(11) 5185-0570

(11) 99907-6292

Av. Arnolfo de Azevedo, 84 - Pacaembú - São Paulo - SP - 01236-0360

Cabelo

Alopecia Areata
Alopecia areata é uma doença que provoca a queda de cabelo. A etiologia é desconhecida, mas tem alguns fatores implicados, como a genética e a participação auto-imune. Quando isto acontece, o cabelo da pessoa começa a cair formando pequenas ou grandes áreas sem cabelo.
A extensão da perda de cabelo varia. Em alguns casos, é apenas em alguns pontos. Em outros, a perda de cabelo pode ser maior. Há casos raros, em que o paciente perde todo o cabelo da cabeça, alopecia areata total; ou caem os pelos de todo o corpo, alopecia areata universal.

Acredita-se que uma pré-disposição genética desencadeie a reação autoimune, entretanto, outras causas desconhecidas podem também ser desencadeadoras. A alopecia areata é imprevisível. Em algumas pessoas, o cabelo cresce de novo, mas cai novamente mais tarde. Em outras, o cabelo volta a crescer e não cai mais. Cada caso é único. Mesmo que perca todo o cabelo, há chance de que ele crescer novamente.

Estima-se que nos Estados Unidos cerca de cinco milhões e pessoas tenham a doença. E apenas 5% delas perdem todos os pelos do corpo. A Alopecia Areata não é uma doença contagiosa. Fatores emocionais, traumas físicos e quadros infecciosos podem desencadear ou agravar um quadro de alopecia areata.

Além da perda de cabelo, a alopecia areata não possui nenhum outro sintoma. Na alopecia areata ocorre perda brusca de cabelos, com áreas arredondadas, únicas ou múltiplas, sem demais alterações. A pele é lisa e brilhante e os pelos ao redor da placa saem facilmente se forem puxados. Os cabelos quando renascem podem ser brancos, adquirindo posteriormente sua coloração normal. A forma mais comum é uma placa única, arredondada, que ocorre geralmente no couro cabeludo e barba, conhecida popularmente como pelada.

Isto ocorre porque a doença não mata os folículos pilosos, apenas os mantêm inativos. Quando esta ação de inatividade cessa, há nova produção de pelos.
O principal dano aos pacientes é o psicológico. Alguns pacientes ficam abatidos por causa desta condição. Em crianças, o tratamento psicológico precisa ser levado a sério, pois por causa de possível descriminação dos colegas, as crianças podem se sentir excluídas de seu meio.
Os tratamentos não acabam com a alopecia areata, eles estimulam o folículo a produzir cabelo novamente, e precisam continuar até que a doença desapareça. Os tratamentos são mais eficazes em casos mais leves.Um dermatologista qualificado saberá diagnosticar a doença e indicar a melhor forma de tratamento. Eis alguns tratamentos que podem ser usados para este fim.
 
Injeções de corticoesteróides: Tratamento mais comum. As injeções são aplicadas nas manchas na pele nua, por um dermatologista. Utilizando uma pequena agulha, são feitas múltiplas aplicações nas manchas e em torno. As injeções são repetidas uma vez por mês. Se ocorrer novo crescimento do cabelo, será visível em quatro semanas. O tratamento, no entanto, não impede que novas manchas se desenvolvam. Há poucos efeitos colaterais das injeções de cortisona, leve afundamento na área pode ocorrer, mas este some rapidamente e sem necessidade de intervenção. Corticoidestópico, em creme ou loções, podem ser usados pelo paciente em casa, concomitantemente às injeções ou antes de iniciar o tratamento com elas.
 
Minoxidil tópico: Solução tópica 5% concentrada e aplicada duas vezes ao dia pode fazer crescer o cabelo. Sobrancelhas, barba e cabelo respondem ao tratamento. Minoxidil tópico é seguro, fácil de usar, mas o tratamento não é eficaz em pessoas que perderam completamente os pelos
 
Antralina creme ou pomada: A antralina é uma substância sintética, aplicada  no local das manchas.  Se ocorrer crescimento do cabelo, será percebido entre oito e 12 semanas. A antralina pode irritar a pele e pode causar descoloração temporária, ou acastanhar a região tratada.
 
Drogas sensibilizantes (difenilcicloproprenona – difenciprona): Indicadas para alopecia areata superior a 40% do couro cabeludo e em casos crônicos e refratários da doença.
 
Casos graves e extensos necessitam de tratamento com corticóides e imunossupressores orais.
 
Atenção: Jamais aposte na “automedicação” para tratar alopecia areata. Somente um médico pode prescrever a opção mais adequada.
Cabelo – Mitos e Verdades
Dar um jato de secador ao final da secagem dá brilho? Mito ou verdade? Por que?
Após lavar os cabelos, quando os fios ainda estiverem molhados, não use um jato muito quente, prefira uma temperatura média ou morna. Isso porque os fios molhados ficam com as escamas abertas, e as altas temperaturas podem danificar a estrutura interna do fio. Já a morna retira o excesso de umidade sem prejudicar o cabelo. Se o objetivo for apenas secar os cabelos, sem usar escova nem fazer outro processo em seguida, o ar frio é o mais indicado.

O jato frio também deve ser usado em cabelos que estão passando por tratamento de reconstrução dos fios, naqueles naturalmente muito finos e delicados, e após a escova ou chapinha. Esse último se explica pelo fato que, quando se usa secador quente ou chapinha, o cabelo fica desidratado e acaba absorvendo água do ar logo em seguida, voltando ao estado anterior ao da escova muito depressa. O jato de ar frio na finalização da escova ou chapinha funciona então como uma forma de proteção, evitando essa absorção de umidade, e dando também brilho, movimento e um efeito liso maior.

O calor é fonte comum de danos ao cabelo, o mesmo produz uma condição conhecida como “cabelo bolha”. Isto ocorre quando a água presente nos fios, responsável pela flexibilidade dos mesmos, aquece e evapora, levando à formação de bolhas dentro da haste e consequentes áreas de perda da cutícula. Sinais que indicam a ocorrência desse tipo de dano: cabelo que cheira queimado, frizzy nas pontas e fios quebradiços. Proteger o cabelo do calor excessivo é essencial para mantê-lo saudável. Cabelos danificados pelo calor não podem ser reparados, a área danificada deverá ser cortada.

Dicas para previnir os danos pelo calor:
  • Permitir sempre que possível que os cabelos sequem naturalmente
  • Quando utilizar o secador, evite a configuração de maior aquecimento. Inicie com uma temperatura mais baixa e aumente gradativamente
  • Ao alisar o cabelo com a “chapinha” de cerâmica, coloque uma toalha úmida no dispositivo para proteger o cabelo do calor direto
  • Hidratar o cabelo regularmente ajuda, de alguma forma, a melhorar a aparência dos fios danificados pelo calor, mas interromper a fonte dos danos é fundamental
 
Escovas de cerdas naturais dão mais brilho ao cabelo? Mito ou verdade? Por que? Caso positivo, como o cabelo deve ser escovado?
Pentear ou escovar o cabelo faz com que os fios se tornem carregados negativamente, criando eletricidade estática e deixando os fios arrepiados. Cabelos finos são mais suscetíveis à eletricidade estática que os cabelos mais grossos devido à maior área de superfície da cutícula. Quanto mais grosso for o cabelo, maior deve ser o diâmetro da escova e o espaçamento entre as cerdas. As escovas de cerdas naturais, distribuem melhor a oleosidade natural da raiz até as pontas, com isso, o cabelo fica mais brilhante. Os condicionadores que contêm amônia quaternária podem reduzir a eletricidade estática por produzirem uma carga positiva nos fios, neutralizando a eletricidade estática.

O brilho é devido à luz refletida por uma superfície lisa. Se as cutículas estão abertas, em conseqüência das agressões, os fios não retêm água nem proteínas e a superfície do fio de cabelo fica porosa, não refletindo a luz. Condicionadores contendo agentes que formam uma película sobre o fio podem aumentar o brilho dos cabelos e ajudar as camadas de cutículas a cobrirem o eixo dos cabelos dando uma aparência mais lisa ao cabelo.
 
A alimentação influencia no brilho dos cabelos? Mito ou verdade? Por que? Caso positivo, quais alimentos devem ser incorporados na dieta? E em qual quantidade
Sim, muitos nutrientes são fundamentais para o crescimento e saúde dos fios. Principais nutrientes envolvidos na saúde capilar: ferro, cobre, zinco, iodo, ácido fólico, aminoácidos (proteínas), vitaminas (biotina, vitamina D, vitamina B2 / B5 / B6), ácidos graxos e água. 
As vitaminas, minerais, proteínas e ácidos graxos são algumas das substâncias que devem fazer parte da alimentação, para que o cabelo cresça bonito e saudável. Os minerais tem um papel participativo no metabolismo das proteínas que são responsáveis pela formação da estrutura dos fios de cabelo. A falta de certos minerais faz com que o cabelo se torne mais fino e frágil.
 
Vitamina A – Regula a produção sebácea, controlando a oleosidade do couro cabeludo, evita que as células se degenerem por causa da oxidação e exerce controle sobre à multiplicação celular, propiciando maior elasticidade aos fios. Obs: em excesso, a vitamina A pode ser causa de queda.
Vitamina B2 – Favorece o metabolismo das gorduras, açúcares e proteínas, sendo essencial para o crescimento do cabelo.
Vitamina B5 – Importante no combate à queda do cabelo, ao mesmo tempo que fortalece o crescimento.
Vitamina B6 – Exerce sua ação na síntese da queratina, sendo fundamental para a saúde das unhas e cabelo.
Ferro – Sua carência é muitas vezes responsável pela queda de cabelo nas mulheres, que através do sangramento menstrual acabam perdendo o nutriente e normalmente não fazem reposição adequada pela alimentação. Manter a ferritina (reserva de ferro) em níveis adequados, é fundamental para evitar a queda de cabelo.
Zinco – É fundamental para a saúde dos cabelos e unhas, já que participa da sínteses de proteínas e está envolvido com o crescimento e multiplicação celular.
 
Aplicar tonalizante no cabelo dá brilho? Mito ou verdade? Por que? Caso positivo, este processo pode ser feito com que frequência? Quais os cuidados?
O tonalizante é menos agressivo do que a coloração porque não tem amônia e possui baixa concentração de água oxigenada. Por isso, as cutículas dos fios ficam pouco abertas e impedem que o produto penetre. No caso da coloração, no entanto, a amônia presente em alguns produtos abre bastante as cutículas e, por isso, o cabelo fica tão ressecado e quebradiço. É necessário tomar todos os cuidados na hora de colorir os fios e após a coloração para evitar danos que podem ser irreversíveis. Para devolver a saúde para o cabelo, são feitos tratamentos reconstrutores com géis, séruns ou cremes. Porém, a prevenção é ainda mais importante e, por isso, é essencial fazer hidratação uma vez por semana.

Cabelos bonitos possuem cutícula íntegra e saudável, ou seja, suas escamas se mantêm encaixadas de forma perfeita para envolver a haste capilar, que é a parte visível do fio. Quando a cutícula é agredida, ela racha e se desprega, formando as pontas duplas. O cuidado diário é muito importante e envolve a escolha de produtos adequados ao tipo de cabelo, sempre com atenção para os que possuem aprovação dos órgãos de saúde, como a Anvisa.

Quando o cabelo sofre um dano, a camada lipídica externa protetora da cutícula, responsável por deixar os cabelos brilhantes, é removida. Produtos químicos são um dos maiores vilões para saúde dos fios, pois removem os “hidratantes naturais”. O resultado são cabelos secos, opacos e indomáveis. Muitos produtos têm sido desenvolvidos para combater os efeitos dos tratamentos químicos excessivos, sendo a hidratação regular obrigatória aos cabelos danificados.
​Como fazer o cabelo crescer mais rápido?
É verdade que usar rabo de cavalo apertado estimula o crescimento do cabelo?
Não. A tração efetuada pelo rabo de cavalo sob o bulbo capilar (local de origem e crescimento dos fios de cabelo) em nada interfere no crescimento. Essa tração pode inclusive causar queda traumática (pelo ato de puxar) dos fios, principalmente se realizada com frequência e muito se o fio for muito “esticado”.

Existe algum xampu que ajuda o cabelo crescer mais rápido?
Alguns shampoos podem ser utilizados como adjuvantes nos tratamentos para queda de cabelos, potencializando e somando efeitos.

Quais são as substancias que ajudam o cabelo a crescer forte e saúdavel?
O fio de cabelo cresce através do acúmulo de proteínas e minerais em sua base (bulbo) e elas são diretamente influenciadas pela nutrição e fatores hormonais. O cabelo está em constante renovação, passa por ciclos de crescimento, repouso e queda. Porém se caírem excessivamente e demorarem a crescer deve-se procurar um profissional a fim de fazer uma avaliação das possíveis causas desta queda. Fatores como hereditariedade, alterações hormonais, uso de medicamentos, utilização de químicas de tratamento capilar, carência nutricional (por exemplo deficiência de ferro), fluxo menstrual na mulher muito intenso ou de duração prolongado, diabetes, alteração da tireóide, gravidez, interrupção do uso de anticoncepcionais, seborréia, dietas restritivas, infecções ou febres, ovário policístico, entre outros; podem interferir na saúde dos cabelos.As vitaminas A, B2, B5, B6, Ferro, Zinco e Biotina são importantíssimas para o crescimento saudável do cabelo. Uma alimentação adequada é o ponto-chave para o desenvolvimento saudável dos cabelos. Procure não tingir ou utilizar outras químicas no cabelo com muita frequência. Cabelos naturais são mais bonitos e crescem muito mais rápido que cabelos cheios de química.
  
