(11) 5185-0570

(11) 99907-6292

Av. Arnolfo de Azevedo, 84 - Pacaembú - São Paulo - SP - 01236-0360

Intradermoterapia / MMP

Infusão Percutânea de Medicamentos (MMP®)
Vários são os medicamentos disponíveis para o tratamento, ficando o médico responsável pela escolha da mescla (mistura dos fármacos), dependendo do objetivo do tratamento. Os medicamentos de ação lipolítica (que destroem os adipócitos – células de gordura) reduzem a gordura localizada, melhorando a circulação e, consequentemente, a celulite. Os produtos aplicados podem possuir ainda: propriedades venotônicas, vasculoprotetoras e linfocinéticas, depigmentantes, estimuladoras da produção de colageno etc.
 
Uma das primeiras substâncias usadas nesse tipo de terapia foi a fosfatidilcolina, na década de 1990. Seu uso virou moda rapidamente, mas logo foi proibida no Brasil para fins estéticos, pois não existem estudos clínicos que comprovem sua segurança. Hoje, existem vários produtos disponíveis, a maior parte deles sintética. A combinação de substâncias pode potencializar resultados e somar efeitos, mas é fundamental que seja feita de maneira adequada, pois associações e aplicações de forma indevida podem gerar problemas, como por exemplo, necrose da pele. É um procedimento invasivo e deve ser realizado por médico.

São indicadas, em média, 10 sessões e os resultados variam de acordo com cada caso e objetivo. O intervalo entre as sessões varia de acordo com as alterações apresentadas pelo paciente e com as substâncias utilizadas, podendo ser semanais ou quinzenais

A intradermoterapia consiste na aplicação de medicamentos na pele ou subcutâneo. Técnica de origem francesa, tem como intuito proporcionar uma alta concentração do fármaco no local de ação, com poucos efeitos colaterais. Visto que a absorção e concentração deste no sangue é menor. Trata-se da introdução de medicamentos na derme (camada profunda da pele) através de agulha apropriada, com quatro ou seis milimetros de comprimento. O princípio básico da intradermoterapia é a aplicação de medicamentos próximos ao local onde irão agir. Então, uma pequena quantidade aplicada no local alvo terá uma forte ação neste local e quando absorvida e distribuída no resto do organismo, haverá diluição e os possíveis efeitos colaterais serão diminuídos.
 
Intradermoterapia é uma maneira de administrar medicamentos, podendo ser excelente, inútil ou até prejudicial, dependendo de quem realiza o tratamento (que deve ser sempre feito um médico especialista treinado e habituado com a técnica), do tipo de medicamento aplicado, do problema à ser tratado e do órgão alvo onde foi feita a aplicação.
 
Fundamentalmente o paciente deverá ser avaliado pelo médico através de história clínica adequada e exames laboratoriais, para que seja definida, ou não, a possibilidade do tratamento com essa técnica. Muitas das substâncias aplicadas não são inócuas e podem desencadear sérios problemas se não forem bem indicadas e bem administradas.
 
A intradermoterapia pode ser utilizada para o tratamento de vários problemas estéticos da pele e seus anexos. Atualmente, entre outras indicações, podemos utilizar para as seguintes terapêuticas:
 
Estrias: As estrias antigas (principalmente, as mais finas) podem apresentar melhora clínica com mesclas contendo ácido hialurônico, buflomedil e asiaticosídeo, por exemplo. Nestes casos, lasers fracionados e procedimentos cirúrgicos podem ser combinados para melhores resultados.
 
Gordura Localizada: O acúmulo de tecido adiposo com pequeno volume (no abdome, nos flancos e nas coxas) pode ser tratado com intradermoterapia. Neste caso, as mudanças do estilo de vida (alimentação balanceada, hidratação e atividade física regular) são fundamentais para resultados satisfatórios.
 
Tratamentos Capilares: Queda de cabelo com várias causas (calvície, deficiência de vitaminas, alterações hormonais) podem ser tratadas com a infiltração de mesclas ou produtos específicos após um preciso diagnóstico clínico dos motivos desta alteração.

Gestantes e mulheres que estão amamentando não devem ser submetidas a intradermoterapia. O procedimento também está contra indicado em pessoas com doenças autoimunes (lúpus, por exemplo) ou que apresentem alguma doença de pele no local onde será realizada a injeção do produto.
 
Após o procedimento, é recomendado dormir com a cabeceira discretamente elevada e utilizar compressas geladas após os procedimentos corporais para reduzir o desconforto da dor e diminuir a formação dos hematomas. No tratamento das estrias e da gordura localizada o uso de bermudas compressivas é recomendado por 7 a 10 dias após o procedimento. Devido a frequente formação de hematomas nos locais da aplicação, recomenda-se proteção solar regular e rigorosa durante todo o tratamento para evitar a formação de manchas nas regiões tratadas.
« Voltar