(11) 5185-0570

(11) 99907-6292

Av. Arnolfo de Azevedo, 84 - Pacaembú - São Paulo - SP - 01236-0360

Dicas de Beleza

1. Proteção solar:
O protetor solar deve sempre fazer parte da rotina diária de higiene e beleza. A radiação UVA, grande responsável pelo envelhecimento cutâneo, mantém-se praticamente constante em todas as estações do ano, mesmo nos dias nublados e chuvosos. Tendo o cuidado de aplicar diariamente o fotoprotetor, evita-se o aparecimento de manchas, vasinhos e rugas. O ideal é que o produto seja aplicado pela manhã e reaplicado na hora do almoço e meio da tarde, para garantia de uma fotoproteção adequada. Além dos prejuízos estéticos, a exposição solar prolongada e de maneira inadequada pode causar câncer. O câncer de pele é considerado o tumor de maior incidência no Brasil, por isso, os cuidados com a pele devem começar na infância, a partir dos seis meses. O uso diário de protetor pode reduzir em até 85% as chances de desenvolver a doença. A maquiagem pode ser aplicada sobre o protetor solar, pois atua como barreira física, também auxiliando na fotoproteção, além de dar uma aparência mais saudável.

O produto deve ser escolhido de acordo com o tipo de pele. Em geral, para peles oleosas são recomendados os produtos em gel, gel creme ou loções oil free (sem óleo). Já quem sofre com a pele ressecada deve optar por loções mais cremosas Além disso, há no mercado muitos cosméticos com tecnologias sofisticadas que aliam a proteção solar a substâncias hidratantes e antifotoenvelhecimento. Uma das coisas que diferencia um fotoprotetor de boa qualidade de um de qualidade inferior é a proteção contra radiação ultravioleta A (UVA). Os bons filtros têm fator de proteção contra UVA mais amplo, geralmente declarado na embalagem com as siglas PPD/IPD. O fator FPS está relacionado somente à proteção contra os raios UVB. No entanto, ainda não há consenso para classificar e denominar a proteção contra o UVA. O mais prático, é procurar nas embalagens a seguinte frase: "proteção solar máxima UVA/UVB”. Mesmo porque, já se sabe que os dois tipos de radiação solar ultravioleta estão relacionados ao aparecimento do câncer de pele e fotoenvelhecimento. O FPS sinaliza quantas vezes mais a pele receberá proteção extra após a aplicação do produto. O ideal é que seja usado um produto de pelo menos fator 30. Um fotoprotetor com FPS 15 protege a pele contra cerca de 92% da radiação UVB, o FPS 30, 96% e o 60, 98%.
 
Atenção: Sol em excesso é perigoso até com fotoprotetor! Muita gente se ilude achando que usar um FPS alto só uma vez ao dia ou um FPS baixo várias vezes ao dia as protege adequadamente, e acabam se expondo exageradamente ao sol. Ou muitas vezes não espalham o produto uniformemente em toda pele, nem após contato com a água. Muitos também acreditam que usar FPS significa, automaticamente, que podem abusar do sol a todo momento. Nessa ilusão, muita gente tem sofrido os males devidos ao sol bem mais precocemente. Todo cuidado é pouco!

A Ciência tem caminhado cada vez mais na busca de fotoprotetores ideias, com menor efeito alergênico e maior eficácia. Mantenha-se sempre informado junto ao seu médico, seguindo antes de tudo as orientações dele, especialmente se houver algum familiar com histórico de câncer de pele.
 
2. Envelhecimento:
Os raios UVA e UVB emitidos pelo sol são os grandes inimigos da saúde da pele, independente da faixa etária. A radiação UVA danifica o colágeno e as fibras elásticas, levando a perda de sustentação e elasticidade. A radiação UVB, incidente principalmente das 10 as 16h, causa queimadura e aparecimento de manchas e é a principal responsável pelo câncer de pele.

Além dos efeitos nocivos do sol, há outros fatores que prejudicam a pele, como o cigarro, o álcool, o estresse, a alimentação desequilibrada e a poluição. O frio, o vento, as diferenças de temperatura e o calor úmido são fatores climáticos que expõem a pele a um estress acelerador do envelhecimento. O clima frio e o uso de ar condicionado promovem ressecamento / perda da hidratação natural da pele. O ar poluído das grandes cidades pode obstruir os poros, proporcionando um aspecto grosseiro e opaco à pele, além disso, a presença de determinados gases e pós no ar fragiliza o filme hidrolipídico que protege a pele, propiciando deterioração dos mecanismos fisiológicos. Tabaco e álcool alteram o metabolismo celular da epiderme e estimulam a produção de radicais livres. As substâncias tóxicas do cigarro causam destruição das fibras de colágeno e elastina, responsáveis pela eslaticidade e firmeza da pele, além de causarem vasoconstricão (estreitamento) dos vasos cutâneos, prejudicando a nutrição e deixando a pele pálida e amarelada. O fumo exacerba o fotoenvelhecimento, principalmente em mulheres. Existe uma relação direta entre o número de maços fumados por ano e a gravidade do enrugamento e coloração acinzentada da pele.

A pele aos 40 anos é reflexo dos hábitos de vida até esse período, sendo que, ou se colhe os louros de um passado bem cuidado a ou se paga os pecados cometidos. Pode-se ter uma aparência excelente, de idade indecifrável. Ma se houve abuso de sol, álcool, cigarro etc, a pele poderá mostrar manchas, vermelhidão desgaste e perda de elasticidade. Calcula-se que o estilo de vida responde por 70% da longevidade de uma pessoa. Só 30% se deve a fatores genéticos.

Outro fator que influencia a pele após os 40 anos são as alterações hormonais próprias da menopausa. A pele está sujeita a sofrer alterações estruturais profundas com a chegada da menopausa. Para se manter intacto o órgão depende fundamentalmente do estradiol, que é produzido pelos ovários. Como a produção deste hormônio cai pela metade com o fim dos ciclos hormonais, diminui a quantidade das células denominadas fibroblastos, responsáveis pela produção das fibras de elastina e de colágeno que compõem a trama de sustentação da pele. A mudança provoca a redução do fluxo de sangue pelos vasos e diminui a capacidade de retenção de água pelas células, além de desacelerar a atividade das glândulas sebáceas e sudoríparas, que produzem a oleosidade que protege a epiderme como um filtro natural. Sem a mesma irrigação e hidratação a pele fica seca, enrugada e flácida, quebradiça e fina e muito mais sensível a escoriações e aos efeitos da exposição solar. Pequenos cortes levarão tempo para cicatrizar e as manchas irão proliferar com rapidez. A quantidade de fibras de colágeno diminui a um ritmo de 2,1% ao ano, logo após a menopausa. A velocidade do processo varia dependendo da presença de fatores de risco como o tempo a que a pele foi exposta ao sol ao longo da vida e o hábito do tabagismo. O cigarro pode aumentar de duas a três vezes o número de rugas nos homens e mulheres de cor branca de meia idade, ao reduzir muito a irrigação sanguínea das camadas que formam a pele. A pele do rosto pode ficar mais oleosa e sujeita à acne ao longo da perimenopausa, o período de transição entre a fase reprodutiva feminina e o depois dela. Tal efeito é resultado do desequilíbrio hormonal típico dessa fase, que favorece a predominância de hormônios androgênios na circulação. Além de tornar o rosto mais oleoso, os androgênios ainda são responsáveis pelo aparecimento de pêlos grossos sob o queixo e nas laterais da face. Pesquisas recentes, feitas com mulheres de 30 anos em diante, mostram que o processo de envelhecimento cutâneo começa por volta dessa idade mas intensifica-se entre os 40 e 50 anos, exatamente a época de aparecimento dos primeiros sintomas da menopausa.    

