(11) 5185-0570

(11) 99907-6292

Av. Arnolfo de Azevedo, 84 - Pacaembú - São Paulo - SP - 01236-0360

Lábios e Mucosas

Aftas
É uma doença comum, que ocorre em cerca de 20% da população. Sua  causa exata ainda é desconhecida. Em alguns casos, pode ser causada por uma reação exagerada do sistema imunológico. Fatores que parecem provocar isso incluem estresse, fadiga, doença, lesões por cortes acidentais, mudanças hormonais, menstruação, perda de peso repentina, alergia a alimentos, e deficiências de vitamina B12, ferro e ácido fólico , sendo que de 30 a 40 % dos pacientes manifestam histórico familiar. As aftas têm maior incidência nas mulheres do que nos homens.
   
Apresentam dor porque há exposição do tecido conjuntivo, rico em vasos e nervos. Além disso, o quadro pode ser agravado por infecções causadas por microorganismos do meio bucal. Importante ressaltar que não se trata de doença infecciosa.
 
Manifestações Clínicas
Manifestam-se como pequenas lesões superficiais (como pequenas ulcerações) na mucosa bucal, geralmente de cor amarelada ou acinzentada e podem ser múltiplas ou solitárias.
 
Normalmente o seu ciclo inicia-se com sensações locais de formigamento, irritação e incômodo na mucosa bucal, evoluindo para um ponto avermelhado que com o tempo torna-se esbranquiçado. A partir desse estágio surge então uma ferida central com cicatrização rápida, que podem durar em torno de 5 a 7 dias sem qualquer tratamento, ou dependendo da etiologia, persistir até 10 a 15 dias.
 
Tratamento
Geralmente desaparecem sem tratamento dentro 1-2 semanas. Deve-se manter boa higiene oral e evitar alimentos ácidos, apimentados ou salgados uma vez que estes podem irritar as feridas. A dor pode ser tratada com gels analgésicos. O uso de anti-séptico pode ajudar a limpar os detritos e bactérias que se acumulam na ferida reduzindo as complicações associadas com sua presença.
Candidíase Oral
 A candidíase oral, também conhecida como “sapinho”, é uma doença muito comum nas diversas faixas etárias, especialmente em bebês e idosos, causada pelo fungo Candida albicans. Normalmente todas as pessoas possuem esse fungo no seu trato respiratório, fazendo parte da flora normal da mucosa bucal, mas pessoas com imunidade baixa estão mais propensos ao aparecimento dos sintomas.
 
A candidíase oral pode ser transmitida através do contato com mucosas ou secreções de pessoas doentes, podendo  acontecer também durante o parto normal.
 
Manifestações Clínicas
Os sintomas iniciais da candidíase oral são o aparecimento de membranas inflamatórias superficiais de cor branca acinzentada que podem cobrir a maior parte da mucosa da boca e língua. Geralmente não causam dores, mas se esfregar a mucosa afetada removendo as placas brancas, podem gerar algum sangramento. A doença pode complicar quando alastra para o esôfago, unhas e dobras cutâneas.
 
Causas
As causas da candidíase oral estão intimamente relacionadas à deficiência do sistema imunológico e nos seguintes casos: 
  • Portador de diabetes;
  • Tratamento com antibióticos, quimioterapia e corticoides;
  • Pessoas com AIDS, leucemia, câncer e Síndrome de Down;
  • Realização de cirurgia recente, particularmente do intestino grosso;
  • Recém-nascidos de baixo peso e idosos;
  • Uso de prótese dentária;
  • Pessoas que passaram por um transplante de órgãos ou medula óssea;
  • Usuários de drogas;
  • Pessoas subnutridas.
 
Diagnóstico
O diagnóstico da candidíase oral é baseado no aspecto clínico e exames laboratoriais. Se houver dúvida, o médico pode obter uma amostra através da raspagem das lesões a fim de fazer uma análise mais pormenorizada, permitindo a identificação do fungo.
 
Tratamento
O tratamento para candidíase oral é baseado na eliminação dos fatores que predispõem à doença e aplicação de pomada antifúngica nas lesões ou uso de comprimidos. Os medicamentos mais comuns são o Fluconazol , Anfotericina e Nistatina, durante 5 a 7 dias.

