(11) 5185-0570

(11) 99907-6292

Av. Arnolfo de Azevedo, 84 - Pacaembú - São Paulo - SP - 01236-0360

Hidratação

Cuidados na Hora do Banho
Banho com água muito quente, prolongado e com uso de buchas, prejudica a saúde da pele. A pele tem uma camada natural de proteção, composta basicamente por água e lipídios (gordura), que promove a hidratação cutânea natural, tornando-a mais resistente às agressões externas. Essa camada protetora é removida quando água muito quente entra em contato com a pele. O banho prolongado e o uso de buchas promovem remoção ainda mais intensa do manto hidro-lipídico. Sem a camada emoliente e protetora, a pele fica ressecada e sensível, havendo aparecimento de vermelhidão, coceira e ardência. Indivíduos que têm pele seca sofrem ainda mais, devido ao agravamento do quadro cutâneo pré-existente. No entanto, peles oleosas também são prejudicadas, pois ao detectar a retirada da oleosidade necessária, ocorre um mecanismo rebote de defesa orgânica, com aceleração da produção de gordura pelas glândulas sebáceas, levando ao aumento posterior da oleosidade.
 
O ideal é tomar banho com água morna e demorar o mínimo necessário, evitar o uso de buchas é fundamental. Usar sabonetes suaves, de glicerina, com hidratantes e pouco perfume, de preferência os destinados aos bebês, pois possuem menos substâncias químicas em sua composição. Após o banho, principalmente as pessoas com pele seca, devem aplicar hidratante específico para seu tipo de pele, preferencialmente indicado por um dermatologista. Imediatamente após o banho, quando a pele ainda está úmida, ocorre maior absorção e efetividade emoliente do produto, por isso, esse é o momento ideal para hidratar a pele.
 
Quanto mais quente for a água e quanto mais tempo você ficar imerso,  maiores serão os efeitos de desidratação da pele. A temperatura ideal do banho é a mesmo do corpo, ou seja, por volta de 36°, entre 26° e 37° é aceitável e os efeitos adversos não serão intensos, claro, que desde que você não permaneça muito tempo na água. O ideal é ficar no banho no máximo 15 minutos. A água deve estar morna para fria, devendo ser notada pela própria sensação na pele. Não devemos sentir calor durante o banho.
 
Primeiramente, devemos evitar banhos muito quentes, prolongados e o uso de buchas. Isso é válido, principalmente, para quem tem pele seca e sensível. O ideal é tomar um, ou no máximo dois banhos ao dia, com água morna e duração de no máximo 15 minutos. Caso sejam tomados mais de um banho por dia, os sabonetes devem ser usados no corpo todo apenas em um dos banhos; nos outros, usar apenas nos locais de dobras de pele (virilha, axilas, pés etc) ou de maior oleosidade. Opte sempre por sabonetes neutros, de glicerina, com pouco perfume e corante; os destinados aos bebês possuem menos substâncias químicas, assim sendo, são menos capazes de desencadear hipersensibilidade e irritar a pele.

Evitar produtos que contenham álcool na sua fórmula, pois podem ressecar e irritar ainda mais a pele. Os hidratantes devem ser utilizados logo após o banho, no momento em que a pele ainda está úmida, pois a absorção e efetividade dos agentes emolientes ficam potencializadas. O ideal é que o hidratante seja indicado pelo dermatologista, pois o mesmo avaliará a pele do paciente e indicará o produto mais adequado. Algumas vezes, o ressecamento, prurido e vermelhidão, podem ser decorrentes de doenças cutâneas, como a dermatite atópica, psoríase, dermatite seborreica, entre outras. Nestes casos, é importante que o dermatologista diagnostique qual é a causa das alterações, para então indicar o tratamento mais adequado.
 
 
 
 
Hidratação Facial
Qual a importância de um bom hidratante facial? Mesmo pessoas com pele oleosa precisam de hidratação?
A pele desidratada pode ter sua função de proteção comprometida, além de ganhar aspecto opaco, áspero, sem elasticidade e com tendência à descamação. A pele ressecada é mais frágil e sujeita a irritações. A pele oleosa ou acneica também precisa de cuidados especiais, que variam desde a hidratação específica, à ação matificante e fotoproteção. 
Quais as vantagens de um bom creme hidratante para as peles oleosa, normal, mista e seca?

Existem vários tipos de hidratante, a principal função de todos eles é a mesma: manter a quantidade adequada de água na pele, com moléculas que atraem a água ou que formam uma barreira, evitando o ressecamento. O que varia é o tipo de produto que usamos. O melhor hidratante deve ser analisado, de acordo com o tipo de pele.
• Peles oleosas combinam com hidratantes em forma de loção ou gel, que têm menos óleo na formulação. O uso de hidratantes em creme é contra-indicado porque em peles oleosas podem agravar a ocorrência de acne.
• Já as peles secas precisam de produtos em creme, que têm fórmula mais oleosa.
• Quem tem pele mista pode usar hidratantes formulados em gel ou gel-creme, livres de óleo. Desse jeito, se evita o ressecamento e o excesso de oleosidade.
• Para peles normais são recomendados hidratantes em loção cremosa, mas livres de óleo para evitar o aparecimento de espinhas.
• Os hidratantes em forma de loção e gel podem não ter tanto efeito como os cremosos, mas não há grandes desvantagens, já que o creme pode facilitar o aparecimento de acne e foliculite por conter muito óleo.
• Independente do hidratante, o ideal é que combine com a pele para que a pessoa se sinta confortável.

O bom hidratante não precisa ser grosso ou oleoso e a escolha deve ser feita pelo critério do conforto de quem o usa. Contudo, também devem ser evitados os muito coloridos e perfumados. O hidratante precisa ser usado em todo o corpo, inclusive no rosto, para o qual existem produtos específicos. Há boas opções que já vêm inclusive com o protetor solar. É importante lembrar que os óleos não hidratam a pele e não podem substituir o uso do hidratante; no máximo, podem ser usados juntos.
 
O que muda no hidratante ideal para cada tipo de pele?
A preocupação com a aparência e saúde da pele é essencial em todas as idades. Entretanto, deve-se ficar atento ao tratamento utilizado para não abusar de produtos inapropriados, que a pele ainda não precisa. Ou então, em outros casos, deixar a pele sem os produtos adequados. Saiba como tratar corretamente sua pele em cada fase de sua vida:

» Até os 25 anos
A pele é viçosa, tem uma melhor oxigenação e retém líquidos com mais facilidade. A elastina e colágeno, as fibras que sustentam a pele, também são produzidas na medida certa. É importante, nesta fase, já adotar o ritual limpeza+tonificação+hidratação diariamente e não esquecer do filtro solar em todos os momentos.

» De 25 a 35 anos
As primeiras linhas de expressão em regiões como testa e ao redor dos olhos podem aparecer. Manchas e pintas da idade também costumam surgir. A pele fica mais flácida porque o colágeno e a elastina são produzidos mais lentamente. O ritual diário deve ser mantido com mais rigor e o dermatologista pode receitar cremes à base de ácido retinóico para aumentar a produção de colágeno e elastina.

» De 35 anos em diante
A produção de colágeno e elastina tendem a diminuir mais e as rugas nas áreas mais sensíveis do rosto aparecem com mais freqüência. O dermatologista pode receitar o tratamento mais adequado à necessidade da pele, como peelings e preenchimento cutâneo.

Acima dos quarenta anos, é preciso utilizar cremes que contenham efeito firmador para auxiliar o combate à flacidez, estimular as fibras de sustentação e combater as rugas.

Existem cremes hidratantes com fator de proteção solar? Eles são uma boa pedida para proteger o rosto?
Sim, mas devem-se usar produtos de laboratórios confiáveis, testados dermatologicamente e com fator de proteção solar adequado para o tipo de pele.
 
 
Hidratação no Homem
Homem não gosta muito de usar hidratante, acha que é frescura. O que você tem a dizer sobre isso?
Os homens realmente apresentam resistência ao uso dos hidratantes e demais produtos dermatológicos. Ao meu ver, por uma questão cultural (preconceito, principalmente dos amigos do mesmo sexo) e também física. A presença dos pelos dificulta a espalhabilidade dos produtos e causa desconforto. Mas hoje temos muitas opções no mercado para o público masculino, acredito que isso vem contribuindo para a melhora da adesão aos tratamentos para a pele.
 
Que partes do corpo o homem deve hidratar e qual a quantidade indicada de hidratante para cada parte?
O ideal é que o hidratante seja aplicado em todo corpo. Mas a real necessidade é determinada pelo tipo de pele, faixa etária, tempo de banho e temperatura da água, associação com outras condições etc. Algumas regiões merecem mais atenção por estarem mais suscetíveis ao ressecamento, como as mãos, pés, joelhos e cotovelos. Para essas áreas, cremes mais espessos, com princípios ativos potentes e ação queratolítica, como a uréia a o lactato de amônio, são indicados. A quantidade deve ser suficiente para cobrir toda a área de aplicação, sem restar excesso do produto.
 
Para o rosto
Por que não é indicado usar o mesmo hidratante do corpo para o rosto?
Porque as características da pele do rosto e do corpo são diferentes. Na face existe um número bem maior de glândulas sebáceas, a pele é mais espessa, mais oleosa e com maior resistência à penetração de ativos. Por exemplo, o uso de um produto destinado para o corpo na face pode agravar ou induzir o aparecimento de cravos e espinhas.
 
O ato de se barbear afeta de alguma forma a hidratação da pele do rosto? Se sim, o que é preciso fazer?
Os pelos tem ação protetora e retém umidade na pele, assim sendo, a remoção dos mesmos pode sim influenciar a hidratação. Além disso, o ato de barbear representa uma ação mecânica na qual a porção mais superficial da pele é removida, o que pode interferir na hidratação e capacidade de penetração dos alérgenos e microrganismos. O ideal é que logo após barbear, produtos com propriedades calmantes e hidratantes sejam aplicados. A barba deve ser feita durante o banho, pois a umidade favorece o deslizar, amolece o pelo e minimiza traumas e reações inflamatórias.
 
O que a falta de hidratação facial pode causar? Rugas, marcas de expressão?
A pele desidratada pode ter sua função de proteção comprometida, além de ganhar aspecto opaco, áspero, sem elasticidade e com tendência à descamação. A pele ressecada é mais frágil e sujeita a irritações. A pele oleosa ou acneica também precisa de cuidados especiais, que variam desde a hidratação específica, à ação matificante e fotoproteção. Manter a pele hidratada não é só uma questão de estética: é também fundamental para prevenir o aparecimento de diversas doenças.
 