Na faixa dos 40 anos, é comum aparecerem manchas, rugas e flacidez, males que podem ser amenizados ou evitados com o uso de produtos adequados e algumas práticas que não podem ser deixadas de lado. Cuidados essenciais como beber muita água, não fumar, manter uma alimentação equilibrada, não abusar de bebidas alcoólicas, praticar exercícios e evitar o estresse devem ser sempre lembrados quando o assunto é barrar o evelhecimento. Para preservar-se jovem o maior tempo possível:
 
  • Abandonar o tabagismo;
  • Usar filtro solar diariamente;
  • Exercitar-se moderada e regularmente;
  • Não ingerir mais calorias do que gasta e procurar alimentar-se de forma balanceada e equilibrada. Dieta rica em frutas, verduras, alimentos integrais e carnes magras.
  • Dormir bem, sono de qualidade;
  • Se seu ginecologista e condições clínicas permitirem - fazer reposição hormonal com estrógenos (sempre com orientação e acompanhamento médico);
  • Retire a maquiagem antes de dormir - após os 40 anos, esse ritual deve ser seguido à risca, pois a pele está mais sensível a descuidos;
  • Faça limpeza de pele frequentemente (mensal) - promove a desobstrução dos poros e renovação celular, deixando a pele respirar melhor e evitando pequenos nódulos e imperfeições que ficam mais visíveis nessa época;
  • Recorra aos tratamentos dermatológicos: peelings, laser e luz intensa pulsada, preenchimento, toxina botulínica;
  • Tirar proveitos dos aliados poderosos (uso tópico): ácido retinóico, alfa hidroxiácidos (AHA ) como o glicólico, vitamina C, vitamina E, liftline, tensine, estimuladores de colágeno como os glycans, hidroxiprolisilane, ácido hialurônico etc. Obs: sempre com orientação de um dermatologista;
  • Encontre um modo de lidar  com o estresse. Medidas simples e mudanças de hábito podem ser muito benéficas          
3. Dicas de produtos/substâncias benéficos para pele:
Existem várias categorias de produtos para serem utilizados no tratamento da pele:
Cosméticos: são produtos para embelezamento que não deveriam interferir ou modificar as condições fisiológicas da pele.

Cosmecêuticos: são produtos intermediários entre cosméticos e medicamentos que promovem algum tipo de modificação, pois interagem com a cútis de maneira mais ativa.

Medicamentos: são produtos com ações mais modificadoras na fisiologia da pele que só devem ser prescritos pelo médico.

A substância mais conhecida e estudada para tratar o envelhecimento é o ácido retinoico, que é um derivado da vitamina A. Este ativo promove várias ações na pele, como melhora da troca celular, melhora da irrigação, melhora das manchas e das fibras de colágeno. O ácido retinoico é considerado remédio. Por isso deve ser prescrito pelo médico. Em geral, ele é indicado em concentrações baixas, que podem ir aumentando, e deve ser usado à noite, pois pode causar irritação. Existem outros derivados da vitamina A, também considerados medicamentos, que agem no envelhecimento cutâneo, como isotretinoína, adapaleno e o tazaroteno. Cosméticos com retinol, que é a própria vitamina A, ou com retinoaldeído, que é um derivado dela, são mais fracos e menos irritantes, mas promovem melhora em alguns parâmetros do envelhecimento.

Os alfa-hidroxiácidos, como ácido glicólico, mandélico e lático, são muito utilizados em cosméticos, cosmecêuticos e medicamentos para o fotoenvelhecimento. O mais conhecido é o glicólico, pois apresenta maior facilidade de penetração. Em cremes de uso diário, a concentração pode ser de 5 a 10%, pois acima disso pode se tornar irritante. Os alfa-hidroxiácidos são hidratantes, promovem clareamento da pele, mas seu efeito contra a flacidez é bastante controverso.

A vitamina C é um poderoso antioxidante e faz parte do sistema natural da pele para protegê-la em relação à agressão da luz solar. Vitamina C tópica em concentrações altas 5% a 10%, além da ação antioxidante, também é clareadora e participa na síntese do colágeno. Produtos tópicos com concentração alta de vitamina C são instáveis e de difícil manipulação. Conforme a concentração, a capacidade de penetração e biodisponibilidade da substância ativa, o produto será mais ou menos eficiente na prevenção do fotoenvelhecimento. A vitamina E é muito utilizada em cosméticos e cosmecêuticos, tendo ação antioxidante e hidratante. Ela pode ser associada à vitamina C, havendo então uma potencialização de sua ação antioxidativa.

A seguir, serão apresentados alguns princípios ativos contra o envelhecimento. Vale lembrar que não existem quantidades suficientes de trabalhos científicos para aceitá-las sem qualquer restrição.
O DMAE, ou deanol (dimetilaminoetanol), é uma substância que existe no corpo humano (fígado, cérebro, coração) e que também é encontrado em peixes como a sardinha e a anchova. É um ativo antienvelhecimento que parece melhorar a flacidez. Estimula a produção de colina, otimizando a produção de acetilcolina. Seu mecanismo de ação não está totalmente explicado. Age também como estabilizador da membrana plasmática. É usado em creme, gel ou loção em concentrações de 3 a 10%. Pode ser usado à noite, alternado com o ácido retinoico. Pode também ser usado para o corpo uma vez por dia.

A N6-furfuriladenina é um estimulante celular que tem ação antienvelhecimento, melhorando as rugas e o tônus da pele. Tem ação semelhante à tretinoína, porém com menor irritação. Seu uso é indicado à noite durante períodos prolongados.

O ácido alfalipoico protege a membrana celular, o citoplasma e o núcleo da célula. Tem ação regeneradora sobre a viatamina C, vit E e glutationa, sendo também um antioxidante e anti-inflamatório. Seu uso é indicado para edema e bolsas oculares. Sua concentração usual é de 0,05 a 1%.

As isoflavonas são fitoestrógenos indicados para uso tópico em mulheres na menopausa. Combatem o processo natural de envelhecimento, compensando os danos ocasionados pela diminuição dos hormônios femininos. Melhoram o tônus e a hidratação da pele. Nas formulações, utiliza-se a iris iso ou o extrato glicólico de soja em concentrações variáveis. Podem também ser incorporadas a outros ativos hidratantes e antienvelhecimento.

O raffermine é um agente potente extraído da soja. Atua fortalecendo a estrutura molecular da derme. Seus efeitos são aumentar a firmeza, a elasticidade e a tonicidade da pele através do estímulo ao crescimento dos fibroblastos, organização das fibras colágenas e proteção das fibras elásticas da elastose. É indicado para peles flácidas, enrugadas e envelhecidas. Costuma ser incorporado em produtos antienvelhecimento, complexos reparadores e loções firmadoras.

O tensine, que é extraído da semente do trigo, é um agente que melhora a firmeza da pele. Possui propriedades hidratantes e é utilizado em compostos com “efeito Cinderela”, ou seja, quando utilizado em concentrações mais elevadas, promove estiramento da pele por aproximadamente 6 horas.

O cobre também tem sido incorporado a cosméticos por seu efeito estimulador da atividade dos fibroblastos e da produção de colágeno. Confere maior firmeza à pele, melhorando as rugas e a elasticidade.

O protetor solar deve sempre fazer parte da rotina diária de higiene e beleza. Tendo o cuidado de aplicar diariamente o fotoprotetor, evita-se o aparecimento de manchas, vasinhos e rugas. O ideal é que o produto seja aplicado pela manhã e reaplicado na hora do almoço e meio da tarde, para garantia de uma fotoproteção adequada. Além dos prejuízos estéticos, a exposição solar prolongada e de maneira inadequada pode causar câncer. O câncer de pele é considerado o tumor de maior incidência no Brasil, por isso, os cuidados com a pele devem começar na infância, a partir dos seis meses. O uso diário de protetor pode reduzir em até 85% as chances de desenvolver a doença. A maquiagem pode ser aplicada sobre o protetor solar, pois atua como barreira física, também auxiliando na fotoproteção, além de dar uma aparência mais saudável.