Alguns cuidados podem ser tomados durante as crises, como higiene da boca com escovas de dentes mais macias para evitar dores nas lesões, bochecho com água oxigenada diluída a 3% e enxaguar a boca após uso de corticóides inalatórios.
Dicas - Batons
Além das diferentes cores, os batons têm características distintas:

BATOM DE LONGA DURAÇÃO
Esse tipo de batom dura mais tempo nos lábios porque tem mais pigmentos que o batom convencional, não sendo necessário retocá-lo com tanta freqüência. Geralmente são apresentados em bastões mais finos.

Contra-indicação: Bocas muito secas, pois esse tipo de batom dá a sensação de ressacamento logo após a aplicação e, em alguns casos, realmente provocam o ressecamento dos lábios.
 
BATOM CREMOSO
O batom cremoso tem brilho úmido, cobertura aveludada, é macio e emoliente. Quanto mais cremosos, menor a duração nos lábios. A textura cremosa é resultado do balanceamento dos agentes emolientes utilizados na sua composição. Prefira aqueles que contém FPS. 

Contra-indicação: Evite reuniões como jantares e almoços de negócios, pois o batom sairá rapidamente, além de ter o inconveniente de ficar marca de batom no copo, nos talheres e no guardanapo de pano.
 
BATOM CREMOSO BRILHANTE
Assim como o cremoso, é macio, tem brilho úmido e cobertura aveludada. Este, além disso, tem maior concentração de pigmentos metálicos.

Contra-indicação: As mesmas ocasiões que o batom cremoso.
 
BATOM HIDRATANTE
O batom hidratante possui ativos em sua formulação que ajudam a aumentar a ação da hidratação, umectante e emoliente, possui ótimo deslizamento.

Ideal para lábios escamados causados pelo frio e pelo excesso de sol. Mudança de temperatura atinge áreas mais sensíveis como os lábios. Lábios escamados causam má impressão. Para evitá-los, mantenha os lábios hidratados passando um hidratante para dormir e use batom hidratante durante o dia. Se você encontrar um batom que concilie hidratante com FPS, esse é o ideal para você que tem lábios sempre ressecados.

Contra-indicação: Não há contra-indicação.
 
BATOM EM LÁPIS
Ganha pela praticidade, é um batom macio e é ótimo para carregar na bolsa. Além disso, é mais difícil de estragar que o tradicional, já que não sofre tanto com as mudanças do clima.

Contra-indicação: Não há contra-indicação.
 
Não existe um "grupo de risco" para o uso do batom, ele deve ser evitado nas pessoas que apresentam alergia aos componentes do produto, pois nesse caso, pode causar coceira, ardor e aparecimento de feridas. Também, não é indicado, compartilhar o batom, já que algumas doenças, como herpes, podem ser transmitidas dessa maneira.

Existem muitos produtos no mercado com filtro solar, o ideal é que a proteção seja, no mínimo 30, com amplo espectro (UVA/UVB).

Não há necessidade de passar nenhum produto antes do uso do batom. Nos casos de lábios muito ressecados, o uso de um hidratante labial antes da aplicação do batom, pode ser interessante para aumentar a hidratação e dar mais uniformidade à aplicação.

O ideal é removê-lo com demaquilante, já que são produtos específicos para esse fim, sem causar traumas locais ou irritação.

No caso de alergia, recomendamos procurar o dermatologista para uma avaliação do tipo de reação e tratamento adequado, pode ocorrer infecção secundária no local acometido, daí a importância da avaliação de um profissional para orientação correta.
Herpes
O que  é herpes labial? Quais são as causas? Quais são os desencadeadores da reincidência?
O herpes é uma infecção causada pelo Herpes simplex virus. O contato com o vírus ocorre geralmente na infância, mas muitas vezes a doença não se manifesta nesta época. O vírus atravessa a pele e, percorrendo um nervo, se instala no organismo de forma latente, até que venha a ser reativado.

A reativação do vírus pode ocorrer devido a diversos fatores desencadeantes, tais como: exposição à luz solar intensa, fadiga física e mental, estresse emocional, febre ou outras infecções que diminuam a resistência orgânica.

Algumas pessoas tem maior possibilidade de apresentar os sintomas do herpes. Outras, mesmo em contato com o vírus, nunca apresentam a doença, pois sua imunidade não permite o seu desenvolvimento.
   