Como um homem deve escolher um hidratante facial? Ele pode usar o da mulher?
Não, um bom produto para um indivíduo pode não ser um produto ruim para outro. A pele da mulher é diferente da do homem. Para o sucesso terapêutico é fundamental que o paciente seja individualmente avaliado pelo dermatologista, que indicará o melhor tratamento de acordo com as características observadas.
   
Qual a quantidade indicada de hidratante para o rosto?
A quantidade ideal é a suficiente para cobrir a área tratada de forma homogênea. A quantidade exata depende das características do produto aplicado e da pele do paciente.    Quantidade de creme não é sinônimo de pele hidratada. O importante é usar um hidratante em quantidade suficiente para recobrir todo o rosto, específico para cada tipo de pele. Os hidratantes têm como objetivo manter a estrutura da barreira de proteção da pele, tornando-a mais macia, flexível e com melhor textura. Geralmente, as peles mais secas exigem à aplicação de uma camada mais grossa e as peles oleosas a mista uma camada mais fina, por causa do limite de absorção do produto.

A indicação para o hidratante facial depende do tipo de pele do homem? Se sim, qual é indicado para quê? (Loção, gel, creme etc)
O hidratante adequado vai depender das características individuais da pele. Geralmente, cremes mais densos, são indicados para peles mais secas já que eles são ricos em matérias-primas oclusivas (matérias-primas mais oleosas, que formam um filme oclusivo sobre a pele, impedindo a água de evaporar); os cremes mais fluidos são indicados, principalmente, para pele normal a oleosa, pois são ricos em matérias-primas umectantes (retiram água da atmosfera, ou seja, do ar, atraindo-a para a pele, além de "puxar" água da profundidade da pele, atraindo-a para as camadas mais superficiais da pele, hidratando-a).  De forma geral, os homens apresentam pele mais oleosa por natureza. Atualmente, a maioria dos hidratantes faciais possui outras substâncias que fazem mais que hidratar, como as vitaminas C e E, que impedem a ação dos radicais livres, importantes para o envelhecimento da pele, e a vitamina A, conhecida como retinol, que estimula a produção de fibras elásticas e colágenas, tornando a pele mais firme, e, os filtros solares, que diminuem a produção de radicais livres e a degradação de fibras elásticas e colágenas, os quais predispõem ao envelhecimento, bem como impede a queimadura solar, a qual favorece o aparecimento do câncer de pele. O ideal é passar por uma avaliação dermatológica para que o especialista indique o produto mais adequado para o seu tipo de pele.

No rosto a atenção e o cuidado devem ser redobrados. A pele do homem brasileiro tem uma maior tendência à oleosidade, grande parte da população tem a pele do rosto oleosa e a escolha adequada dos produtos é fundamental para evitar o aparecimento de cravos e espinhas. Para quem tem a pele seca é necessário recorrer a uma hidratação intensiva e deve-se usar produtos à base de óleo de amêndoas, aloe vera, ureia, entre outros. Já as oleosas necessitam de hidratantes em forma de gel, que tem a função de proteger, controlar a oleosidade e minimizar o aparecimento de cravos e espinhas. Os hidratantes ideais para pele mista devem ser formulados em gel ou gel-creme e livres de óleo. Já a pele normal se encontra em equilíbrio e deve ser hidratada para permanecer deste modo. Para isso, recomenda-se o uso de hidratantes em loção com base aquosa e fórmulas fluidas.

Não é só a pele seca que sofre com as consequências do inverno. A pele oleosa também sente os efeitos das baixas temperaturas e precisa de cuidados especiais para  se manter saudável. Durante o inverno, é comum ocorrer um aumento da oleosidade, estimulada pelo frio, pela diminuição da sudorese e também pelo uso de água quente durante o banho.
 
Algumas dicas de como proceder com a hidratação facial:
- Evite lavar a face várias vezes por dia. Lave-a apenas 2 ou 3 vezes, usando água fria e dando preferência a sabonetes suaves e/ou adequados para peles acnêicas. O uso de substâncias adstringentes auxilia a controlar a oleosidade, devendo-se evitar os sabonetes hidratantes, que podem conter substâncias oleosas em suas fórmulas.
- Não use hidratantes nas áreas onde a pele é mais oleosa. Em caso de ressecamento da pele, que pode ser provocado pelo frio, vento e banhos quentes, deve-se dar preferência àqueles com o rótulo de “oil-free” (livres de óleo) e/ou não-comedogênicos, que significa que não provocam o surgimento de cravos. Em geral, estes produtos são loções aquosas ou do tipo gel.
- Se a sua pele apresenta cravos e espinhas, use produtos que ajudem a controlar o surgimento destas lesões, desobstruindo os poros e diminuindo as inflamações. Alguns tipos de ácidos, esfoliantes e antibióticos de uso local podem ser necessários. Neste caso, você deve consultar um dermatologista para que ele indique o produto mais adequado para a sua pele.
- Cuide da alimentação. No frio bebemos menos água, o que pode colaborar para o ressecamento da pele. É recomendado beber cerca de 2 litros de água por dia. Evite alimentos gordurosos e aumente o consumo de frutas, legumes e verduras. Os ômegas também podem ser úteis devido suas propriedades antinflamatórias.
- Os lábios também sofrem com a ação do frio e podem rachar e até ficar feridos. Não esqueça do protetor labial, de preferência, opte pelos que possuem fotoproteção.
- O frio, o vento e a baixa umidade podem provocar irritações e descamações, além de propiciarem o aparecimento de doenças da pele, como a dermatite atópica e a dermatite seborreica. Nesses casos, é fundamental procurar um dermatologista.
 
Para as mãos e pés
Homem também tem que hidratar mãos e pés? Por quê? Que ingredientes são necessários para os cremes de mãos e pés? O que pode acontecer caso ele não hidrate essas partes do corpo?
Mãos e pés, assim como joelhos e cotovelos, são áreas muito acometidas quando a pele fica desidratada. Frio, vento, ar seco, banho quente e atrito constante são os culpados. É possível reverter e prevenir o problema adotando medidas simples e usando o creme adequado. A pele dessas áreas é mais espessa e enrugada, pois são regiões de trauma e tem finalidade de proteger as articulações, apoiar o corpo e garantir a amplitude dos movimentos. Também têm menos glândulas sebáceas, que produzem o óleo natural que lubrifica a pele. Além disso, estão sujeitos a muito atrito e fricção, outro fator de ressecamento e espessamento.

O uso de um hidratante potente e adequado é fundamental para o sucesso terapêutico. São recomendados produtos com dosagem alta de uréia (cerca de 10-20%), que têm ação queratolítica, ou seja, esfoliam e afinam a pele, removendo aquela camada endurecida. Outros ingredientes, para hidratar e amaciar, são bem-vindos: ceramidas, vitamina E, ácido láctico, lactato de amônia e alantoína.
Hidratação no Inverno
Para o corpo
Qual o efeito do tempo frio e seco do inverno na pele? De que formas o corpo perde hidratação? A temperatura do banho também influencia na falta de hidratação?
No inverno, há diminuição da transpiração e queda da umidade relativa do ar, levando a redução da hidratação natural e ressecamento da pele. Além disso, nesta época, é comum se tomar banhos mais quentes, diminuindo o manto hidro-lipídico que retém a umidade da pele. O inverno pode ser mais prejudicial para a pele do que o verão, os cuidados com a hidratação são ainda mais importantes nesta época do ano. A pele desidratada pode ter sua função de proteção comprometida, além de ganhar aspecto opaco, áspero, sem elasticidade e com tendência à descamação.

Banho com água muito quente, prolongado e com uso de buchas, prejudica a saúde da pele. A pele tem uma camada natural de proteção, composta basicamente por água e lipídios (gordura), que promove a hidratação cutânea, tornando-a mais resistente às agressões externas. Sem a camada emoliente e protetora, a pele fica ressecada e sensível, havendo aparecimento de vermelhidão, coceira e ardência. Indivíduos que têm pele seca sofrem ainda mais, devido ao agravamento do quadro cutâneo pré-existente. No entanto, peles oleosas também são prejudicadas, pois ao detectar a retirada da oleosidade necessária, ocorre um mecanismo rebote de defesa orgânica, com aceleração da produção de gordura pelas glândulas sebáceas, levando ao aumento posterior da oleosidade.

O ideal é tomar banho com água morna e demorar o mínimo necessário e evitar o uso de buchas. Usar sabonetes suaves, de glicerina, com hidratantes e pouco perfume, de preferência os destinados aos bebês, pois possuem menos substâncias químicas em sua composição. Após o banho, principalmente as pessoas com pele seca, devem aplicar hidratante específico para seu tipo de pele, preferencialmente indicado por um dermatologista. Imediatamente após o banho, quando a pele ainda está úmida, ocorre maior absorção e efetividade emoliente do produto, por isso, esse é o momento ideal para hidratar a pele.

Quanto mais quente for a água e quanto mais tempo você ficar imerso, maiores serão os efeitos de desidratação da pele. A temperatura ideal do banho é a mesmo do corpo, ou seja, por volta de 36°, entre 26° e 37° é aceitável e os efeitos adversos não serão intensos, claro, que desde que você não permaneça muito tempo na água. O ideal é ficar no banho no máximo 15 minutos. A água deve estar morna para fria, devendo ser notada pela própria sensação na pele. Não devemos sentir calor durante o banho.
 
