(11) 5185-0570

(11) 99907-6292

Av. Arnolfo de Azevedo, 84 - Pacaembú - São Paulo - SP - 01236-0360

Cuidados Gerais com a Pele

Cuidados Gerais com a Pele
Por que devemos cuidar da pele? Dicas gerais. Como cuidar de pele em casa? O que fazer para conquistar uma pele bonita?

Limpeza
Para manter a pele com aparência saudável, é necessária a limpeza diária, que tem como finalidade remover as células mortas, maquiagem, gordura e impurezas.
Usar apenas água é ineficaz para a limpeza da pele, é necessário desengordurá-la com um sabonete. No entanto, sabonetes tendem a deixar a pele áspera e seca, sendo preferíveis sabonetes líquidos e cremosos, elaborados com substâncias de baixa irritação cutânea.

A pele elimina permanentemente sebo e gorduras, além do suor, formando uma película hidrolipídica. Esta emulsão é fundamental para a lubrificação, coesão e proteção da pele. Quando as glândulas sebáceas produzem mais sebo do que é necessário, a pele se torna oleosa ou seborreica. As pessoas com esse tipo de pele devem usar produtos capazes de proteger e, ao mesmo tempo, regularizar a produção sebácea. Podem ser utilizados leites ou loções de limpeza sem óleo, géis ou soluções hidroalcoólicas para a higiene diária, devendo ser evitados produtos com excesso de álcool, que acabam aumentando a oleosidade da pele (“efeito rebote”).

Pessoas com pele normal ou seca devem preferir leites ou loções de limpeza, produtos estes que ajudam a manter a aparência saudável da pele sem ressecá-la.
A pele deve ser limpa duas vezes ao dia, pela manhã e à noite. A limpeza é importante para a melhor penetração do filtro solar e tratamento antienvelhecimento.
 
Hidratação
A falta de água (ressecamento) e a diminuição da elasticidade da cútis ocorrem quando a perda de água do extrato córneo é maior que a sua reposição.
Como já citado anteriormente, a pele possui em sua superfície uma espécie de mistura de sebo e suor, chamada película ou manto hidrolipídico, que tem como função manter o teor adequado de água. Esse manto defende a pele de agressões externas e de infecções por micro-organismos, como fungos e bactérias.

Vários fatores podem fazer com que a pele fique desidratada. As variantes climáticas como o vento, as mudanças bruscas na temperatura e o ar seco favorecem a evaporação da água através da pele, diminuindo seu grau de hidratação. As substâncias químicas como detergentes e solventes orgânicos eliminam a gordura da superfície da pele, fazendo com que ela fique desprotegida e desidratada.

Além disso, com o processo de envelhecimento, o teor de água da pele vai diminuindo. Por isso é comum ver idosos com a pele ressecada. O fumo e outros poluentes também originam maior perda de água.
Uma pele seca e desidratada fica opaca, áspera, sem elasticidade e com tendência à descamação. Além disso, sua função principal, que é de proteção, fica prejudicada.

Dessa forma, alguns cuidados são de fundamental importância para manter a hidratação da pele: evitar banhos quentes e muito demorados; não utilizar sabonetes alcalinos em excesso; não dispensar um bom hidratante.

Vários são os princípios ativos utilizados em produtos de ação hidratante. Existem as substâncias que realizam uma hidratação ativa da pele, como a ureia, o lactato de amônio, o ácido hialurônico e a hidro­xi­pro­li­na. Já os agentes de oclusão impedem a perda de água através da pele. São ativos de ação oclusiva os óleos vegetais (abacate, macadâmia, maracujá, malaleuca, prímula, uva, manteiga de karité), lanolina, silicones, va­selinas, ceramidas, entre outros. Os alfa-hidro­xiá­ci­dos, como os ácidos glicólicos em concentrações baixas, são hidratantes ativos, pois promovem melhoria da camada córnea.

As pessoas com pele oleosa devem preferir hidratantes com veículos em gel ou loções sem óleo. Já as pessoas com pele seca podem usar produtos cremosos, loção cremosa ou até mesmo com óleo.
O creme hidratante deve ser usado de uma a duas vezes por dia, sendo bem espalhado em toda a face. Hoje existem hidratantes com filtro solar que são práticos e combinam dois tipos de funções num só produto.