Quais são os tratamento para ajudar o cabelo a crescer?
O ideal é que seja feita uma avaliação por um especialista, que irá identificar os motivos da alteração de crescimento e perda de vitalidade e direcionar o tratamento para tal. Muitas vezes existem alterações hormonais ou metabólicas que precisam ser controladas para que os fios cresçam saudáveis. Alimentação é outro fator importante, deficiência vitamínica ou de ferro, por exemplo, muito comum nas mulheres, devem ser corrigidas. É importante que o dermatologista faça uma avaliação completa para direcionar adequadamente as medidas terapêuticas. Outros tratamentos complementares, como produtos de uso tópico (loções, shampoos, ativos reconstrutores da haste, emolientes), infiltrações e laser, podem ser indicados dependendo de cada caso.

Contar as pontinhas mensalmente ajuda o cabelo a crescer mais rápido e mais saudável?
Os fios crescem cerca de 1 cm por mês, cortando-os ou não. O cuidado apenas tem o objetivo de retirar as partes danificadas, como pontas duplas, deixando o conjunto mais saudável e harmônico. Mas não tem poder de acelerar o crescimento.

As fases da lua influenciam, de alguma forma, no crescimento dos cabelos?
Não existe nenhuma evidência científica que comprove isso. Esta crença teve origem na mitologia dos povos antigos ligados à agricultura, que achavam que o que era válido para as plantas servia para os cabelos. Assim, cortar os fios na lua cheia aumentaria o volume; na minguante, teria o efeito oposto; na lua nova seria ótimo para renovar o visual e, na crescente, ideal para o crescimento. O fato é que até agora a ciência não achou nenhuma evidência nesta proposta dos cortes baseados em calendários lunares. Há, sim, provas de que os fios reagem à melatonina, hormônio associado à luminosidade do meio ambiente, por isso a taxa de crescimento é ligeiramente menor durante o inverno, principalmente nos países localizados mais ao Norte ou Sul da linha do Equador.

Água gelada ajuda fazer o cabelo crescer mais rápido? Tomar banho quente prejudica o crescimento?
A água excessivamente quente prejudica a saúde dos fios, estimulando a produção das glândulas sebáceas e consequentemente propiciando o aumento da oleosidade do couro cabeludo e a dermatite seborreica Ainda mais agora, com a entrada do inverno, é recomendado optar por temperaturas mornas a frias. A água quente resseca os fios e elimina a “proteção natural” dos mesmos, dando aparência opaca, deixando os fios quebradiços e com frizzy. Água gelada não tem relação alguma com o crescimento dos fios.

Quais alimentos ajudam o cabelo a crescer mais rápido e mais saudável?
Consuma diariamente verduras, legumes e frutas para ajudar na reposição de vitaminas e sais minerais.
• Vitamina C: Presente em frutas cítricas e tomate, é um anti-oxidante importante para o organismo, melhora a irrigação sanguínea e com isso estimula o crescimento dos fios.
• Vitamina A: Controla a produção de sebo no couro cabeludo e está presente em alimentos como óleo de fígado de peixe, espinafre, cenoura, gema de ovo, vegetais amarelos ou verde-escuros, melão e pêssego.
• Vitaminas do Complexo B: Auxiliam na renovação celular e no crescimento saudável dos fios estando presentes nas carnes magras, peixes, frutos do mar, leite, vegetais folhosos, cereais integrais, legumes, grãos e nozes.
• Zinco, Cobre, Ferro, Iodo: Ajudam no fortalecimento e crescimento dos cabelos e encontrados principalmente em: carnes vermelhas e brancas, fígado, frutos do mar, gérmen de trigo, cereais integrais, peixes de água salgada, dentre outros.
• Evite períodos de jejum prolongado (mais de 4 horas - os níveis de energia dos folículos capilares diminuem prejudicando os cabelos).
• Reduza o máximo o consumo de alimentos artificiais, refinados e enlatados.
• Evite tomar café ou chá exageradamente, pois a cafeína em excesso pode alterar os níveis de estrógeno na mulher. O chá contém tanino e em altas concentrações impede a absorção de ferro pelo organismo.
• Evite a ingestão de bebidas alcoólicas.
• Procure beber diariamente de seis a oito copos de água por dia.
 
 
 
 
Cuidados com o Cabelo na Gestação – Segurança dos Tratamentos Químicos
Ainda não existe nenhum estudo que mostre a segurança do uso das tinturas durante a gestação. Boa parte das tinturas contém amônia, uma substância tóxica para o bebê. Nos três primeiros meses, qualquer tipo de tintura, clareamento ou reflexo está proibido. Além da amônia e do iodo, estes produtos costumam conter metais pesados como chumbo. Após o primeiro trimestre, são permitidos reflexos longe da raíz, assim como tonalizantes. Enfatizando que  nem sempre a henna é "natural". Nem todos os produtos são de boa qualidade e podem oferecer riscos à saúde. Alisamentos, escovas progressivas ou inteligentes, relaxamentos e hidratações que contenham formol, mesma na quantidade permitida pela Vigilância Sanitária, também estão totalmente proibidos.

O sistema imune feminino fica mais suscetível às reações alérgicas na gestação e quem nunca as teve alergia a tinturas, por exemplo, pode apresentá-las durante os nove meses.  Mulheres que já são alérgicas, têm sinusite ou asma, por exemplo, podem ter reações ainda mais intensas na gravidez. Esses processos alérgicos exigem, muitas vezes, um tratamento medicamentoso mais severo. Isso pode trazer desconfortos e até mesmo riscos ao bebê.

Alisamentos entram na categoria de tratamentos perigosos por conterem o tioglicolato, uma substância tóxica e volátil, que, se absorvida ou aspirada, pode fazer mal ao bebê. Alguns desses tratamentos também podem conter o formol. Esses produtos, além de proibidos pela Anvisa, são totalmente contraindicados. O ideal é que a mãe espere até o bebê nascer para fazer o procedimento. Os permanentes são vetados assim como os alisamentos.

Na fase da amamentação, a utilização desses produtos é vista com menos alarde. Mas eles não podem conter amônia, nem metais pesados, como o chumbo. Como há o risco de intoxicação do bebê, o uso deve ser criterioso. Os tratamentos para alisar os fios devem ser feitos após o período de amamentação.

O formol deve passar longe da mulher que amamenta, pois não se conhecem ao certo a absorção e os efeitos em uma criança pequena, tampouco sua transmissão pelo leite. Como não há a comprovação científica, o ideal é evitar. Contraindicamos a escova progressiva e outros métodos sempre pelo cuidado de ainda poder ocorrer reações alérgicas. Se isso ocorrer, a mãe precisará fazer o uso de medicamentos e isso também pode interferir na amamentação.
Cuidados com o Cabelo no Inverno
Com a temperatura mais fria deixamos água do chuveiro mais quente. A água quente faz mal para os cabelos?
A água quente aumenta a oleosidade do couro cabeludo, propiciando o aparecimento de seborréia e aumentando a queda. Além disso, desencadeia a remoção da camada que promove a hidratação e proteção natural dos fios, deixando-os secos, opacos e com frizzy. Com a chegada do inverno os cuidados com os cabelos devem ser redobrados. A vontade de tomar banhos quentes e demorados aumenta, mas isso não é nada aconselhável para quem quer manter um cabelo impecável. O excesso de água quente ocasiona perda de hidratação da haste capilar e estimula o funcionamento das glândulas sebáceas no couro cabeludo, deixando os cabelos oleosos, além de desencadear seborréia (descamação do couro cabeludo – caspa), nos indivíduos predispostos ao problema. Portanto, lave os cabelos com temperatura morna. Se for utilizar água quente, seja breve.
 
Há algum tipo de produto ou cuidado especial para o cabelo no inverno?
O couro cabeludo tende a ficar mais oleoso no frio, por isso, escolha máscaras e condicionadores leves, sempre priorizando o comprimento e evitando o contato desses produtos com o couro cabeludo. Para ajudar na hora de desembaraçar e escovar, use um leave-in (que não precisa de enxágüe).

Cuidado com o uso inadequado do secador, o ar quente provoca o enfraquecimento e ressecamento dos fios, para evitar o estrago, aplique um protetor térmico, como por exemplo, produtos que contenham óleo de argan, antes de usar o secador

No inverno, o frio excessivo e o vento tornam os cabelos opacos e quebradiços, deixando os fios arrepiados e elétricos. Em geral ficam assim quando expostos à umidade gerada pelo clima ou até pelo vapor do chuveiro. O vapor de água é absorvido pelo fio, que “incha” como uma esponja, tornando-se armado. No tempo úmido os cabelos ficam mais arrepiados. Normalmente o atrito entre os fios cria um campo eletromagnético que não deixa que os cabelos fiquem grudados uns aos outros. Em dias mais úmidos, o campo elétrico aumenta e os fios ficam mais arrepiados. O formato encaracolado faz com que tenham um contato maior, arrepiando-se ainda mais. Quando o cabelo estiver elétrico, procure usar pente de madeira e passe um pouco de fluido de silicone nos fios secos. Os produtos anti-frizz também ajudam, pois condicionam e selam a cutícula (película externa) dos fios por várias horas.

O último golpe de vento do secador deve ser frio, para não provocar eletricidade nos cabelos. Banhos muito quentes podem desencadear o problema, já que as escamas dos fios ficam abertas devido à alta temperatura. Use água morna durante todo o banho, com exceção do último enxágüe, que deve ser frio. O resfriamento da água fecha as escamas do cabelo e faz com que os fios brilhem e não fiquem tão elétricos.

Cabelos bonitos possuem cutícula íntegra e saudável, ou seja, suas escamas se mantêm encaixadas de forma perfeita para envolver a haste capilar, que é a parte visível do fio. Quando a cutícula é agredida, ela racha e se desprega, formando as pontas duplas. O cuidado diário é muito importante e envolve a escolha de produtos adequados ao tipo de cabelo, sempre com atenção para os que possuem aprovação dos órgãos de saúde, como a Anvisa.
   
Os xampus são formulações que contêm substâncias que limpam os fios e couro cabeludo, evitando dermatites, caspa e infecções por fungos e bactérias. Hoje há produtos com funções mais complexas, como aumentar ou diminuir o volume, restaurar e facilitar o ato de pentear.
   
Os indicados para cabelos oleosos possuem mais componentes de limpeza, enquanto os formulados para cabelos secos apresentam mais elementos condicionadores. Existem os que contêm agentes anti-caspa, vitaminas e hidratantes. O ideal é a pelo menos cada 15 dias, lavar os cabelos com um xampu anti-resíduo para eliminar produtos que se acumulam nos fios, deixando-os com aspecto pesado. Também é interessante alternar pelo menos dois tipos de xampus.
   
Existem ainda os condicionadores. Ricos em proteínas, eles têm como função devolver a gordura natural perdida durante a lavagem. Também devem deixar os cabelos fáceis de pentear e restaurar a uniformidade dos fios agredidos química ou mecanicamente. Dê preferência aos que são feitos com extratos de substâncias naturais, como jojoba, ou enriquecidos com proteínas. Por último, protegem os fios da fricção, diminuindo a eletrostática.
            
Uma causa comum da fragilidade dos fios é o uso do secador em alta temperatura. O aquecimento provoca a evaporação da água natural dos fios, enfraquecendo-os. Muitas pessoas têm dúvida se as substâncias modeladoras, como gel e fixador sem álcool, causam danos. Esses produtos não prejudicam e, quando são de boa qualidade, não provocam queda de cabelo.
 
Dicas para o cuidado diário
  • Use sempre xampu e condicionador adequados ao seu tipo de cabelo: oleoso, normal, seco, misto, colorido etc.
  • Não use xampu demais nem o coloque diretamente sobre a cabeça. Espalhe-o nas mãos e só depois esfregue-o nos fios e no couro cabeludo, com a ponta dos dedos (nunca com as unhas). O excesso do produto pode provocar irritação, enfraquecimento da raiz, descamação e até queda.
  • Enxágüe bem os cabelos para retirar o excesso de xampus e condicionadores e use um xampu anti-resíduos uma vez por semana. O produto elimina impurezas e os resíduos de produtos cosméticos que se depositam nos fios, roubando o brilho.
  • Nunca tome banho de água quente, pois ela abre as cutículas do fio. Prefira água morna ou fria. Se puder, dê a última enxaguada com água fria. A água fria ajuda a fechar as cutículas e devolve o brilho dos cabelos.
  • Depois de lavar os cabelos, utilize um produto leave-in que intensifica o tratamento dos produtos hidratantes.
  • Antes de usar o secador retirar o excesso de água com uma toalha, apenas espremendo os fios. Depois trabalhe com o secador a uns 15 centímetros dos fios, em temperatura mínima ou média. Produtos específicos para proteger o cabelo do calor também ajudam evitar que os fios fiquem quebradiços.
  • Evite ar condicionado, pois deixa o cabelo ressecado e, conseqüentemente, mais frágil, retirando o brilho natural. Para formar uma barreira de proteção aos fios, aplique algumas gotinhas de silicone que ajuda também a selar as pontas duplas.
  • Evite passar as mãos nos cabelos constantemente, principalmente nos oleosos.
  • A alimentação é um fator muito importante para manter a beleza dos fios. Procure comer alimentos protéicos - como carnes, leite e ovos - e os ricos em vitaminas do complexo B (presentes em cereais integrais, peixes, frutos do mar e vegetais folhosos), pois eles ajudam a nutrir o couro cabeludo.