Qual a diferença de cremes, loções e musses hidratantes? Qual é mais indicado?
Existem vários tipos de hidratante, a principal função de todos eles é a mesma: manter a quantidade adequada de água na pele, com moléculas que atraem a água ou que formam uma barreira, evitando a perda transepidérmica de líquidos e o consequente ressecamento. O melhor hidratante deve ser considerado de acordo com o tipo de pele.
• Peles oleosas combinam com hidratantes em forma de loção ou gel, que têm menos óleo na formulação. O uso de hidratantes em creme é contra-indicado porque em peles oleosas podem agravar e induzir a ocorrência de acne.
• Já as peles secas precisam de produtos em creme, que têm fórmula mais oleosa.
• Quem tem pele mista pode usar hidratantes formulados em gel ou gel-creme, livres de óleo. Desse jeito, se evita o ressecamento e o excesso de oleosidade.
• Para peles normais são recomendados hidratantes em loção cremosa, mas livres de óleo para evitar o aparecimento de espinhas.
    Independente do hidratante, o ideal é que combine com a pele para que a pessoa se sinta confortável ao utilizá-lo e não ocorra agravamento de condições cutâneas pré-existentes.
Exemplos de hidratantes:
 
Manteigas Corporais
As manteigas corporais são fantásticas para uma hidratação intensa e duradoura. São perfeitas para o inverno, em que a pele fica mais vulnerável à desidratação. Formuladas para terem textura rica e emoliente que hidrata intensamente a pele ressecada, a sua consistência faz de fato lembrar uma manteiga. Geralmente o efeito das manteigas dura cerca de 24 horas, o que as torna ideais para as partes do seu corpo onde não se pode reaplicar várias vezes por dia. São também indicadas para as partes mais ressecadas do corpo, como os cotovelos e os pés, deixam a pele com um toque sedoso. Em geral, os homens não gostam de utilizar as manteigas, por serem consistentes e aderirem aos pelos.

Loções
São os hidratantes mais populares, devido à facilidade da sua aplicação. Têm uma consistência menos espessa, são menos oleosos, e são facilmente absorvidos. Os seus nutrientes rapidamente amaciam e hidratam a pele após a aplicação. As loções são bastante recomendadas para peles oleosas ou sensíveis, por manterem a pele hidratada sem deixar uma sensação desagradável.
 
Óleos Corporais
Por terem uma consistência diferente, devem ser aplicados sobre a pele molhada, espalhando-os em movimentos circulares, deixando-o agir no corpo por pelo menos cinco minutos antes do enxague final para tirar o excesso.  

Os óleos são eficazes para impedir a perda transepidérmica de água, pois formam uma película protetora. No entanto, não são eficientes como hidratantes quando a pele já está desidratada, nesse caso, o ideal é usar creme hidratante mais potente.
 
Hidratantes In-Shower
Os hidratantes in-shower são umectantes usados no final do banho com apenas um enxague depois. Não substituem o hidratante corporal, são um auxílio para as peles ressecadas, e para aqueles dias de preguiça de passar hidratante em todo o corpo. Considero também como uma boa indicação para os homens, que na maioria das vezes não toleram cremes e não tem paciência de usar os produtos.

Não devemos abrir mão da hidratação. Em tempos mais secos e/ou frios, esse cuidado precisa ser redobrado. Esse tipo de produto impede a perda acelerada de umidade ao longo do dia e, por serem compostos de proteínas e vitaminas, oferecem umectação imediata.

No entanto, vale ressaltar que o uso do hidratante de banho não substitui o uso do hidratante comum. Ou seja: use um creme tradicional pelo menos duas vezes na semana caso a sua pele seja seca. Outro ponto é lembrar que esses produtos não devem ser aplicados no rosto, já que a pele é mais sujeita à oleosidade excessiva e o uso do hidratante de banho pode agravar isto. Nesse caso, escolha sabonetes especialmente desenvolvidos para o seu tipo de pele.
 
Principais dicas para manter a pele hidratada e protegida durante o inverno:
- Evite banhos quentes, prolongados e o uso de buchas, pois removem a camada que protege a pele e que ajuda a mantê-la hidratada, predispondo a um maior ressecamento e às dermatites
- Hidratação é essencial e deve ser mais intensa no outono e inverno, justamente, pela maior tendência à desidratação
- A aplicação dos hidratantes deve ser feita preferencialmente após o banho, quando a pele ainda está úmida, pois isso aumenta o poder de hidratação do produto, com maior retenção de água na pele.
- A hidratação também é feita de dentro para fora. Portanto, beba pelo menos dois litros de água diariamente, mesmo se não tiver sede.
- Os lábios também sofrem com a ação do frio e podem rachar e até ficar feridos. Não esqueça do protetor labial, de preferência, opte pelos que possuem fotoproteção.
- O frio, o vento e a baixa umidade podem provocar irritações e descamações, além de propiciarem o aparecimento de doenças da pele, como a dermatite atópica e a dermatite seborreica. Nesses casos, é fundamental procurar um dermatologista.
- Não deixe de usar o protetor solar diariamente. Mesmo nos dias nublados e frios às radiações estão presentes e podem causar danos à pele.
 
 
Muita gente começa a fazer exercício nesta época para estar mais em forma para o verão. Isso afeta a pele de alguma forma? Como?
Atividade física é sempre bem vinda, independentemente da época do ano. A prática regular de exercícios age positivamente em diversos órgãos, entre eles a pele, melhorando a oxigenação e a nutrição tecidual, além de interferir no humor, sono e bem estar, que também afetam indiretamente a saúde da pele. O importante é associar aos exercícios uma alimentação saudável e balanceada, rica em proteínas (carnes magras), carboidratos complexos, frutas e vegetais e pobre em gorduras, produtos industrializados e de alto índice glicêmico.

No inverno, creio que um problema a ser considerado seja a ingesta de água, que tende a ser negligenciada. O inverno faz cair não só a temperatura, como o consumo de água, a sensação de sede diminui, mas a importância do líquido para o organismo não. O consumo de cerca de dois litros nesses dias mais frios é importante para evitar doenças de pele e desidratação. Nesta época do ano, nós temos uma tendência a eliminar mais água pela urina, já que suamos menos do que nos dias mais quentes. Mais de 60% do corpo humano é constituído por água, sendo assim, torna-se nutriente indispensável para nosso bem estar e saúde. A água auxilia na regulação da temperatura, elimina as toxinas através da urina e da transpiração, molda o bolo fecal, é usada intensamente no processo de respiração e faz a distribuição de muitos nutrientes pelos diversos órgãos do nosso corpo.

Em relação à alimentação, é fundamental a ingestão de legumes, hortaliças e frutas, fontes de vitaminas e minerais que neutralizam radicais livres; cereais integrais que contêm fibras que melhoram o funcionamento do intestino, carnes e laticínios magros que são fontes de proteína e ajudam na construção de tecidos. As frutas ricas em vitamina C, como morango, framboesa, laranja, mexerica, limão, cereja, goiaba e outros vegetais, como as verduras verde-escuras, brócolis, repolho, cenoura etc, são exemplos de alimentos para a estação. A escolha se dá pela riqueza de antioxidantes destes alimentos, que combatem os radicais livres e previnem o envelhecimento.
 
Consumir álcool (e a desidratação que ele causa) tem algum efeito na hidratação da pele? Como?
Sim, pois a hidratação da pele também é determinada pelas condições internas do organismo. O álcool tem ação no ADH, um hormômio responsável pela regulação da diurese. Age inibindo esse hormônio e determinando aumento da diurese, com consequente desidratação. A desidratação sistêmica reflete na pele, tornando-a mais ressecada e opaca.
 
Que tipo de ingrediente um bom hidratante corporal deve ter?
  • Hidratação da pele para produtos tópicos ocorre por:
  • Oclusão: ingredientes lipídicos (emolientes).
  • Umectação: substância que retém água na superfície da pele.
  • Hidratação ativa: emulsões - produtos destinados a promover a hidratação da pele, tais como cremes ou loções cuja fase lipídica promove a oclusão e a fase aquosa possui ingredientes higroscópicos que propiciam a umectação (hidratação) da pele.

Princípios Ativos nos Hidratantes
  • Ceramida
  • Esqualeno
  • Olesterol
  • PCA
  • ADN
  • NMF
  • Lactato de amônio
  • Uréia
  • Alfa-hidroxiácido (ácido glicólico e ácido láctico)
  • Oligoelementos
  • Fosfolipídeos
  • Ácido hialurônico 

Por que a pele costuma ficar mais ressecada no inverno? Banhos quentes podem ajudar nesse ressecamento? Por quê? Como saber qual a temperatura e a duração ideais do banho para não prejudicar a saúde da pele?
No inverno, há diminuição da transpiração e queda da umidade relativa do ar, levando a diminuição hidratação natural da pele. Com a queda da temperatura e da umidade relativa do ar, as glândulas sebáceas produzem menos sebo, fazendo com que a pele fique ressecada. Além disso, nesta época, é comum se tomar banhos mais quentes, que retiram a oleosidade natural da pele de forma mais intensa, diminuindo o manto lipídico que retém a umidade da pele. O inverno pode ser mais prejudicial para a pele do que o verão, os cuidados com a hidratação são ainda mais importantes nesta época do ano.

Banho com água muito quente, prolongado e com uso de buchas, prejudica a saúde da pele. A pele tem uma camada natural de proteção, composta basicamente por água e lipídios (gordura), que promove a hidratação cutânea natural, tornando-a mais resistente às agressões externas. Essa camada protetora é removida quando água muito quente entra em contato com a pele. O banho prolongado e o uso de buchas promovem remoção ainda mais intensa do manto hidro-lipídico. Sem a camada emoliente e protetora, a pele fica ressecada e sensível, havendo aparecimento de vermelhidão, coceira e ardência. Indivíduos que têm pele seca sofrem ainda mais, devido ao agravamento do quadro cutâneo pré-existente. No entanto, peles oleosas também são prejudicadas, pois ao detectar a retirada da oleosidade necessária, ocorre um mecanismo rebote de defesa orgânica, com aceleração da produção de gordura pelas glândulas sebáceas, levando ao aumento posterior da oleosidade.

O ideal é tomar banho com água morna e demorar o mínimo necessário, evitar o uso de buchas é fundamental. Usar sabonetes suaves, de glicerina, com hidratantes e pouco perfume, de preferência os destinados aos bebês, pois possuem menos substâncias químicas em sua composição. Após o banho, principalmente as pessoas com pele seca, devem aplicar hidratante específico para seu tipo de pele, preferencialmente indicado por um dermatologista. Imediatamente após o banho, quando a pele ainda está úmida, ocorre maior absorção e efetividade emoliente do produto, por isso, esse é o momento ideal para hidratar a pele.

Quanto mais quente for a água e quanto mais tempo você ficar imerso,  maiores serão os efeitos de desidratação da pele. A temperatura ideal do banho é a mesmo do corpo, ou seja, por volta de 36°, entre 26° e 37° é aceitável e os efeitos adversos não serão intensos, claro, que desde que você não permaneça muito tempo na água. O ideal é ficar no banho no máximo 15 minutos. A água deve estar morna para fria, devendo ser notada pela própria sensação na pele. Não devemos sentir calor durante o banho.