O corpo, assim como a face, também deve ser hi­dra­tado uma vez por dia, de preferência após o banho.
Muitas vitaminas e produtos antienvelhecimento podem ser incorporados aos hidratantes.
 
Nutrição
Esse termo é inadequado, pois a nutrição é feita de dentro para fora, por meio da rede vascular cutânea. A dieta e o estado geral da pessoa determinam o nível de oxigenação da pele. Os cremes mantêm a hidratação e podem ter algumas ações para reverter o fotoen­ve­lhe­ci­mento.

Quando o termo “nutrição” é utilizado, trata-se de um produto com poderes hidratantes e ativos que melhoram os sinais do envelhecimento. Esses produtos são recomendados principalmente para uso no rosto e pescoço, de preferência à noite, podendo ser alternados com uso de ácidos mais potentes. Antes do creme utilizado à noite, a pele deve estar limpa e sem resíduos.

Os produtos para limpeza, hidratação e nutrição devem ser espalhados no rosto, deixando uma camada fina e homogênea. Passar de cima para baixo ou de baixo para cima não é essencial, porém se for para escolher um, o melhor movimento é de baixo para cima, conforme indica a seta.
 
Maquiagem
Embora as indústrias estejam desenvolvendo cada vez mais cosméticos que não prejudicam a pele, devemos tomar muito cuidado na escolha dos produtos para maquiagem. Aqui seguem alguns cuidados:
•   Base: deve ser leve, não-oleosa, em cores próximas à da pele. O uso não é recomendado para peles muito oleosas e acneicas. Muitas bases contêm também filtro solar, o que ajuda a prevenir o envelhecimento.
•   Pó compacto: pode ser usado como substituto da base, principalmente em peles mais oleosas. O pó também pode conter filtro solar.
•   Batom: pode ser usado, de preferência com filtro solar, cremosos e de boa qualidade. Batons que mudam de cor e os de longa duração devem ser evitados.
•   Rímel, sombra, delineador, lápis, corretivo: os produtos para os olhos devem ser de marca idônea e não podem ser passados na área interna dos olhos.
É importante ressaltar que qualquer pessoa, a qualquer momento, pode apresentar alergia à maquiagem. Isso não significa, necessariamente, que o produto seja inadequado; a pessoa é que pode ter se tornado alérgica.
 
Recomendações:
• Antes de se deitar, a maquiagem deve ser cuidadosamente retirada, para evitar obstrução dos óstios.
• Os cuidados de limpeza, hidratação, nutrição e proteção em relação à radiação ultravioleta devem ser constantes em qualquer época do ano.
• As características do cosmético utilizado podem ser modificadas conforme a estação do ano.
• Em geral, a pele apresenta modificações de acordo com o clima. No verão, há maior produção de sebo e a pele fica mais oleosa, brilhante e mais propensa à acne. No inverno, ao contrário, há maior ressecamento, diminuição do óleo e do brilho, fechamento dos óstios e descamação.
• Cosméticos importados podem não ser adequados à pele dos brasileiros. Lembre-se de que nossas temperaturas são mais altas, proporcionando maior produção de óleo durante todos os meses do ano e que, portanto, os produtos importados podem não se adequar às características da pele brasileira. Além disso, embora de boa qualidade, eles podem ser pesados ou obstrutivos.
 
O que a falta de cuidados com a pele podem trazer para o corpo?
Os raios UVA e UVB emitidos pelo sol são os grandes inimigos da saúde da pele, independente da faixa etária. A radiação UVA danifica o colágeno e as fibras elásticas, levando a perda de sustentação e elasticidade. A radiação UVB, incidente principalmente das 10 as 16h, causa queimadura e aparecimento de manchas e é a principal responsável pelo câncer de pele. A radiação UVA, grande responsável pelo envelhecimento cutâneo, mantém-se praticamente constante em todas as estações do ano, mesmo nos dias nublados e chuvosos. Tendo o cuidado de aplicar diariamente o fotoprotetor, evita-se o aparecimento de manchas, vasinhos e rugas. O ideal é que o produto seja aplicado pela manhã e reaplicado na hora do almoço e meio da tarde, para garantia de uma fotoproteção adequada. Além dos prejuízos estéticos, a exposição solar prolongada e de maneira inadequada pode causar câncer. O câncer de pele é considerado o tumor de maior incidência no Brasil, por isso, os cuidados com a pele devem começar na infância, a partir dos seis meses. O uso diário de protetor pode reduzir em até 85% as chances de desenvolver a doença.