Para quem tem cabelos ressecados e com pontas duplas:
  • use condicionadores após o xampu.
  • use regeneradores de pontas após o banho.
  • evite pentear frequentemente os cabelos.
  • evite o calor intenso dos secadores.

Para quem tem cabelos oleosos:
  • evite usar condicionador próximo à raiz dos cabelos ou xampus que contenham condicionadores na sua fórmula (2 em 1).
  • evite lavar a cabeça com água quente.
  • evite alimentos gordurosos e bebida alcoólica.
  • beba bastante água e coma frutas, legumes e verduras.
  • cuidado com o estresse, ele pode aumentar a produção de oleosidade.
  • além da oleosidade existe caspa e coceira? Pode ser dermatite seborreica. Neste caso, procure um dermatologista para o correto diagnóstico e tratamento.


Há algum corte ou penteado que facilita os cuidados com o cabelo nessa estação?
Alisamento, relaxamento e permanente são processos químicos semelhantes na sua origem. Todos alteram a forma original das hastes, que é determinada pelas pontes químicas de hidrogênio e enxofre, responsáveis naturais pela distribuição da queratina dentro do cabelo. Ao alterar essa forma para alisar um cabelo encaracolado ou encaracolar um cabelo liso, usa-se um produto que abre a cutícula. Em seguida, é aplicado outro que quebra as pontes de enxofre. Logo após, posiciona-se o cabelo na forma desejada e neutraliza-se a substância para estabilizar os fios, que ficarão lisos ou cacheados até que essas pontes químicas se refaçam.
   
Uma forma rápida de obter o mesmo resultado é usar produtos que aplicam calor nos fios, como a chapinha larga para alisar e a estreita para enrolar. O aquecimento local quebra as pontes de hidrogênio, que são mais fracas e mantêm a modelagem desejada até o cabelo ser lavado novamente.
   
Nos dois casos. A haste sofre, pois não há como evitar a desidratação dos fios. É por isso que os cabelos modificados quimicamente são mais desidratados e devem ser submetidos a banhos com cremes hidratantes pelo menos uma vez por semana.
   
Nos últimos anos surgiram novas formas para alisar o cabelo, como a escova progressiva e suas variantes, a escova francesa, o alisamento japonês, entre outras. Produtos alisantes registrados na Anvisa não oferecem riscos à saúde. Mas muitos salões de beleza acrescentam formol a seus preparados. Usam concentrações maiores do que 0,5%, proibidas pela agência. O formol é tóxico, pode causar irritação nas mucosas e, dependendo da quantidade, acaba sendo absorvido pelo organismo e causa sérios problemas.
   
Tranças apertadas, rabos de cavalo, e coques muito puxados podem danificar o cabelo. A tração causada por esses penteados, principalmente quando contínua ou frequente, pode causar tensão suficiente para provocar ruptura do fio ou alopecia (queda) de tração.

Dicas para previnir os danos pelo calor:
  •  Permitir sempre que possível que os cabelos sequem naturalmente
  • Quando utilizar o secador, evite a configuração de maior aquecimento. Inicie com uma temperatura mais baixa e aumente gradativamente
  • Ao alisar o cabelo com a “chapinha” de cerâmica, coloque uma toalha úmida no dispositivo para proteger o cabelo do calor direto
  • Hidratar o cabelo regularmente ajuda, de alguma forma, a melhorar a aparência dos fios danificados pelo calor, mas interromper a fonte dos danos é fundamental

Dicas para o uso da “escova progressiva”:
  • Evite este procedimento se seu cabelo for muito crespo, já que o mesmo não funcionará para reorganização e alisamento dos fios
  • Para minimizar os danos ao cabelo e a queda, prolongue o tempo entre os tratamentos (pelo menos 6 meses)
  • Quando lavar os cabelos, use uma quantidade generosa de condicionador para diminuir a fragilidade dos fios
  • Se o cabelo ficar quebradiço e com frizzy, pare de fazer o procedimento e espere o crescimento de novos fios que substituirão o cabelo danificado
 
Dicas para manter os cabelos saudáveis, procurando seu melhor estado:
  • Quanto menos você fizer para o seu cabelo, melhor será. Evite transformações intensas
  • Certifique-se de lavar bem o couro cabeludo, pois é onde o óleo se acumula, depois, deixe o shampoo escorrer através dos fios, sem esfregar. Shampoo serve principalmente para limpar o couro cabeludo, podendo danificar os fios se usado em demasia
  • Deixe a oleosidade do couro cabeludo determinar a frequência das lavagens Se seu couro cabeludo é oleoso, lave o cabelo com mais freqüência do que se o mesmo for seco
  • Condicionador deve ser utilizado nas extremidades do cabelo e não sobre o couro cabeludo, com isso, obtêm-se melhores resultados
  • Escolha o xampu e o condicionador com base no seu tipo de cabelo, tais como ondulados ou lisos, e, nas condições do cabelo, tais como danificado ou com frizzy. Os produtos não necessariamente devem ser caros para funcionarem bem, o mais importante é que sejam adequados ao seus cabelos

 É melhor escolher um penteado mais próximo à estrutura natural do seu cabelo e a cor mais próxima à sua tonalidade natural, o que irá minimizar os danos aos fios. Não deixe de consultar seu dermatologista para quaisquer dúvidas sobre produtos, aparência dos fios ou queda.
Dicas para Evitar Danos Térmicos e Químicos
Embora os mais modernos penteados e cores pareçam maravilhosos, muitas mulheres estão submetendo seus cabelos a produtos químicos, secadores e “cahpinhas” de forma excessiva, fazendo com que os fios fiquem danificados. Com o tempo, o cabelo brilhante pode ficar opaco e frágil, necessitando uma revisão completa de cuidados para melhorar sua saúde e aparência.

Fontes mais comuns de danos ao cabelo e dicas para revertê-los, mantendo-os saudáveis e brilhantes
Um dos equívocos mais comuns em relação ao cabelo, é acreditar que o mesmo esteja “vivo”, quando na verdade os fios são inanimados, sendo incapazes de curar a si mesmos quando estão danificado. Por esta razão, uma vez que o cabelo esteja danificado, ele não pode recuperar-se sozinho, exceto por meio do crescimento de novos fios no couro cabeludo. As mesmas coisas que fazem o cabelo parecer lindo, como o uso de tinturas, permanentes e técnicas para alisamento, podem danificar sua estrutura e afetar sua aparência.
   
Quando o cabelo sofre um dano, a camada lipídica externa protetora da cutícula, responsável por deixar os cabelos brilhantes, é removida. Produtos químicos são um dos maiores vilões para saúde dos fios, pois removem os “hidratantes naturais”. O resultado são cabelos secos, opacos e indomáveis. Muitos produtos têm sido desenvolvidos para combater os efeitos dos tratamentos químicos excessivos, sendo a hidratação regular obrigatória aos cabelos danificados.

Dicas para combater os danos químicos:
  • Use shampoos condicionantes e condicionadores regularmente, para melhorar a aparência dos cabelos, evitando ressecamento e frizzy. Shampoos 2 em 1 são uma ótima escolha, pois removem a oleosidade do couro cabeludo, limpam os fios e condicionam ao mesmo tempo
  • Opte por produtos que contenham dimeticone, disponível em shampoos, condicionadores, cremes de pentear e sprays. Este ingrediente diminui a eletricidade estática, aumenta o brilho e facilita o manejo dos fios
  • Tente usar os séruns capilares recentemente introduzidos no mercado (Ex: óleo de argan), aplicando algumas gotas nas mãos e deslizando-as nos fios (não devem ser aplicados diretamente no couro cabeludo)
  • Evite tingir os cabelos, opte pela cor natural quando possível
  • Caso seja realmente necessário pintar o cabelo, opte por tonalidades próximas à sua cor natural, usando no máximo  três tons de diferença. Escurecer os cabelos ao invés de clareá-los, é sempre uma melhor opção
 
O calor é outra fonte comum de danos ao cabelo, o mesmo produz uma condição conhecida como “cabelo bolha”. Isto ocorre quando a água presente nos fios, responsável pela flexibilidade dos mesmos, aquece e evapora, levando à formação de bolhas dentro da haste e consequentes áreas de perda da cutícula. Sinais que indicam a ocorrência desse tipo de dano: cabelo que cheira queimado, frizzy nas pontas e fios quebradiços.

Mudanças dramáticas de temperatura significam sofrimento ao cabelo, o calor pode literalmente “fritar” o fio. Imagine um pedaço de bife macio e flexível, mas que quando hiperaquecido muda de textura e endurece. Do mesmo modo, ocorrem transformações no cabelo quando este fica muito tempo exposto ao calor, resultando em cabelos quebradiços. Proteger o cabelo do calor excessivo é essencial para mantê-lo saudável. Cabelos danificados pelo calor não podem ser reparados, a área danificada deverá ser cortada.

Dicas para previnir os danos pelo calor:
  • Permitir sempre que possível que os cabelos sequem naturalmente
  • Quando utilizar o secador, evite a configuração de maior aquecimento. Inicie com uma temperatura mais baixa e aumente gradativamente
  • Ao alisar o cabelo com a “chapinha” de cerâmica, coloque uma toalha úmida no dispositivo para proteger o cabelo do calor direto
  • Hidratar o cabelo regularmente ajuda, de alguma forma, a melhorar a aparência dos fios danificados pelo calor, mas interromper a fonte dos danos é fundamental
 
 A “Chapinha” é bastante popular entre as mulheres que buscam cabelos lisos, existe ainda, a técnica do uso de produtos químicos em combinação com aquecimento dos fios para deixá-los retos, conhecida como “escova progressiva”. Normalmente realizada em salões de beleza, a “escova progressiva” é feita com o uso de glutaraldeído ou formoldeído, disjuntores potentes que quebram as ligações químicas responsáveis pelas ondulações dos fios, deixando-os lisos. Depois que uma das soluções químicas é aplicada ao cabelo, um condicionador que contém a proteína queratina é aplicado sobre os fios para deixá-los menos quebradiços. Quando feito esse procedimento, o cabelo deve ser mantido seco e solto por, pelo menos, 48 horas, para que o resultado esperado seja alcançado.
.
Dicas para o uso da “escova progressiva”:
  • Evite este procedimento se seu cabelo for muito crespo, já que o mesmo não funcionará para reorganização e alisamento dos fios
  • Para minimizar os danos ao cabelo e a queda, prolongue o tempo entre os tratamentos (pelo menos 6 meses)
  • Quando lavar os cabelos, use uma quantidade generosa de condicionador para diminuir a fragilidade dos fios
  • Se o cabelo ficar quebradiço e com frizzy, pare de fazer o procedimento e espere o crescimento de novos fios que substituirão o cabelo danificado

Dicas para manter os cabelos saudáveis, procurando seu melhor estado:
  • Quanto menos você fizer para o seu cabelo, melhor será. Evite transformações intensas
  • Certifique-se de lavar bem o couro cabeludo, pois é onde o óleo se acumula, depois, deixe o shampoo escorrer através dos fios, sem esfregar. Shampoo serve principalmente para limpar o couro cabeludo, podendo danificar os fios se usado em demasia
  • Deixe a oleosidade do couro cabeludo determinar a frequência das lavagens Se seu couro cabeludo é oleoso, lave o cabelo com mais freqüência do que se o mesmo for seco
  • Condicionador deve ser utilizado nas extremidades do cabelo e não sobre o couro cabeludo, com isso, obtêm-se melhores resultados
  • Escolha o shampoo e o condicionador com base no seu tipo de cabelo, tais como ondulados ou lisos, e, nas condições do cabelo, tais como danificado ou com frizzy. Os produtos não necessariamente devem ser caros para funcionarem bem, o mais importante é que sejam adequados ao seus cabelos
  • Use chapéu para proteger os cabelos dos raios ultravioleta (UV)

É melhor escolher um penteado mais próximo à estrutura natural do seu cabelo e a cor mais próxima à sua tonalidade natural, o que irá minimizar os danos aos fios. Não deixe de consultar seu dermatologista para quaisquer dúvidas sobre produtos, aparência dos fios ou queda.
Queda de Cabelo
A queda de cabelo necessariamente precisa ser avaliada pelo dermatologista. Existem diferentes causas de queda e se a causa não for identificada adequadamente, o resultado do tratamento não será efetivo. Principais alterações orgânicas envolvidas com a queda de cabelos: alimentação inadequada, pobre em proteínas, vitaminas e minerais (principalmente dietas restritivas com perda abrupta e intensa de peso); anemia; febre; gravidez e pós-parto; cirurgias; medicamentos (anticoncepcionais, anti-depressivos, emagrecedores etc); alterações hormonais (endógenas ou exógenas); doenças metabólicas, inflamatórias e infecciosas; estresse emocional. O adequado direcionamento do tratamento de acordo com o o diagnóstico, influencia diretamente no resultado.