Quais são os sintomas?
O primeiro episódio pode ser leve ou grave. Ele geralmente ocorre em crianças entre um e cinco anos de idade. Os primeiros sintomas geralmente aparecem na primeira semana ou nas duas primeiras semanas e duram até semanas após o contato com o vírus. Dor de garganta e febre que dura até cinco dias podem ocorrer antes do aparecimento das bolhas. Também podem aparecer gânglios no pescoço.O primeiro episódio pode durar de 2 a 3 semanas. As lesões podem aparecer na gengiva, na boca e na garganta ou no rosto. A pessoa poderá sentir dor para engolir.

Os episódios posteriores costumam ser mais brandos. Podem ser desencadeados por menstruação, exposição ao sol, febre, estresse ou várias outras causas desconhecidas.
Sintomas alarmantes de coceira, queimação, maior sensibilidade ou formigamento podem ocorrer cerca de dois dias antes do aparecimento das lesões.
 
Uma erupção geralmente envolve:
  • Lesões na pele ou erupções nos lábios, na boca e na gengiva
  • Bolhas em uma área elevada, vermelha, dolorida
  • Bolhas que se formam, se rompem e liberam fluidos
  • Crostas amarelas que se soltam para revelar uma pele rosa em cicatrização
  • Várias bolhas pequenas que se unem para formar uma bolha 
Uma vez reativado, o herpes se apresenta da seguinte forma: 
  • Inicialmente pode haver coceira e ardência no local onde surgirão as lesões.
  • A seguir, formam-se pequenas bolhas agrupadas como num buquê sobre área avermelhada e inchada.
  • As bolhas rompem-se liberando líquido rico em vírus e formando uma ferida. É a fase de maior perigo de transmissão da doença.
  • A ferida começa a secar formando uma crosta que dará início à cicatrização.
  • A duração da doença é de cerca de 5 a 10 dias. 
 
Como é feito o tratamento? Qual é a necessidade do reforço do sistema imunitário para evitar as recidivas? Qual é a importância do uso de antivirais?
Se não forem tratados, os sintomas geralmente desaparecem de 1 a 2 semanas. Medicamentos antivirais tomados por via oral podem ajudar os sintomas a desaparecerem mais rapidamente e aliviar a dor. Aciclovir, famciclovir e valaciclovir são os três tratamentos orais disponíveis atualmente.

As feridas de herpes costumam reaparecer. Os medicamentos antivirais funcionam melhor se forem tomados quando o vírus estiver começando a voltar - antes do aparecimento das feridas. Se o vírus voltar com frequência, o médico poderá recomendar que você tome os medicamentos constantemente.

Pomadas antivirais tópicas (esfregadas na pele) (penciclovir e aciclovir) podem ser usadas, mas devem ser aplicadas a cada 2 horas enquanto você estiver acordado. Elas são caras e reduzem o tempo da erupção entre algumas horas a até um dia.

Lave as bolhas com cuidado com sabão e água para evitar que outras áreas da pele sejam contaminadas pelo vírus. Um sabonete antisséptico pode ser recomendado. Aplicar gelo ou calor na área pode reduzir a dor.

As dicas para evitar futuras erupções incluem aplicar filtro solar ou protetor labial com óxido de zinco quando estiver em áreas abertas. Um hidratante labial para evitar que os lábios fiquem muito secos também pode ajudar.
 
Os seguintes cuidados devem ser tomados durante um surto de herpes:
  • Tratamento deve ser iniciado tão logo comecem os primeiros sintomas, assim o surto deverá ser de menor intensidade e duração;
  • Evite furar as vesículas;
  • Evite beijar ou falar muito próximo de outras pessoas, principalmente de crianças se a localização for labial;
  • Lave sempre bem as mãos após manipular as feridas pois a virose pode ser transmitida para outros locais de seu próprio corpo, especialmente as mucosas oculares, bucal e genital. 
O tratamento deve ser orientado pelo seu médico dermatologista. É ele quem pode determinar os medicamentos mais indicados para o seu caso que, dependendo da intensidade, podem ser de uso local (na forma de cremes ou soluções) ou de uso via oral, na forma de comprimidos.