Além dos efeitos nocivos do sol, há outros fatores que prejudicam a pele, como o cigarro, o álcool, o estresse, a alimentação desequilibrada e a poluição. O frio, o vento, as diferenças de temperatura e o calor úmido são fatores climáticos que expõem a pele a um estress acelerador do envelhecimento. O clima frio e o uso de ar condicionado promovem ressecamento / perda da hidratação natural da pele. O ar poluído das grandes cidades pode obstruir os poros, proporcionando um aspecto grosseiro e opaco à pele, além disso, a presença de determinados gases e pós no ar fragiliza o filme hidrolipídico que protege a pele, propiciando deterioração dos mecanismos fisiológicos. Tabaco e álcool alteram o metabolismo celular da epiderme e estimulam a produção de radicais livres. As substâncias tóxicas do cigarro causam destruição das fibras de colágeno e elastina, responsáveis pela eslaticidade e firmeza da pele, além de causarem vasoconstricão (estreitamento) dos vasos cutâneos, prejudicando a nutrição e deixando a pele pálida e amarelada. O fumo exacerba o fotoenvelhecimento, principalmente em mulheres. Existe uma relação direta entre o número de maços fumados por ano e a gravidade do enrugamento e coloração acinzentada da pele.

A pele aos 40 anos é reflexo dos hábitos de vida até esse período, sendo que, ou se colhe os louros de um passado bem cuidado a ou se paga os pecados cometidos. Pode-se ter uma aparência excelente, de idade indecifrável. Ma se houve abuso de sol, álcool, cigarro etc, a pele poderá mostrar manchas, vermelhidão desgaste e perda de elasticidade. Calcula-se que o estilo de vida responde por 70% da longevidade de uma pessoa. Só 30% se deve a fatores genéticos.

Outro fator que influencia a pele após os 40 anos são as alterações hormonais próprias da menopausa. A pele está sujeita a sofrer alterações estruturais profundas com a chegada da menopausa. Para se manter intacto o órgão depende fundamentalmente do estradiol, que é produzido pelos ovários. Como a produção deste hormônio cai pela metade com o fim dos ciclos hormonais, diminui a quantidade das células denominadas fibroblastos, responsáveis pela produção das fibras de elastina e de colágeno que compõem a trama de sustentação da pele. A mudança provoca a redução do fluxo de sangue pelos vasos e diminui a capacidade de retenção de água pelas células, além de desacelerar a atividade das glândulas sebáceas e sudoríparas, que produzem a oleosidade que protege a epiderme como um filtro natural. Sem a mesma irrigação e hidratação a pele fica seca, enrugada e flácida, quebradiça e fina e muito mais sensível a escoriações e aos efeitos da exposição solar. Pequenos cortes levarão tempo para cicatrizar e as manchas irão proliferar com rapidez. A quantidade de fibras de colágeno diminui a um ritmo de 2,1% ao ano, logo após a menopausa. A velocidade do processo varia dependendo da presença de fatores de risco como o tempo a que a pele foi exposta ao sol ao longo da vida e o hábito do tabagismo. O cigarro pode aumentar de duas a três vezes o número de rugas nos homens e mulheres de cor branca de meia idade, ao reduzir muito a irrigação sanguínea das camadas que formam a pele. A pele do rosto pode ficar mais oleosa e sujeita à acne ao longo da perimenopausa, o período de transição entre a fase reprodutiva feminina e o depois dela. Tal efeito é resultado do desequilíbrio hormonal típico dessa fase, que favorece a predominância de hormônios androgênios na circulação. Além de tornar o rosto mais oleoso, os androgênios ainda são responsáveis pelo aparecimento de pêlos grossos sob o queixo e nas laterais da face. Pesquisas recentes, feitas com mulheres de 30 anos em diante, mostram que o processo de envelhecimento cutâneo começa por volta dessa idade mas intensifica-se entre os 40 e 50 anos, exatamente a época de aparecimento dos primeiros sintomas da menopausa.
 