Quais são as principais causas do sintoma? Ele pode indicar doenças mais sérias? (Em caso positivo) Quais as mais comuns?
Os cabelos existem para proteger regiões, como o couro cabeludo, contra a ação do frio, do calor e do excesso de luz solar. Além disso, também revelam a saúde do nosso organismo e podem sofrer por causa de doenças internas, ou mesmo, agressões externas, como o uso de produtos inadequados ou excesso de química (tinturas, por exemplo) e de sol. No caso de doenças eles podem cair ou afinar e, em relação às tinturas, podem ressecar.
   
No couro cabeludo existem de 100 mil a 150 mil fios. O cabelo tem um ciclo de vida continuado e passa por fases de crescimento e de repouso. Cada fio vive uma etapa específica, que se distribui em 85% no período de crescimento (anágena) e 15% no período de repouso (telógena). Isso significa que temos sempre mais cabelo crescendo do que caindo. A duração da fase de crescimento é, em média, de quatro anos.
   
A queda de alguns fios ao lavar ou pentear é normal, perdemos cerca de 100 fios por dia. É preciso, sim, prestar atenção quando houver aumento significativo da quantidade de fios que caem. Nesse caso, procure um dermatologista.
   
Existem vários fatores envolvidos na queda de cabelos. Alguns são apenas temporários e sazonais, não querendo muitas preocupações, outros relacionados a alterações orgânicas e/ou fisiológicas, e, ainda, pode ser decorrente de causas genéticas. Se o paciente tem familiares (pais, tios, avós etc) com calvície, é provável que também sofra ou venha a sofrer deste problema. O ideal é procurar um dermatologista para que o mesmo avalie, identifique e trate adequadamente.
   
Principais alterações orgânicas envolvidas com a queda de cabelos: alimentação inadequada, pobre em proteínas, vitaminas e minerais (principalmente dietas restritivas com perda abrupta e intensa de peso); anemia; febre; gravidez e pós-parto; cirurgias; medicamentos (anticoncepcionais, anti-depressivos, emagrecedores etc); alterações hormonais (endógenas ou exógenas); doenças metabólicas, inflamatórias e infecciosas; neoplasias (câncer); estresse emocional.

Verdade que perda de cabelo pode indicar problemas na tireóide? Qual é a relação entre um problema e outro?
A tireóide – glândula localizada na parte anterior do pescoço – produz os hormônios T3 (tri-iodotironina) e T4 (tiroxina), que regem o cérebro, fígado, rins, pele e coração, além de controlar a queima de gorduras, fertilidade e disposição. São hormônios relacionados com o metabolismo em geral, envolvendo todos os sistemas e órgãos. A falta ou o excesso deles repercute em todo o organismo, podendo afetar o cabelo. Principalmente no hipotiroidismo, em que a tireóide trabalha em câmera lenta, ocorre queda de cabelo, perda de libido, pele seca, cansaço, intestino preso, menstruação irregular, dores articulares, redução da memória e ganho de peso.
 
Essa queda exagerada também pode ser sinal de stress? Qual é a relação entre um problema e outro?
Tudo o que possa significar stresse orgânico, ou seja, alteração no funcionamento normal do organismo, como por exemplo, estresse emocional, pode desencadear sofrimento do folículo piloso e acelerar a passagem da fase de crescimento capilar anágena (fase de crescimento estável, que dura 3 a 7 anos, estando 80 a 90% dos folículos nessa fase), para fase telógena (fase de queda, estando 20% dos folículos nessa fase). Causando o que chamamos de eflúvio telógeno - eliminação de cabelos em clava que se segue à precipitação prematura dos folículos anágenos em telógenos. É considerada normal, a perda de até 100 fios por dia, acima disso, recomenda-se investigação.
 
Pode indicar, ainda, falta de vitaminas? (Em caso positivo) De quais vitaminas? Qual é a relação entre um problema e outro?
Sim, carência nutricional também funciona como stress orgânico (conforme explicado acima) e muitos nutrientes são fundamentais para o crescimento e saúde dos fios. Principais nutrientes envolvidos na saúde capilar: ferro, cobre, zinco, iodo, ácido fólico, aminoácidos (proteínas), vitaminas (biotina, vitamina D, vitamina B2 / B5 / B6), ácidos graxos e água. 
   
As vitaminas, minerais, proteínas e ácidos graxos são algumas das substâncias que devem fazer parte da alimentação, para que o cabelo cresça bonito e saudável. Os minerais tem um papel participativo no metabolismo das proteínas que são responsáveis pela formação da estrutura dos fios de cabelo. A falta de certos minerais faz com que o cabelo se torne mais fino e frágil.
 
Vitamina A – Regula a produção sebácea, controlando a oleosidade do couro cabeludo, evita que as células se degenerem por causa da oxidação e exerce controle sobre à multiplicação celular, propiciando maior elasticidade aos fios. Obs: em excesso, a vitamina A pode ser causa de queda.
Vitamina B2 – Favorece o metabolismo das gorduras, açúcares e proteínas, sendo essencial para o crescimento do cabelo.
Vitamina B5 – Importante no combate à queda do cabelo, ao mesmo tempo que fortalece o crescimento.
Vitamina B6 – Exerce sua ação na síntese da queratina, sendo fundamental para a saúde das unhas e cabelo.
Ferro – Sua carência é muitas vezes responsável pela queda de cabelo nas mulheres, que através do sangramento menstrual acabam perdendo o nutriente e normalmente não fazem reposição adequada pela alimentação. Manter a ferritina (reserva de ferro) em níveis adequados, é fundamental para evitar a queda de cabelo.
Zinco – É fundamental para a saúde dos cabelos e unhas, já que participa da sínteses de proteínas e está envolvido com o crescimento e multiplicação celular.
 
Como se faz o diagnóstico? É o dermatologista mesmo quem faz o diagnóstico da doença que está por trás dessa queda acentuada ou o paciente é normalmente encaminhado para outro especialista? Nesse caso, para qual especialista ele é encaminhado?
O diagnóstico é feito através do exame físico, história clínica, dermatoscopia capilar e exames laboratoriais. Cada patologia tem uma série de características próprias que ajudam na investigação para chegar ao diagnóstico. A dermatologia é uma especialidade médica em pele, cabelo e unhas, estando os dermatologistas aptos à identificar e acenar as causas da queda de cabelo, como má nutrição, gravidez ou doenças do organismo. Dessa forma é possível redirecionar o paciente ao nutricionista, ginecologista, endocrinologista etc, para que o tratamento seja feito em conjunto, de forma multidisciplinar.
 
Quais os tratamentos mais comuns para o sintoma? Há casos em que é preciso tratar a causa? Quais? E como é o tratamento, nesses casos?
 Sempre é preciso identificar e tratar a causa, daí a importância da avaliação de um dermatologista, para que os fatores desencadeantes sejam adequadamente analisados e conduzidos. O tratamento é direcionado para o motivo da queda e engloba: medicamentos por via oral e tópicos, laser, fotobioestimulação, suplementação e orientação alimentar, transplante capilar.
 
Há possibilidade de cura? Ou se faz apenas um controle? Por quê?
Sim, essa possibilidade vai depender do fator desencadeante da queda. Por exemplo, se a causa for ferritina baixa, muitas vezes, repondo-se o ferro, resolve-se o problema. No caso das alterações da tireóide, muitos pacientes apresentam melhora estável da queda com o controle hormonal adequado. Já no caso da calvície, em que existe influência genética, não é possível a cura, mas é possível interromper a progressão da queda através do uso de medicação específica.  A definição da possibilidade de cura ou não, depende do diagnóstico.
 
É possível dar dicas de como prevenir o problema?
- Antes de mais nada, consulte um dermatologista, para que a causa da queda de cabelo seja adequadamente identificada e tratada. É extremamente importante determinar qual a origem da queda, para que então seja indicado tratamento apropriado.

 - No caso da alopécia androgenética (calvície), existem tratamentos que podem impedir a progressão da perda capilar, quanto antes identificada, mais fios poderão ser preservados.

 - Supelmentos nutricionais bem indicados, podem ser bons aliados na prevenção e reversão da queda de cabelo.
 
 - Alimentação adequada, com quantidade suficiente de proteínas, ácidos graxos, vitaminas, minerais e água, é fundamental para manter o cabelo saudável.
 
 - Evite medicamentos e suplementos sem indicação médica, muitos desses produtos podem desencadear ou agravar a queda de cabelo.
 
- Use regularmente shampoos e demais produtos para tratamento capilar, adequados ao seu tipo de cabelo. Por exemplo, quem tem cabelo oleoso, deve optar por shampoos e condicionadores destinados para tal.
 - Tente levar uma vida mais tranquila, mantendo sempre o equilíbrio. Praticar atividades físicas regularmente pode ajudar. Sabemos que não é fácil, mas devemos tentar.
 
- Evite usar água muito quente, opte sempre por lavar o cabelo com água morna ou fria, isso garantirá vitalidade e brilho aos fios, além de evitar a queda.
- Mantenha o couro cabeludo sempre limpo, afastar à oleosidade, garante a saúde do cabelo, pois a gordura dificulta a oxigenação do couro cabeludo, o que enfraquece os fios e estimula a queda.
 
Se a pessoa descobrir que por trás desse sintoma há uma doença mais séria, qual o intervalo ideal para monitorar e controlar com exames?
Depende do diagnóstico. Por exemplo, se o fator desencadeante da queda for uma alteração da tireóide, o monitoramento laboratorial deve ser frequente para que os níveis hormonais se mantenham adequados e estáveis. Se a causa for carência nutricional, exames devem ser feitos periodicamente até que os déficits sejam corrigidos, e, posteriormente, são necessários para controle e manutenção dos valores atingidos.

Qual nutracêutico encontrado nas farmácias pode ajudar a prevenir/combater queda de cabelo? Quais ativos ele contém e como deve ser administrado?
É muito importante que seja identificada a causa da queda antes que qualquer nutracêutico seja indicado. Nas mulheres, devido a perda menstrual, é muito comum existir carência de ferro. Geralmente pedimos os exames de sangue e indicamos o nutracêutico de acordo com as alterações encontradas. Vou citar abaixo os nutrientes que são fundamentais para o cresimento do cabelo e devem estar presentes na alimentação, ok?! Uma alimentação saudável dispensa o uso de suplementação. Devemos consumir diariamente verduras, legumes e frutas para ajudar na reposição de vitaminas e sais minerais.
  • Vitamina C: Presente em frutas cítricas e tomate, é um anti-oxidante importante para o organismo, melhora a irrigação sanguínea e com isso estimula o crescimento dos fios.
  • Vitamina A: Controla a produção de sebo no couro cabeludo e está presente em alimentos como óleo de fígado de peixe, espinafre, cenoura, gema de ovo, vegetais amarelos ou verde-escuros, melão e pêssego.
  • Vitaminas do Complexo B: Auxiliam na renovação celular e no crescimento saudável dos fios estando presentes nas carnes magras, peixes, frutos do mar, leite, vegetais folhosos, cereais integrais, legumes, grãos e nozes.
  • Zinco, Cobre, Ferro, Iodo: Ajudam no fortalecimento e crescimento dos cabelos e encontrados principalmente em: carnes vermelhas e brancas, fígado, frutos do mar, gérmen de trigo, cereais integrais, peixes de água salgada, dentre outros.
  • Reduza o máximo o consumo de alimentos artificiais, refinados e enlatados.
  • Evite tomar café ou chá exageradamente, pois a cafeína em excesso pode alterar os níveis de estrógeno na mulher. O chá contém tanino e em altas concentrações impede a absorção de ferro pelo organismo.
  • Evite a ingestão de bebidas alcoólicas.
  • Procure beber diariamente de seis a oito copos de água por dia.
Saúde do Cabelo
Qual o papel da alimentação na saúde dos cabelos? Como ela afeta os fios e o couro cabeludo?
Além de ajudar a manter o corpo em forma e a sua saúde em dia, uma alimentação saudável e balanceada te ajuda também a ter cabelos fortes, bonitos e brilhantes. Consuma diariamente verduras, legumes e frutas para ajudar na reposição de vitaminas e sais minerais.
  • Vitamina C: Presente em frutas cítricas e tomate, é um anti-oxidante importante para o organismo, melhora a irrigação sanguínea e com isso estimula o crescimento dos fios.
  • Vitamina A: Controla a produção de sebo no couro cabeludo e está presente em alimentos como óleo de fígado de peixe, espinafre, cenoura, gema de ovo, vegetais amarelos ou verde-escuros, melão e pêssego.
  • Vitaminas do Complexo B: Auxiliam na renovação celular e no crescimento saudável dos fios estando presentes nas carnes magras, peixes, frutos do mar, leite, vegetais folhosos, cereais integrais, legumes, grãos e nozes.
  • Zinco, Cobre, Ferro, Iodo: Ajudam no fortalecimento e crescimento dos cabelos e encontrados principalmente em: carnes vermelhas e brancas, fígado, frutos do mar, gérmen de trigo, cereais integrais, peixes de água salgada, dentre outros.
  • Evite períodos de jejum prolongado (mais de 4 horas - os níveis de energia dos folículos capilares diminuem prejudicando os cabelos).
  • Reduza o máximo o consumo de alimentos artificiais, refinados e enlatados.
  • Evite tomar café ou chá exageradamente, pois a cafeína em excesso pode alterar os níveis de estrógeno na mulher. O chá contém tanino e em altas concentrações impede a absorção de ferro pelo organismo.
  • Evite a ingestão de bebidas alcoólicas.
  • Procure beber diariamente de seis a oito copos de água por dia. 
 