Primeiramente, devemos evitar banhos muito quentes, prolongados e o uso de buchas. Isso é válido, principalmente, para quem tem pele seca e sensível. O ideal é tomar um, ou no máximo dois banhos ao dia, com água morna e duração de no máximo 15 minutos. Caso sejam tomados mais de um banho por dia, os sabonetes devem ser usados no corpo todo apenas em um dos banhos; nos outros, usar apenas nos locais de dobras de pele (virilha, axilas, pés etc) ou de maior oleosidade. Opte sempre por sabonetes neutros, de glicerina, com pouco perfume e corante; os destinados aos bebês possuem menos substâncias químicas, assim sendo, são menos capazes de desencadear hipersensibilidade e irritar a pele. Evitar produtos que contenham álcool na sua fórmula, pois podem ressecar e irritar ainda mais a pele. Os hidratantes devem ser utilizados logo após o banho, no momento em que a pele ainda está úmida, pois a absorção e efetividade dos agentes emolientes ficam potencializadas. O ideal é que o hidratante seja indicado pelo dermatologista, pois o mesmo avaliará a pele do paciente e indicará o produto mais adequado. Algumas vezes, o ressecamento, prurido e vermelhidão, podem ser decorrentes de doenças cutâneas, como a dermatite atópica, psoríase, dermatite seborreica, entre outras. Nestes casos, é importante que o dermatologista diagnostique qual é a causa das alterações, para então indicar o tratamento mais adequado.
Hidratantes In-Shower
Os hidratantes in-shower são umectantes usados no final do banho com apenas um enxague depois. Não substituem o hidratante corporal, mas são um auxílio para as peles ressecadas, e para aqueles dias de preguiça de passar hidratante em todo o corpo. Considero também como uma boa indicação para os homens, que na maioria das vezes não toleram cremes e não tem paciência de usar os produtos.

Não devemos abrir mão da hidratação. Em tempos mais secos e/ou frios, esse cuidado precisa ser redobrado. Esse tipo de produto impede a perda acelerada de umidade ao longo do dia e, por serem compostos de proteínas e vitaminas, oferecem umectação imediata.

Outra saída são os óleos de banho, especialmente os que contenham base vegetal. Isto porque, além de proporcionar mais maciez, eles são extraídos de plantas e frutas e tendem a irritar menos a pele dos que os produtos de fórmula mineral. Por terem uma consistência diferente dos hidratantes comuns, esses cosméticos devem ser aplicados sobre a pele molhada, espalhando-os em movimentos circulares, deixando-o agir no corpo por pelo menos cinco minutos antes do enxague final para tirar o excesso.  

No entanto, vale ressaltar que o uso do hidratante de banho não substitui o uso do hidratante comum. Ou seja: use um creme tradicional pelo menos duas vezes na semana caso a sua pele seja seca. Outro ponto é lembrar que esses produtos não devem ser aplicados no rosto, já que a pele é mais sujeita à oleosidade excessiva e o uso do hidratante de banho pode agravar isto. Nesse caso, escolha sabonetes especialmente desenvolvidos para o seu tipo de pele.

Os óleos são eficazes para impedir a perda transepidérmica de água, pois foram uma película protetora. No entanto, não são eficientes como hidratantes quando a pele já está desidratada, nesse caso, o ideal é usar creme hidratante potente, de preferência com uréia ou lactato de amônio na formulação.
Soluções para Evitar a Pele Seca
O verão é uma época em que a pele também pode ficar mais seca do que o comum? Que fatores ocasionam esse ressecamento da pele? Quem são as pessoas mais propensas ao ressecamento da pele no verão? É verdade que passar o hidratante depois do banho é o melhor momento? Por quê?
Normalmente no verão a pele tende a ficar menos seca do que no inverno. A exposição excessiva ao sol é a principal causa de ressecamento da pele no verão. No inverno, há diminuição da transpiração e queda da umidade relativa do ar, levando a diminuição hidratação natural da pele. Com a queda da temperatura e da umidade relativa do ar, as glândulas sebáceas produzem menos sebo, fazendo com que a pele fique ressecada. Além disso, nesta época, é comum se tomar banhos mais quentes, que retiram a oleosidade natural da pele de forma mais intensa, diminuindo o manto lipídico que retém a umidade da pele. O inverno pode ser mais prejudicial para a pele do que o verão, os cuidados com a hidratação são ainda mais importantes nesta época do ano.

Banho com água muito quente, prolongado e com uso de buchas, prejudica a saúde da pele. A pele tem uma camada natural de proteção, composta basicamente por água e lipídios (gordura), que promove a hidratação cutânea natural, tornando-a mais resistente às agressões externas. Essa camada protetora é removida quando água muito quente entra em contato com a pele. O banho prolongado e o uso de buchas promovem remoção ainda mais intensa do manto hidro-lipídico. Sem a camada emoliente e protetora, a pele fica ressecada e sensível, havendo aparecimento de vermelhidão, coceira e ardência. Indivíduos que têm pele seca sofrem ainda mais, devido ao agravamento do quadro cutâneo pré-existente. No entanto, peles oleosas também são prejudicadas, pois ao detectar a retirada da oleosidade necessária, ocorre um mecanismo rebote de defesa orgânica, com aceleração da produção de gordura pelas glândulas sebáceas, levando ao aumento posterior da oleosidade.

O ideal é tomar banho com água morna e demorar o mínimo necessário, evitar o uso de buchas é fundamental. Usar sabonetes suaves, de glicerina, com hidratantes e pouco perfume, de preferência os destinados aos bebês, pois possuem menos substâncias químicas em sua composição. Após o banho, principalmente as pessoas com pele seca, devem aplicar hidratante específico para seu tipo de pele, preferencialmente indicado por um dermatologista. Imediatamente após o banho, quando a pele ainda está úmida, ocorre maior absorção e efetividade emoliente do produto, por isso, esse é o momento ideal para hidratar a pele.

Quanto mais quente for a água e quanto mais tempo você ficar imerso,  maiores serão os efeitos de desidratação da pele. A temperatura ideal do banho é a mesmo do corpo, ou seja, por volta de 36°, entre 26° e 37° é aceitável e os efeitos adversos não serão intensos, claro, que desde que você não permaneça muito tempo na água. O ideal é ficar no banho no máximo 15 minutos. A água deve estar morna para fria, devendo ser notada pela própria sensação na pele. Não devemos sentir calor durante o banho.

Primeiramente, devemos evitar banhos muito quentes, prolongados e o uso de buchas. Isso é válido, principalmente, para quem tem pele seca e sensível. O ideal é tomar um, ou no máximo dois banhos ao dia, com água morna e duração de no máximo 15 minutos. Caso sejam tomados mais de um banho por dia, os sabonetes devem ser usados no corpo todo apenas em um dos banhos; nos outros, usar apenas nos locais de dobras de pele (virilha, axilas, pés etc) ou de maior oleosidade. Opte sempre por sabonetes neutros, de glicerina, com pouco perfume e corante; os destinados aos bebês possuem menos substâncias químicas, assim sendo, são menos capazes de desencadear hipersensibilidade e irritar a pele. Evitar produtos que contenham álcool na sua fórmula, pois podem ressecar e irritar ainda mais a pele. Os hidratantes devem ser utilizados logo após o banho, no momento em que a pele ainda está úmida, pois a absorção e efetividade dos agentes emolientes ficam potencializadas. O ideal é que o hidratante seja indicado pelo dermatologista, pois o mesmo avaliará a pele do paciente e indicará o produto mais adequado. Algumas vezes, o ressecamento, prurido e vermelhidão, podem ser decorrentes de doenças cutâneas, como a dermatite atópica, psoríase, dermatite seborreica, entre outras. Nestes casos, é importante que o dermatologista diagnostique qual é a causa das alterações, para então indicar o tratamento mais adequado.

No verão as pessoas que tem maior probabilidade de apresentar ressecamento são aquelas que se expõe excessivamente ao sol e que ficam muito tempo na água do mar e piscina.
 
Quais os malefícios da pele seca para a saúde e bem-estar? A pele seca mal cuidada pode evoluir para outros problemas? Quais?
A pele desidratada pode ter sua função de proteção comprometida, além de ganhar aspecto opaco, áspero, sem elasticidade e com tendência à descamação. A pele ressecada é mais frágil e mais sujeita a irritações, traumas, alergias e infecções. A pele normal possui um percentual de hidratação necessário para que ela possa exercer suas funções adequadamente.
 
Qual a importância de usar um bom hidratante?
O bom hidratante não precisa ser grosso ou oleoso e a escolha deve ser feita pelo critério do conforto de quem o usa. Contudo, também devem ser evitados os muito coloridos e perfumados. O hidratante precisa ser usado em todo o corpo, inclusive no rosto, para o qual existem produtos específicos. Há boas opções que já vêm inclusive com o protetor solar. É importante lembrar que os óleos não hidratam a pele e não podem substituir o uso do hidratante; no máximo, podem ser usados juntos.

Hidratação é essencial e deve ser mais intensa no outono e inverno, justamente, pela maior tendência à desidratação. Optar por produtos à base de uréia, lactato de amônio, ceramidas etc. Também são indicados hidratantes com componentes antioxidantes, como as vitaminas E, A e C. Antes de escolher um bom produto, a dica é olhar sua composição e os princípios ativos. Três itens são importantes e fazem parte da nova geração de matérias-primas: G.P.S - Threalose (capaz de atuar sobre a membrana celular e combater a desidratação), Aquaporine (melhora a circulação de água entre as células, reforça a reserva natural de água na epiderme, restaura a hidratação, maciez e elasticidade) e Laminactinet (nanodispersão de óleo de perilla em liso-fosfolipídeos, que melhora a absorção e penetração dos ativos, além de ter ação calmante). Evitar produtos com muito perfume, pois podem irritar e ressecar ainda mais a pele.
 
