de Erbium, ambos vaporizadores do tecido cutâneo. Com a técnica de fracionamento, ao invés de uma destruição completa da pele, ocorre destruição parcial, através da formação de colunas de colagulação, ou seja, que microzonas térmicas de destruição. A presença de tecido intacto ao redor das microzonas evaporadas pelo laser, faz com que a recuperação da pele seja mais rápida e a segurança do procedimento aumente. Esse processo regenerativo estimula a neocolagênese e a neovascularização, o que faz com que o procedimento seja bastante efetivo para o tratamento do envelhecimento cutâneo, entre outras indicações.
 
O laser é aplicado sobre a pele de forma precisa e então sua energia luminosa se transforma em calor, causando a evaporação tecidual e provocando a destruição e a remoção da camada mais externa da pele. Durante o processo de cicatrização e renovação da pele, há um estimulo para a produção de colágeno – proteína que fornece estrutura e sustentação para a derme – e também uma retração deste nas camadas mais internas da pele, originando uma cútis mais firme e elástica.
 
O laser ablativo pode ser aplicado em qualquer parte do corpo e é recomendado no tratamento de uma série de problemas de pele relacionados à marcas, manchas e envelhecimento. Confira as principais indicações:
  • Flacidez da Pele;
  • Rugas e marcas de expressão;
  • Olheiras;
  • Estrias;
  • Manchas na pele ocasionadas pelo sol;
  • Cicatrizes de acne;
  • Cicatrizes hipertróficas (pós-cirúrgicas);
  • Rejuvenescimento facial e corporal. 
 
Laser Fracionado X Laser não-Fracionado
No laser não fracionado, a aplicação é feita por um único feixe de luz que remove toda a camada superficial da pele da área atingida. Ele é mais agressivo, exige um tempo de recuperação maior e mais cuidados no pós- procedimento. Além disso, pode necessitar de analgesia ou sedação durante a sessão, visto que sua aplicação é mais dolorosa e incômoda.
 
Já o laser fracionado é separado em diversos feixes de luz que atingem a pele como uma peneira, deixando áreas intactas entre as atingidas pelo laser. Essas áreas intactas ajudam no processo de cicatrização, permitindo uma reestruturação mais rápida da pele, acelerando sua regeneração.
 
O laser ablativo fracionado é o mais realizado atualmente, por apresentar uma série de vantagens, como ser um procedimento menos agressivo e incômodo, apresentar um tempo menor de recuperação e um pós-procedimento mais confortável.
 
Como funciona o tratamento?
As sessões são realizadas no centro cirúrgico da clínica, com o uso de anestésico local e possível sedação, dependendo da extensão e gravidade da região afetada. Para aplicações na área dos olhos, é necessária a utilização de lentes metálicas intra-oculares para proteção dos olhos. A quantidade, duração e o número de sessões dependem das condições da pele e indicações de cada indivíduo.
Após cada sessão, a pele costuma apresentar vermelhidão, inchaço e ardência.
 
Quais os cuidados pós-procedimento?
Apesar do paciente ser liberado no mesmo dia, é necessário um período de repouso em casa antes de retornar ao trabalho e outras atividades, pois a região tratada costuma ficar escura, dolorida, minar secreção e apresentar formação de crostas ressecadas e descamação nos dias posteriores à aplicação. Essas crostas caem naturalmente em alguns dias e revelam uma pele lisa, brilhante e avermelhada, que sinaliza que o processo de cicatrização está ocorrendo e o novo colágeno, se formando. Assim como as crostas, a vermelhidão também desaparece aos poucos, originando uma pele rejuvenescida.
 
Durante o período de pós-procedimento, é indicado o uso de pomadas e medicamentos receitados pelo dermatologista e é essencial evitar exposição solar direta nos primeiros 15 dias e nunca se esquecer de usar protetor solar.

Apesar do laser ablativo ser mais agressivo do que outros tratamentos não ablativos – como radiofrequência, a luz intensa pulsada e o infra vermelho – seus resultados são muito superiores, o que ainda o torna um dos procedimentos estéticos mais realizados quando o assunto é rejuvenescimento da pele, mesmo com o surgimento de técnicas ditas mais modernas e menos abrasivas.
Pulsed Dye Laser
O Pulsed Dye Laser (Laser Corante Pulsado) é um equipamento destinado principalmente para tratamento de lesões vasculares. Considerado hoje como padrão ouro na abordagem desse tipo de lesão, com o maior número de artigos publicados na literatura médica.
 
É indicado para os tratamentos de vasos localizados na face e no corpo: eritema (vermelhidão) persistente, cicatrizes e estrias recentes, hemangiomas, acne, rosácea, poiquilodermia, olheiras, equimoses etc. Pode ser utilizado ainda para o tratamento de algumas lesões pigmentares.
 
O tempo de procedimento, a intensidade da dor, os efeitos no pós-procedimento, o número de sessões e o intervalo entre elas vão depender das características individuais do paciente, da lesão a ser tratada, da área de tratamento, entre outras questões. Porém, no geral, é um procedimento bem tolerado, permitindo retorno imediato as atividades habituais.
« Voltar