 A frequência de lavagem e a temperatura da água no banho interferem na saúde dos fios? Por quê?
 A água quente aumenta a oleosidade do couro cabeludo, propiciando o aparecimento de seborréia e aumentando a queda. Além disso, desencadeia a remoção da camada que promove a hidratação e proteção natural dos fios, deixando-os secos, opacos e com frizzy. O excesso de água quente ocasiona perda de hidratação da haste capilar e estimula o funcionamento das glândulas sebáceas no couro cabeludo, deixando os cabelos oleosos, além de desencadear seborréia (descamação do couro cabeludo – caspa), nos indivíduos predispostos ao problema. Portanto, lave os cabelos com temperatura morna. Se for utilizar água quente, seja breve.
 
Que tipo de hábitos contribuem  para o crescimento e fortalecimento dos cabelos e para a saúde do couro cabeludo?
O fio de cabelo cresce através do acúmulo de proteínas e minerais em sua base (bulbo) e elas são diretamente influenciadas pela nutrição e fatores hormonais. O cabelo está em constante renovação, passa por ciclos de crescimento, repouso e queda. Porém se caírem excessivamente e demorarem a crescer deve-se procurar um profissional a fim de fazer uma avaliação das possíveis causas desta queda. Fatores como hereditariedade, alterações hormonais, uso de medicamentos, utilização de químicas de tratamento capilar, carência nutricional (por exemplo deficiência de ferro), fluxo menstrual na mulher muito intenso ou de duração prolongado, diabetes, alteração da tireóide, gravidez, interrupção do uso de anticoncepcionais, seborréia, dietas restritivas, infecções ou febres, ovário policístico, entre outros; podem interferir na saúde dos cabelos.As vitaminas A, B2, B5, B6, Ferro, Zinco e Biotina são importantíssimas para o crescimento saudável do cabelo. Uma alimentação adequada é o ponto-chave para o desenvolvimento saudável dos cabelos. Procure não tingir ou utilizar outras químicas no cabelo com muita frequência. Cabelos naturais são mais bonitos e crescem muito mais rápido que cabelos cheios de química.
 
 
Qual a forma ideal de lavar os cabelos? (podemos esfregar o couro cabeludo com os dedos, por exemplo?)
 
  • Use sempre xampu e condicionador adequados ao seu tipo de cabelo: oleoso, normal, seco, misto, colorido etc. 
  • Não use xampu demais nem o coloque diretamente sobre a cabeça. Espalhe-o nas mãos e só depois esfregue-o nos fios e no couro cabeludo, com a ponta dos dedos (nunca com as unhas). O excesso do produto pode provocar irritação, enfraquecimento da raiz, descamação e até queda. 
  • Enxágüe bem os cabelos para retirar o excesso de xampus e condicionadores e use um xampu anti-resíduos uma vez por semana. O produto elimina impurezas e os resíduos de produtos cosméticos que se depositam nos fios, roubando o brilho. 
  • Nunca tome banho de água quente, pois ela abre as cutículas do fio. Prefira água morna ou fria. Se puder, dê a última enxaguada com água fria. A água fria ajuda a fechar as cutículas e devolve o brilho dos cabelos. 
  • Depois de lavar os cabelos, utilize um produto leave-in que intensifica o tratamento dos produtos hidratantes. 
  • Antes de usar o secador retirar o excesso de água com uma toalha, apenas espremendo os fios. Depois trabalhe com o secador a uns 15 centímetros dos fios, em temperatura mínima ou média. Produtos específicos para proteger o cabelo do calor também ajudam evitar que os fios fiquem quebradiços. 
  • Evite ar condicionado, pois deixa o cabelo ressecado e, conseqüentemente, mais frágil, retirando o brilho natural. Para formar uma barreira de proteção aos fios, aplique algumas gotinhas de silicone que ajuda também a selar as pontas duplas. 
  • Evite passar as mãos nos cabelos constantemente, principalmente nos oleosos. 
  • A alimentação é um fator muito importante para manter a beleza dos fios. Procure comer alimentos protéicos - como carnes, leite e ovos - e os ricos em vitaminas do complexo B (presentes em cereais integrais, peixes, frutos do mar e vegetais folhosos), pois eles ajudam a nutrir o couro cabeludo. 
  • Proteja os cabelos do sol. Use chapéu e mantenha-os hidratados. 
  • Para quem tem cabelos ressecados e com pontas duplas:- use condicionadores após o xampu.
- use regeneradores de pontas após o banho.
- evite pentear frequentemente os cabelos.
- evite o calor intenso dos secadores.
 
  • Para quem tem cabelos oleosos:- evite usar condicionador próximo à raiz dos cabelos ou xampus que contenham condicionadores na sua fórmula (2 em 1).
- evite lavar a cabeça com água quente.
- evite alimentos gordurosos e bebida alcoólica.
- beba bastante água e coma frutas, legumes e verduras.
- cuidado com o estresse, ele pode aumentar a produção de oleosidade.
- além da oleosidade existe caspa e coceira? Pode ser dermatite seborreica. Neste caso, procure um dermatologista para o correto diagnóstico e tratamento.
 
Como é possível identificar o tipo de cabelo na hora da escolha dos produtos?
Os cabelos apresentam diferentes características, de acordo com o grupo étnico ao qual a pessoa pertence e dependendo da genética de cada um. As variações raciais e individuais irão determinar o padrão de crescimento e também sua forma e textura.
 
Os cabelos lisos são típicos de etnias mongólicas, orientais, esquimós e indígenas. Se você fizer um corte transversal nestes fios eles apresentarão uma forma arredondada e a queratina é distribuída uniformemente pelo fio.
   
Já os cabelos ondulados são típicos dos caucasianos, mas podem ser encontrados em diversas etnias. No corte transversal os fios possuem formato ovalado, a queratina é distribuída irregularmente concentrando-se em uma das extremidades, mais do que na outra.
   
E por fim, os cabelos crespos, comuns na etnia negra, possui formato elíptico, bem achatado, e a distribuição da queratina é irregular.
   
Cabelos Normais: São macios e brilhantes por natureza e possuem um aspecto super saudável, além serem fáceis de pentear. Esse tipo de cabelo não resseca com facilidade e também não sofre com a oleosidade excessiva. Os cabelos normais são os mais simples de serem cuidados. Ele não precisa ser lavado diariamente, uma vez que não produz secreção sebácea em demasia, o que mantém o couro cabeludo limo por mais tempo.
 
Cabelos Mistos: Hoje em dia esse tipo de cabelo é o mais encontrado entre as mulheres, pois os fatores agressores externos como poluição, uso de secador, chapinha ou coloração alteram o aspecto do fio. Por isso esses cabelos, normalmente, possuem a raiz oleosa, variando somente as pontas que podem ser secas ou normais. Os cabelos longos também possuem mais chances de serem mistos, já que a oleosidade e os nutrientes do couro cabeludo não alcançam as extremidades dos fios.
 
Cabelos Oleosos: Com brilho excessivo, decorrente da elevada quantidade de óleo existente no couro cabeludo, os fios desse tipo de cabelo são finos, pesados e sem volume. Além dos fatores externos, a causa da oleosidade pode estar relacionada à hereditariedade ou má alimentação.
 
Cabelos Secos: Os cabelos secos possuem aspecto seco ou ressecado da raiz às pontas. Geralmente são fios ásperos, quebradiços, sem brilho e com frizz. Outro fator que atormentam as mulheres que têm esse tipo de cabelo é o fato deles não possuírem balanço, serem difíceis de pentear, além do volume excessivo.
 
O que pode ser considerado um cabelo saudável?
Os cabelos existem para proteger regiões, como o couro cabeludo, contra a ação do frio, do calor e do excesso de luz solar. Além disso, também revelam a saúde do nosso organismo e podem sofrer por causa de doenças internas, ou mesmo, agressões externas, como o uso de produtos inadequados ou excesso de química (tinturas, por exemplo) e de sol. No caso de doenças eles podem cair ou afinar e, em relação às tinturas, podem ressecar.
   
No couro cabeludo existem de 100 mil a 150 mil fios. O cabelo tem um ciclo de vida continuado e passa por fases de crescimento e de repouso. Cada fio vive uma etapa específica, que se distribui em 85% no período de crescimento (anágena) e 15% no período de repouso (telógena). Isso significa que temos sempre mais cabelo crescendo do que caindo. A duração da fase de crescimento é, em média, de quatro anos.
   
A queda de alguns fios ao lavar ou pentear é normal, perdemos cerca de 100 fios por dia. É preciso, sim, prestar atenção quando houver aumento significativo da quantidade de fios que caem. Nesse caso, procure um dermatologista.
   
O fio é composto principalmente por queratina, proteína que possui alta concentração de cisteína – aminoácido responsável pela elasticidade e flexibilidade do cabelo. A camada externa é a cutícula, composta por camadas de células de queratina sobrepostas como escamas, é transparente e tem como função proteger o córtex contra agressões externas, além de manter a maciez e o brilho dos cabelos. O córtex é a parte mais importante do fio de cabelo, sendo responsável por sua elasticidade e resistência. Sua estrutura é composta por queratina, cuja composição tem muitos aminoácidos, entre eles a cisteína, responsável pelas pontes de enxofre, que ligam de maneira consistente a queratina à estrutura do fio. No interior do córtex, dentro das células queratinizadas, está a melanina – proteína responsável pela cor dos fios. A camada mais interna do cabelo é a medula. Seu canal pode estar vazio ou preenchido por queratina esponjosa. Ao sofrer impacto por produtos químicos agressivos pode quebrar até desaparecer.
   
Cabelos bonitos possuem cutícula íntegra e saudável, ou seja, suas escamas se mantêm encaixadas de forma perfeita para envolver a haste capilar, que é a parte visível do fio. Quando a cutícula é agredida, ela racha e se desprega, formando as pontas duplas. O cuidado diário é muito importante e envolve a escolha de produtos adequados ao tipo de cabelo, sempre com atenção para os que possuem aprovação dos órgãos de saúde, como a Anvisa.
 
Quais são os principais vilões do cabelo saudável e como combatê-los?
Alisamento, relaxamento e permanente são processos químicos semelhantes na sua origem. Todos alteram a forma original das hastes, que é determinada pelas pontes químicas de hidrogênio e enxofre, responsáveis naturais pela distribuição da queratina dentro do cabelo. Ao alterar essa forma para alisar um cabelo encaracolado ou encaracolar um cabelo liso, usa-se um produto que abre a cutícula. Em seguida, é aplicado outro que quebra as pontes de enxofre. Logo após, posiciona-se o cabelo na forma desejada e neutraliza-se a substância para estabilizar os fios, que ficarão lisos ou cacheados até que essas pontes químicas se refaçam.
   
Uma forma rápida de obter o mesmo resultado é usar produtos que aplicam calor nos fios, como a chapinha larga para alisar e a estreita para enrolar. O aquecimento local quebra as pontes de hidrogênio, que são mais fracas e mantêm a modelagem desejada até o cabelo ser lavado novamente.
   
Nos dois casos. A haste sofre, pois não há como evitar a desidratação dos fios. É por isso que os cabelos modificados quimicamente são mais desidratados e devem ser submetidos a banhos com cremes hidratantes pelo menos uma vez por semana.
   
Nos últimos anos surgiram novas formas para alisar o cabelo, como a escova progressiva e suas variantes, a escova francesa, o alisamento japonês, entre outras. Produtos alisantes registrados na Anvisa não oferecem riscos à saúde. Mas muitos salões de beleza acrescentam formol a seus preparados. Usam concentrações maiores do que 0,5%, proibidas pela agência. O formol é tóxico, pode causar irritação nas mucosas e, dependendo da quantidade, acaba sendo absorvido pelo organismo e causa sérios problemas.
   
Tranças apertadas, rabos de cavalo, e coques muito puxados podem danificar o cabelo. A tração causada por esses penteados, principalmente quando contínua ou frequente, pode causar tensão suficiente para provocar ruptura do fio ou alopecia (queda) de tração.

