(11) 5185-0570

(11) 99907-6292

Av. Arnolfo de Azevedo, 84 - Pacaembú - São Paulo - SP - 01236-0360

Gordura Localizada

Tratamentos para Gordura Localizada
 
Criolipólise
A criolipólise é um método não-invasivo, no qual se coloca um aparelho no formato de um copo ou ventosa sobre a pele para extrair o calor do corpo gradualmente, até que os níveis de gordura subcutânea sejam congelados. Como a epiderme permanece dentro de uma gama de temperaturas normais (e também é fundamentalmente mais resistente ao frio), a pele permanece intacta.

As células adiposas são extremamente sensíveis ao frio, por isso, o congelamento intenso e localizado causa a perda de adipócitos (células de gordura), pois a baixa temperatura provoca a desagregação de gordura por danificar as células, que murcham ao longo do tempo. Por este mecanismo, a gordura será naturalmente metabolizada pelo sistema linfático. Durante anos, tratou-se de celulite e gordura localizada pelo aquecimento para “derreter” as gordurinhas, porém a abordagem oposta parece ter melhores resultados dentre os métodos não invasivos.

A Criolipólise trata pequenas áreas de gordura localizada, de forma superior aos outros equipamentos existentes no mercado, ideal para pacientes com contra-indicação ou que não queiram se submeter a tratamentos invasivos.

A ponteira do aparelho é pressionada na área a ser tratada e resfria intensamente o local, em um nível suficiente para atingir e danificar as células de gordura. O organismo reage com uma resposta inflamatória que leva à eliminação dessas células, determinando uma melhora no contorno corporal, devido à redução de medidas. A criolipólise é direcionada para indivíduos que estão no peso ideal, definido em relação à altura e idade, e que tem apenas gordura localizada de difícil manejo.

Os efeitos colaretais são discretos e relacionados ao resfriamento da pele. Os pacientes poderão apresentar vermelhidão, pequenos hematomas, formigamento ou dormência na área tratada, mas são apenas efeitos temporários. O procedimento não é invasivo (sem anestesia, agulhas e cortes) e, portanto, o paciente poderá voltar às suas atividades rotineiras imediatamente.

O aparelho conta com diferentes tamanhos de copo aplicador, ou seja, painéis de resfriamento, que são posicionados junto à área a ser tratada. Com uma sessão, é possível perder de 18% a 25% da gordura localizada. O paciente começa a notar diminuição do volume da área tratada 6 a 8 semanas após à aplicação. O ideal é que sejam feitas 2 a 3 sessões com intervalos de 3 meses, dependendo da resposta e necessidade específica de cada paciente. O médico escolhe a região a ser tratada e posiciona o copo aplicador. O aparelho puxa e segura a gordura entre seus dois painéis, resfriando automaticamente por uma hora.

A sensação é de um puxão firme e o congelamento não afeta a epiderme ou outros órgãos. A pele, por exemplo, é protegida por uma película de gel durante a sessão. Quando o copo aplicador congela a área escolhida, as membranas das células de gordura do local são danificadas, levando-as naturalmente à autodestruição ou apoptose. Gradualmente, as células do sistema linfático são atraídas pela apoptose e acabam eliminando a gordura degradada entre 6 a 8 semanas seguintes. Essa gordura é liberada lentamente pelo sistema linfático e é metabolizada no fígado, mas sem comprometer o seu funcionamento. O tratamento não provoca necrose ou quaisquer outros danos aos outros órgãos. O tratamento pode ser realizado em pessoas a partir dos 18 anos e há contra-indicação apenas para gestantes. Os resultados podem ser mantidos se o paciente seguir uma alimentação balanceada e exercícios regulares.

Ultrassom
Esta categoria de ultrasom concentra focalmente a energia na área a ser tratada (gordura localizada), preservando os tecidos vizinhos. Penetra mais superficialmente do que o ultrasom para imagem (que atinge os órgãos internos), localizando-se na profundidade da hipoderme (tecido adiposo – onde a gordura se acumula). A dispersão das ondas de cisalhamento afetam a integridade da membrana dos adipócitos (células de gordura), destruindo-os e induzindo sua eliminação gradual e natural.