O produto deve ser escolhido de acordo com o tipo de pele. Em geral, para peles oleosas são recomendados os produtos em gel, gel creme ou loções oil free (sem óleo). Já quem sofre com a pele ressecada deve optar por loções mais cremosas Além disso, há no mercado muitos cosméticos com tecnologias sofisticadas que aliam a proteção solar a substâncias hidratantes e antifotoenvelhecimento. Uma das coisas que diferencia um fotoprotetor de boa qualidade de um de qualidade inferior é a proteção contra radiação ultravioleta A (UVA). Os bons filtros têm fator de proteção contra UVA mais amplo, geralmente declarado na embalagem com as siglas PPD/IPD. O fator FPS está relacionado somente à proteção contra os raios UVB. No entanto, ainda não há consenso para classificar e denominar a proteção contra o UVA. O mais prático, é procurar nas embalagens a seguinte frase: "proteção solar máxima UVA/UVB”. Mesmo porque, já se sabe que os dois tipos de radiação solar ultravioleta estão relacionados ao aparecimento do câncer de pele e fotoenvelhecimento. O FPS sinaliza quantas vezes mais a pele receberá proteção extra após a aplicação do produto. O ideal é que seja usado um produto de pelo menos fator 30. Um fotoprotetor com FPS 15 protege a pele contra cerca de 92% da radiação UVB, o FPS 30, 96% e o 60, 98%.
 
Dicas para o tratamento do envelhecimento cutâneo:
  • Manter sempre o uso do filtro solar pela manhã.
  • Lavar e enxaguar o rosto antes de usar o produto.
  • Os cremes com ácidos devem ser usados à noite.
  • Pode haver alternância entre ácidos e antioxidantes.
  • Havendo irritação, descontinuar o produto.
  • O ideal é haver orientação médica.
  • Cada caso é um caso e merece atenção especial.
4. Dicas de tratamentos para os sinais de envelhecimento cutâneo:
Existem inúmeras intervenções que podem melhorar o aspecto da pele, clareando manchas, reduzindo a oleosidade, fechando os poros, melhorando a flacidez e demais sinais de envelhecimento. As indicações são individualizadas e devem ser direcionadas de acordo com as caraterísticas da pele de cada paciente, bem como, suas reais expectativas. Tratamentos combinados são bem interessantes e podem trazer resultados excelentes. O especialista precisa estar preparado para responder às questões dos seus pacientes, assim como realizar as técnicas que julgar bem indicadas. A palavra mais importante em relação ao tratamento estético é bom senso. Hoje existe uma gama enorme de possibilidades para tratar o envelhecimento. Sendo assim, é importante conhecer indicações e particularidades de cada procedimento. Citarei os procedimentos mais realizados na atualidade.
 
Peeling Químico: Consiste na aplicação tópica de determinadas substâncias químicas capazes de provocar reações que vão desde uma leve descamação até necrose da derme, com remoção da pele em diferentes graus. Isso significa que haverá descamação e troca da pele, atuando no tratamento de manchas, acne e envelhecimento cutâneo.

Quando bem indicado o peeling pode promover resultados excepcionais, principalmente no fotoenvelhecimento. O peeling é realizado, preferencialmente, no inverno, para que o excesso de sol não atrapalhe a recuperação da pele.

Os peelings químicos também podem ser feitos no corpo, como: pescoço, colo, braços e mãos, respeitando as restrições e características de cada local. A pele do corpo tem maior dificuldade na cicatrização e podem ocorrer mais complicações.

Os peelings são classificados, conforme a sua capacidade de penetração, em superficiais, médios e profundos. Esse critério, porém, não é absoluto, pois o mesmo agente e concentração poderão ser superficiais para uma pele grossa, sem preparo, e médio para uma pele mais fina, muito preparada.

A indicação é a questão mais importante na realização do peeling químico e cabe ao médico, com sua experiência, analisar o tipo de pele, o tipo de lesão e o procedimento a ser utilizado. A pele do rosto, devido à presença maior de folículos sebáceos, se regenera facilmente, pois esses folículos agem como unidades de reserva importante essencial para a cicatrização.

O paciente, por sua vez, deve entender o processo, conhecer seus passos, limitações, duração da recuperação e ter uma expectativa real do resultado esperado.

Os pacientes de pele clara (louros, morenos-claro) são os que têm menor risco de hiperpigmentação ou hipopigmentação, mas os de pele morena também podem ser submetidos a esses procedimentos, porém o preparo da pele deve ser mais longo e os cuidados posteriores maiores.

Os peelings superficiais, em geral, são realizados com intervalos que variam de uma semana a 15 dias, numa série de 5 a 6 peelings. Eles são aplicados no rosto limpo e desengordurado, e o tempo de permanência depende do tipo de peeling aplicado. Sua indicação é para rugas muito suaves, manchas superficiais da pele, acne leve e fotoenvelhecimento leve.

Os peelings médios, em geral, são aplicados uma única vez, mas podem ser repetidos mensal, bi ou trimensalmente. Logo após sua aplicação, ocorre um branqueamento da pele, seguido por um eritema, que de 24 a 48 horas é substituído por escurecimento rosado da pele, de duração variável (média de uma semana). A indicação desse peeling é para a pele fotoenvelhecida, melhorando rugas e sulcos suaves a moderados, para cicatrizes superficiais, queratoses actínicas e alguns casos de hiperpigmentação. O peeling médio mais utilizado é o de ácido tricloroacético 35% em associação com a Solução de Jessner.

O peeling profundo mais utilizado é o de fenol. O paciente deve ser submetido a uma sedação leve e, após limpeza e desengorduramento da pele, inicia-se a aplicação da solução, que é realizada por áreas: região frontal (testa), em seguida região infraorbitária (ao redor dos olhos), região malar (bochechas) e, por último, a região perioral e mentoniana (queixo), com intervalo de 20 minutos entre as aplicações. Logo após a aplicação, em decorrência da coagulação das proteínas, a pele torna-se branca (frost), e é acompanhada por ardor (que varia de leve a intenso). A seguir, coloca-se uma máscara de esparadrapo que permanece por 48 horas. A aplicação é dolorosa, devendo o paciente receber analgésicos e anti-inflamatórios durante as primeiras 12 horas após o peeling. A maior indicação desse processo é para o envelhecimento severo da pele e para cicatrizes de acne.

O peeling deve ser indicado e realizado pelo médico. Somente o especialista é capaz de escolher o melhor produto químico na concentração adequada e também dominar os efeitos colaterais que possam estar envolvidos. Mesmo no caso dos peelings superficiais é importante avaliar a capacidade de resposta e a cicatrização da pele, além das relações custo-benefício do procedimento em questão.

Preenchimento:
Existem várias indicações para o preenchimento cutâneo, dentre as quais estão:
• Rugas de repouso;
• Sulcos da pele (principalmente nasogeniano);
• Delineamento dos lábios;
• Aumento do volume dos lábios;
• Cicatrizes de acne;
• Cicatrizes em geral

Esse procedimento preconiza a introdução de uma substância compatível com a pele no local a ser tratado. Esta substância irá “preencher “ o local, provocando um levantamento parcial e também estimular as fibras preexistentes. A duração do resultado dependerá da substância que for utilizada, pois existem materiais permanentes e não permanentes.

A substância mais utilizada para preenchimentos é o ácido hialurônico, que é componente natural da pele e responsável por sua hidratação. Essa substância não é  definitiva, compatível com a pele e não provoca alergia, sendo desnecessário o teste antes da aplicação. Existem outras substâncias usadas no preenchimento: colágeno (não definitivo), metacrilato (definitivo), dimetilsiloxane (definitivo), acrilamida (definitivo), entre outras. Em relação ao produto a ser aplicado, é necessário saber da sua aprovação e legalização pelo Ministério da Saúde.

O preenchimento é feito em consultório adequado para tal. Os instrumentos têm assepsia específica e as roupas devem ser apropriadas. O local deve ser confortável, iluminado e silencioso. Não há necessidade de preparo anterior para realizar o preenchimento. É feita anestesia local ou mesmo aquela semelhante ao dentista, dependendo da área a ser tratada. Em seguida, o médico utiliza uma agulha de tipo especial para aplicar a substância. A técnica é feita ponto a ponto ou por retroinjeção. A aplicação é realizada na área escolhida previamente respeitando as quantidades máximas para cada tipo de produto. No pós-operatório pode haver avermelhamento, inchaço e formação de hematomas. Esses efeitos vão depender da idade do paciente, da quantidade aplicada e da substância utilizada. O resultado final do preenchimento poderá ser observado cerca de quinze dias depois. A duração deste resultado dependerá muito do material utilizado e da resposta do paciente.
 