Quando as recidivas do herpes forem muito frequentes, a imunidade deve ser estimulada para combater o vírus. Os fenômenos desencadeantes devem ser evitados, procurando-se levar uma vida o mais saudável possível. Quem tem crises de herpes labial com muita frequência pode tomar preventivamente medicamentos antivirais. O tratamento de prevenção pode ser mantido por meses, e isso deve ser monitorado por um médico.

A eficácia das vacinas contra o herpes são muito discutidas, mostrando bons resultados em alguns pacientes mas nenhum resultado em outros.
 
Como prevenir? Como evitar a reincidência da herpes?
  •  Evite contato direto com feridas de herpes.
  • Minimize o risco de disseminação indireta lavando bem itens, como toalhas em água quente (preferencialmente, fervente) antes de reutilizá-los.
  • Não compartilhe itens com uma pessoa infectada, principalmente quando ela tiver lesões de herpes.
  • Evite desencadeadores (principalmente exposição ao sol) se tiver tendência ao herpes oral.
  • Evite fazer sexo oral quando estiver com lesões de herpes na boca ou perto da boca e evite receber sexo oral de alguém que tenha lesões de herpes genital ou oral. Os preservativos podem ajudar a reduzir, mas não eliminar totalmente, o risco de pegar herpes no sexo genital ou oral com uma pessoa infectada.
  • Os vírus do herpes oral ou genital podem às vezes ser transmitidos mesmo quando a pessoa não apresenta lesões ativas. 

Qual é a relação com o sol?
 A exposição ao sol afeta células de defesa da nossa pele e diminui a imunidade do organismo, favorecendo a reativação do vírus que se apresenta de forma latente e provocando o surto de herpes.
 
Herpes (Herpes simples, Herpes labial)
O herpes é uma infecção causada pelo Herpes simplex virus. O contato com o vírus ocorre geralmente na infância, mas muitas vezes a doença não se manifesta nesta época. O vírus atravessa a pele e, percorrendo um nervo, se instala no organismo de forma latente, até que venha a ser reativado.
 
A reativação do vírus pode ocorrer devido a diversos fatores desencadeantes, tais como: exposição à luz solar intensa, fadiga física e mental, estresse emocional, febre ou outras infecções que diminuam a resistência orgânica.

Algumas pessoas tem maior possibilidade de apresentar os sintomas do herpes. Outras, mesmo em contato com o vírus, nunca apresentam a doença, pois sua imunidade não permite o seu desenvolvimento.
 
Manifestações clínicas
As localizações mais frequentes são os lábios e a região genital, mas o herpes pode aparecer em qualquer lugar da pele. Uma vez reativado, o herpes se apresenta da seguinte forma: inicialmente pode haver coceira e ardência no local onde surgirão as lesões. A seguir, formam-se pequenas bolhas agrupadas como num buquê sobre área avermelhada e inchada. As bolhas rompem-se liberando líquido rico em vírus e formando uma ferida. É a fase de maior perigo de transmissão da doença.
a ferida começa a secar formando uma crosta que dará início à cicatrização.
a duração da doença é de cerca de 5 a 10 dias.

Tratamento
Os seguintes cuidados devem ser tomados durante um surto de herpes:
 
- O tratamento deve ser iniciado tão logo comecem os primeiros sintomas, assim o surto deverá ser de menor intensidade e duração;
- Evite furar as vesículas;
- Evite beijar ou falar muito próximo de outras pessoas, principalmente de crianças se a localização for labial;;
- Lave sempre bem as mãos após manipular as feridas pois a virose pode ser transmitida para outros locais de seu próprio corpo, especialmente as mucosas oculares, bucal e genital.
- O tratamento deve ser orientado pelo seu médico dermatologista. É ele quem pode determinar os medicamentos mais indicados para o seu caso que, dependendo da intensidade, podem ser de uso local (na forma de cremes ou soluções) ou de uso via oral, na forma de comprimidos.
 
Quando as recidivas do herpes forem muito frequentes, a imunidade deve ser estimulada para combater o vírus. Os fenômenos desencadeantes devem ser evitados, procurando-se levar uma vida o mais saudável possível.

