(11) 5185-0570

(11) 99907-6292

Av. Arnolfo de Azevedo, 84 - Pacaembú - São Paulo - SP - 01236-0360

Criocirurgia

A criocirurgia com nitrogênio líquido é um método consagrado de tratamento de lesões cutâneas que utiliza baixas temperaturas para alcançar uma resposta tecidual inflamatória ou destrutiva, reforçando o arsenal terapêutico do médico dermatologista.
 
O nitrogênio líquido se apresenta na temperatura de 196ºC abaixo de zero, com eficácia comprovada para o tratamento tanto de lesões benignas como de lesões malignas, sendo considerado o produto ideal para a criocirurgia.
 
A criocirurgia com nitrogênio líquido provoca o congelamento de lesões cutâneas a temperaturas muito abaixo de zero, levando à sua destruição através da morte das células do local tratado. O congelamento da pele a -20ºC produz necrose e o congelamento a -50ºC produz destruição total do tecido.
 
Como é realizado o procedimento?
A aplicação é feita utilizando-se o crio-spray, aparelho especialmente desenvolvido para o procedimento. Ele produz um jato muito fino de nitrogênio que é aplicado diretamente sobre a lesão ou através do congelamento de ponteiras que são encostadas na pele a ser tratada.
 
Devido à temperatura muito baixa e dependendo do local tratado e do tempo de aplicação, o tratamento pode ser doloroso. Para lesões pequenas, a sensação dolorosa é perfeitamente suportável. No caso de lesões de grande tamanho, que exijam um tempo de congelamento maior, pode ser necessário o uso de anestesia. Durante o congelamento, a lesão fica branca como neve.
 
Nos dias seguintes ao procedimento, mais uma vez dependendo do tempo de congelamento e do local tratado, pode ocorrer inchaço e, até mesmo, a formação de bolhas. No entanto, na maioria das vezes, ocorre apenas o escurecimento da lesão devido à morte do tecido, que resseca progressivamente formando uma crosta que cai em cerca de 7 a 30 dias, dependendo do tipo de lesão, da extensão da área tratada e da intensidade do congelamento.

As células que produzem a cor da pele (melanócitos) são muito sensíveis ao frio e, quando a intensidade do congelamento é grande, o procedimento pode deixar uma mancha clara residual após a cicatrização. No entanto, a pigmentação pode retornar posteriormente pela migração de melanócitos da margem da lesão ou do folículo piloso que voltarão a produzir a melanina (pigmento que dá a cor a pele) no local.
« Voltar