Toxina Botilínica: O uso de toxina botulínica para o tratamento de rugas tornou-se muito popular nos últimos anos. Por isso é importante conhecer o embasamento científico, ou seja, a técnica empregada e os cuidados que devem acompanhar esse procedimento médico.

A toxina botulínica é produzida pela bactéria Clostridium botulinum e provoca relaxamento muscular por meio da inibição de uma substância química chamada acetilcolina, na junção entre o nervo e o músculo (placa neuromuscular). A utilização da toxina botulínica em cosmética iniciou-se na década de 1990, promovendo a melhoria das rugas de expressão por meio do relaxamento de músculos específicos. Poder-se-ia questionar a toxicidade do procedimento, uma vez que se utiliza a injeção de uma toxina, entretanto trata-se de um procedimento seguro, pois a dose necessária para causar efeitos tóxicos precisa ser mil vezes maior do que a usada habitualmente num procedimento cosmético. A ação da toxina é localizada, provocando paralisia muscular que permanece de 2 a 6 meses. Após esse período o músculo é capaz de formar novas placas (neurogênese), voltando à sua contração normal.

A ação da toxina botulínica inicia-se após 48 horas do procedimento, atingindo o resultado máximo em até 15 dias. O músculo reage com relaxamento, sem mudança na sensibilidade cutânea. Na área cosmética é indicada para o tratamento das rugas de expressão e deve ser evitada em locais onde a musculatura tem funções fisiológicas, como na área da boca.

A toxina botulínica só pode e deve ser injetada por médicos especializados, profissionais que conheçam tanto a anatomia da região quanto as características completas da substância utilizada. Caberá ao médico indicar os locais da aplicação, nos quais a relação custo--benefício será positiva.

O procedimento é ligeiramente doloroso e pode deixar pequenos hematomas que permanecem por 5 a 10 dias. As rugas de expressão podem desaparecer totalmente por cerca de 6 meses e, também, pode haver descondicionamento de certas regiões, como fronte e área entre sobrancelhas, pois o cérebro esquece esse tipo de contração. Com o uso continuado, cerca de 5% dos pacientes podem não responder mais à ação da toxina. Não é aconselhável repetir a aplicação antes de 2 meses. O músculo sempre voltará a contrair, não havendo sequelas definitivas.

A toxina é, portanto, segura e eficaz para o tratamento das rugas de expressão, desde que seja diluída e aplicada de forma correta. A aplicação da toxina botulínica deve obedecer ao bom senso e, sendo assim, idade precoce, quantidade exagerada e aplicações seguidas devem ser evitadas. A reaplicação pode ser feita a cada seis meses.
 
Laser: A palavra laser é a abreviação de light amplification stimulated emitted radiation (amplificação da luz emitida por uma radiação estimulada), que significa luz com grande potência, concentrada em um raio que transmite toda sua energia sem dispersar-se a um só ponto agindo nos pigmentos escuros da pele. É uma luz monocromática (uma única cor), unidirecional (feixe luminoso não dirvergente), coerente (emitida de forma ordenada) e que libera grandes quantidades de energia.

Os diferentes tipos de laser têm suas características de cor, intensidade energética e ritmo (pulsátil ou contínuo), de acordo com o meio que os gera (líquido, gasoso, cristal, semicondutor etc.). O laser é produzido por um sistema que transmite energia (luminosa ou elétrica) a um meio físico eletricamente excitável, que por sua vez seja capaz de transmitir essa energia amplificada sob a forma de luz, que pode variar de acordo com as características pessoais e a localização do tratamento.

O resurfacing a laser tornou-se umas das técnicas mais modernas no tratamento das rugas faciais, removendo os tecidos envelhecidos com mínima lesão.

Os lasers utilizados são o laser de CO2 e de Erbium, sendo o CO2 mais indicado para suavizar rugas profundas, cicatrizes e sequelas de acne. O procedimento causa a destruição da superfície cutânea, por meio da vaporização da epiderme e de parte da derme uniforme e seletivamente. Isso permite uma importante renovação celular e uma melhora da estrutura do colágeno dérmico.

O laser CO2 tem atração pela água, assim, quando incide na pele, vaporiza a água no interior das células, causando sua destruição pelo aquecimento. O tratamento provoca uma reação inflamatória, levando a uma reorganização das fibras elásticas e estimulando a produção de colágeno.

O laser Erbium penetra cerca de 10 vezes menos que o CO2, sendo indicado para rugas finas e médias, pois causa dano térmico menor e consequentemente menor vermelhidão.

A vaporização do CO2 permite que se tenha um encolhimento da pele de até 30% de sua área, resultando em diminuição da flacidez da pele, removendo o aspecto de pergaminho.

Está indicado para pessoas com pele envelhecida (geralmente relacionada à grande exposição ao sol durante a vida), manchada, que não tenham excesso de pele e flacidez do rosto e pescoço.

É imprescindível determinar as características do paciente antes do tratamento, e a presença de fatores que contraindiquem o procedimento, como barba irritável, espinhas ativas, cicatrizes hipertróficas ou queloides, peles muito morenas, irregularidade na superfície cutânea muito acentuada, a fim de evitar complicações.

As principais complicações do resurfacing são hiperemia (pele rosada) por 1 a 3 meses, hipocromia (manchas brancas), incidência de herpes, infecções e queloides. O mais comum é a hipercromia (manchas escuras), principalmente em peles morenas, que pode ser tratada com o uso de clareadores e bloqueadores solares.

Após o tratamento, o paciente não deve se expor ao sol e usar diariamente um bloqueador solar. A pele leva em média uma semana para se reepitelizar, e após cerca de 15 dias a paciente já pode usar maquiagem e iniciar o uso de cremes clareadores, vitamina C, ácido retinoico etc, conforme a orientação de seu dermatologista.

Quando o resurfacing for bem indicado, apresenta resultados excelentes.

O laser também é utilizado para tratamento de lesões vasculares e pigmentares. As vasculares compreendem telangectasias (pequenos vasos da face), rosácea, varizes, microvarizes hemangiomas e manchas tipo vinho do porto. Essas lesões apresentam a hemoglobina como alvo do feixe de luz, assim o laser atravessa a pele e age sobre os vasos sanguíneos, aquecendo-os. Em função disso, os vasos se colabam (fecham) e o organismo os absorve definitivamente.

Em geral, melhor resultado será obtido por pessoas de pele clara com vasos finos, vermelhos e superficiais, porém novos lasers estão sendo testados para vasos maiores e mais profundos.
As lesões pigmentares compreendem as sardas, manchas senis (provocadas pelo sol e idade) e manchas “café au lait” (manchas de nascença).

Nessas lesões o cromóforo (alvo) a ser atingindo é a melanina, que sendo destruída leva a um clareamento da pele. O resultado em geral é bom, variando conforme a natureza, profundidade da melanina e cicatrização, do que também dependerá o número de sessões para o tratamento.

O procedimento é bem tolerado, podendo-se usar um creme anestésico local antes das sessões. O intervalo entre as sessões varia de 20 a 30 dias e deve-se evitar o sol durante todo o tratamento.
 
5. Depilação:
O ideal é escolher o método que mais se adapte ao seu tipo de pele. Indivíduos com pele sensível, por exemplo, devem evitar o uso de cera. Para quem tem tendência à formação de pelos encravados, o laser é uma boa opção. Quando os fios são volumosos e grossos, a pele fica mais sujeita à irritação e ao encravamento. Qualquer forma de depilação que puxe os pêlos pela raiz (ou seja, com o bulbo capilar), como é o caso das ceras e dos aparelhos elétricos, propicia o encravamento dos fios, já que, quando voltam a nascer, alguns não conseguem romper a superfície da epiderme. A Tolerância à dor é outro fator que deve ser levado em consideração. O limiar de dor é diferente para cada indíviduo, alguns não toleram a depilação com cera fria, por exemplo, que é mais agressiva e dolorosa.
  