Dicas para previnir os danos pelo calor:
  • Permitir sempre que possível que os cabelos sequem naturalmente
  • Quando utilizar o secador, evite a configuração de maior aquecimento. Inicie com uma temperatura mais baixa e aumente gradativamente
  • Ao alisar o cabelo com a “chapinha” de cerâmica, coloque uma toalha úmida no dispositivo para proteger o cabelo do calor direto
  • Hidratar o cabelo regularmente ajuda, de alguma forma, a melhorar a aparência dos fios danificados pelo calor, mas interromper a fonte dos danos é fundamental

Dicas para o uso da “escova progressiva”:
 
  • Evite este procedimento se seu cabelo for muito crespo, já que o mesmo não funcionará para reorganização e alisamento dos fios
  • Para minimizar os danos ao cabelo e a queda, prolongue o tempo entre os tratamentos (pelo menos 6 meses)
  • Quando lavar os cabelos, use uma quantidade generosa de condicionador para diminuir a fragilidade dos fios
  • Se o cabelo ficar quebradiço e com frizzy, pare de fazer o procedimento e espere o crescimento de novos fios que substituirão o cabelo danificado
 
Dicas para manter os cabelos saudáveis, procurando seu melhor estado:
  • Quanto menos você fizer para o seu cabelo, melhor será. Evite transformações intensas
  • Certifique-se de lavar bem o couro cabeludo, pois é onde o óleo se acumula, depois, deixe o shampoo escorrer através dos fios, sem esfregar. Shampoo serve principalmente para limpar o couro cabeludo, podendo danificar os fios se usado em demasia
  • Deixe a oleosidade do couro cabeludo determinar a frequência das lavagens Se seu couro cabeludo é oleoso, lave o cabelo com mais freqüência do que se o mesmo for seco
  • Condicionador deve ser utilizado nas extremidades do cabelo e não sobre o couro cabeludo, com isso, obtêm-se melhores resultados
  • Escolha o xampu e o condicionador com base no seu tipo de cabelo, tais como ondulados ou lisos, e, nas condições do cabelo, tais como danificado ou com frizzy. Os produtos não necessariamente devem ser caros para funcionarem bem, o mais importante é que sejam adequados ao seus cabelos

    É melhor escolher um penteado mais próximo à estrutura natural do seu cabelo e a cor mais próxima à sua tonalidade natural, o que irá minimizar os danos aos fios. Não deixe de consultar seu dermatologista para quaisquer dúvidas sobre produtos, aparência dos fios ou queda.

Qual o papel do dermatologista na hora de cuidar da saúde dos fios e do couro cabeludo?
O ideal é que seja feita uma avaliação por um especialista, que irá identificar os motivos da alteração de crescimento e perda de vitalidade e direcionar o tratamento para tal. Muitas vezes existem alterações hormonais ou metabólicas que precisam ser controladas para que os fios cresçam saudáveis. Alimentação é outro fator importante, deficiência vitamínica ou de ferro, por exemplo, muito comum nas mulheres, devem ser corrigidas. É importante que o dermatologista faça uma avaliação completa para direcionar adequadamente as medidas terapêuticas. Outros tratamentos complementares, como produtos de uso tópico (loções, shampoos, ativos reconstrutores da haste, emolientes), infiltrações e laser, podem ser indicados dependendo de cada caso.
Saúde do Couro Cabeludo – Perguntas e Respostas
Esquecer de cuidar do couro cabeludo é comum até mesmo para as mulheres mais vaidosas. Quais os problemas de se descuidar dessa região?
É do couro cabeludo (folículo piloso) que se origina a haste (fio), portanto, é importante que esteja saudável, nutrido e limpo, para que determine um cabelo de qualidade. A falta de cuidados, como por exemplo, a lavavem adequada, cuja frequencia é determinada pelas características individuais do couro cabeludo (oleosidade), pode desencadear oleosidade excessiva. Esta, por sua vez, pode gerar queda de cabelo, pois o excesso de óleo causa obstrução, atrapalhando o funcionamento metabólico e enfraquecendo o folículo pilar. Além de predispor a queda, oleosidade em excesso deixa os cabelos com um aspecto fraco, opaco, gorduroso e sujo. O excesso de oleosidade pela falta de higiene adequada, também pode favorecer a proliferação de fungos e bactérias, bem como, a dermatite seborreica (caspa). Para que o cabelo cresça saudável, é fundamental que seja feita correta higienização do couro cabeludo.
   
O fio de cabelo cresce através do acúmulo de proteínas e minerais em sua base (bulbo) e elas são diretamente influenciadas pela nutrição e fatores hormonais. O cabelo está em constante renovação, passa por ciclos de crescimento, repouso e queda. Porém se caírem excessivamente e demorarem a crescer deve-se procurar um profissional a fim de fazer uma avaliação das possíveis causas desta queda. Fatores como hereditariedade, alterações hormonais, uso de medicamentos, utilização de químicas de tratamento capilar, carência nutricional (por exemplo deficiência de ferro), fluxo menstrual na mulher muito intenso ou de duração prolongado, diabetes, alteração da tireóide, gravidez, interrupção do uso de anticoncepcionais, seborréia, dietas restritivas, infecções ou febres, ovário policístico, entre outros; podem interferir na saúde dos cabelos.As vitaminas A, B2, B5, B6, Ferro, Zinco e Biotina são importantíssimas para o crescimento saudável do cabelo. Uma alimentação adequada é o ponto-chave para o desenvolvimento saudável dos cabelos. Procure não tingir ou utilizar outras químicas no cabelo com muita frequência. Cabelos naturais são mais bonitos e crescem muito mais rápido que cabelos cheios de química.
  
Dicas de cuidados:
  •  Use sempre xampu e condicionador adequados ao seu tipo de cabelo: oleoso, normal, seco, misto, colorido etc. 
  • Não use xampu demais nem o coloque diretamente sobre a cabeça. Espalhe-o nas mãos e só depois esfregue-o nos fios e no couro cabeludo, com a ponta dos dedos (nunca com as unhas). O excesso do produto pode provocar irritação, enfraquecimento da raiz, descamação e até queda. 
  • Enxágüe bem os cabelos para retirar o excesso de xampus e condicionadores e use um xampu anti-resíduos uma vez por semana. O produto elimina impurezas e os resíduos de produtos cosméticos que se depositam nos fios, roubando o brilho. 
  • Nunca tome banho de água quente, pois ela abre as cutículas do fio. Prefira água morna ou fria. Se puder, dê a última enxaguada com água fria. A água fria ajuda a fechar as cutículas e devolve o brilho dos cabelos. 
  • Depois de lavar os cabelos, utilize um produto leave-in que intensifica o tratamento dos produtos hidratantes. 
  • Antes de usar o secador retirar o excesso de água com uma toalha, apenas espremendo os fios. Depois trabalhe com o secador a uns 15 centímetros dos fios, em temperatura mínima ou média. Produtos específicos para proteger o cabelo do calor também ajudam evitar que os fios fiquem quebradiços. 
  • Evite ar condicionado, pois deixa o cabelo ressecado e, conseqüentemente, mais frágil, retirando o brilho natural. Para formar uma barreira de proteção aos fios, aplique algumas gotinhas de silicone que ajuda também a selar as pontas duplas. 
  • Evite passar as mãos nos cabelos constantemente, principalmente nos oleosos. 
  • A alimentação é um fator muito importante para manter a beleza dos fios. Procure comer alimentos protéicos - como carnes, leite e ovos - e os ricos em vitaminas do complexo B (presentes em cereais integrais, peixes, frutos do mar e vegetais folhosos), pois eles ajudam a nutrir o couro cabeludo. 
  • Proteja os cabelos do sol. Use chapéu e mantenha-os hidratados. 

Quais as causas do couro com excesso de oleosidade? Como tratar?
 O excesso de oleosidade pode ser constitucioanl (determinado geneticamente), ou estar associado a alterações hormonais, estresse e algumas dermatoses, como dermatite seborreica e acne. Alguns medicamentos, produtos químicos aplicados topicamente e banhos quentes e demorados, também podem desencadear excesso de oleosidade no couro cabeludo.
        
A água quente aumenta a oleosidade do couro cabeludo, propiciando o aparecimento de seborréia e aumentando a queda. Além disso, desencadeia a remoção da camada que promove a hidratação e proteção natural dos fios, deixando-os secos, opacos e com frizzy. O excesso de água quente ocasiona perda de hidratação da haste capilar e estimula o funcionamento das glândulas sebáceas no couro cabeludo, deixando os cabelos oleosos, além de desencadear seborréia (descamação do couro cabeludo – caspa), nos indivíduos predispostos ao problema. Portanto, lave os cabelos com temperatura morna. Se for utilizar água quente, seja breve.
 
Para quem tem cabelos oleosos:
- evite usar condicionador próximo à raiz dos cabelos ou xampus que contenham condicionadores na sua fórmula (2 em 1);
- use xampus adstringentes, com pH neutro ou os específicos para cabelos oleosos (de preferência com indicação do demrtologista);
- evite lavar a cabeça com água quente;
- evite alimentos gordurosos e bebida alcoólica;
- beba bastante água e coma frutas, legumes e verduras;
- cuidado com o estresse, ele pode aumentar a produção de oleosidade;
- além da oleosidade existe caspa e coceira? Pode ser dermatite seborreica. Neste caso, procure um dermatologista para o correto diagnóstico e tratamento.
 
Couro cabeludo que coça muito é sinal de que? Como tratar?
 A causa mais comum de coceira no couro cabeludo é a caspa, ou dermatite seborreica (explicações a seguir), supostamente causada por uma combinação de excesso de oleosidade e crescimento de fungos. Os fatores ambientais e de estilo de vida, tais como produtos capilares, acne, estresse e obesidade, parecem aumentar o risco de desenvolver a doença.
   
Outros distúrbios também podem desencadear coceira no couro cabeludo, incluindo doenças inflamatórias e auto-imunes, infecções, alergias e piolhos. A psoríase, por exemplo, é uma doença inflamatória crônica, que envolve a participação do sistema imunológico e pode levar a coceira intensa e descamação no couro cabeludo. Infecções fúngicas e bacterianas também podem ser responsáveis pelo prurido nessa região.
   
Os piolhos são pequenos insetos que se alimentam de sangue e põem seus ovos no couro cabeludo. Os piolhos não causam sérios problemas de saúde, embora sejam extremamente contagiosos e causem coceira intensa, o que pode levar a traumas da pele e possíveis infecções bacterianas secundárias. Prurido no couro cabeludo, também pode ser causado por alergia ou sensibilidade a produtos para o cabelo, incluindo tinturas, alisantes e outros produtos químicos.
   
Possíveis causas de coceira no couro cabeludo: acne queloidiana (mais comum em negros), dermatite de contato alérgica ou irritativa, dermatite seborreica, dermatite atópica, infecções (fúngicas, bacterianas), piolhos, distúrbios da tireóide, estresse e ansiedade, lúpus, psoríase, queimadura solar, entre outros.
   
O tratamento deve ser direcionado de acordo com a causa do prurido, é muito importante que cada caso seja individualmente avaliado pelo dermatologista que então prescreverá o tratamento adequado. Evitar banhos quentes e produtos químicos sempre ajuda a amenizar o problema.
   
 
Como combater a caspa? Por que elas aparecem?
A caspa, conhecida cientificamente como dermatite seborreica, é uma inflamação crônica da pele que surge em indivíduos geneticamente predispostos, tratando-se portanto de manifestação constitucional. As erupções cutâneas características da doença ocorrem predominantemente nas áreas de maior produção de oleosidade pelas glândulas sebáceas, como, por exemplo, no couro cabeludo.
   
É uma doença de caráter crônico, com períodos de melhora e piora dos sintomas. A causa não é totalmente conhecida e a inflamação pode ser desencadeada/agravada por agentes externos, como alergias, situações de fadiga ou estresse emocional, tempo frio. A presença de um fungo, o Pityrosporum ovale, também está envolvida no aparecimento das lesões. A maior atividade das glândulas sebáceas ocorre sob a ação dos hormônios androgênicos, por isso, o início dos sintomas ocorre geralmente após a puberdade.
   
Tanto em adultos como em crianças a doença não é contagiosa e não é causada por falta de higiene. As manifestações mais frequentes ocorrem no couro cabeludo e são caracterizadas por intensa produção de oleosidade (seborréia), descamação e coceira.
   
A caspa pode variar desde fina descamação até a formação de grandes crostas aderidas ao couro cabeludo. A coceira, que pode ser intensa, é um sintoma frequente nesta região e também pode estar presente com menor intensidade nas outras localizações; vermelhidão e queda de cabelo também podem fazer parte do quadro.
   
O diagnóstico é feito clinicamente por um dermatologista, que irá se basear na localização das lesões e no relato do paciente. O dermatologista poderá necessitar de alguns exames clínicos, como exame micológico, biópsia e teste de contato.
  
