(11) 5185-0570

(11) 99907-6292

Av. Arnolfo de Azevedo, 84 - Pacaembú - São Paulo - SP - 01236-0360

Foliculite

A causa mais comum de "bolinhas na virilha" é a foliculite. Trata-se de infecção dos folículos pilosos causadas por bactérias, principalmente do tipo estafilococos. A invasão bacteriana pode ocorrer espontaneamente ou favorecida pelo excesso de umidade ou suor, raspagem dos pelos ou depilação. Infecções graves podem causar perda permanente do pelo e cicatrizes.
   
A infecção aparece como pequenas espinhas, de ponta branca, em torno de um ou mais folículos pilosos. A maioria dos casos de foliculite é superficial, pode coçar, e doer. Normalmente a inflamação do pelo sara sozinha, mas os casos mais graves e recorrentes merecem atenção e tratamento com um dermatologista.
   
A foliculite pode ser superficial ou profunda. No primeiro caso, afeta apenas a parte superior do folículo piloso. Os sintomas são: pequenas espinhas vermelhas, com ou sem pus; a pele pode ficar avermelhada e inflamada; causa coceira e sensibilidade na região.
   
São raros os casos de foliculite que causam complicações. Entretanto, preste atenção a possíveis recorrências, ou seja, um local em que o pelo sempre “encrava”, ou se a área atingida pela foliculite aumenta. Procure o dermatologista, ele irá indicar o melhor tratamento.
   
Quando a inflamação atinge áreas mais profundas da pele, pode haver a formação de furúnculos (abscessos).  Os sintomas são: grandes áreas avermelhadas; lesões elevadas com pus amarelado no meio; as áreas ficam muito sensíveis e doloridas e pode coçar também; em alguns casos a dor é intensa. As chances de cicatrizes permanentes são maiores nesses casos e pode haver destruição do folículo piloso.
   
Um médico pode diagnosticar a foliculite simplesmente olhando a pele. Em alguns casos, os médicos podem retirar amostras da secreção da lesão para que ela seja examinada em laboratório. Os casos leves de foliculite provavelmente curam-se sozinhos. Mas, casos persistentes ou recorrentes podem exigir tratamento. A terapia dependerá do tipo e da gravidade da sua infecção.
 
Foliculite Estafilocócica
Tipo comum. Ocorre quando os folículos pilosos são infectados com bactérias Staphylococcus aureus (estafilococos). É caracterizada por coceira, inflamação com pus e pode ocorrer em qualquer região do corpo que possua pelos. Embora os estafilococos vivam na pele o tempo todo, elas podem causar problemas quando entram no corpo através de um corte ou outro ferimento. Isto pode ocorrer por arranhões ou lesões na pele. O tratamento pode ser com antibiótico tópico, oral ou uma combinação dos dois. Também pode ser recomendado evitar raspar a área, até que a infecção sare.
 
Foliculite por Pseudomonas (Foliculite da Banheira Quente)
 As bactérias Pseudomonas aeruginosa  proliferam em ambientes aquáticos em que os níveis de cloro e o pH não são bem regulados, como banheiras de hidromassagem. A infecção aparece entre oito horas e cinco dias após a exposição à bactéria. São erupções vermelhas, que coçam, e mais tarde bolhas com pus podem aparecer também. Áreas que ficam úmidas por mais tempo são as mais propensas à infecção, como as áreas cobertas pela roupa de banho. O tratamento se dá normalmente com loções para aliviar a coceira, antibióticos são receitados raramente.
 
De forma geral, o tratamento é feito com antibióticos de uso local ou sistêmico específicos para a bactéria causadora e cuidados antissépticos, além de evitar fatores predisponentes, como a depilação. Algumas lesões podem necessitar de drenagem cirúrgica. O dermatologista é o médico mais indicado para o correto diagnóstico e tratamento das foliculites.

Prevenção
Manter a pele limpa, seca e livre de escoriações ou irritações pode ajudar a prevenir a foliculite. Certas pessoas são mais propensas a infecções, como as pessoas com diabetes. Se você tem algum problema médico que o torna mais propenso a contrair infecções, algumas precauções podem ser importantes. Evite lavagens antissépticas rotineiramente, pois deixam a pele e seca e matam bactérias protetoras. Mantenha a pele hidratada. Tome cuidado ao depilar, use gel de barbear, espuma ou sabão para lubrificar a pele, facilitar o deslizar das lâminas e evitar cortes.

Em relação a esfoliação, deve ser evitada, pois a pele dessa região é bastante delicada e sensível e o uso de produtos mais abrasivos pode desencadear reações indesejadas. Pessoas com tendência a foliculite devem usar produtos específicos indicados pelo dermatologista e escolher adequadamente o método depilatório.

Dicas para depilação ideal:
A pele deve estar muito limpa (sem resíduos de hidratantes, óleos ou sujeira);
  • A depiladora precisa usar máscara e luvas;
  • A temperatura da cera quente deve ser regulada para evitar queimaduras;
  • Use sempre material descartável. O aquecimento não mata todos os fungos e bactérias;
  • O pêlo deve ser puxado paralelo à pele (e não pra cima);
  • Cuidado com as ceras feitas em casa com açúcar, mel e limão, pelo risco de queimadura;
  • Utilize as loções pós-depilação, que ajudam a cicatrizar e regenerar a pele;
  • Depile-se após o banho. O vapor abre os poros e amolece os pelos;
  • Evite expor a pele à água do mar e piscina e usar perfumes por 24 horas após a depilação, para evitar irritações e infecções;
  • Em áreas com irritação, inflamação, ferimentos, verrugas ou veias varicosas, jamais deve ser passada a cera ou gilete;
  • Acalme e hidrate a pele depois, com um pós-depilatório sem álcool.
  • Não manipule os pêlos encravados;
  • Não use roupas apertadas ou sintéticas (relacionadas com maior possibilidade de foliculite e irritações).
  