Métodos: Vantagens e Desvantagens
 
Lâmina
Vantagens: Baixo custo e rapidez na remoção dos pelos. Não exige maiores habilidades, a não ser cortar na direção do crescimento dos pêlos. Pode ser utilizada para remoção de pêlos de qualquer tamanho e espessura.

Desvantagens: Não há o risco de aumentar o pêlo ou deixá-lo mais grosso. O problema é que, como a lâmina corta o pêlo rente à pele, ele pode crescer mais rápido, irritar e assim encravar, manchando a pele. Também pode causar coceiras na fase do crescimento. Pessoas com alergia a níquel não podem utilizá-la.
 
Aparelhos elétricos
Vantagens: Os pêlos demoram a crescer, a depilação pode ser feita em casa e não exige um tamanho ideal do pêlo para a remoção. Hoje existem vários tipos de depiladores, sempre em busca de formas para amenizar o desconforto por conta da retirada dos pêlos pela raiz. Também é possível encontrar aparelhos que conseguem arrancar até os pelos mais curtinhos, inclusive de áreas sensíveis, como virilha e axilas. O fato da mulher poder usá-lo sozinha é prático e moderno, principalmente por ser uma técnica muito mais duradoura do que a lâmina. O custo-benefício pode valer a pena, já que há apenas um investimento inicial na compra do aparelho, que possui grande durabilidade. Elimina o risco de contaminação, já que seu uso é individual.

Desvantagens: É doloroso e algumas pessoas não se adaptam à técnica. Se o pêlo for mais fino, o método pode provocar foliculite (pêlo encravado). A forte tração tende a arrebentar o pêlo, incidindo em alguns casos, em inflamação da pele.
 
Cremes depilatórios
Vantagens: Atua quimicamente sobre o pêlo, que amolece e é eliminado. Ação semelhante à lâmina, que corta o fio logo após sua saída pela superfície da pele. Não demandam um tamanho ideal de pêlo para a realização do procedimento. Método não doloroso.

Desvantagens: Quebram e cortam o pêlo, mas não removem a raíz. Resultados transitórios e podem provocar irritações na pele. Alguns tem um cheiro não muito agradável e ressecam a pele.
                                                                                                                 
Cera
Vantagens: O pêlo demora mais para nascer, uma vez que foi arrancado completamente, até que um novo chegue à superfície da pele passarão de 20 a 25 dias. Por aumentar a temperatura da pele, a cera quente dilata o poros e o processo de retirada do pêlo torna-se menos doloroso.

Desvantagens: A principal é a dor. Para quem tem predisposição a pêlo encravado, o método é contraindicado. Outro alerta: a cera quente reutilizada em institutos especializados pode ser fonte de infecção.
 
Linha
Vantagens: É um método feito com linha de costura, 100% poliéster, que foi criado pelos antigos. Permite arrancar os pêlos com maior eficiência do rosto, sobrancelhas, numa seqüência de movimentos firmes da mão. Há quem recorra ao método na virilha ou axila, porém costuma provocar mais dor nestas regiões.

Desvantagens: Trata-se de um trabalho manual delicado, no qual é necessário excelente habilidade para manipular bem uma linha de costura que pode eliminar até 95% dos pelos. Se a linha não for bem manejada, corre-se o risco de sofrer cortes. A fricção da linha pode irritar peles em tratamento.
 
Laser
Vantagens: Exige tratamento seriado com controle (10% a 15% a cada sessão realizada), pois depende das diferentes fases do crescimento dos pêlos. Usa tecnologia avançada com laser de diodo, alexandrita, yag e a luz intensa pulsada (LIP). As sessões são um pouco desconfortáveis, mas a dor é tolerável com emprego de resfriadores da pele e anestésicos tópicos. Possibilita a redução programada dos pêlos. Excelente indicação para quem tem tendência a pêlos encravados. Quanto mais clara for a pele e mais escuro e grosso o pêlo, mais efetivo é o tratamento.

Desvantagens: Durante o tratamento não se deve expor a pele ao sol. Pêlos brancos, loiros e ruivos não são removidos. Custo alto.
 
Dicas para depilação ideal:
  • A pele deve estar muito limpa (sem resíduos de hidratantes, óleos ou sujeira);
  • A depiladora precisa usar máscara e luvas;
  • A temperatura da cera quente deve ser regulada para evitar queimaduras;
  • Use sempre material descartável. O aquecimento não mata todos os fungos e bactérias;
  • O pêlo deve ser puxado paralelo à pele (e não pra cima);
  • Cuidado com as ceras feitas em casa com açúcar, mel e limão, pelo risco de queimadura;
  • Utilize as loções pós-depilação, que ajudam a cicatrizar e regenerar a pele;
  • Depile-se após o banho. O vapor abre os poros e amolece os pelos;
  • Evite expor a pele à água do mar e piscina e usar perfumes por 24 horas após a depilação, para evitar irritações e infecções;
  • Em áreas com irritação, inflamação, ferimentos, verrugas ou veias varicosas, jamais deve ser passada a cera ou gilete;
  • Acalme e hidrate a pele depois, com um pós-depilatório sem álcool.
  • Não manipule os pêlos encravados;
  • Não use roupas apertadas ou sintéticas.
 Cuidados essenciais antes e depois de usar o aparelho depilatório:
  • Higienizar o aparelho com álcool 70°;
  • Usar sempre um aparelho limpo e em bom estado de uso. Não pode estar enferrujado;
  • Secar bem o local a ser depilado
  • Não se depilar após tomar sol e nem tomar sol em seguida da depilação;
  • Utilizar géis específicos, que ajudam a fechar os poros e acalmar a pele, evitando assim o aparecimento de foliculite (pelos encravados) no local depilado.
  
6. Acne:
 Apesar de não ter participação na causa da doença, a dieta pode ter influência no curso da acne em algumas pessoas. Alimentos como chocolate, gorduras animais, amendoim e o leite e seus derivados devem ser evitados pelos pacientes que apresentem acne e percebam agravo dos sintomas após a ingestão dos mesmos. Alguns trabalho mostram à influência de alimentos de alto índice glicêmico (carboidratos) na piora do quadro de acne. As elevações de glicose no plasma ocorrem em conseqüência da ingestão de uma carga significativa de glicose, estas elevações podem causar um aumento da testosterona e uma diminuição dos hormônios sexuais envolvidos no controle da secreção das glândulas sebáceas. No entanto, ainda há dados insuficientes que possam comprovar que uma dieta rica em gordura ou carboidratos possa interferir na quantidade e na composição da secreção formada pelas glândulas sebáceas, o que poderia influenciar no aparecimento da acne. Uma avaliação individual é importante, assim como a manutenção de uma dieta equilibrada e a administração dos medicamentos recomendados pelo dermatologista.
 
Principais cuidados para evitar o problema: higiene da pele, resistência aos maus hábitos, sol e alimentação.
  • Mantenha a pele sempre limpa, usando produtos de limpeza específicos para peles com acne, conforme orientação do dermatologista;
  • Evite exposição prolongada ao sol;
  • Use sempre filtro solar adequado ao seu tipo de pele;
  • Dê preferência a cosméticos à base de gel, adequados para peles oleosas;
  • Mantenha uma alimentação saudável e balanceada, rica em frutas e verduras, evitando alimentos gordurosos e ricos em açucares, bem como bebidas alcóolicas e cigarro;
  • Pratique atividades físicas, pois ocorre redução do estresse e melhora da oxigenação sanguínea;
  • Não manipule, esprema ou coce suas espinhas. Você poderá agravar o problema. Coçar, espremer ou quaisquer outras formas de manipulação das espinhas podem gerar cicatrizes. Além disso, a ruptura de um cravo libera bactérias, fungos e outras substâncias que podem causar irritações ou inflamações na pele, aumentando ainda mais o problema;
  • Limpeza de pele: só deve ser feita por especialistas capacitados e sob recomendação médica do seu dermatologista.
  • Procure um dermatologista para a indicação de produtos adequados ao seu tipo de pele.
Evitar exposição ao sol é outro tipo de prevenção, pois este pode causar ainda mais danos à pele e dificultar o processo de cicatrização. Além disso, o sol causa um espessamento da pele ao mesmo tempo em que faz as glândulas sebáceas trabalharem mais, embora as pessoas pensem que seu efeito é benéfico. O Sol pode em um primeiro momento, secar / desinflamar as lesões de acne e dar impressão de melhora, porém, após alguns dias, ocorre o chamado “efeito rebote”, que seria um aumento da produção sebácea para compensar o ressecamento, piorando a acne. Os tratamentos para acne, em geral, deixam a pele mais sensível e descamativa, a exposição ao sol nesta situação, pode levar ao aparecimento de manchas.