Como deve ser o hidratante para cada tipo de pele? Poderia detalhar as características de cada um, por favor?
Existem vários tipos de hidratante, a principal função de todos eles é a mesma: manter a quantidade adequada de água na pele, com moléculas que atraem a água ou que formam uma barreira, evitando o ressecamento. O que varia é o tipo de produto que usamos. O melhor hidratante deve ser analisado, de acordo com o tipo de pele.
• Peles oleosas combinam com hidratantes em forma de loção ou gel, que têm menos óleo na formulação. O uso de hidratantes em creme é contra-indicado porque em peles oleosas podem agravar a ocorrência de acne.
• Já as peles secas precisam de produtos em creme, que têm fórmula mais oleosa.
• Quem tem pele mista pode usar hidratantes formulados em gel ou gel-creme, livres de óleo. Desse jeito, se evita o ressecamento e o excesso de oleosidade.
• Para peles normais são recomendados hidratantes em loção cremosa, mas livres de óleo para evitar o aparecimento de espinhas.
Os hidratantes em forma de loção e gel podem não ter tanto efeito como os cremosos, mas não há grandes desvantagens, já que o creme pode facilitar o aparecimento de acne e foliculite por conter muito óleo.
Independente do hidratante, o ideal é que combine com a pele para que a pessoa se sinta confortável.
Exemplos de hidratantes:
 
Manteigas Corporais
As manteigas corporais são fantásticas para uma hidratação intensa e duradoura. São perfeitas para o Inverno, em que a pele fica mais vulnerável à desidratação. Formuladas para terem textura rica e emoliente que hidrata intensamente a pele ressecada,  a sua consistência faz de fato lembrar uma manteiga. Geralmente o efeito das manteigas dura cerca de 24 horas, o que as torna ideais para as partes do seu corpo onde não se pode reaplicar várias vezes por dia. São também indicadas para as partes mais secas do seu corpo, como os cotovelos e os pés, deixam a pele com um toque sedoso.
 
Loções
São os hidratantes mais populares, devido à facilidade da sua aplicação. Têm uma consistência menos espessa, são menos oleosas, e são facilmente absorvidas. Os seus nutrientes rapidamente amaciam e hidratam a pele após a aplicação. Por não serem oleosas, as loções são bastante recomendadas para peles oleosas ou sensíveis, por manterem a pele hidratada sem deixar uma sensação de impureza
 
Óleos Corporais
Os óleos podem ser usados no banho para suavizar a pele, ou aplicados imediatamente após  banho sobre a pele úmida. Eles formam uma película em todo o corpo que não deixa a água evaporar. Isso é fundamental para manter o nível de hidratação.
Os óleos tornam-se também econômicos, já que bastam algumas gotas para hidratar todo o corpo.

O hidratante adequado vai depender das características da pele de cada pessoa. O profissional mais habilitado para avaliar o tipo de pele e os produtos mais indicados para ela é o médico dermatologista. O importante é usar um hidratante em quantidade suficiente para recobrir toda a pele do corpo. Geralmente, cremes mais densos, são indicados para peles mais secas já que eles são ricos em matérias-primas oclusivas (matérias-primas mais oleosas, que formam um filme oclusivo sobre a pele, impedindo a água de evaporar); os cremes mais fluidos são indicados, principalmente, para pele normal a oleosa, pois são ricos em matérias-primas umectantes (retiram água da atmosfera, ou seja, do ar, atraindo-a para a pele, além de "puxar" água da profundidade da pele, atraindo-a para as camadas mais superficiais da pele, hidratando-a).    Atualmente, a maioria dos hidratantes possui outras substâncias que fazem mais que hidratar, como as vitaminas C e E, que impedem a produção de radicais livres, importantes para o envelhecimento da pele, e a vitamina A, conhecida como retinol, que estimula a produção de fibras elásticas e colágenas, tornando a pele mais firme, e, os filtros solares, que diminuem a produção de radicais livres e a degradação de fibras elásticas e colágenas, os quais predispõem ao envelhecimento da pele, bem como impede a queimadura solar, a qual favorece o aparecimento do câncer de pele. O ideal é passar por uma avaliação dermatológica para que o especialista indique o produto mais adequado para o seu tipo de pele.

Manter a pele hidratada não é só uma questão de estética: é também fundamental para prevenir o aparecimento de diversas doenças. Com a pele hidratada, mantemos a barreira cutânea íntegra, o que impede a descamação e aparecimento de áreas de coloração opaca, mantendo o tom normal ou bronzeado da pele por mais tempo, além de impedir a instalação de infecções oportunistas, sejam bacterianas ou fúngicas.  
 
Muitas vezes, no entanto, apenas o hidratante não adianta. Nesses casos, é porque não se está usando o hidratante adequado? Ou é realmente preciso reforçar a hidratação de outras formas?
Provavelmente o hidratante não é adequado, está sendo passado de forma errada, ou até mesmo pode existir uma outra condição cutânea que não somente o ressecamento. Nesses casos é importante procurar um dermatologista para que seja feita a indicação de um produto adequado e a pele seja adequadamente avaliada. Dependendo do tipo de hidratante, se por exemplo, contiver muito perfume ou conservantes, pode irritar e ressecar ainda mais a pele. Usar um produto de qualidade, testado dermatologicamente e de preferência sob orientação médica é de extreme importância.
 
A hidratação da pele para produtos tópicos ocorre por:
 ·  Oclusão: ingredientes lipídicos (emolientes).
·  Umectação: substância que retém água na superfície da pele.
·  Hidratação ativa: emulsões - produtos destinados a promover a hidratação da pele, tais como cremes ou loções cuja fase lipídica promove a oclusão e a fase aquosa possui ingredientes higroscópicos que propiciam a umectação (hidratação) da pele.
 
Princípios Ativos nos Hidratantes
· Ceramida
· Esqualeno
· Olesterol
· PCA
· ADN
· NMF
· Lactato de amônia
· Uréia
· Alfa-hidroxiácido (ácido glicólico e ácido láctico)
· Oligoelementos
· Fosfolipídeos
· Ácido hialurônico
 
 
A frequência ou a duração dos banhos deve ser reduzida em quem está com a pele ressecada? Por quê? O tipo de sabonete que a pessoa usa também pode influenciar no ressecamento da pele? De que forma? Quais os melhores tipos de sabonete para prevenir a pele seca?
Banho com água muito quente, prolongado e com uso de buchas, prejudica a saúde da pele. A pele tem uma camada natural de proteção, composta basicamente por água e lipídios (gordura), que promove a hidratação cutânea natural, tornando-a mais resistente às agressões externas. Essa camada protetora é removida quando água muito quente entra em contato com a pele. O banho prolongado e o uso de buchas promovem remoção ainda mais intensa do manto hidro-lipídico. Sem a camada emoliente e protetora, a pele fica ressecada e sensível, havendo aparecimento de vermelhidão, coceira e ardência. Indivíduos que têm pele seca sofrem ainda mais, devido ao agravamento do quadro cutâneo pré-existente. No entanto, peles oleosas também são prejudicadas, pois ao detectar a retirada da oleosidade necessária, ocorre um mecanismo rebote de defesa orgânica, com aceleração da produção de gordura pelas glândulas sebáceas, levando ao aumento posterior da oleosidade.

O ideal é tomar banho com água morna e demorar o mínimo necessário, evitar o uso de buchas é fundamental. Usar sabonetes suaves, de glicerina, com hidratantes e pouco perfume, de preferência os destinados aos bebês, pois possuem menos substâncias químicas em sua composição. Após o banho, principalmente as pessoas com pele seca, devem aplicar hidratante específico para seu tipo de pele, preferencialmente indicado por um dermatologista. Imediatamente após o banho, quando a pele ainda está úmida, ocorre maior absorção e efetividade emoliente do produto, por isso, esse é o momento ideal para hidratar a pele.

Quanto mais quente for a água e quanto mais tempo você ficar imerso,  maiores serão os efeitos de desidratação da pele. A temperatura ideal do banho é a mesmo do corpo, ou seja, por volta de 36°, entre 26° e 37° é aceitável e os efeitos adversos não serão intensos, claro, que desde que você não permaneça muito tempo na água. O ideal é ficar no banho no máximo 15 minutos. A água deve estar morna para fria, devendo ser notada pela própria sensação na pele. Não devemos sentir calor durante o banho.

Primeiramente, devemos evitar banhos muito quentes, prolongados e o uso de buchas. Isso é válido, principalmente, para quem tem pele seca e sensível. O ideal é tomar um, ou no máximo dois banhos ao dia, com água morna e duração de no máximo 15 minutos. Caso sejam tomados mais de um banho por dia, os sabonetes devem ser usados no corpo todo apenas em um dos banhos; nos outros, usar apenas nos locais de dobras de pele (virilha, axilas, pés etc) ou de maior oleosidade. Opte sempre por sabonetes neutros, de glicerina, com pouco perfume e corante; os destinados aos bebês possuem menos substâncias químicas, assim sendo, são menos capazes de desencadear hipersensibilidade e irritar a pele. Evitar produtos que contenham álcool na sua fórmula, pois podem ressecar e irritar ainda mais a pele. Os hidratantes devem ser utilizados logo após o banho, no momento em que a pele ainda está úmida, pois a absorção e efetividade dos agentes emolientes ficam potencializadas. O ideal é que o hidratante seja indicado pelo dermatologista, pois o mesmo avaliará a pele do paciente e indicará o produto mais adequado. Algumas vezes, o ressecamento, prurido e vermelhidão, podem ser decorrentes de doenças cutâneas, como a dermatite atópica, psoríase, dermatite seborreica, entre outras. Nestes casos, é importante que o dermatologista diagnostique qual é a causa das alterações, para então indicar o tratamento mais adequado.
 
Esfoliar a pele quando ela ainda não está ressecada ajuda a evitar o problema? E que forma?
A esfoliação remove a camada córnea, que retém água na derme, portanto, deve-se ter cuidado nas peles secas, pois se não forem hidratadas adequadamente após a esfoliação, podem ressecar ainda mais. Pacientes com dermatite atópica, psoríase, eczemas e demais dermatoses que alteram a epiderme (camada mais superficial da pele) também devem evitar a esfoliação, pelo risco de piora das lesões, uma vez que a pele já se apresenta fragilizada.

Os tratamentos que deixam a pele mais sensível, fina e geram reação inflamatória não devem ser associados à esfoliação, pelo risco de trauma físico, aparecimento de feridas e manchas. Exemplos: Peelings, laser (principalmente os ablativos), uso de ácidos mais potentes etc.

Qual a esfoliação correta para não danificar ainda mais a pele?
Primeiramente deve-se conciliar o esfoliante com o tipo de pele que se pretende esfoliar e sempre deve ser feita a limpeza da pele antes da esfoliação. A esfoliação mecânica é sempre feita em movimentos circulares e suaves, para lados alternados, nunca causando desconforto e insistindo sempre nas zonas em que a pele é mais espessa (cotovelos, joelhos, calcanhares).