Depilação
O ideal é escolher o método que mais se adapte ao seu tipo de pele. Indivíduos com pele sensível, por exemplo, devem evitar o uso de cera. Para quem tem tendência à formação de pelos encravados (foliculite), o laser é uma boa opção. Quando os fios são volumosos e grossos, a pele fica mais sujeita à irritação e ao encravamento. Qualquer forma de depilação que puxe os pêlos pela raiz (ou seja, com o bulbo capilar), como é o caso das ceras e dos aparelhos elétricos, propicia o encravamento dos fios, já que, quando voltam a nascer, alguns não conseguem romper a superfície da epiderme. A Tolerância à dor é outro fator que deve ser levado em consideração. O limiar de dor é diferente para cada indíviduo, alguns não toleram a depilação com cera fria, por exemplo, que é mais agressiva e dolorosa.
 
Métodos: Vantagens e Desvantagens
Lâmina
Vantagens: Baixo custo e rapidez na remoção dos pelos. Não exige maiores habilidades, a não ser cortar na direção do crescimento dos pêlos. Pode ser utilizada para remoção de pêlos de qualquer tamanho e espessura.

Desvantagens: Não há o risco de aumentar o pêlo ou deixá-lo mais grosso. O problema é que, como a lâmina corta o pêlo rente à pele, ele pode crescer mais rápido, irritar e assim encravar, manchando a pele. Também pode causar coceiras na fase do crescimento. Pessoas com alergia a níquel não podem utilizá-la.
 
Aparelhos elétricos
Vantagens: Os pêlos demoram a crescer, a depilação pode ser feita em casa e não exige um tamanho ideal do pêlo para a remoção. Hoje existem vários tipos de depiladores, sempre em busca de formas para amenizar o desconforto por conta da retirada dos pêlos pela raiz. Também é possível encontrar aparelhos que conseguem arrancar até os pelos mais curtinhos, inclusive de áreas sensíveis, como virilha e axilas. O fato da mulher poder usá-lo sozinha é prático e moderno, principalmente por ser uma técnica muito mais duradoura do que a lâmina. O custo-benefício pode valer a pena, já que há apenas um investimento inicial na compra do aparelho, que possui grande durabilidade. Elimina o risco de contaminação, já que seu uso é individual.

Desvantagens: É doloroso e algumas pessoas não se adaptam à técnica. Se o pêlo for mais fino, o método pode provocar foliculite (pêlo encravado). A forte tração tende a arrebentar o pêlo, incidindo em alguns casos, em inflamação da pele.
 
Cuidados essenciais antes e depois de usar o aparelho depilatório:
  • Higienizar o aparelho com álcool 70°;
  • Usar sempre um aparelho limpo e em bom estado de uso. Não pode estar enferrujado;
  • Secar bem o local a ser depilado
  • Não se depilar após tomar sol e nem tomar sol em seguida da depilação;
  • Utilizar géis específicos, que ajudam a fechar os poros e acalmar a pele, evitando assim o aparecimento de foliculite (pelos encravados) no local depilado.
Cremes depilatórios
Vantagens: Atua quimicamente sobre o pêlo, que amolece e é eliminado. Ação semelhante à lâmina, que corta o fio logo após sua saída pela superfície da pele. Não demandam um tamanho ideal de pêlo para a realização do procedimento. Método não doloroso.

Desvantagens: Quebram e cortam o pêlo, mas não removem a raíz. Resultados transitórios e podem provocar irritações na pele. Alguns tem um cheiro não muito agradável e ressecam a pele.
           
Cera
Vantagens: O pêlo demora mais para nascer, uma vez que foi arrancado completamente, até que um novo chegue à superfície da pele passarão de 20 a 25 dias. Por aumentar a temperatura da pele, a cera quente dilata o poros e o processo de retirada do pêlo torna-se menos doloroso.

Desvantagens: A principal é a dor. Para quem tem predisposição a pêlo encravado, o método é contraindicado. Outro alerta: a cera quente reutilizada em institutos especializados pode ser fonte de infecção.
 
Linha
Vantagens: É um método feito com linha de costura, 100% poliéster, que foi criado pelos antigos. Permite arrancar os pêlos com maior eficiência do rosto, sobrancelhas, numa seqüência de movimentos firmes da mão. Há quem recorra ao método na virilha ou axila, porém costuma provocar mais dor nestas regiões.

Desvantagens: Trata-se de um trabalho manual delicado, no qual é necessário excelente habilidade para manipular bem uma linha de costura que pode eliminar até 95% dos pelos. Se a linha não for bem manejada, corre-se o risco de sofrer cortes. A fricção da linha pode irritar peles em tratamento.
 
Laser
Vantagens: Exige tratamento seriado com controle (10% a 15% a cada sessão realizada), pois depende das diferentes fases do crescimento dos pêlos. Usa tecnologia avançada com laser de diodo, alexandrita, yag e a luz intensa pulsada (LIP). As sessões são um pouco desconfortáveis, mas a dor é tolerável com emprego de resfriadores da pele e anestésicos tópicos. Possibilita a redução programada dos pêlos. Excelente indicação para quem tem tendência a pêlos encravados. Quanto mais clara for a pele e mais escuro e grosso o pêlo, mais efetivo é o tratamento.

Desvantagens: Durante o tratamento não se deve expor a pele ao sol. Pêlos brancos, loiros e ruivos não são removidos. Custo alto
« Voltar