Sendo doença de duração prolongada e algumas vezes desfigurante, a acne deve ser tratada desde o começo, de modo a evitar as suas sequelas, que podem ser cicatrizes na pele ou distúrbios emocionais, devido à importante alteração na auto-estima de jovens acometidos pela acne.

O objetivo terapêutico é reduzir a atividade da glândula sebácea, diminuir a população bacteriana, normalizar a ceratinização do folículo e reduzir a inflamação. Pode ser feito com medicações de uso local, visando a desobstrução dos folículos e o controle da proliferação bacteriana e da oleosidade. Podem ser usados também medicamentos via oral, dependendo da intensidade do quadro, geralmente antibióticos para controlar a infecção, ou, no caso de pacientes do sexo feminino, terapia hormonal com medicações anti-androgênicas. A limpeza de pele tem ação importante para o esvaziamento de lesões não inflamatórias (cravos), evitando a sua transformação em espinhas. Em casos de acne muito grave (como a acne conglobata), ou resistente aos tratamentos convencionais, pode ser utilizada a Isotretinoína oral, medicação que pode curar definitivamente a acne em cerca de seis a oito meses na grande maioria dos casos.

Os tratamentos mais modernos são: laser, luz intensa pulsada, terapia fotodinâmica com uso do ácido aminolevulínico-ALA, fototerapia (radiações UVA e UVB, luz azul, luz azul associada à luz vermelha).
 
 
7. Olheiras:
As bolsas e olheiras são causadas por diversos fatores, dentre eles: genética, etnia, dietas muito severas, estados debilitados de saúde, alterações da supra-renal, doenças do fígado, doenças sistêmicas como a diabetes, estresse físico e emocional e até mesmo o avançar da idade, que faz com que a pele fique mais fina nessa área. Pode haver exacerbação do quadro por fatores cotidianos, como noites mal dormidas, cigarro, exposição ao sol, uso de pílula anticoncepcional, excesso de bebidas alcoólicas, café e período pré-menstrual, pois estes desencadeiam dilatação e congestão dos vasos sanguíneos da região. Alguns povos, como os indianos e os árabes, têm predisposição genética a produzir maior quantidade de melanina (pigmento que dá cor à pele) que, estimulada pelos raios ultravioletas, se armazena na região. Assim, usar o protetor solar torna-se ainda mais importante. A pele da área infra-palpebral é muito fina e delicada, assim sendo, um acúmulo extra de melanina ou de vasinhos nessa região acaba ficando evidente, levando à tonalidade arroxeada na área. Qualquer medicamento que cause dilatação vascular, pode precipitar ou exacerbar olheiras. Uma vez que a pele abaixo dos olhos é muito delicada e fina, a elevação no fluxo sangüíneo pode ficar aparente. A falta de nutrientes na dieta, ou a falta de uma dieta balanceada, pode contribuir para a descoloração da área sob os olhos. A falta de sono ou fadiga excessiva pode causar palidez da pele, além de congestão vascular, o que permite que o sangue sob ela torne-se visível e fique com aparência azul ou escura. Se você tem propensão a ter olheiras, à medida que envelhece elas provavelmente ficarão mais visíveis e permanentes. Excesso de camadas de pele sob os olhos também farão as olheiras mais pronunciadas.
 
Causas principais:
  • Vasculares: Congestão e dilatação dos vasos sanguíneos;
  • Pigmentares: Excesso de melanina;
  • Bolsas profundas ou sulcos palpebrais: Acúmulo de líquido ou gordura abaixo dos olhos 
Dicas para prevenir o problema:
  • Evite cigarro, bebidas alcoólicas e alimentos com muito sal e condimentos.
  • Durma pelo menos 7 horas por dia.
  • Antes de dormir, passe um creme cosmético específico para a hidratação da área dos olhos, principalmente aqueles que possuem componentes para amenizar olheiras.
  • Pratique exercícios físicos e mantenha uma alimentação saudável.
  • Evite a exposição ao sol para evitar a pigmentação de melanina abaixo dos olhos.
  • Compressas geladas com chá de camomila, soro fisiológico ou água filtrada podem ajudar. 
Quando as olheiras são momentâneas, por exemplo, decorrentes de horas insuficientes de sono, muitas vezes um bom descanso resolve o problema. Se uma alergia é a raiz do seu problema, tratar a alergia, ou remover o alérgeno (fator desencadeante da reação alérgica), realmente solucionará seu problema. Se suas olheiras ou inchaço são constantes, você pode ter uma alergia alimentar não detectada ou alergia a um produto químico em sua casa ou trabalho. Fale com um dermatologista para ajudar a determinar ao que você pode ser alérgico. Pessoas com alergias tendem a ter deficiência em B6, ácido fólico e vitamina B12. Tomar um multivitamínico pode ajudar no tratamento da alergia, e, consequentemente das olheiras. Porém, quando o fator genético é preponderante, o tratamento é mais difícil e as recidivas são freqüentes.

Tratamentos mais comuns:
Princípios ativos clareadores e vasoconstritores de uso tópico, laser, luz intensa pulsada, peelings, preenchimento com ácido hialurônico.

Os cremes mais indicados contêm em suas formulações componentes como a hidroquinona, ácido retinóico, vitamina C, ácido kójico, ácido hialurônico, retinaldeído.

Os lasers agem no sistema vascular ou na pigmentação da pele. A luz intensa pulsada é um dos procedimentos mais indicados, ocorre emissão de um feixe de luz que é atraído pela tonalidade escura da região, levando à fragmentação do pigmento e clareando a pele. Os lasers utilizados para tratar as olheiras de causas vasculares são os que têm afinidade pela hemoglobina, destruindo a mesma (Nd: YAG, Pulsed Dye Laser). Existem ainda lasers que atuam na flacidez, atenuando as bolsas (C02, Er: YAG). O tratamento requer 3 a 5 sessões, dependendo do tipo de pele do paciente e das características das olheiras e/ou bolsas.
 
8. Cabelos:
Os cabelos existem para proteger regiões, como o couro cabeludo, contra a ação do frio, do calor e do excesso de luz solar. Além disso, também revelam a saúde do nosso organismo e podem sofrer por causa de doenças internas, ou mesmo, agressões externas, como o uso de produtos inadequados ou excesso de química (tinturas, por exemplo) e de sol. No caso de doenças eles podem cair ou afinar e, em relação às tinturas, podem ressecar.

No couro cabeludo existem de 100 mil a 150 mil fios. O cabelo tem um ciclo de vida continuado e passa por fases de crescimento e de repouso. Cada fio vive uma etapa específica, que se distribui em 85% no período de crescimento (anágena) e 15% no período de repouso (telógena). Isso significa que temos sempre mais cabelo crescendo do que caindo. A duração da fase de crescimento é, em média, de quatro anos.

A queda de alguns fios ao lavar ou pentear é normal, perdemos cerca de 100 fios por dia. É preciso, sim, prestar atenção quando houver aumento significativo da quantidade de fios que caem. Nesse caso, procure um dermatologista.

O fio é composto principalmente por queratina, proteína que possui alta concentração de cisteína – aminoácido responsável pela elasticidade e flexibilidade do cabelo. A camada externa é a cutícula, composta por camadas de células de queratina sobrepostas como escamas, é transparente e tem como função proteger o córtex contra agressões externas, além de manter a maciez e o brilho dos cabelos. O córtex é a parte mais importante do fio de cabelo, sendo responsável por sua elasticidade e resistência. Sua estrutura é composta por queratina, cuja composição tem muitos aminoácidos, entre eles a cisteína, responsável pelas pontes de enxofre, que ligam de maneira consistente a queratina à estrutura do fio. No interior do córtex, dentro das células queratinizadas, está a melanina – proteína responsável pela cor dos fios. A camada mais interna do cabelo é a medula. Seu canal pode estar vazio ou preenchido por queratina esponjosa. Ao sofrer impacto por produtos químicos agressivos pode quebrar até desaparecer.