Os vasos, os nervos e os tecidos conectivos permanecem intactos. As ondas de ultrasom danificam a membrana das células adiposas e causam o rompimento das mesmas, danificando também os septos da camada adiposa. A penetração do ultrasom atinge até 3 cm de profundidade. Em cada aplicação perde-se cerca de 1 a 2 cm de medida na área tratada (5% de não resposta na primeira sessão). A gordura destruída é metabolizada pelo fígado, exames de controle não demonstraram nenhuma agressão a este órgão. Pacientes que apresentam dislipidemia (alterações dos triglicérides e colesterol), devem ser monitorizados. O método é indolor, com raríssimos efeitos colaterais.

 Alguns aparelhos mais modernos, associam ao ultrasom algumas outras propostas. Um deles, age da seguinte maneira: Logo após a aplicação do ultrasom, é colocado um gel na área tratada e realizada uma drenagem linfática. A gordura que foi destruída, é mobilizada, transportada para as vias linfáticas e posteriormente eliminada nas fezes e urina. A penetração na pele fica em torno de 1 cm, tornando o método mais seguro. Este método é dinâmico e causa um leve aquecimento da região do procedimento. Faz-se em média de 4 a 8 sessões com intervalo de 7 a 14 dias. Após o tratamento, o paciente retorna imediatamente às suas atividades e, até agora, não foi reportado nenhum efeito colateral.

O mecanismo de ação da quebra de gordura se dá por aumento da energia dentro do adipócito (célula de gordura), com formação de bolhas de ar que vão se confluindo até causar a ruptura da membrana celular, com saída da gordura para o espaço entre as células, que é, posteriormente, drenada para as vias linfáticas. Esta nova modalidade de tratamento, está sendo vista como bastante promissora para o tratamento da celulite e gordura localizada, pois é um método não invasivo, indolor e sem efeitos colaterais. Vários estudos estão sendo realizados e vêm mostrando ótimos resultados.

O tratamento é contra-indicado para: gestantes, portadores de marca passo ou outros implantes eletromagnéticos, próteses ortopédicas sob a área a ser tratada, hérnia abdominal ou aneurisma de aorta diagnosticados, hepatite ou outras doenças hepáticas, doenças do sistema imunológico ou conectivo em atividade, ferimentos abertos na área a ser tratada, distúrbios de coagulação.

O candidato ideal ao tratamento é o paciente que possui índice de massa corpórea menor ou igual a 30 (não obeso), com gordura localizada sobressalente (quanto mais macia a gordura, melhores os resultados - depósitos de gordura com mais de 1,5 cm de espessura preferencialmente no abdome, flancos e culotes), flacidez ausente ou pequena na área a ser tratada.

As recomendações dependem do aparelho utilizado, em geral, recomendam-se 3 sessões com intervalos mensais. Nas semanas subseqüentes ao tratamento, é orientado fazer endermologia ou drenagem linfática  semanalmente, bem como, dieta  balanceada e exercícios físicos regulares, para otimização dos resultados. É indicada dosagem pré -tratamento de colesterol total e frações, triglicérides, função e enzimas hepáticas.  Dependendo dos resultados, o tratamento poderá ser contra-indicado pelo dermatologista. É muito importante a avaliação e seguimento do tratemnto pelo medico especialista, que está apto a indicar adequadamente e de forma segura o procedimento.
  
Carboxiterapia
A carboxiterapia é a técnica na qual gás carbônico é injetado no tecido subcutâneo utilizando-se uma agulha muito fina. A injeção subcutânea do CO2 promove melhora da circulação e oxigenação dos tecidos, levando indiretamente à melhora da celulite e gordura localizada. Teoricamente a carboxiterapia também estimularia a produção de colágeno, ao promover a distensão da pele, estimularia a reorganização das fibras de colágeno, bem como sua produção, sendo benéfica para a melhora da flacidez. No entanto, mais estudos ainda são necessários para definir a eficácia e segurança do procedimento com essa finalidade. O gás carbônico é normalmente encontrado em nosso organismo. Em situações de repouso, nosso corpo produz cerca de 200 ml/min do mesmo, aumentando em até 10 vezes frente a esforços físicos intensos. Durante o tratamento, o médico controla a velocidade de infusão do fluxo e o volume total injetado, utilizando-se fluxos entre 20 e 100 ml/min e volume total administrado entre 600 ml e 1 litro.