Como cuidar da pele até os 20 anos? (dicas passo a passo) 7 - Como cuidar da pele aos 30 anos? (dicas passo a passo) 8 - Como cuidar da pela após os 40 anos? (dicas passo a passo)
Até os 20 anos, as únicas marcas que o tempo imprimiu na pele são as de crescimento, como as estrias. A tez brilha e sua textura é macia, porque retém bastante água, tem boa irrigação sangüínea e oxigenação. Nesta década, já começam a ocorrer mudanças bioquímicas no colágeno e na elastina, que proporcionam firmeza e elasticidade à pele. É aí que a mulher vai começar a notar as primeiras linhas, ainda sutis, no rosto, as chamadas linhas dinâmicas ou de expressão, que aparecem primeiro nas áreas da testa, dos olhos e no canto da boca. Também é nesta fase que se costuma notar os primeiros fios brancos. Eles resultam de uma alteração natural no melanócito, célula que determina a cor do cabelo e, progressivamente, diminui a produção de pigmento.

A partir dos 35 anos, as rugas da área dos olhos já são notadas mesmo em relaxamento, assim como o sulco próximo ao nariz. Depois dos 40, a gordura da mão diminui e as veias aparecem.  Paralelamente, os fios brancos se espalharam pela cabeça e o volume do cabelo tende a diminuir. Ao longo da vida, é normal que caiam entre 50 e 100 fios por dia, mas na menopausa, essa queda pode ser acentuada, e é normal o cabelo demorar mais a crescer.

Pouco a pouco, as mudanças se acentuam. A gordura subcutânea passa a ser reabsorvida pelo organismo, o que deixa a pele menos elástica e brilhante. Com a menopausa, as mudanças tornam-se mais sensíveis. É comum a mulher perceber a pele mais seca e sentir necessidade de recorrer a doses extra de hidratantes.

O sol é, de longe, o grande vilão do envelhecimento cutâneo. Tanto que se chama de fotoenvelhecida uma pele castigada por ele. Quem faz tudo por uma pele bronzeada deve estar ciente de que, ao longo da vida, ela vai sendo carimbada pelos raios ultravioleta, que além de acentuarem rugas, também causam manchas. Uma mesma pessoa pode ter uma pele com duas idades, uma nas partes expostas ao sol e outra nas áreas que costumam ficar cobertas e a diferença pode chegar a dez anos.

O efeito do sol é cumulativo e apesar de manchas e até o câncer aparecerem quase sempre na maturidade, são resultado de todos os anos de exposição ao raios solares. A solução não podia ser mais simples: segundo estudos, quem se protege corretamente até os 18 anos de idade tem 85% menos chances de ter a doença.
 
Hábitos que devem ser abandonados/adotados para evitar o envelhecimento precoce:
  • Abandonar o tabagismo;
  • Usar filtro solar diariamente;
  • Exercitar-se moderada e regularmente;
  • Não ingerir mais calorias do que gasta e procurar alimentar-se de forma balanceada e equilibrada. Dieta rica em frutas, verduras, alimentos integrais e carnes magras.
  • Dormir bem, sono de qualidade;
  • Retire a maquiagem antes de dormir - após os 40 anos, esse ritual deve ser seguido à risca, pois a pele está mais sensível a descuidos;
  • Faça limpeza de pele frequentemente (mensal) - promove a desobstrução dos poros e renovação celular, deixando a pele respirar melhor e evitando pequenos nódulos e imperfeições que ficam mais visíveis nessa época;
  • Recorra aos tratamentos dermatológicos: peelings, laser e luz intensa pulsada, preenchimento, toxina botulínica;
  • Tirar proveitos dos aliados poderosos (uso tópico): ácido retinóico, alfa hidroxiácidos (AHA ) como o glicólico, vitamina C, vitamina E, liftline, tensine, estimuladores de colágeno como os glycans, hidroxiprolisilane, ácido hialurônico etc. Obs: sempre com orientação de um dermatologista;
  • Encontre um modo de lidar  com o estresse. Medidas simples e mudanças de hábito podem ser muito benéficas. 
 
 
 
10 Hábitos que Prejudicam a Pele
A pele é o maior órgão do corpo humano e a interface de contato do meio interno com o externo. Assim sendo, além de funcionar em sinergia com todos os outros órgãos, é impactada pelos fatores ambientais. Dessa forma, sofre consequências negativas quando as condições sistêmicas são inadequadas e a alimentação e/ou  estilo de vida são nocivos.