O ideal é que a esfoliação seja feita com a pele úmida, durante o banho, já que o vapor da água quente dilata os poros e isso facilita a tarefa de limpeza da pele. Deve ser aplicado um produto que contenha grânulos suavemente abrasivos, para não agredir demais. Pode-se usar uma esponja macia para fazer movimentos circulares e delicados na região. Podendo escolher o horário para o tratamento, opte pela noite, pois a pele fica hidratada, absorvendo bem o produto durante o período do sono.

A esfoliação facial deve ser feita com muita cautela, em movimentos suaves e com produtos de qualidade, específicos para a região, que possui a pele mais fina e delicada. Prefira produtos com partículas esfoliantes que promovem a chamada “microdermoabrasão”. Cuidado redobrado para quem tem acne, não se deve esfoliar uma pele com lesões inflamatórias, pois a reação pode se tornar ainda mais intensa, levando ao aparecimento de manchas e cicatrizes. Além disso, esfoliação muito intensa e frequente em peles oleosas, pode levar a um efeito “rebote”, com aumento de produção de sebo pelas glândulas sebáceas.

Nas áreas mais finas e sensíveis como virilha, axilas, colo: devem ser usados produtos com grânulos finos e delicados. Pés, pernas e mãos toleram grânulos mais espessos.

O mesmo esfoliante do rosto não serve para o corpo e vice-versa. O rosto pede grânulos menores e mais delicados e o corpo grânulos maiores, pois a pele do rosto é mais sensível e fina. Nos dois locais, é importante retirar todo o produto e passar um hidratante depois, pois a pele fica fragilizada e desidratada.
 
Misturar alguns componentes ao hidratante, como aloe vera, lanolina ou alguns óleos vegetais pode ajudar em sua ação?
Não recomendo que isso seja feito em casa, o ideal é comprar produtos de qualidade, que possuam princípios adequados para o seu tipo de pele. As misturas caseiras podem alterar a qualidade do produto , desencadear irritação e reações alérgicas.
 
Tornar a casa mais úmida é uma boa ideia para prevenir o ressecamento? De que forma é possível fazer isso?
Sim, quanto maior a umidade relativa do ar, menor a tendência de perda transepidérmica de água e menor a possibilidade de ressecamento. É interessante utilizar umidificadores nos períodos de menor umidade, principalmente para as pessoas que apresentam tendência maior ao ressecamento cutâneo.
 
Qual a importância da água que ingerimos na hidratação da pele? Existe uma relação direta entre estar bem hidratado e ter uma pele menos seca? Qual? Ter uma alimentação saudável, rica em vitaminas e minerais, é importante para a saúde da pele? Quais nutrientes devem ser priorizados?
Especialmente nos dias quentes, a perda de água acontece de forma acelerada. Para manter o corpo numa temperatura sempre estável, a estratégia do organismo é nos fazer suar. Daí, se o líquido perdido não for reposto em tempo, a pele perderá a maciez, a elasticidade e o brilho. Investir em alimentos que contêm bastante água é uma maneira de garantir a hidratação, mesmo nos dias mais quentes do ano.
 
Alimento-chave: Melancia, que apresenta quantidade de água igual ou superior a 90% de sua composição. Outros alimentos recomendados: outras frutas ricas em água também podem ser consumidas diariamente, como o melão, o abacaxi, a pera e também a água de coco.
 
Para evitar a queimadura solar e prevenir o envelhecimento:
Os raios ultravioleta (UV) que chegam à Terra penetram facilmente na pele sem proteção. Como consequência, o organismo se apressa em produzir melanina, a substância que dá cor à pele, na tentativa de aumentar a proteção celular contra os efeitos nocivos da radiação. Porém, o tecido acabará dando sinais claros de que está sofrendo pela queimadura, tornando-se avermelhado.  Alimentos ricos em betacaroteno preparam a pele para receber o sol, tornando-a mais resistente e facilitando o bronzeado.
Alimento-chave: Brócolis. Além do carotenoide, contém sulforafano. Um estudo publicado recentemente comprovou que o sulforafano reduz a vermelhidão causada pelos raios uv em até 40%. Outros alimentos recomendados: cenoura, mamão e couve.

É muito conhecido entre as pessoas que a pele reflete o estado de saúde que nosso organismo se encontra e que a alimentação está intimamente relacionada com nossa saúde e bem-estar. Assim, pode-se concluir que a alimentação pode ser decisiva para a saúde da mesma e uma alimentação saudável é capaz de fornecer os nutrientes responsáveis por sua integridade, elasticidade e brilho natural. Por outro lado, uma alimentação deficiente em determinados nutrientes pode refletir em uma pele sem vida.

Alguns estudos mostram que certas vitaminas e alimentos auxiliam na manutenção de uma pele bonita e jovem. São eles:
 
Vitamina A: auxilia no desenvolvimento das células da pele e da manutenção da boa saúde das células. Também é ótimo antioxidante que previne o envelhecimento da epiderme. A deficiência desta vitamina pode levar ao ressecamento da pele. Fontes de Betacaroteno (precursor da vitamina A): cenoura, abóbora, batata doce, damasco seco e vegetais verde escuros como brócolis, couve, etc.
 
Castanha do Pará: rica em selênio e zinco, que melhoram a elasticidade da pele, ajuda na batalha contra infecções e auxiliam no crescimento de células. O selênio é necessário para a produção de glutationa, que neutraliza os radicais livres no organismo que podem levar à deterioração do colágeno e elastina. Além destes benefícios, o selênio melhora o cabelo e unhas.
 
Salmão, Óleo de Canonla, Semente de Linhaça: alimentos ricos em ácidos graxos essenciais (ômega 3 e ômega 6) que melhoram a pele, diminuindo a ocorrência de obstrução dos poros, reduzindo a produção de agentes inflamatórios e melhorando a elasticidade. Esses ácidos graxos são responsáveis por membranas saudáveis das células e impedem a entrada de substâncias nocivas. Auxiliam ainda na hidratação das células, o que ajuda a pele a manter o seu nível de umidade adequado, resultando num aspecto mais jovem.
 
Cereais Integrais: podem ser encontrados em alguns pães e cereais, são alimentos carregados com as vitaminas do grupo B, essenciais para o funcionamento normal da pele. Eles são necessários para o crescimento de novas células, substituindo aquelas que morreram e ajudam no fortalecimento contra infecções e estresse e a prevenção de descamação e rachaduras. Também evitam aspereza das mãos e dos pés.
 
Chá Verde: é um alimento importante, pois fornece uma ampla gama de benefícios para a pele. Possui propriedades antiinflamatórias e reduz o risco de danos causados pelos raios ultravioleta do sol, podendo prevenir o câncer de pele. O chá verde é carregado com uma variedade de antioxidantes e é um alimento bom para todo o corpo, por ser rico em vitaminas C, D e K, bem como a riboflavina, zinco, cálcio, magnésio e ferro.
 
Água: juntamente com as fibras, a água estimula o trânsito intestinal e a eliminação de toxinas do organismo, impedindo que o seu acúmulo seja refletido na pele. A hidratação e a absorção dos nutrientes necessários ao equilíbrio da pele são garantidos com uma ingestão adequada de água.

A ingestão recomendada para promover benefícios à saúde da pele é de oito copos ou dois litros/dia. Se não houver boa hidratação, podem ocorrer obstipação intestinal, celulite, problemas renais, pele e cabelos ressecados e desidratados. Para aumentar a hidratação, é necessário obrigar-se a beber água, andar com garrafinha ou deixá-la sobre a mesa. Um bom parâmetro para verificar maior necessidade de líquido é a cor da urina (quanto mais escura, maior a necessidade de água).
 
Quando a pele fica ressecada devido a queimaduras solares, quais os cuidados especiais que devem ser tomados com ela? A hidratação da pele queimada deve ser diferenciada?
É importante começar o tratamento da queimadura solar o mais rapidamente possível. Além de interromper à exposição à radiação UV, recomenda-se:
• Banhos frescos para reduzir o calor.
• Hidratantes para ajudar a aliviar o desconforto causado pelo ressecamento e tornar a recuperação cutânea mais rápida. Assim que sair do banho, delicadamente seque com uma toalha, mas deixe um pouco de água na superfície da pele. Em seguida, aplique o hidratante, isso ajuda na retenção da água na pele.
• Antinflamatórios não esteróides, como por exemplo a aspirina e ibuprofeno, podem ajudar a reduzir o inchaço, vermelhidão e desconforto.
• Beber muita água. A queimadura solar leva à perda de líquidos para a superfície da pele. Beber mais água evita a desidratação.
• Se existem bolhas na pele, no mínimo, você tem uma queimadura de segundo-grau. Nesse caso é recomendado que:
- Não manipule as bolhas, deixe que elas cicatrizem sozinhas. As bolhas se formam para ajudar a pele a recuperar-se e protegê-la da infecção.
- Se as bolhas cobrem uma grande área, ou você apresenta calafrios, dor de cabeça ou febre, procure atendimento médico imediato.
- Com qualquer queimadura solar, você deve evitar o sol enquanto a pele cicatriza. Certifique-se de cobrir aa áreas afetadas toda vez que dirigir-se ao ar livre.
  
Principais dicas para manter a pele hidratada e protegida:
- Evite banhos quentes, prolongados e o uso de buchas, pois removem a camada que protege a pele e que ajuda a mantê-la hidratada, predispondo a um maior ressecamento e às dermatites
- Hidratação é essencial e deve ser mais intensa no outono e inverno, justamente, pela maior tendência à desidratação
- A aplicação dos hidratantes deve ser feita preferencialmente após o banho, quando a pele ainda está úmida, pois isso aumenta o poder de hidratação do produto, com maior retenção de água na pele.
- A hidratação também é feita de dentro para fora. Portanto, beba pelo menos dois litros de água diariamente, mesmo se não tiver sede.
- Os lábios também sofrem com a ação do frio e podem rachar e até ficar feridos. Não esqueça do protetor labial, de preferência, opte pelos que possuem fotoproteção.
- O frio, o vento e a baixa umidade podem provocar irritações e descamações, além de propiciarem o aparecimento de doenças da pele, como a dermatite atópica e a dermatite seborreica. Nesses casos, é fundamental procurar um dermatologista.
- Não deixe de usar o protetor solar diariamente. Mesmo nos dias nublados e frios às radiações estão presentes e podem causar danos à pele.
 