A ação farmacológica do anidro carbônico sobre o tecido é através de vasodilatação local, com conseqüente aumento do fluxo sanguíneo e da pressão parcial de oxigênio (pO2). Há redução da afinidade da hemoglobina pelo oxigênio, resultando em maior quantidade deste disponível para o tecido. Há melhora da micro-circulação, da oxigenação tecidual e do metabolismo celular local. O tratamento inclui de 10 a 20 sessões, divididas em uma ou duas vezes por semana. A sessão dura de 15 minutos a 30 minutos, dependendo da região. O tratamento utiliza o CO2, um gás atóxico, não embólico e presente normalmente em nosso corpo como intermediário do metabolismo celular. O CO2 puro medicinal é o mesmo utilizado corriqueiramente em cirurgia videolaparoscopica (para promover a dilatação abdominal), histeroscopia e como contraste em arteriografias.

Possíveis efeitos colaterais limitam-se a dor durante o tratamento, pequenos hematomas decorrentes da punção e sensação de crepitação no local, que desaparece, em média, em até 30 minutos. Os riscos de infecção ainda não estão muito bem estabelecidos, mas existem. Não é necessário fazer repouso ou qualquer outro tipo de tratamento complementar, o paciente poderá retornar às suas atividades normais ao fim de cada sessão. Em geral, são necessárias de seis a dez sessões para que os efeitos sejam percebidos. Mas eles não duram por muito tempo, o que exige manutenção. Em média, é necessária uma sessão por mês para manter os resultados. O procedimento deve ser realizado por médico especialista habilitado.
 
Endermologia
A endermologia consiste numa massagem mecânica profunda que melhora o sistema linfático do tecido conjuntivo da hipoderme. Reduz a retenção de líquidos, favorece o funcionamento dos sistemas venoso e linfático e é capaz de moldar o corpo e reduzir volume, através da potencialização da lipólise (quebra das células de gordura), nos níveis mais profundos do tecido adiposo. Mobiliza células de gordura localizada, melhorando o contorno corporal. Estimulação mecânica das circulações sanguínea e linfática, com melhora do metabolismo local e eliminação de toxinas pela urina.

É efetuada com um aparelho que enrola e desenrola as pregas cutâneas, permitindo a erradicação dos elementos que bloqueiam o sistema vascular. Graças a esta “ginástica cutânea” que reestrutura o tecido conjuntivo e estimula a circulação sanguínea e linfática, facilitando a eliminação de toxinas, a endermologia permite desencadear um processo natural de eliminação das sobrecargas adiposas. O resultado é a eliminação progressiva da celulite e gordura localizada e uma pele mais lisa. Um dos pontos fortes da endermologia é a sua inocuidade. O tratamento não requer nenhuma intervenção médica, nem a inclusão de substâncias químicas.

Trata-se unicamente de restabelecer e ativar funções do organismo. Controlados por um comando manejado pelo profissional, os rolamentos motorizados giram, exercendo uma pressão positiva sobre a pele. Dá-se, ainda, uma pressão negativa, pelo movimento de sucção. O profissional regula a sucção, a velocidade do deslize e as manobras que devem ser aplicadas por zona corporal a cada momento do tratamento. Estes serão determinados em função da patologia a tratar, do avanço do tratamento, da sensibilidade da paciente, e, principalmente, do critério do médico que estabelece os procedimentos.

Nos protocolos habituais, inicia-se o tratamento com duas sessões semanais durante as duas primeiras semanas, de aproximadamente 35 minutos cada uma, continuando com uma sessão semanal até se completar 12 a 16 sessões. Seguidamente, estabelece-se uma fase de manutenção com uma sessão mensal. Quando for considerado necessário, podem realizar-se ciclos curtos com sessões semanais. Convém prever uma média de 6 a 8 tratamentos, para constatar os primeiros resultados. Quando associada à outras técnicas, os resultados são mais efetivos e mais rápidos, não necessitando de muitas sessões.

Principais contra-indicações: calculose renal, problemas vasculares e neoplasias. Quando existe sobrepeso, deverão associar-se modificações oportunas da dieta e a prática de atividades físicas.

Intradermoterapia
A intradermoterapia consiste na aplicação de medicamentos na pele ou subcutâneo. Técnica de origem francesa, tem como intuito proporcionar uma alta concentração do fármaco no local de ação, com poucos efeitos colaterais. Visto que a absorção e concentração deste no sangue é menor. Vários são os medicamentos disponíveis para o tratamento, ficando o médico responsável pela escolha da mescla (mistura dos fármacos), dependendo do objetivo do tratamento. São indicadas, em média, 10 sessões e os resultados variam de acordo com cada caso e objetivo, sendo um tratamento localizado.