A eficácia das vacinas contra o herpes são muito discutidas, mostrando bons resultados em alguns pacientes mas nenhum resultado em outros.
Lábios Rachados – Perguntas e Respostas
Quais são as principais causas do sintoma? Ele pode indicar doenças mais sérias? (Em caso positivo) Quais as mais comuns?
Lábios ressecados podem ser resultado da deficiência de vitaminas ou outros micronutrientes, mas também podem ser desencadeado pelo excesso dos mesmos. Podem ocorrer devido reação alérgica ao uso de produtos nos lábios (dermatite de contato – batons, gloss, pasta de dentes etc) ou como manifestação de reações de hipersensibilidade à medicamentos por via sistêmica. Outras causas possíveis são exposição ao vento, frio ou sol e ar condicionado. Algumas medicações podem causar ressecamento intenso nos lábios, um efeito colateral, como por exemplo, da isotretinoína, usada para tratamento de acne. Infecções podem causar feridas nos lábios, como o herpes labial, causado pelo vírus Herpes Simplex. O hábito de friccionar os lábios ou passar a língua e dentes, muitas vezes desencadeados pela ansiedade, também podem levar ao aparecimento de rachaduras. O hábito de fumar, também causa ressecamento e envelhecimento dos lábios.
 
Verdade que lábios rachados podem ser sintoma de reação a medicamentos? Qual é a relação entre um problema e outro?
O ressecamento, aparecimento de feridas e inchaço nos lábios podem ser decorrentes de reações de hipersensibilidade a medicamentos e alimentos. As manifestações podem ocorrer somente nos lábios ou acometer outras áreas do corpo. A isotretinoína, medicação usada para o tratamento da acne, tem como um dos efeitos colaterais o ressecamento da pele e mucosas, incluindo os lábios, que são considerados semi-mucosa.
 
Lábios rachados também podem ser sinal de alergias e infecções? Qual é a relação entre um problema e outro?
Tanto medicações usadas por via sistêmica (via oral, injetáveis, intra-muscular), quanto produtos de uso tópico (sobre os lábios) podem desencadear reação alérgica com aparecimento de feridas, ressecamento e inchaço dos lábios. Batons, gloss, pasta de dentes, ou até mesmo chupeta e mamadeira em crianças, podem desencadear reação de hipersensibilidade local nos lábios, o que chamamos de dermatite de contato. Quando os lábios estão nessas condições, ocorre ruptura da barreira de proteção cutânea às infecções e pode haver acometimento secundário por bactérias.

Infecção pelo vírus Herpes Simplex, também pode desencadear alterações labiais, com aparecimento de feridas e dor. O contato com o vírus ocorre geralmente na infância, mas muitas vezes a doença não se manifesta nesta época. O vírus atravessa a pele e, percorrendo um nervo, se instala no organismo de forma latente, até que venha a ser reativado. A reativação pode ocorrer devido a diversos fatores, tais como: exposição à luz solar intensa, fadiga física e mental, estresse emocional, febre ou outras infecções que diminuam a resistência orgânica (imunidade). Algumas pessoas tem maior possibilidade de apresentar os sintomas do herpes. Outras, mesmo em contato com o vírus, nunca apresentam a doença, pois sua imunidade não permite o seu desenvolvimento.
 
Como se faz o diagnóstico? É o dermatologista mesmo quem faz o diagnóstico da doença que está por trás dos lábios rachados ou o paciente é normalmente encaminhado para outro especialista? Nesse caso, para qual especialista ele é encaminhado?
O diagnóstico é feito através do exame físico e da história clínica. O dermatologista é o profissional apto a identificar a causa e tratar as alterações labiais. Sempre encaminhando para outros especialistas caso haja indicação e necessidade de tratamento em conjunto. Tudo isso vai depender de cada caso.
 
Quais os tratamentos mais comuns para o sintoma? Há casos em que é preciso tratar a causa? Quais? E como é o tratamento, nesses casos? Há possibilidade de cura? Ou se faz apenas um controle? Por quê?
O tratamento é voltado para hidratação, controle da infecção e recuperação da perda da barreira cutânea causada pelas alterações labiais. No caso, por exemplo, de reações alérgicas, a conduta é suspender a medicação em uso. Nas infecções pelo Herpes Simplex, usam-se anti-virais, nas infecções bacterianas secundárias, antibióticos, e, assim por diante.