Cabelos bonitos possuem cutícula íntegra e saudável, ou seja, suas escamas se mantêm encaixadas de forma perfeita para envolver a haste capilar, que é a parte visível do fio. Quando a cutícula é agredida, ela racha e se desprega, formando as pontas duplas. O cuidado diário é muito importante e envolve a escolha de produtos adequados ao tipo de cabelo, sempre com atenção para os que possuem aprovação dos órgãos de saúde, como a Anvisa.

Os xampus são formulações que contêm substâncias que limpam os fios e couro cabeludo, evitando dermatites, caspa e infecções por fungos e bactérias. Hoje há produtos com funções mais complexas, como aumentar ou diminuir o volume, restaurar e facilitar o ato de pentear.

Os indicados para cabelos oleosos possuem mais componentes de limpeza, enquanto os formulados para cabelos secos apresentam mais elementos condicionadores. Existem os que contêm agentes anti-caspa, vitaminas e hidratantes. O ideal é a pelo menos cada 15 dias, lavar os cabelos com um xampu anti-resíduo para eliminar produtos que se acumulam nos fios, deixando-os com aspecto pesado. Também é interessante alternar pelo menos dois tipos de xampus.

Existem ainda os condicionadores. Ricos em proteínas, eles têm como função devolver a gordura natural perdida durante a lavagem. Também devem deixar os cabelos fáceis de pentear e restaurar a uniformidade dos fios agredidos química ou mecanicamente. Dê preferência aos que são feitos com extratos de substâncias naturais, como jojoba, ou enriquecidos com proteínas. Por último, protegem os fios da fricção, diminuindo a eletrostática.

Uma causa comum da fragilidade dos fios é o uso do secador em alta temperatura. O aquecimento provoca a evaporação da água natural dos fios, enfraquecendo-os. Muitas pessoas têm dúvida se as substâncias modeladoras, como gel e fixador sem álcool, causam danos. Esses produtos não prejudicam e, quando são de boa qualidade, não provocam queda de cabelo.

Colorir os cabelos é uma das mudanças visuais mais praticadas pelas mulheres. Com mais tinturas sofisticadas e de melhor qualidade à mão, praticamente não há risco de ocorrer queda em função desse procedimento. Existem duas técnicas básicas para colorir os fios: tintura temporária e permanente. Na primeira, usa-se tonalizante – um tipo de xampu, indicado para realçar o tom natural do cabelo e esconder os fios brancos. Essa tintura, dura em média 20 lavagens e não possui produtos em sua formulação que abram as escamas do cabelo. Já a tintura permanente é a que em geral tem amônia e água oxigenada na fórmula para que possa alterar a cor original do fio. Como tem duração mais longa e é mais agressiva, deve ser aplicada por um profissional.

Alisamento, relaxamento e permanente são processos químicos semelhantes na sua origem. Todos alteram a forma original das hastes, que é determinada pelas pontes químicas de hidrogênio e enxofre, responsáveis naturais pela distribuição da queratina dentro do cabelo. Ao alterar essa forma para alisar um cabelo encaracolado ou encaracolar um cabelo liso, usa-se um produto que abre a cutícula. Em seguida, é aplicado outro que quebra as pontes de enxofre. Logo após, posiciona-se o cabelo na forma desejada e neutraliza-se a substância para estabilizar os fios, que ficarão lisos ou cacheados até que essas pontes químicas se refaçam.

Uma forma rápida de obter o mesmo resultado é usar produtos que aplicam calor nos fios, como a chapinha larga para alisar e a estreita para enrolar. O aquecimento local quebra as pontes de hidrogênio, que são mais fracas e mantêm a modelagem desejada até o cabelo ser lavado novamente.

Nos dois casos. A haste sofre, pois não há como evitar a desidratação dos fios. É por isso que os cabelos modificados quimicamente são mais desidratados e devem ser submetidos a banhos com cremes hidratantes pelo menos uma vez por semana.

Nos últimos anos surgiram novas formas para alisar o cabelo, como a escova progressiva e suas variantes, a escova francesa, o alisamento japonês, entre outras. Produtos alisantes registrados na Anvisa não oferecem riscos à saúde. Mas muitos salões de beleza acrescentam formol a seus preparados. Usam concentrações maiores do que 0,5%, proibidas pela agência. O formol é tóxico, pode causar irritação nas mucosas e, dependendo da quantidade, acaba sendo absorvido pelo organismo e causa sérios problemas.

Para ter cabelos saudáveis e bonitos são necessários cuidados tão importantes como os cuidados com a sua pele. A melhor maneira de prevenir e reparar as agressões aos cabelos é entender como ocorrem os danos.

Os danos aos cabelos resultam de traumas mecânicos e químicos que alteram as estruturas físicas do cabelo. O cabelo tem três camadas básicas, a cutícula, o córtex e a medula. A cutícula é camada mais externa da escala de proteção. É a principal estrutura do cabelo e é responsável pela força, brilho, textura, maciez e maleabilidade dos fios. Existe também uma camada de sebo, uma substância oleosa secretada pelos folículos capilares, que recobre a cutícula e adiciona brilho e maleabilidade ao cabelo. O córtex fornece força ao eixo do cabelo, e determina a cor e a textura. A medula é a camada mais interna do cabelo onde são determinados o corpo e a força do cabelo.

A cutícula pode ser lesada por meios químicos ou mecânicos, como descoloração ou secadores de cabelos. Os fatores ambientais, como exposição à luz solar, poluição, vento, água do mar ou de piscina também podem causar danos. Quando a cutícula é agredida por esses fatores, a proteção é diminuída e as outras camadas do cabelo são expostas. Em alguns casos, até mesmo a camada mais interna, a medula, é exposta e pode sofrer danos.

Há quatro fatores que são muito importantes para um cabelo saudável: brilho, eletricidade estática, força e exposição solar.
 
Brilho
Cabelo brilhante sempre foi comparado com cabelo saudável, mesmo que a saúde de um folículo capilar não possa ser determinada devido a sua localização dentro do couro cabeludo. Esse brilho é devido à luz refletida por uma superfície lisa. Se as cutículas estão abertas, em conseqüência das agressões citadas acima, os fios não retêm água nem proteínas e a superfície do fio de cabelo fica porosa, não refletindo a luz.

Condicionadores contendo agentes que formam uma película sobre o fio podem aumentar o brilho dos cabelos e ajudar as camadas de cutículas a cobrirem o eixo dos cabelos dando uma aparência mais lisa ao cabelo.
 
Eletricidade estática
Pentear ou escovar o cabelo faz com que os fios se tornem carregados negativamente, criando eletricidade estática e deixando os fios arrepiados. Cabelos finos são mais suscetíveis à eletricidade estática que os cabelos mais grossos devido à maior área de superfície da cutícula. Os condicionadores que contêm amônia quaternária podem reduzir a eletricidade estática por produzirem uma carga positiva nos fios, neutralizando a eletricidade estática.
 
Força
Condicionadores com ingredientes como proteínas hidrolisadas ou queratina capilar humana hidrolisada, que possuem um baixo peso molecular, ajudam a aumentar a força dos cabelos. Elas penetram facilmente nos fios, nutrindo-os.

Estas proteínas também podem ser usadas para as "pontas duplas". As "pontas duplas" ocorrem depois que a cutícula protetora foi desnudada das fibras do cabelo em conseqüência de substância química ou trauma físico, mas também pode ser um resultado de escovação vigorosa. Enquanto não há nenhum meio de reverter as "pontas duplas", aparar as pontas a cada 2 ou 3 meses e tratamentos de condicionamento profundo ajudam a manter os fios flexíveis e com boa aparência.
 
Exposição solar
A exposição aos raios UV pode induzir a oxidação das moléculas de enxofre dentro do eixo capilar, que são importantes para a força dos cabelos. Quando ocorre essa oxidação, os cabelos de tornam quebradiços, ressecados e ásperos.