Trata-se da introdução de medicamentos na derme (camada profunda da pele) através de agulha apropriada, com quatro ou seis milimetros de comprimento. Os medicamentos de ação lipolítica (que destroem os adipócitos – células de gordura) reduzem a gordura localizada, melhorando a circulação e, consequentemente, a celulite. Os produtos aplicados podem possuir ainda: propriedades venotônicas, vasculoprotetoras e linfocinéticas. A aplicação é feita nos pontos onde está a gordura localizada.

A intradermoterapia é uma técnica efetuada por meio da aplicação de um coquetel de medicamentos, com diferentes mecanismos de ação, que promovem a diminuição da gordura no local tratado. São aplicadas injeções de substâncias que agem contra a  celulite e gordura localizada. O princípio básico da intradermoterapia é a aplicação de medicamentos próximos ao local onde irão agir. Então, uma pequena quantidade aplicada no local alvo terá uma forte ação neste local e quando absorvida e distribuída no resto do organismo, haverá diluição e os possíveis efeitos colaterais serão diminuídos.

Intradermoterapia é uma maneira de administrar medicamentos, podendo ser excelente, inútil ou até prejudicial, dependendo de quem realiza o tratamento (que deve ser sempre feito um médico especialista treinado e habituado com a técnica), do tipo de medicamento aplicado, do problema à ser tratado e do órgão alvo onde foi feita a aplicação. Fundamentalmente o paciente deverá ser avaliado pelo médico através de história clínica adequada e exames laboratoriais, para que seja definida, ou não, a possibilidade do tratamento com essa técnica. Muitas das substâncias aplicadas não são inócuas e podem desencadear sérios problemas se não forem bem indicadas e bem administradas.
 
Lipocavitação
Trata-se de uma técnica cuja proposta de ação se dá através da indução de cavitações ultrasônicas emitidas através da pele, chegando às células de gordura e promovendo a ruptura da membrana dos adipócitos (células de gordura). Com a implosão, estas células se tornam líquidas e são liberadas na corrente sanguínea, sendo posteriormente eliminadas pelo organismo através das vias normais de excreção. A Cavitação é um fenômeno físico que se manifesta em um meio líquido, como resultado de uma variação de pressão provocada por uma onda sonora. Teoricamente, as ondas ultra-sônicas induzem uma série de ciclos de compressão e descompressão do meio, quando os tecidos são sujeitos ao ciclo de expansão, cria-se uma pressão negativa que gera a formação de bolhas de gás que aumentam até a implosão. Não existem evidências científicas suficientes, bem como, relatos na literatura médica, que comprovem a eficácia desse tipo de procedimento para redução da gordura localizada.
 
Laserlipólise
A laserlipólise é um método invasivo de tratamento da gordura. Por meio do calor gerado por uma fibra óptica, a gordura é diretamente derretida. Os adipócitos destruídos são absorvidos pelo organismo, ou o produto resultante pode ser lipoaspirado. A principal característica da laserlipólise é a destruição dos adipócitos por meio do calor emitido de forma direta por uma fibra óptica.

A área a ser tratada é anestesiada localmente. A fibra óptica é introduzida no tecido e, por meio do calor produzido, rompe-se a membrana dos adipócitos, derretendo a gordura de forma uniforme. O aquecimento promovido é repassado à derme e promove o skin tightening (retração da pele), sendo também indicada para o tratamento da flacidez. Sabemos que os comprimentos de onda de laser que vão de 975 nm a 1064nm, têm grande  afinidade pela água e oxihemoglobina, auxiliando na coagulação dos vasos sanguíneos, diminuindo o sangramento. Quando a água é vaporizada, gera-se calor que promove retração da derme ou “skin tightening”, muito interessante em regiões como queixo duplo, abdome, face interna de coxas e braços. Como desvantagens, existem o risco de queimaduras e o custo maior agregado ao tratamento. Esse tratamento destina-se a redução de acúmulos localizados de gordura. Não serve, portanto, para o tratamento da obesidade.

A laserlipólise pode ser realizada em áreas maiores, mas com a recomendação de que seja feita em centro cirúrgico sob anestesia local, com sedação controlada por anestesiologista. Nesses casos pode ser usada também a técnica de lipoaspiração, concomitantemente ao laser para remoção de maiores quantidades de gordura. A laserlipólise deve ser escolhida nos casos em que existe flacidez, nos casos em que a área a ser tratada é de volume maior, pois pode ser seguida de lipoaspiração. O tratamento dura em torno de uma hora, por região. No pós-operatório, aparece edema e dor leve, de menor intensidade do que na lipoaspiração tradicional. É feita anestesia local, introduzida uma fibra óptica de 2 mm em acrílico. A recuperação costuma ser muito satisfatória com o paciente voltando às atividades em 3 a 10 dias, de acordo com a área tratada.