A pele hidratada é mais resistente às agressões (frio, sol, ar condicionado, saliva etc) e recupera-se mais rapidamente quando lesões estão presentes, por isso, é muito importante manter os lábios sempre hidratados. Existem ainda, produtos cicatrizantes que auxiliam na recuperação dos lábios rachados. Exemplos de substâncias tópicas usadas para esses fins: dexpantenol, aloe e vera, ceramidas, viatamina E, manteiga de karité, glicerina, óleo de malaleuca, manteiga de cacau etc. Existem inúmeros produtos específicos para os lábios no mercado, o dermatologista poderá indicar o que é mais adequado para cada caso. Protetor solar labial é sempre importante, tanto nos dias quentes, quanto frios. Esfoliação com produtos específicos para os lábios, pode melhorar o aspecto físico dos lábios rachados e aumentar a penetração de ativos. Existem produtos adequados para esfoliar a pele delicada dos lábios, por isso, jamais use o mesmo esfoliante que você passa no rosto ou no corpo.
 
Quais são os cuidados básicos para manter os lábios hidratados?
Lábios ressecados, são problema comum nas épocas mais fria do ano, outono e inverno, sendo uma das regiões mais sensíveis da pele humana, assim, com as mudanças climáticas, os lábios sofrem efeitos adversos. Lábios rachados também podem ocorrer em tempos quentes e secos, sendo que a baixa umidade do ar e altas temperaturas fazem com que os lábios fiquem secos e descamativos, para salvá-los, nada melhor do que a aplicação constante e frequente de hidratantes específicos e adequados, além de protetor solar labial. Procure nos rótulos as fórmulas que contenham ao menos alguns destes ativos: dexpantenol, ceramidas, vitamina E e A, bisabolol, manteiga de karité, manteiga de cacau, ácido hialurônico, silicones e cera de abelhas. A aplicação destes produtos deve ser feita sem moderação, várias vezes ao longo do dia, já que ao comer, beber e falar removemos progressivamente os ativos em contato com os lábios.
 
Existe algum tipo de alimento que é preciso evitar nessa época, já que os lábios já estão ressecados?
 Sim, alimentos ácidos, como abacaxi e limão, colaboram com o ressecamento. Alimentos muito ácidos, apimentados e bebidas quentes devem ser evitados
 
O que é melhor: gloss, batom ou manteiga de cacau? Tudo bem passar os três?
A manteiga de cacau é extraída da semente de cacau durante o processo de fabricação do chocolate. Como é um tipo de gordura natural, a manteiga de cacau tem muitas propriedades hidratantes e emolientes que ajudam a recuperar a oleosidade dos lábios.
Existem muitos outros produtos que garantem a hidratação dos lábios, como, por exemplo, batons à base de cera de abelha ou manteigas feitas de outros frutos ricos em gordura vegetal, como a macadâmia e a karitê. O gloss e os brilhos labiais também ajudam, à medida que formam um filme protetor nos lábios, impedindo a perda rápida de água - são mais indicados para manter a hidratação do que para tratar o ressecamento já estabelecido.
 
O que não podemos passar de jeito nenhum nos lábios?
Batom ou gloss com corantes como eosina e fluoresceína, fragrâncias sintéticas e parabenos, podem provocar ardência, rachaduras e os lábios mais ásperos, portanto, devem ser evitados. A pele dos lábios é mais fina e delicada e portanto devem ser usados apenas produtos específicos para a região. O uso de produtos inadequados pode provocar irritação e desencadear reações alérgicas.
 
Dicas de como prevenir o problema:
  • Evite lamber os lábios e arrancar os pedaços de pele que se destacam.
  • Banhos quentes, frio, vento e ar condicionado contribuem para piorar a situação. Tente evitá-los na medida do possível.
  • Se houver algum princípio de infecção, procure o dermatologista para que ele prescreva um antibiótico adequado.
  • Beba bastante água.
  • Caso você use batom, prefira os de efeito hidratante. Batons de longa duração geralmente ressecam mais os lábios.
  • Use ungüentos e produtos hidratantes, além de protetor solar labial (≥ 30), diariamente, tendo o cuidado de reaplicar sempre que possível.
  • Caso a causa dos lábios rachados não seja devido à isotretinoína via oral, que é mais intensa, a esfoliação dos lábios é recomendada.
  • Dieta rica em minerais, vitaminas e proteínas pode ajudar na prevenção e melhora dos lábios rachados.
« Voltar