 
 


 
Tudo sobre Hidratação e Hidratantes
Quais os tipos de hidratante que existem?
Existem vários tipos de hidratante, a principal função de todos eles é a mesma: manter a quantidade adequada de água na pele, com moléculas que atraem a água ou que formam uma barreira, evitando o ressecamento. O que varia é o tipo de produto que usamos. O melhor hidratante deve ser analisado, de acordo com o tipo de pele.
• Peles oleosas combinam com hidratantes em forma de loção ou gel, que têm menos óleo na formulação. O uso de hidratantes em creme é contra-indicado porque em peles oleosas podem agravar a ocorrência de acne.
• Já as peles secas precisam de produtos em creme, que têm fórmula mais oleosa.
• Quem tem pele mista pode usar hidratantes formulados em gel ou gel-creme, livres de óleo. Desse jeito, se evita o ressecamento e o excesso de oleosidade.
• Para peles normais são recomendados hidratantes em loção cremosa, mas livres de óleo para evitar o aparecimento de espinhas.
Os hidratantes em forma de loção e gel podem não ter tanto efeito como os cremosos, mas não há grandes desvantagens, já que o creme pode facilitar o aparecimento de acne e foliculite por conter muito óleo.
Independente do hidratante, o ideal é que combine com a pele para que a pessoa se sinta confortável.
Exemplos de hidratantes:
 
Manteigas Corporais
As manteigas corporais são fantásticas para uma hidratação intensa e duradoura. São perfeitas para o Inverno, em que a pele fica mais vulnerável à desidratação. Formuladas para terem textura rica e emoliente que hidrata intensamente a pele ressecada,  a sua consistência faz de fato lembrar uma manteiga. Geralmente o efeito das manteigas dura cerca de 24 horas, o que as torna ideais para as partes do seu corpo onde não se pode reaplicar várias vezes por dia. São também indicadas para as partes mais secas do seu corpo, como os cotovelos e os pés, deixam a pele com um toque sedoso.

Loções
São os hidratantes mais populares, devido à facilidade da sua aplicação. Têm uma consistência menos espessa, são menos oleosas, e são facilmente absorvidas. Os seus nutrientes rapidamente amaciam e hidratam a pele após a aplicação. Por não serem oleosas, as loções são bastante recomendadas para peles oleosas ou sensíveis, por manterem a pele hidratada sem deixar uma sensação de impureza
 
Óleos Corporais
Os óleos podem ser usados no banho para suavizar a pele, ou aplicados imediatamente após  banho sobre a pele úmida. Eles formam uma película em todo o corpo que não deixa a água evaporar. Isso é fundamental para manter o nível de hidratação.
Os óleos tornam-se também econômicos, já que bastam algumas gotas para hidratar todo o corpo.
 
Existe alguma região do corpo que precisa de mais hidratação do que outra?
As partes do corpo que necessitam de mais atenção e hidratação, por estarem mais expostas, são as mãos, o rosto e os lábios, por isso:
Cuide das mãos aplicando creme hidratante sempre que as lavar. Para as tarefas domésticas, utilize sempre luvas.
Proteja sempre os lábios com um batom hidratante para evitar fissuras.
Aplique protetor solar tanto no verão, como no inverno e um hidratante específico para o rosto.
Evite banhos prolongados e quentes e use sabonetes suaves sem esfregar demasiadamente, para não eliminar a barreira natural de proteção.  

Qual o hidratante é mais recomendado para cada idade, ou, não existe essa recomendação?
A preocupação com a aparência e saúde da pele é essencial em todas as idades. Entretanto,
deve-se ficar atento ao tratamento utilizado para não abusar de produtos fortes que a pele ainda
não precisa. Ou então, em outros casos, deixar a pele sem os produtos adequados. Saiba como
tratar corretamente sua pele em cada fase de sua vida:

» Até os 25 anos
A pele é viçosa, tem uma melhor oxigenação e retém líquidos com mais facilidade. A elastina e
colágeno, as fibras que sustentam a pele, também são produzidas na medida certa. É importante,
nesta fase, já adotar o ritual limpeza+tonificação+hidratação diariamente e não esquecer do
filtro solar em todos os momentos.

» De 25 a 35 anos
As primeiras linhas de expressão em regiões como testa e ao redor dos olhos podem aparecer.
Manchas e pintas da idade também costumam surgir. A pele fica mais flácida porque o colágeno e
a elastina são produzidos mais lentamente. O ritual diário deve ser mantido com mais rigor e o
dermatologista pode receitar cremes à base de ácido retinóico para aumentar a produção de
colágeno e elastina.

» De 35 anos em diante
A produção de colágeno e elastina tendem a diminuir mais e as rugas nas áreas mais sensíveis
do rosto aparecem com mais freqüência. O dermatologista pode receitar o tratamento mais
adequado à necessidade da pele, como peelings e preenchimento cutâneo.

Acima dos quarenta anos, é preciso utilizar cremes que contenham efeito firmador para auxiliar o
combate à flacidez, estimular as fibras de sustentação e combater as rugas.


O hidratante deve ser usado antes ou depois do banho?
A aplicação deve ser, de preferência, depois do banho, já que a pele úmida absorve melhor o produto.

Quando se compra um hidratante, o que deve ser verificado?
O bom hidratante não precisa ser grosso ou oleoso e a escolha deve ser feita pelo critério do conforto de quem o usa. Contudo, também devem ser evitados os muito coloridos e perfumados. O hidratante precisa ser usado em todo o corpo, inclusive no rosto, para o qual existem produtos específicos. Há boas opções que já vêm inclusive com o protetor solar. É importante lembrar que os óleos não hidratam a pele e não podem substituir o uso do hidratante; no máximo, podem ser usados juntos.
 
Quais os principais ativos que um bom hidratante deve ter para ser eficaz?
O bom hidratante não precisa ser grosso ou oleoso e a escolha deve ser feita pelo critério do conforto de quem o usa. Contudo, também devem ser evitados os muito coloridos e perfumados. O hidratante precisa ser usado em todo o corpo, inclusive no rosto, para o qual existem produtos específicos. Há boas opções que já vêm inclusive com o protetor solar. É importante lembrar que os óleos não hidratam a pele e não podem substituir o uso do hidratante; no máximo, podem ser usados juntos.

A textura de um creme depende do tipo de pele que ele é indicado. Geralmente, cremes mais densos, são indicados para peles mais secas já que eles são ricos em matérias-primas oclusivas (matérias-primas mais oleosas, que formam um filme oclusivo sobre a pele, impedindo a água de evaporar); os cremes mais fluidos são indicados, principalmente, para pele normal a oleosa, pois são ricos em matérias-primas umectantes (retiram água da atmosfera, ou seja, do ar, atraindo-a para a pele, além de "puxar" água da profundidade da pele, atraindo-a para as camadas mais superficiais da pele, hidratando-a).

A preocupação com a aparência e saúde da pele é essencial em todas as idades. Entretanto, deve-se ficar atento ao tratamento utilizado para não abusar de produtos inapropriados, que a pele ainda não precisa. Ou então, em outros casos, deixar a pele sem os produtos adequados.
A hidratação da pele para produtos tópicos ocorre por:
 
Oclusão: ingredientes lipídicos (emolientes).
Umectação: substância que retém água na superfície da pele.
Hidratação ativa: emulsões - produtos destinados a promover a hidratação da pele, tais como cremes ou loções cuja fase lipídica promove a oclusão e a fase aquosa possui ingredientes higroscópicos que propiciam a umectação (hidratação) da pele.

Princípios Ativos nos Hidratantes
  • Ceramida
  • Esqualeno
  • Olesterol
  • PCA
  • ADN
  • NMF
  • Lactato de amônia
  • Uréia
  • Alfa-hidroxiácido (ácido glicólico e ácido láctico)
  • Oligoelementos
  • Fosfolipídeos
  • Ácido hialurônico 
Para que tipo de pele os óleos corporais são indicados? Qual é a melhor forma de aplicá-los? E com que frequência eles podem ser aplicados para hidratar a pele? Como saber quanto de óleo é suficiente para hidratar a pele do corpo? O uso exagerado dos óleos pode ter algum efeito negativo? Qual?
Os óleos corporais possuem ingredientes emolientes oclusivos, isto é, evitam a evaporação da água, já que formam uma barreira protetora na camada superficial da pele. Em outras palavras, eles evitam que a pele perca água, o que é também uma forma de hidratação. Aplicados sobre a pele úmida, os óleos de banho têm uma capacidade maior de serem absorvidos. Mas, vale lembrar que o óleo de banho não substitui o hidratante habitual, as funções de ambos são distintas. O hidratante retém a água e repõe a perda de gordura natural da pele.
 
O óleo corporal não é indicado para uso diário. Como tem o poder de formar um filme protetor na superfície cutânea, seu uso exagerado pode obstruir os poros e aumentar a oleosidade da pele, predispondo ao aparecimento de cravos e espinhas. Outro fator a ser considerado é que as camadas de película que se formam no tecido vão deixando a pele opaca e sem vida ao longo do tempo, justamente por não deixar o hidratante penetrar e nem a água limpar corretamente. Quem tem pele normal podem passar o produto no corpo a cada dois dias. Mas quando a pele é oleosa, o ideal é passar uma ou, no máximo, duas vezes por semana além de optar por uma versão específica para esse tipo de pele. O óleo de banho não deve ser passado em determinadas partes do corpo, mesmo em pessoas que apresentam a pele mais ressecada. No rosto e nas áreas mais oleosas, como costas e região peitoral, o uso do óleo deve ser evitado.

Verificar a composição do produto é essencial para garantir bons resultados, caso contrário, a absorção na pele fica comprometida e até alergias podem aparecer. Os óleos de banho feitos à base de óleo vegetal são mais indicados, porque formam uma película protetora na pele e retêm a água na pele, evitando a desidratação e proporcionando maior maciez. Os produtos à base de óleo mineral trazem riscos de alergias, em razão dos compostos de sua formulação, além de serem menos eficientes.
 
Qual o melhor horário para aplicar cremes?
A aplicação deve ser, de preferência, depois do banho, já que a pele úmida absorve melhor o produto. 