A vantagem é a rapidez em se obter os resultados desejados e a confiabilidade dos resultados, que são mais uniformes que as técnicas menos invasivas. Outra vantagem é o fato de que o laser possibilita o aumento da temperatura da derme provocando o efeito de retração ou "thightenning", que reduz a flacidez cutânea.
 
Usualmente os pacientes que mais se beneficiam com esses tratamentos são aqueles que apresentam gordura localizada em áreas bem definidas, que se encontram próximos, ou, no seu peso ideal e apresentam pele elástica, com boa capacidade de retração. Devemos sempre considerar também as condições gerais de saúde do paciente para determinar através de uma história clínica detalhada e exames complementares se o mesmo pode ou não ser submetido ao procedimento. Gestandes não devem submeterem-se a esses tipos de tratamentos. Os resultados são sempre otimizados e mais duradouros quando o paciente adota uma alimentação saudável e balanceada e pratica atividades físicas regularmente.
 
As novidades para gordura localizada são:
1) Novas tecnologias para o tratamento não-invasivo da gordura localizada - modernos aparelhos (novos, ou antigos melhorados) baseados em diferentes tecnologias: ultrassom focado de alta intensidade, radiofrequência uni e multipolar, laser de baixa intensidade, ondas acústicas e, em especial, aparelhos que combinam diferentes tecnologias para um efeito sinérgico no combate ao acúmulo de gordura. Um novo aparelho de destaque combina laser de baixa intensidade, radiofrequência, infravermelho e massagem à vácuo. Este aparelho mostrou-se efetivo para gordura localizada e flacidez. Além disso, possui um software que faz uma leitura inteligente das medidas corporais, com isso, o direcionamento do local a ser tratado e definição dos parâmetros de tratamento são feitos de forma mais precisa.
 
 2) ATX-101 - é uma formulação patenteada injetável (ácido desoxicólico purificado - desoxicolato) que promove quebra da gordura (lipólise) e desencadeia uma reação inflamatória, a qual indiretamente estimula a produção de colágeno, melhorando assim a flacidez também. A indicação é para gordura localizada na região sub-mentoniana ("papada"), mas a idéia é expandir a utilização para outras áreas do corpo.
 
3) Radiofrequência multipolar para o tratamento da gordura localizada. Emite campo eletromagnético em grandes áreas a fim de atingir especificamente a camada profunda do tecido, onde a energia é absorvida de forma otimizada - aquecimento seletivo e distribuição homogênea do calor no subcutâneo. A profundidade da penetração varia de acordo com a espessura do tecido adiposo e distância do aplicador em relação ao corpo. Quanto mais perto do corpo está o aplicador, mais superficial é a penetração. Inversamente, quanto mais distante o aplicador está do corpo, mais profunda é a penetração. Para eficácia na queima de gordura, o aplicador deve ser colocado a aproximadamente 10 mm da superfície da pele. Tratamentos semanais com duração de 30 minutos.
 
4) Novo aparelho para o tratamento da celulite. Sucção à vácuo da região a ser tratada e introdução guiada de agulhas que quebram as traves fibrosas (subcisão guiada).
 
5) Aparelho que  incorpora quatro diferentes tecnologias + análise corporal inteligente (programa de computador que faz leitura das medidas) - redução da gordura localizada. Laser diodo (duas faixas de comprimentos de onda: 650-660/775-795 nm), infravermelho, radiofrequência multipolar e massagem a vácuo. Bioestimulação de vias metabólicas específicas, resultando na liberação de ácidos graxos e glicerol e subsequente retração dos adipócitos.
 
Em geral os tratamentos devem ser iniciados alguns meses antes do verão, pois comumente necessitam de múltiplas sessões para que sejam atingidos os objetivos. Os tratamentos que envolvem aplicação com agulhas e podem causar hematomas (carboxiterapia, intradermoterapia) devem ser interrompidos pelo menos 1 mês antes da exposição ao sol, pelo risco de pigmentação – manchas na pele. Pele inflamada, com hematomas e descamação não deve ser exposta ao sol. A laserlipólise deve ser feita no mínimo 3 meses antes da exposição solar, por se tratar de procedimento cirúrgico invasivo.
« Voltar