Os cabelos descoloridos ou com luzes podem também apresentar pequenas mudanças de cor quando expostos aos raios UV. O cabelo loiro pode desenvolver um "foto-descoloramento", deixando-os amarelados. Até mesmo os cabelos castanhos podem mudar de cor, tendem a desenvolver uma coloração avermelhada devido à oxidação dos pigmentos de melanina.

Para proteger seus cabelos dos danos causados pelos raios solares, procure usar condicionadores "leave-in" que contenham óxido nítrico. Outra proteção são os bonés e chapéus feitos de materiais sólidos.
 
Dicas para o cuidado diário
 
Use sempre xampu e condicionador adequados ao seu tipo de cabelo: oleoso, normal, seco, misto, colorido etc.

Não use xampu demais nem o coloque diretamente sobre a cabeça. Espalhe-o nas mãos e só depois esfregue-o nos fios e no couro cabeludo, com a ponta dos dedos (nunca com as unhas). O excesso do produto pode provocar irritação, enfraquecimento da raiz, descamação e até queda.

Enxágüe bem os cabelos para retirar o excesso de xampus e condicionadores e use um xampu anti-resíduos uma vez por semana. O produto elimina impurezas e os resíduos de produtos cosméticos que se depositam nos fios, roubando o brilho.

Nunca tome banho de água quente, pois ela abre as cutículas do fio. Prefira água morna ou fria. Se puder, dê a última enxaguada com água fria. A água fria ajuda a fechar as cutículas e devolve o brilho dos cabelos.

Depois de lavar os cabelos, utilize um produto leave-in que intensifica o tratamento dos produtos hidratantes.

Antes de usar o secador retirar o excesso de água com uma toalha, apenas espremendo os fios. Depois trabalhe com o secador a uns 15 centímetros dos fios, em temperatura mínima ou média. Produtos específicos para proteger o cabelo do calor também ajudam evitar que os fios fiquem quebradiços.

Evite ar condicionado, pois deixa o cabelo ressecado e, conseqüentemente, mais frágil, retirando o brilho natural. Para formar uma barreira de proteção aos fios, aplique algumas gotinhas de silicone que ajuda também a selar as pontas duplas.

Evite passar as mãos nos cabelos constantemente, principalmente nos oleosos.

A alimentação é um fator muito importante para manter a beleza dos fios. Procure comer alimentos protéicos - como carnes, leite e ovos - e os ricos em vitaminas do complexo B (presentes em cereais integrais, peixes, frutos do mar e vegetais folhosos), pois eles ajudam a nutrir o couro cabeludo.

Proteja os cabelos do sol. Use chapéu e mantenha-os hidratados.

Para quem tem cabelos ressecados e com pontas duplas:- use condicionadores após o xampu.
- use regeneradores de pontas após o banho.
- evite pentear frequentemente os cabelos.
- evite o calor intenso dos secadores.

Para quem tem cabelos oleosos:- evite usar condicionador próximo à raiz dos cabelos ou xampus que contenham condicionadores na sua fórmula (2 em 1).
- evite lavar a cabeça com água quente.
- evite alimentos gordurosos e bebida alcoólica.
- beba bastante água e coma frutas, legumes e verduras.
- cuidado com o estresse, ele pode aumentar a produção de oleosidade.
- além da oleosidade existe caspa e coceira? Pode ser dermatite seborreica. Neste caso, procure um dermatologista para o correto diagnóstico e tratamento.
 
 
9. Maquiagem:
Maquiagem, por definição, consiste na aplicação de substâncias na pele, destinadas especificamente para efeito cosmético de embelezamento ou disfarçe. Porém, há muito tempo a maquiagem deixou de ser ‘artigo de luxo’ ou de ocasiões especiais para fazer parte da vida cotidiana da mulher. Hoje ela está incorporada aos seus hábitos diários como parte indispensável da apresentação pessoal. A grande maioria das mulheres não consegue mais viver sem maquiagem, e com toda a razão, por mínima que seja ela causa um efeito surpreendente. Essa ‘dependência’ do uso diário de maquiagem é totalmente saudável, pois quando bem feita melhora a aparência e/ou realça aquilo que já é lindo.

Hoje existem no mercado diversos produtos, que além do efeito corretivo de maquiagem, tratam a pele, funcionam como proteção solar, controlam a oleosidade, possuem ação anti-aging, hidratam etc. É importante que os produtos sejam de qualidade, de preferência de marcas testadas dermatologicamente e principalmente adequadas ao tipo de pele do paciente. Indivíduos que apresentam pele oleosa, por exemplo, devem ter cuidado na escolha dos produtos, procurando sempre por cosméticos livres de óleo (oil-free / oil-control), a base de géis ou loções fluidas. Maquiagem adequada ao tipo de pele e de qualidade, pode trazer muitos benefícios à pele, sendo que, a recíproca também é válida, se o cosmético for inadequado ao tipo de pele do paciente, pode sim, provocar espinhas, obstruir os poros ou mesmo ressecar a pele. Uma coisa que é muito importante, é que independente do tipo de maquiagem, jamais deveremos dormir com a mesma. Pois nesse caso, inevitávelmente os poros ficarão obstruídos, predispondo ao aparecimento de cravos e espinhas, além de alterar a regeneração celular e nutrição tecidual. É obrigatória a limpeza da pele antes de dormir.

Os produtos que anunciam benefícios, geralmente apresentam substâncias específicas acopladas às suas fórmulas. Além dos pigmentos destinados à maquiagem em si, possuem substâncias direcionadas ao tratamento da pele. Por exemplo, bases com ácido salicílico, para controle da oleosidade, redução da acne e fechamento dos poros em peles acnêicas. Bases com substâncias que atuam na proteção solar, com ácido hialurônico, vitamina C e derivados do ácido retinóico para reverter os sinais do envelhecimento. Batons com proteção solar, hidratantes e substâncias anti-aging etc.

Os que prometem hidratar são uma boa opção para mulheres que possuem a pele seca e descamativa. Geralmente apresentam em sua fórmula substâncias como dimeticone, alfa-hidróxi-ácidos, silicone volátil, vitamina E etc. Alguns desses produtos também contêm princípios com ação anti-aging, como a vitamina C, o ácido-hialurônico e o  retinaldeído. A hidratação adequada da pele, mantém sua função de barreira, tornando-a mais resistente aos sinais do tempo.

Bases, tonalizantes e pós compactos são confiáveis, desde que contenham filtros solares com fatores de proteção solar adequados e de boa qualidade (submetidos a testes dermatológicos). O ideal é que utilizemos FPS 30, reaplicando a cada 2 horas, sempre que transpirarmos demais ou após sairmos da água (praia ou piscina). É importante também atentar para a proteção contra a radiação UVA, que não causa queimaduras, mas é a principal responsável pelo envelhecimento cutâneo, além de poder causar câncer de pele. Os produtos que contém este tipo de proteção vêm com a sigla PPD, que deve apresentar valor acima de 10. Os protetores com cor proporcionam barreira física contra as radiações UV e luz visível, semelhante à observada com o uso das subastâncias óxido de zinco e dióxido de titânio, presentes em filtros físicos. Essa proteção extra, é interessante em dermatoses como o melasma, em que a pele é hipereativa e pigmenta com facilidade.

Na atualidade estão muito na moda os BB Creams, dermocosméticos que possuem multifuncionalidade e são muito interessantes pela praticidade que proporcionam. O BB Cream (Blemish Balm Cream) ganhou fama por possuir propriedades de primer, filtro solar, hidratante e de uma base mais leve. Porém, ganha ainda mais pontos pelas suas características de tratamento, pois o produto foi criado originalmente (na Alemanha) como um regenerador, calmante e protetor para peles agredidas por peelings químicos profundos ou a laser, e que também disfarçava os efeitos do tratamento com uma leve cobertura.  

A principal contra-indicação é alergia ou hipersensibilidade aos componentes da fórmula. É importante passar pela avaliação de um dermatologista para que o mesmo indique o produto mais adequado ao seu tipo de pele, evitando reações indesejáveis.
« Voltar