Não existe uma forma de prevenir o desenvolvimento ou o reaparecimento da dermatite seborreica. Entretanto, cuidados especiais com a higiene, evitar banhos quentes, secar bem o couro cabeludo e uso de shampoo adequado ao tipo de pele tornam o tratamento mais fácil.
   
É necessário seguir o  tratamento correto, o qual irá depender da localização das lesões e da intensidade dos sintomas, bem como alterar alguns hábitos e eliminar os fatores reguladores, como estresse, má alimentação, tabagismo e consumo de bebida alcóolica.
   
O tratamento precoce das crises é importante, e pode envolver as seguintes medidas: lavagens mais frequentes; interrupção do uso de sprays, pomadas e géis para o cabelo; evitar uso de chapéus ou bonés, shampoos que contenham ácido salicílico, alcatrão, selênio, enxofre, zinco e anti fúngicos; cremes/pomadas também com anti fúngicos e eventualmente com corticosteróide, dentre outros especificados pelo dermatologista.
 
 
Psoríase é causada por quais motivos? Como cuidar?

A psoríase, que atinge 1,5 a 2% da população nos países ocidentais, constitui um distúrbio hereditário da pele com várias expressões clínicas. A apresentação varia nos indivíduos, desde aqueles apenas com poucas placas localizadas até aos com envolvimento generalizado da pele. O tipo mais frequente é a psoríase vulgar, que ocorre sob a forma de placas avermelhadas e descamativas, crônicas e recorrentes, que acometem principalmente o couro cabeludo, cotovelos e joelhos. A doença acomete todas as etnias, sendo, porém, mais comum em caucasianos (brancos) do que em negros. Atinge igualmente homens e mulheres, principalmente na faixa etária entre 20 e 40 anos, mas pode surgir em qualquer fase da vida. Início precoce: o pico de incidência ocorre aos 22,5 anos de idade (nas crianças, a idade média de início é aos 8 anos). Início tardio: começa aproximadamente aos 55 anos. Trata-se de uma doença de pele herdada geneticamente através de herança poligênica (vários genes envolvidos). Quando um dos pais tem psoríase, a propabilidade dos filhos desenvolverem a doença é de 8%; quando ambos apresentam psoríase, a propabilidade sobe para 41%. Cerca de 30% das pessoas que têm psoríase apresentam história de familiares também acometidos. Não é uma doença contagiosa e não há necessidade de evitar o contato físico com outras pessoas.
  
A psoríase é uma doença dermatológica crônica, caracterizada por inflamação e hiperproliferação das células da camada mais superficial da pele. É uma doença de pele não contagiosa, que surge devido a uma rápida reprodução e proliferação das células da pele, causando espessamento, inflamação e descamação. A psoríase pode causar lesões discretas ou ser uma doença grave com lesões extensas e comprometimento das articulações. A psoríase é uma doença crônica e ainda sem cura. A causa ainda não é muito bem compreendida, entretanto, sabe-se que surge devido a interações de fatores genéticos, ambientais e auto-imunes. Atualmente, tem se dado muita atenção ao papel do linfócito T, um dos nossos glóbulos brancos (células de defesa), que parece ser o responsável pela inflamação da pele na psoríase. Os linfócitos T normalmente combatem organismos invasores, mas na psoríase ele inapropriadamente passa a considerar as células da pele como agentes intrusos, atacando-as. O ataque do sistema imune contra a pele, além de causar intensa inflamação, estimula a produção de novas células para substituição das lesadas, causando uma rápida proliferação de novo tecido. Como as células mortas não conseguem ser eliminadas tão rapidamente, a pele começa a ficar mais espessa, pois as novas camadas formadas empurram as antigas para a superfície. Deste processo surgem as lesões típicas da psoríase. Fenômenos emocionais são frequentemente relacionados com o aparecimento das lesões, ou, com a piora de um quadro já estabelecido, provavelmente atuando como fator desencadeante em indivíduos com predisposição genética para a doença. O estresse é considerado um fator que exacerba a psoríase em 40% dos adultos e em percentual maior nas crianças..
   
A psoríase do couro cabeludo pode ser tratadas de diferentes maneiras, dependendo do grau de acometimento. Nas formas brandas, com ausência de placas espessas, podem ser usados xampus, como o de alcatrão, seguidos da aplicação de corticosteróides de média a alta potência. Nas formas graves, com placas aderentes e espessas, devem ser removidas as escamas com produtos ceratolíticos e óleos e, também, é recomendado o uso de corticosteróides, de preferência, oclusivos. Nas formas não responsivas ao tratamento tópico, pode ser feito tratamento sistêmico, como monoterapia, ou terapia combinada ou alternada, bem como fototerapia com PUVA por via oral ou UVB narrow band.
  
Existem alguns fatores que pioram as lesões e que devem ser evitados no dia-a-dia. Traumatismo: é o principal fator no desencadeamento das lesões, esfregar e coçar estimula o processo psoriático proliferativo. Estresse: considerado um fator que exacerba a psoríase em 40% dos adultos. Fármacos: corticosteróides sistêmicos, lítio, antimaláricos, interferon e beta-bloqueadores, podem agravar a psoríase. A ingestão de álcool é um possível fator desencadeante, portanto, deve ser evitada.
Tudo sobre Cabelo
O cabelos existe para proteger regiões, como o couro cabeludo, contra a ação do frio, do calor e do excesso de luz solar. Além disso, também revelam a saúde do nosso organismo e podem sofrer por causa de doenças internas, ou mesmo, agressões externas, como o uso de produtos inadequados ou excesso de química (tinturas, por exemplo) e de sol. No caso de doenças eles podem cair ou afinar e, em relação às tinturas, podem ressecar.
   
No couro cabeludo existem de 100 mil a 150 mil fios. O cabelo tem um ciclo de vida continuado e passa por fases de crescimento e de repouso. Cada fio vive uma etapa específica, que se distribui em 85% no período de crescimento (anágena) e 15% no período de repouso (telógena). Isso significa que temos sempre mais cabelo crescendo do que caindo. A duração da fase de crescimento é, em média, de quatro anos.
   
A queda de alguns fios ao lavar ou pentear é normal, perdemos cerca de 100 fios por dia. É preciso, sim, prestar atenção quando houver aumento significativo da quantidade de fios que caem. Nesse caso, procure um dermatologista.
   
O fio é composto principalmente por queratina, proteína que possui alta concentração de cisteína – aminoácido responsável pela elasticidade e flexibilidade do cabelo. A camada externa é a cutícula, composta por camadas de células de queratina sobrepostas como escamas, é transparente e tem como função proteger o córtex contra agressões externas, além de manter a maciez e o brilho dos cabelos. O córtex é a parte mais importante do fio de cabelo, sendo responsável por sua elasticidade e resistência. Sua estrutura é composta por queratina, cuja composição tem muitos aminoácidos, entre eles a cisteína, responsável pelas pontes de enxofre, que ligam de maneira consistente a queratina à estrutura do fio. No interior do córtex, dentro das células queratinizadas, está a melanina – proteína responsável pela cor dos fios. A camada mais interna do cabelo é a medula. Seu canal pode estar vazio ou preenchido por queratina esponjosa. Ao sofrer impacto por produtos químicos agressivos pode quebrar até desaparecer.
   
Cabelos bonitos possuem cutícula íntegra e saudável, ou seja, suas escamas se mantêm encaixadas de forma perfeita para envolver a haste capilar, que é a parte visível do fio. Quando a cutícula é agredida, ela racha e se desprega, formando as pontas duplas. O cuidado diário é muito importante e envolve a escolha de produtos adequados ao tipo de cabelo, sempre com atenção para os que possuem aprovação dos órgãos de saúde, como a Anvisa.
   
Os xampus são formulações que contêm substâncias que limpam os fios e couro cabeludo, evitando dermatites, caspa e infecções por fungos e bactérias. Hoje há produtos com funções mais complexas, como aumentar ou diminuir o volume, restaurar e facilitar o ato de pentear.
   
Os indicados para cabelos oleosos possuem mais componentes de limpeza, enquanto os formulados para cabelos secos apresentam mais elementos condicionadores. Existem os que contêm agentes anti-caspa, vitaminas e hidratantes. O ideal é a pelo menos cada 15 dias, lavar os cabelos com um xampu anti-resíduo para eliminar produtos que se acumulam nos fios, deixando-os com aspecto pesado. Também é interessante alternar pelo menos dois tipos de xampus.
   
Existem ainda os condicionadores. Ricos em proteínas, eles têm como função devolver a gordura natural perdida durante a lavagem. Também devem deixar os cabelos fáceis de pentear e restaurar a uniformidade dos fios agredidos química ou mecanicamente. Dê preferência aos que são feitos com extratos de substâncias naturais, como jojoba, ou enriquecidos com proteínas. Por último, protegem os fios da fricção, diminuindo a eletrostática.
   
Uma causa comum da fragilidade dos fios é o uso do secador em alta temperatura. O aquecimento provoca a evaporação da água natural dos fios, enfraquecendo-os. Muitas pessoas têm dúvida se as substâncias modeladoras, como gel e fixador sem álcool, causam danos. Esses produtos não prejudicam e, quando são de boa qualidade, não provocam queda de cabelo.
   
Colorir os cabelos é uma das mudanças visuais mais praticadas pelas mulheres. Com mais tinturas sofisticadas e de melhor qualidade à mão, praticamente não há risco de ocorrer queda em função desse procedimento. Existem duas técnicas básicas para colorir os fios: tintura temporária e permanente. Na primeira, usa-se tonalizante – um tipo de xampu, indicado para realçar o tom natural do cabelo e esconder os fios brancos. Essa tintura, dura em média 20 lavagens e não possui produtos em sua formulação que abram as escamas do cabelo. Já a tintura permanente é a que em geral tem amônia e água oxigenada na fórmula para que possa alterar a cor original do fio. Como tem duração mais longa e é mais agressiva, deve ser aplicada por um profissional.
   
Alisamento, relaxamento e permanente são processos químicos semelhantes na sua origem. Todos alteram a forma original das hastes, que é determinada pelas pontes químicas de hidrogênio e enxofre, responsáveis naturais pela distribuição da queratina dentro do cabelo. Ao alterar essa forma para alisar um cabelo encaracolado ou encaracolar um cabelo liso, usa-se um produto que abre a cutícula. Em seguida, é aplicado outro que quebra as pontes de enxofre. Logo após, posiciona-se o cabelo na forma desejada e neutraliza-se a substância para estabilizar os fios, que ficarão lisos ou cacheados até que essas pontes químicas se refaçam.
   
Uma forma rápida de obter o mesmo resultado é usar produtos que aplicam calor nos fios, como a chapinha larga para alisar e a estreita para enrolar. O aquecimento local quebra as pontes de hidrogênio, que são mais fracas e mantêm a modelagem desejada até o cabelo ser lavado novamente.
   
Nos dois casos. A haste sofre, pois não há como evitar a desidratação dos fios. É por isso que os cabelos modificados quimicamente são mais desidratados e devem ser submetidos a banhos com cremes hidratantes pelo menos uma vez por semana.
   
Nos últimos anos surgiram novas formas para alisar o cabelo, como a escova progressiva e suas variantes, a escova francesa, o alisamento japonês, entre outras. Produtos alisantes registrados na Anvisa não oferecem riscos à saúde. Mas muitos salões de beleza acrescentam formol a seus preparados. Usam concentrações maiores do que 0,5%, proibidas pela agência. O formol é tóxico, pode causar irritação nas mucosas e, dependendo da quantidade, acaba sendo absorvido pelo organismo e causa sérios problemas.
   
Para ter cabelos saudáveis e bonitos são necessários cuidados tão importantes como os cuidados com a sua pele. A melhor maneira de prevenir e reparar as agressões aos cabelos é entender como ocorrem os danos.

Os danos aos cabelos resultam de traumas mecânicos e químicos que alteram as estruturas físicas do cabelo. O cabelo tem três camadas básicas, a cutícula, o córtex e a medula. A cutícula é camada mais externa da escala de proteção. É a principal estrutura do cabelo e é responsável pela força, brilho, textura, maciez e maleabilidade dos fios. Existe também uma camada de sebo, uma substância oleosa secretada pelos folículos capilares, que recobre a cutícula e adiciona brilho e maleabilidade ao cabelo. O córtex fornece força ao eixo do cabelo, e determina a cor e a textura. A medula é a camada mais interna do cabelo onde são determinados o corpo e a força do cabelo.

A cutícula pode ser lesada por meios químicos ou mecânicos, como descoloração ou secadores de cabelos. Os fatores ambientais, como exposição à luz solar, poluição, vento, água do mar ou de piscina também podem causar danos. Quando a cutícula é agredida por esses fatores, a proteção é diminuída e as outras camadas do cabelo são expostas. Em alguns casos, até mesmo a camada mais interna, a medula, é exposta e pode sofrer danos.

Há quatro fatores que são muito importantes para um cabelo saudável: brilho, eletricidade estática, força e exposição solar.
 