Hábitos inapropriados, em especial de forma continua e por longo prazo, podem prejudicar muito a saúde da pele, tornando seu aspecto opaco e sem viço, favorecendo algumas dermatoses, como a acne, e propiciando o envelhecimento precoce. Abaixo listados estão 10 atitudes que exercem influência direta na qualidade da pele:

1) Excesso de sol:
Os raios UVA e UVB emitidos pelo sol são grandes inimigos da saúde da pele. A radiação UVA danifica o colágeno e as fibras elásticas, levando a perda de sustentação e elasticidade. A radiação UVB, incidente principalmente das 10 as 16h, causa queimadura, aparecimento de manchas e é a principal responsável pelo câncer da pele.

2) Noites mal dormidas:
A noite ocorre o pico de produção do hormônio do crescimento, o GH, importante para renovação celular e estímulo da produção de colágeno, sendo aliado no combate ao envelhecimento cutâneo. Somando-se a isso, na falta de um sono de qualidade, o cortisol, hormônio ativado pelo estresse, permanece em altos níveis e não cicla como deveria. A consequência direta desse desequilíbrio é a formação de radicais livres e o aparecimento de rugas precoces.

3) Fumar:
A fumaça do cigarro contém mais de 4.000 substâncias tóxicas, sendo a nicotina o composto mais nocivo. Ela é responsável pela vasoconstrição, que gera diminuição do fluxo sanguíneo na pele. A isquemia crônica dos tecidos gera lesão das fibras elásticas e diminuição da síntese do colágeno. O fumo causa ainda liberação de radicais livres, aumento da agregação plaquetária, diminuição da formação de prostaciclinas, aumento da viscosidade sanguínea, hidroxilação do estradiol e aumento da atividade plasmática da elastase, levando à formação defeituosa da elastina e tornando a pele mais fragmentada, seca e atrófica.

4) Dormir de maquiagem;
Os poros ficam obstruídos, predispondo ao aparecimento de cravos e espinhas. Além disso, a obstrução interfere nos processos de regeneração celular e nutrição tecidual, favorecendo o envelhecimento.

5) Espremer espinhas:
Coçar, espremer ou quaisquer outras formas de manipulação das espinhas pode gerar cicatrizes definitivas. A ruptura de um cravo libera bactérias e substâncias que podem causar irritações ou inflamações na pele, aumentando ainda mais o problema.

6) Alimentação rica em açúcar e farinha:
Promove a glicação não-enzimática das fibras de colágeno. A glicação de proteínas interfere com suas funções normais ao romper a conformação molecular, alterando a atividade enzimática e interferindo no funcionamento do receptor, ou seja, degeneram o colágeno, propiciando o envelhecimento precoce.
.
7) Utilizar receitas caseiras:
Cuidar de bolhas, queimaduras, espinhas ou qualquer outro problema da pele com soluções caseiras pode ser bastante perigoso, provocando ainda mais inflamação e irritação. O aconselhável é procurar um dermatologista para não agravar mais o problema com condutas irregulares.

8) Tomar banhos muito quentes:
A pele tem uma camada natural de proteção, composta basicamente por água e lipídios (gordura), que promove a hidratação cutânea natural, tornando-a mais resistente às agressões externas. Essa camada protetora é removida quando água muito quente entra em contato com a pele. Sem a camada emoliente e protetora, a pele fica ressecada e sensível, havendo aparecimento de vermelhidão, coceira e ardência.

9) Beber pouca água;
A água não só ajuda a manter a pele hidratada, como também influencia na formação de ácidos graxos, responsáveis por sua manutenção e lubrificação, protegendo-a da evaporação excessiva, além de construir uma barreira de proteção contra os agentes externos.

10) Viver sob estresse;
O estado emocional tem relação direta com a saúde da pele. A maneira como nos sentimos pode afetar a forma como olhamos para o lado de fora e a percepção que temos de nós mesmos. De fato, estudos demonstraram que os fatores que afetam o nosso bem-estar emocional, como estresse, depressão e ansiedade, determinam um aumento dos problemas da pele, cabelo e unhas. Existe uma relação recíproca entre sentimentos e aspecto da pele.
« Voltar