Como saber qual quantidade é suficiente para hidratar a pele?
Quantidade de creme não é sinônimo de pele hidratada. O importante é usar um hidratante em quantidade suficiente para recobrir todo o corpo, específico para cada tipo de pele. A hidratação efetiva depende da utilização do produtos adequados ao tipo de pele. Os hidratantes têm como objetivo manter a estrutura da barreira de proteção da pele, tornando-a mais macia, flexível e com melhor textura. Geralmente, as peles mais secas exigem à aplicação de uma camada mais grossa e as peles oleosas a mista uma camada mais fina, por causa do limite de absorção do produto.
As versões de hidratantes com filtro solar, com ação firmadora ou bronzeante são boas opções? Podem ser usados na hidratação ou funcionam mais como coadjuvantes nesse processo?

Atualmente, a maioria dos hidratantes possui outras substâncias que fazem mais que hidratar, como as vitaminas (principalmente, a C e a E, que impedem a produção de radicais livres, importantes para o envelhecimento da pele, e a vitamina A, conhecido como retinol, que estimula a produção de fibras elásticas e colágenas, tornando a pele mais firme, e afina as camadas mais externas da pele, diminuindo manchas e rugas) e os filtros solares. A combinação de hidratantes com outros principios ativos pode ser interessante e efetiva para os cuidados específicos com a pele. A praticidade do uso, faz com que a adesão do paciente seja maior e se o produto for de boa qualidade a ação está garantida tanto para hidratação quanto outras propriedades. O importante é buscar sempre produtos de qualidade, que tenham sido submetidos a testes clínicos/laboratoriais e tenham aprovção da ANVISA.

E os hidratantes de banho? O que são? Como funcionam? Para que tipo de peles são indicados?
Os hidratantes in-shower são umectantes usados no final do banho com apenas um enxague depois. Não substituem o hidratante corporal, mas são um auxílio para as peles ressecadas, e para aqueles dias de preguiça de passar hidratante em todo o corpo. Considero também como uma boa indicação para os homens, que na maioria das vezes não toleram cremes e não tem paciência de usar os produtos.

Não devemos abrir mão da hidratação. Em tempos mais secos e/ou frios, esse cuidado precisa ser redobrado. Esse tipo de produto impede a perda acelerada de umidade ao longo do dia e, por serem compostos de proteínas e vitaminas, oferecem umectação imediata.

Outra saída são os óleos de banho, especialmente os que contenham base vegetal. Isto porque, além de proporcionar mais maciez, eles são extraídos de plantas e frutas e tendem a irritar menos a pele dos que os produtos de fórmula mineral. Por terem uma consistência diferente dos hidratantes comuns, esses cosméticos devem ser aplicados sobre a pele molhada, espalhando-os em movimentos circulares, deixando-o agir no corpo por pelo menos cinco minutos antes do enxague final para tirar o excesso. 

No entanto, vale ressaltar que o uso do hidratante de banho não substitui o uso do hidratante comum. Ou seja: use um creme tradicional pelo menos duas vezes na semana caso a sua pele seja seca. Outro ponto é lembrar que esses produtos não devem ser aplicados no rosto, já que a pele é mais sujeita à oleosidade excessiva e o uso do hidratante de banho pode agravar isto. Nesse caso, escolha sabonetes especialmente desenvolvidos para o seu tipo de pele.

Os óleos são eficazes para impedir a perda transepidérmica de água, pois foram uma película protetora. No entanto, não são eficientes como hidratantes quando a pele já está desidratada, nesse caso, o ideal é usar creme hidratante potente, de preferência com uréia ou lactato de amônio na formulação.
 
Como hidratar a pele do rosto: com óleos ou loções hidratantes? Por quê?
A escolha do produto vai depender do tipo de pele do paciente. No rosto a atenção e o cuidado devem ser redobrados. A pele do brasileiro tem uma maior tendência à oleosidade, grande parte da população tem a pele do rosto oleosa e a escolha adequada dos produtos é fundamental para evitar o aparecimento de cravos e espinhas. Para quem tem a pele seca é necessário recorrer a uma hidratação intensiva e deve-se usar produtos à base de óleo de amêndoas, aloe vera, ureia, entre outros. Já as oleosas necessitam de hidratantes em forma de gel, que atendem a função de proteger, controlar a oleosidade e minimizar o aparecimento de cravos e espinhas. Os hidratantes ideais para pele mista devem ser formulados em gel ou gel-creme e livres de óleo. Já a pele normal se encontra em equilíbrio e deve ser hidratada para permanecer deste modo. Para isso, recomenda-se o uso de hidratantes em loção com base aquosa e fórmulas fluidas.

Não é só a pele seca que sofre com as consequências do inverno. A pele oleosa também sente os efeitos das baixas temperaturas e precisa de cuidados especiais para  se manter saudável. Durante o inverno, é comum ocorrer um aumento da oleosidade da pele, estimulada pelo frio, pela diminuição da sudorese e também pelo uso de água quente durante o banho. Algumas dicas de como proceder com a hidratação facial:
 
- Evite lavar a face várias vezes por dia. Lave-a apenas 2 ou 3 vezes, usando água fria e dando preferência a sabonetes suaves e/ou adequados para peles acnêicas. O uso de substâncias adstringentes auxilia a controlar a oleosidade, devendo-se evitar os sabonetes hidratantes, que podem conter substâncias oleosas em suas fórmulas.

- Não use hidratantes nas áreas onde a pele é mais oleosa. Em caso de ressecamento da pele, que pode ser provocado pelo frio, vento e banhos quentes, deve-se dar preferência àqueles com o rótulo de “oil-free” (livres de óleo) e/ou não-comedogênicos, que significa que não provocam o surgimento de cravos. Em geral, estes produtos são loções aquosas ou do tipo gel.

- Se a sua pele apresenta cravos e espinhas, use produtos que ajudem a controlar o surgimento destas lesões, desobstruindo os poros e diminuindo as inflamações. Alguns tipos de ácidos, esfoliantes e antibióticos de uso local podem ser necessários. Neste caso, você deve consultar um dermatologista para que ele indique o produto mais adequado para a sua pele.

- Cuide da alimentação. No frio bebemos menos água, o que pode colaborar para o ressecamento da pele. É recomendado beber cerca de 2 litros de água por dia. Evite alimentos gordurosos e aumente o consumo de frutas, legumes e verduras. Os ômegas também podem ser úteis devido suas propriedades antinflamatórias.

- A aplicação dos hidratantes deve ser feita preferencialmente após o banho, quando a pele ainda está úmida, pois isso aumenta o poder de hidratação do produto, com maior retenção de água na pele.

- Os lábios também sofrem com a ação do frio e podem rachar e até ficar feridos. Não esqueça do protetor labial, de preferência, opte pelos que possuem fotoproteção.

- O frio, o vento e a baixa umidade podem provocar irritações e descamações, além de propiciarem o aparecimento de doenças da pele, como a dermatite atópica e a dermatite seborreica. Nesses casos, é fundamental procurar um dermatologista.

- Não deixe de usar o protetor solar diariamente. Mesmo nos dias nublados e frios às radiações estão presentes e podem causar danos à pele.

O mercado de cosméticos não para de crescer no Brasil. Há algumas novidades nesse segmento de hidratação nas quais você considere importante ficar de olho?
Hidratação é essencial e deve ser mais intensa no outono e inverno, justamente, pela maior tendência à desidratação. Optar por produtos à base de uréia, lactato de amônio, ceramidas etc. Também são indicados hidratantes com componentes antioxidantes, como as vitaminas E, A e C. Antes de escolher um bom produto, a dica é olhar sua composição e os princípios ativos. Três itens são importantes e fazem parte da nova geração de matérias-primas: G.P.S - Threalose (capaz de atuar sobre a membrana celular e combater a desidratação), Aquaporine (melhora a circulação de água entre as células, reforça a reserva natural de água na epiderme, restaura a hidratação, maciez e elasticidade) e Laminactinet (nanodispersão de óleo de perilla em liso-fosfolipídeos, que melhora a absorção e penetração dos ativos, além de ter ação calmante). Evitar produtos com muito perfume, pois podem irritar e ressecar ainda mais a pele.
 
 
 
 
Dicas para Evitar o Ressecamento da Pele
A pele normal possui um percentual de hidratação necessário para que ela possa exercer suas funções adequadamente. Vários fatores podem influir neste percentual, deixando a pele ressecada: Fatores climáticos, como o vento, o sol, frio intenso e o ar seco, favorecem a evaporação da água através da pele, diminuindo o seu grau de hidratação. Substâncias químicas, como sabões e detergentes, eliminam a gordura da pele, afetando o manto lipídico que ajuda a reter a umidade natural da pele, deixando-a desprotegida e favorecendo a desidratação. Com o processo de envelhecimento, o teor de água da pele diminui. Por isso, é comum que pessoas idosas apresentem a pele mais seca. Algumas doenças como dermatite atópica, psoríase e ictiose, provocam alterações na pele que modificam sua hidratação natural. As alterações provocadas pelo excesso de sol na pele, o fotoenvelhecimento, também favorecem a sua desidratação.
   
A pele desidratada pode ter sua função de proteção comprometida, além de ganhar aspecto opaco, áspero, sem elasticidade e com tendência à descamação. A pele ressecada é mais frágil e sujeita a irritações. Para evitar o ressecamento, é importante:
  • Beber bastante líquidos, aproximadamente 2 litros por dia.
  • Proteger a pele das agressões externas, evitando o sol em excesso e sem proteção solar.
  • Nas áreas de pouca oleosidade, não deve-se utilizar sabonetes em demasia, bucha e água muito quente, para não diminuir ainda mais o manto lipídico.
  • Caso sejam tomados mais de um banho por dia, os sabonetes devem ser usados no corpo todo apenas em um dos banhos. Nos outros, usar apenas nos locais de dobras de pele (virilha, axilas, etc.) ou de maior oleosidade.
  • Evitar produtos que contenham álcool em sua fórmula, pois também podem ressecar a pele.
  • Utilizar hidratantes logo após o banho, nas áreas que apresentem sinais de ressecamento.

O hidratante adequado vai depender das características da pele de cada pessoa. O profissional mais habilitado para avaliar o tipo de pele e os produtos mais indicados para ela é o médico dermatologista.
   
Algumas vezes, o ressecamento da pele pode ser provocado por doenças que desencadeiam descamação como: a dermatite atópica, a psoríase e a ictiose, entre outras. Nestes casos, é importante que o dermatologista diagnostique qual é a causa da descamação para indicar o tratamento mais adequado.
« Voltar