 Brilho
Cabelo brilhante sempre foi comparado com cabelo saudável, mesmo que a saúde de um folículo capilar não possa ser determinada devido a sua localização dentro do couro cabeludo. Esse brilho é devido à luz refletida por uma superfície lisa. Se as cutículas estão abertas, em conseqüência das agressões citadas acima, os fios não retêm água nem proteínas e a superfície do fio de cabelo fica porosa, não refletindo a luz.

Condicionadores contendo agentes que formam uma película sobre o fio podem aumentar o brilho dos cabelos e ajudar as camadas de cutículas a cobrirem o eixo dos cabelos dando uma aparência mais lisa ao cabelo.
 
Eletricidade estática
Pentear ou escovar o cabelo faz com que os fios se tornem carregados negativamente, criando eletricidade estática e deixando os fios arrepiados. Cabelos finos são mais suscetíveis à eletricidade estática que os cabelos mais grossos devido à maior área de superfície da cutícula. Os condicionadores que contêm amônia quaternária podem reduzir a eletricidade estática por produzirem uma carga positiva nos fios, neutralizando a eletricidade estática.
 
Força
Condicionadores com ingredientes como proteínas hidrolisadas ou queratina capilar humana hidrolisada, que possuem um baixo peso molecular, ajudam a aumentar a força dos cabelos. Elas penetram facilmente nos fios, nutrindo-os.

Estas proteínas também podem ser usadas para as "pontas duplas". As "pontas duplas" ocorrem depois que a cutícula protetora foi desnudada das fibras do cabelo em conseqüência de substância química ou trauma físico, mas também pode ser um resultado de escovação vigorosa. Enquanto não há nenhum meio de reverter as "pontas duplas", aparar as pontas a cada 2 ou 3 meses e tratamentos de condicionamento profundo ajudam a manter os fios flexíveis e com boa aparência.
 
Exposição solar

A exposição aos raios UV pode induzir a oxidação das moléculas de enxofre dentro do eixo capilar, que são importantes para a força dos cabelos. Quando ocorre essa oxidação, os cabelos de tornam quebradiços, ressecados e ásperos.

Os cabelos descoloridos ou com luzes podem também apresentar pequenas mudanças de cor quando expostos aos raios UV. O cabelo loiro pode desenvolver um "foto-descoloramento", deixando-os amarelados. Até mesmo os cabelos castanhos podem mudar de cor, tendem a desenvolver uma coloração avermelhada devido à oxidação dos pigmentos de melanina.

Para proteger seus cabelos dos danos causados pelos raios solares, procure usar condicionadores "leave-in" que contenham óxido nítrico. Outra proteção são os bonés e chapéus feitos de materiais sólidos.
 
 Dicas para o cuidado diário
  • Use sempre xampu e condicionador adequados ao seu tipo de cabelo: oleoso, normal, seco, misto, colorido etc.
  • Não use xampu demais nem o coloque diretamente sobre a cabeça. Espalhe-o nas mãos e só depois esfregue-o nos fios e no couro cabeludo, com a ponta dos dedos (nunca com as unhas). O excesso do produto pode provocar irritação, enfraquecimento da raiz, descamação e até queda.
  • Enxágüe bem os cabelos para retirar o excesso de xampus e condicionadores e use um xampu anti-resíduos uma vez por semana. O produto elimina impurezas e os resíduos de produtos cosméticos que se depositam nos fios, roubando o brilho.
  • Nunca tome banho de água quente, pois ela abre as cutículas do fio. Prefira água morna ou fria. Se puder, dê a última enxaguada com água fria. A água fria ajuda a fechar as cutículas e devolve o brilho dos cabelos.
  • Depois de lavar os cabelos, utilize um produto leave-in que intensifica o tratamento dos produtos hidratantes.
  • Antes de usar o secador retirar o excesso de água com uma toalha, apenas espremendo os fios. Depois trabalhe com o secador a uns 15 centímetros dos fios, em temperatura mínima ou média. Produtos específicos para proteger o cabelo do calor também ajudam evitar que os fios fiquem quebradiços.
  • Evite ar condicionado, pois deixa o cabelo ressecado e, conseqüentemente, mais frágil, retirando o brilho natural. Para formar uma barreira de proteção aos fios, aplique algumas gotinhas de silicone que ajuda também a selar as pontas duplas.
  • Evite passar as mãos nos cabelos constantemente, principalmente nos oleosos.
  • A alimentação é um fator muito importante para manter a beleza dos fios. Procure comer alimentos protéicos - como carnes, leite e ovos - e os ricos em vitaminas do complexo B (presentes em cereais integrais, peixes, frutos do mar e vegetais folhosos), pois eles ajudam a nutrir o couro cabeludo.
  • Proteja os cabelos do sol. Use chapéu e mantenha-os hidratados.
  • Para quem tem cabelos ressecados e com ponta dupla :
- use condicionadores após o xampu.
- use regeneradores de pontas após o banho.
- evite pentear frequentemente os cabelos.
- evite o calor intenso dos secadores.
  •  Para quem tem cabelos oleosos:
- evite usar condicionador próximo à raiz dos cabelos ou xampus que contenham condicionadores na sua fórmula (2 em 1).
- evite lavar a cabeça com água quente.
- evite alimentos gordurosos e bebida alcoólica.
- beba bastante água e coma frutas, legumes e verduras.
- cuidado com o estresse, ele pode aumentar a produção de oleosidade.
- além da oleosidade existe caspa e coceira? Pode ser dermatite seborreica. Neste caso, procure um dermatologista para o correto diagnóstico e tratamento.
 
 “Xampu Sem Sal”
Os xampus sem sal viraram moda. Os cabeleireiros recomendam, principalmente para os fios danificados por processos químicos ou colorações, com a justificativa de que são menos agressivos. No entanto, o que importa mesmo é a acidez (pH) e não a salinidade.
 
A função do sal (cloreto de sódio) é fazer espuma e encorpar o produto. Também é usado para retirar os resíduos que os outros componentes não conseguem remover. O sal pode causar ressecamento do couro cabeludo e dos cabelos. Por esse motivo, xampus com a substância são indicados para cabelos oleosos. Em cabelos coloridos, pode acarretar desbotamento. Porém, nas concentrações usualmente utilizadas o cloreto de sódio não causa danos aos fios. Na verdade, a “má-fama” do sal não se comprova cientificamente. Os sais provocam a formação de uma espuma mais viscosa, enquanto o agente de limpeza é o lauril sulfato de sódio. Nenhum malefício está comprovado, já que os sais são utilizados em quantidades pequenas e se diluem em água, o que significa que são facilmente eliminados durante o processo de enxágue, não interferindo nos fios.
  
Um estudo independente desenvolvido pela Universidade de São Paulo, o Instituto Schulman de Investigação Científica, a Universidade Anhembi Morumbi e a International Specialty Products concluiu que não existem diferenças relevantes ao comparar a performance de xampus com cloreto de sódio e aqueles que não possuem esse ingrediente em sua fórmula.
Tudo sobre Escova Progressiva
Entenda os prós e contras do tratamento que alisa os cabelos

O maior vilão desse procedimento é o formol, que deve estar na quantidade de 0,2%  ou menos
 
O que é a escova progressiva

A escova progressiva é um método de alisamento e redução do volume dos cabelos, diminuindo também o frizz. Ela é chamada dessa forma porque, a cada vez que se realiza esse procedimento, o cabelo apresenta melhores resultados nesses quesitos.
 
Inicialmente as escovas progressivas costumavam ter formol, mas como a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou que esses tratamentos devem ter apenas 0,2% do produto, devido aos riscos para a saúde, hoje ele foi praticamente retirado da fórmula.
 
Outros nomes
Defrizz
 
Indicações escova progressiva
O método é indicado como uma forma de alisamento, além de retirar o frizz e o volume dos cabelos. Normalmente ele é indicado para mulheres que tem cabelos crespos e volumosos, mas contraindicado para mulheres de cabelo afro, pois esses fios costumam a ser mais porosos, portanto podem ser danificado pelo método.
 
Como é feita escova progressiva
No salão, o primeiro passo é lavar os cabelos com um xampu de limpeza profunda. Depois o cabelo é secado e o cabeleireiro aplica o produto. Então, o cabelo é secado novamente com o produto e o profissional depois modela os fios com a chapinha, permitindo que eles fiquem lisos. Por fim é feito um enxague e um creme de tratamento é aplicado para finalizar.
 
Hoje, a maior parte das escovas é feita com carbocisteína, um aminoácido que abre as estruturas do fio, o que permite que o alisamento seja feito depois com a ação da chapinha. Porém, para que o cabelo fique liso mesmo, é preciso depois os fios sejam fechados novamente. Nesse momento que o formol atuava, mas, apesar da quantidade recomendada pela Anvisa ser a mais segura para a saúde, ela não é suficiente para que o produto cumpra seu efeito. Por isso mesmo, ele normalmente é substituído pelo tioglicolato de amônio e a etalonamina, substâncias semelhantes a ele, mas que causam muito menos dano aos cabelos.
 
Entre os danos causados pelo formol na saúde podemos listar queimadura, descamação do couro cabeludo, queda do cabelo, ardência nos olhos, falta de ar, tosse, dor de cabeça, enjoo, vômito, desmaio. No entanto, alguns produtos ainda podem ter formol em sua formulação. É fácil perceber isso quando o produto solta fumaça, já que esse produto tem um cheiro característico. Mas, para não ser pego de surpresa na hora, o ideal é pedir para verificar se na embalagem está escrito que contém formaldeído ou poliformol.
 
Sessões
Os efeitos da escova progressiva duram por entre três a cinco meses, dependendo do cabelo e do número de lavagens, já que o produto tende a sair saindo quanto mais os fios são lavados. Normalmente, o momento de refazer o tratamento é quando a raiz já cresceu e começa a incomodar. Ela é chamada de progressiva porque, a cada vez que se realiza esse procedimento, o cabelo apresenta melhores resultados no alisamento e na redução do frizz e volume.
 
Quem é o profissional apto a fazer a escova progressiva?
A escova progressiva é um procedimento complexo, que mexe com produtos químicos que pedem atenção. Por isso mesmo, ela deve ser feita com um cabeleireiro de confiança, e jamais deve ser feita em casa ou em um local em que você não confia.
 
Cuidados antes escova progressiva
Não são necessários quaisquer cuidados especiais antes da realização da escova progressiva.
 
Cuidados após escova progressiva
Após a escova progressiva, o mais indicado é que se evite usar xampus de limpeza profunda ou anti-resíduos, pois eles diminuem a duração do efeito deste procedimento. Além disso, é muito indicado que se faça hidratação mais vezes, já que a progressiva resseca muito as pontas dos cabelos e também pode torna-los elásticos, pois muda a distribuição da queratina ao longo dos fios. Mas nada de fazer hidratação com limpeza profunda, ou ele agirá da mesma forma que o xampu para essa finalidade.
 
Outro cuidado importante é evitar dormir de cabelos molhados, pois isso muda a estrutura do fio, não importa se você fez escova progressiva ou não!
 
Contraindicações
Pessoas com couro cabeludo sensível e cabelos muito oleosos não devem fazer a escova progressiva, por causar ainda mais sensibilidade e oleosidade no couro. Além disso, pessoas com cabelos virgens não são totalmente contraindicadas, mas normalmente não obtêm os melhores resultados ao fazer essa técnica.
 
Grávida pode fazer?
O ideal é que grávidas evitem o procedimento, pois são usadas químicas que podem afetar sua saúde e a do bebê. Na dúvida, o ideal é prevenir.
 
Possíveis complicações da escova progressiva
Escovas progressivas feitas com formol acima da quantidade recomendada pela Anvisa, ou seja, 0,2% do produto, podem causar diversos problemas de saúde, como queimadura, descamação do couro cabeludo, queda do cabelo, ardência nos olhos, falta de ar, tosse, dor de cabeça, enjoo, vômito, desmaio, entre outros.
 
Além disso, alguns profissionais podem cometer um erro na hora de fazer a chapinha. Esses aparelhos podem atingir uma temperatura de 230 graus Celsius, enquanto os cabelos aguentam no máximo 200 ºC. Ao usar a chapinha na temperatura máxima, as fibras capilares são queimadas e o cabelo fica danificado, mas isso só é percebido após um tempo, quando o produto da progressiva começa a deixar os fios.
 
Resultados
Em geral, os cabelos ficam lisos e sem volume, com uma redução no efeito frizz dos fios. Algumas vezes, porém, os cabelos podem ficar com um aspecto chapado, já que o volume e as ondas são totalmente retirados. Isso acontece porque a escova progressiva deixa um resíduo, que pode ir se acumulando nos fios, tornando-os cada vez mais lisos. Se o cabelo chapou e você não gostou do resultado, você pode conversar com seu cabeleireiro e fazer uso de um reconstrutor de cachos, que faz com que os fios ganhem ondulação. Mas se você quer volume sem cachos, a única solução é esperar o produto sair dos cabelos.
 
Alie escova progressiva com...
Hidratação
É muito importante fazer hidratação continuamente após a escova progressiva, mesmo que seja em casa. O processo ajuda a manter os fios brilhantes e bem nutridos, algo importante, pois a progressiva tende a ressecar os fios, principalmente as pontas.
« Voltar